Cri­se eco­nó­mi­ca e de­ter­mi­na­ção

Jornal de Angola - - PARTADA - LUCIANO ROCHA |

A eco­no­mia an­go­la­na, que se de­sen­vol­via sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te até ao iní­cio da cri­se eco­nó­mi­ca mun­di­al, cau­sa­do­ra de na­tu­rais re­du­ções de ven­das e com­pras ao es­tran­gei­ro, vol­ta a apre­sen­tar pers­pec­ti­vas de um fu­tu­ro me­lhor.

O pi­or da cri­se, que en­ca­re­ceu o dia-a-dia de to­dos nós, es­pe­ci­al­men­te da­que­les com me­no­res re­cur­sos fi­nan­cei­ros, pa­re­ce es­tar ul­tra­pas­sa­do de­vi­do a uma sé­rie de me­di­das go­ver­na­men­tais, mas tam­bém, é bom su­bli­nhar, à ca­pa­ci­da­de de um po­vo ha­bi­tu­a­do a ven­cer ad­ver­si­da­des e rein­ven­tar sor­ri­sos nas ho­ras mais amar­gas.

A cri­se afec­tou o quo­ti­di­a­no de mui­tos an­go­la­nos, prin­ci­pal­men­te lu­an­den­ses, obri­ga­dos a pri­va­rem-se de “lu­xos”: os “pré-jan­ta­res” ao fi­nal de tar­de en­quan­to aguar­da­vam o de­sa­nu­vi­ar do trân­si­to au­to­mó­vel pa­ra po­de­rem che­gar a ca­sa, as noi­ta­das de sex­ta­fei­ra, as rou­pas de mar­ca, vi­a­gens ao es­tran­gei­ro. Mas be­lis­cou, tam­bém, a cer­te­za de po­de­rem a qual­quer ho­ra com­prar em gran­des ou pe­que­nas su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais o que qui­ses­sem a pre­ços nor­mais, sem que açam­bar­ca­do­res se ti­ves­sem an­te­ci­pa­do.

O an­go­la­no, par­ti­cu­lar­men­te o ka­lu­an­da, até com a car­tei­ra cheia de qua­se na­da, mes­mo que pro­tes­te con­tra tu­do e to­dos me­nos com ele, que não se­guiu o exem­plo da ci­gar­ra - não dei­xa de rir, de far­rar, de in­ter­pre­tar, se pre­ci­so, o pa­pel da ci­gar­ra. Aci­ma de tu­do, não per­de a es­pe­ran­ça.

A cri­se afec­tou – a uns mais, a ou­tros me­nos – a vi­da par­ti­cu­lar de ca­da um de nós. Pi­or, foi ter atin­gi­do o país no seu to­do, com o adi­a­men­to da re­cu­pe­ra­ção e edi­fi­ca­ção de ar­ru­a­men­tos, bair­ros, bar­ra­gens, ci­da­des, es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no e de saú­de, es­tra­das na­ci­o­nais, fá­bri­cas, pon­tes. A agri­cul­tu­ra, a pe­cuá­ria e a pes­ca sen­ti­ram igual­men­te os efei­tos da si­tu­a­ção, bem co­mo as tro­cas co­mer­ci­ais. Por re­fle­xo, o kwan­za per­deu co­ta­ção.

Al­guns en­ten­di­dos na ma­té­ria – não me re­fi­ro “aos sa­bem tu­do” - afir­mam que a cri­se po­de ser útil pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la. Dis­cor­do em ab­so­lu­to. Con­ti­nuo a pen­sar que não há mal que ve­nha por bem. No que acre­di­to é na de­ter­mi­na­ção e ca­pa­ci­da­de de um po­vo que, na de­fe­sa da in­te­gri­da­de do so­lo pá­trio, der­ro­tou ini­mi­gos em mai­or nú­me­ro e me­lhor ape­tre­cha­dos, das cin­zas, em pou­co mais de uma dé­ca­da de paz, fez um país ad­mi­ra­do e res­pei­ta­do no mun­do, até por an­ti­gos ini­mi­gos de­cla­ra­dos, impôs-se a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal, com o de­sem­pe­nho de car­gos em or­ga­nis­mos de­ci­só­ri­os, on­de fez ou­vir a voz na de­fe­sa dos di­rei­tos de um Es­ta­do so­be­ra­no co­mo o nos­so, na de­fe­sa de ou­tros, mas tam­bém pa­ra te­cer crí­ti­cas a quem en­ten­deu que as me­re­cia.

An­go­la - que mes­mo an­tes do eclo­dir da cri­se in­ter­na­ci­o­nal que ou­tros cri­a­ram ini­ci­a­ra já o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção eco­nó­mi­ca - da mes­ma for­ma que, no tem­po “das va­cas gor­das” não se dei­tou “de pa­po pa­ra o ar” “à som­bra da ba­na­nei­ra”, não se es­ten­de ago­ra na es­tei­ra das la­men­ta­ções. Re­cu­sou o pa­pel da car­pi­dei­ra pro­fis­si­o­nal à es­pe­ra de be­nes­ses, con­ti­nu­ou de man­gas ar­re­ga­ça­das na pro­cu­ra de saí­das pa­ra o pro­ble­ma que lhe en­trou pe­la por­ta den­tro por de­so­nes­ti­da­de e in­com­pe­tên­cia de ter­cei­ros e pre­pa­ra-se pa­ra dar mais uma li­ção de dig­ni­da­de a quem qui­ser apren­der.

Nas pe­que­nas la­vras, fa­zen­das, mi­nas, ofi­ci­nas, ma­res, ri­os, ao vo­lan­te de ca­miões, ma­chim­bom­bos e tá­xis, nas lo­jas, can­ti­nas, es­co­las, ga­bi­ne­tes ofi­ci­ais, es­cri­tó­ri­os, quar­téis, As­sem­bleia Na­ci­o­nal, on­de es­tá re­pre­sen­ta­do, o po­vo an­go­la­no pros­se­gue o ca­mi­nho que tra­çou, quan­do em 4 de Fe­ve­rei­ro de 1961, ini­ci­ou a lu­ta ar­ma­da de Li­ber­ta­ção Na­ci­o­nal.

Os an­go­la­nos vão ter de con­ti­nu­ar ain­da por al­gum tem­po a vi­ver com res­tri­ções, mas co­mo lem­brou não há mui­to tem­po o Pre­si­den­te Jo­sé Eduardo dos San­tos “o mais di­fí­cil es­tá fei­to”. Uma vez mais, ir­ma­na­dos no es­pí­ri­to de so­li­da­ri­e­da­de e que­rer, hão-de ga­nhar mais es­ta ba­ta­lha e pre­en­cher ou­tra pá­gi­na bri­lhan­te da nos­sa His­tó­ria des­ti­na­da a ser re­cor­da­da, co­mo tan­tas ou­tras, pe­los vin­dou­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.