Re­ser­vas do país con­ti­nu­am al­tas

PROPOSTA DE LEI DO OGE APROVADA NA GENERALIDADE

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁCIO |

As re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das de An­go­la, que pas­sa­ram de 24,6 mil mi­lhões pa­ra 22,7 mil mi­lhões de dó­la­res, con­ti­nu­am a um ní­vel su­fi­ci­en­te­men­te al­to pa­ra con­fe­rir con­fi­an­ça aos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais, as­se­gu­rou on­tem o mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil quan­do lia a men­sa­gem do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca à As­sem­bleia Na­ci­o­nal so­bre a Proposta de Lei do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2017, on­tem aprovada na generalidade. Pe­ran­te os de­pu­ta­dos, Ma­nu­el da Cruz Ne­to afir­mou que den­tre os pro­gra­mas es­tra­té­gi­cos do Es­ta­do, con­tem­pla­dos no ac­tu­al Or­ça­men­to, ga­nham par­ti­cu­lar re­al­ce os re­fe­ren­tes aos pro­gra­mas de con­tro­lo da in­fla­ção, de sus­ten­ta­bi­li­da­de das con­tas pú­bli­cas, de re­gu­la­ção do sec­tor fi­nan­cei­ro e da es­ta­bi­li­da­de cam­bi­al, que vi­sa ga­ran­tir a sol­vên­cia ex­ter­na da eco­no­mia, a re­du­ção da ta­xa de in­fla­ção e a ma­nu­ten­ção dos ní­veis ne­ces­sá­ri­os pa­ra o co­mér­cio ex­ter­no. O OGE pa­ra 2017 con­tem­pla flu­xos glo­bais de re­cei­ta fis­cal de 3,6 tri­liões de kwan­zas e de des­pe­sas fis­cais fi­xa­das em 4,7 tri­liões de kwan­zas. O ce­ná­rio fis­cal pa­ra 2017 pre­vê uma re­du­ção con­si­de­rá­vel das des­pe­sas com os sub­sí­di­os de cer­ca de 19,3 por cen­to, com­pa­ra­ti­va­men­te ao OGE Re­vis­to de 2016, tra­du­zin­do uma pos­tu­ra de ra­ci­o­na­men­to de gas­tos fis­cais com as sub­ven­ções.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, en­vi­ou on­tem uma men­sa­gem à As­sem­bleia Na­ci­o­nal, na qual afir­ma que o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano pro­mo­ve a di­ver­si­fi­ca­ção da ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca pa­ra o au­men­to das ex­por­ta­ções, da efi­ci­ên­cia das ins­ti­tui­ções e a con­so­li­da­ção de um sis­te­ma fi­nan­cei­ro que ga­ran­ta a es­ta­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia.

Na men­sa­gem li­da pe­lo mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Ma­nu­el da Cruz Ne­to, o Che­fe de Es­ta­do con­si­de­ra o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano de­ci­si­vo pa­ra o pro­ces­so de di­ver­si­fi­ca­ção e in­dus­tri­a­li­za­ção do país e ga­ran­tiu que o Exe­cu­ti­vo pro­cu­rou de­fi­nir uma es­tru­tu­ra de des­pe­sas que ma­xi­mi­ze os re­sul­ta­dos so­ci­ais a lon­go pra­zo.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca en­ten­de que de­vem ser cri­a­das as con­di­ções pa­ra a con­so­li­da­ção de ba­ses pa­ra a trans­for­ma­ção in­clu­si­va da eco­no­mia, com vis­ta ao au­men­to da sua com­pe­ti­ti­vi­da­de ex­ter­na e dos ín­di­ces de em­pre­go.

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos ex­pli­cou, na men­sa­gem, que a edi­fi­ca­ção de uma eco­no­mia di­ver­si­fi­ca­da e mo­der­na pres­su­põe um con­jun­to de al­te­ra­ções nas “re­gras do jo­go eco­nó­mi­co”, que de­vem ser im­ple­men­ta­das de acor­do com me­to­do­lo­gi­as que ga­ran­tam a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de, bem co­mo a adap­ta­ção de di­fe­ren­tes ti­pos de em­pre­sas e de or­ga­ni­za­ção.

O or­ça­men­to as­sen­ta em me­di­das a se­rem im­ple­men­ta­das ao lon­go do ano pa­ra a me­lho­ria da cir­cu­la­ção mer­can­til e ex­pan­são da pro­du­ção in­ter­na de pro­mo­ção de ex­por­ta­ções. Den­tre as po­lí­ti­cas ma­cro­e­co­nó­mi­cas e so­ci­ais a se­rem adop­ta­das no Or­ça­men­to do pró­xi­mo ano, o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca men­ci­o­nou as que em pri­mei­ra ins­tân­cia con­tri­bu­em pa­ra a con­ti­nu­a­ção do de­sen­vol­vi­men­to ple­no e in­te­gral do país.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca des­ta­cou o con­jun­to de pro­gra­mas e pro­jec­tos de ca­rác­ter eco­nó­mi­co, em par­ti­cu­lar os de de­sen­vol­vi­men­to de in­fra-es­tru­tu­ra so­ci­al. Nos pro­gra­mas es­tra­té­gi­cos do Es­ta­do con­tem­pla­dos no OGE des­ta­cam-se os pro­gra­mas de con­tro­lo de in­fla­ção, de sus­ten­ta­bi­li­da­de das con­tas pú­bli­cas, de re­gu­la­ção ex­ter­na da eco­no­mia, re­du­ção da ta­xa de in­fla­ção e ma­nu­ten­ção dos ní­veis ne­ces­sá­ri­os pa­ra o co­mér­cio ex­ter­no.

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca su­bli­nhou que os re­cur­sos ex­ter­nos, que pas­sa­ram de 24,667 mil mi­lhões de dó­la­res, pa­ra 22,766 mil mi­lhões, con­ti­nu­am a um ní­vel su­fi­ci­en­te­men­te al­to pa­ra con­fe­rir con­fi­an­ça aos par­cei­ros in­ter­na­ci­o­nais e ga­ran­tiu que o qua­dro ma­cro­e­co­nó­mi­co de re­fe­rên­cia pa­ra o exer­cí­cio de 2017 apon­ta pa­ra uma me­lho­ria do de­sem­pe­nho da eco­no­mia na­ci­o­nal. A ta­xa de cres­ci­men­to do PIB re­al é de 2,1 por cen­to, mai­or do que a pro­jec­ta­da pa­ra 2016, que foi de 1,1 por cen­to.

Es­te or­ça­men­to pre­vê que o sec­tor pe­tro­lí­fe­ro cres­ça 1,8 por cen­to e o não-pe­tro­lí­fe­ro 2,3 por cen­to. O de­sem­pe­nho do sec­tor não-pe­tro­lí­fe­ro é po­si­ti­va­men­te de­ter­mi­na­do pe­los sec­to­res da ener­gia, com 40,2 por cen­to, agri­cul­tu­ra, 7,3 por cen­to, cons­tru­ção, 2,3 por cen­to, e a in­dús­tria trans­for­ma­do­ra, com qua­tro por cen­to.

O Or­ça­men­to Ge­ral de Es­ta­do de 2017 con­tem­pla flu­xos glo­bais de re­cei­ta fis­cal de 3.667,8 mil mi­lhões de kwan­zas e de des­pe­sas fis­cais fi­xa­das em 4.715,6 mil mi­lhões, cor­res­pon­den­do, res­pec­ti­va­men­te, a 18,6 por cen­to e 23,9 por cen­to do PIB, o que re­sul­ta num dé­fi­ce glo­bal de 1.047,8 mil mi­lhões, ou se­ja, 5,3 por cen­to do PIB.

O ce­ná­rio fis­cal pa­ra 2017 pre­vê ain­da uma re­du­ção con­si­de­rá­vel das des­pe­sas com os sub­sí­di­os de cer­ca de 19,3 por cen­to com­pa­ra­ti­va­men­te ao OGE re­vis­to de 2016 , tra­du­zin­do uma pos­tu­ra de ra­ci­o­na­men­to de gas­tos fis­cais com as sub­ven­ções.

Des­te mo­do, a dis­tri­bui­ção da des­pe­sa com o sec­tor so­ci­al cor­res­pon­de a 38,5 por cen­to da des­pe­sa fis­cal to­tal, en­quan­to a des­pe­sa com o sec­tor da de­fe­sa e or­dem pú­bli­ca cor­res­pon­de a 20,33 por cen­to. O pe­so do sec­tor so­ci­al re­sul­ta da im­por­tân­cia da ope­ra­ção e ma­nu­ten­ção das ins­ti­tui­ções pres­ta­do­ras de ser­vi­ços pú­bli­cos de saú­de, edu­ca­ção, as­sis­tên­cia so­ci­al e cri­an­ças e ido­sos.

Pri­o­ri­da­des do OGE

Os de­pu­ta­dos apro­va­ram on­tem na generalidade a proposta do Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano, que es­ti­ma re­cei­tas ava­li­a­das em 7.390.046.964.055 de kwan­zas e fi­xa des­pe­sas em igual mon­tan­te.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, Ar­cher Man­guei­ra, que apre­sen­tou o do­cu­men­to na generalidade aos de­pu­ta­dos, fri­sou que o OGE pa­ra 2017 se­rá o jus­to equi­lí­brio de uma res­pon­sa­bi­li­da­de par­ti­lha­da en­tre o Exe­cu­ti­vo, que fez as su­as pro­pos­tas, e a As­sem­bleia Na­ci­o­nal, que tem a úl­ti­ma pa­la­vra.

Ar­cher Man­guei­ra ex­pli­cou que a proposta de OGE con­tém os pro­gra­mas e os pro­jec­tos que me­lhor res­pon­dem aos ob­jec­ti­vos es­tra­té­gi­cos de­fi­ni­dos pa­ra a po­lí­ti­ca eco­nó­mi­ca do Go­ver­no. “As pri­o­ri­da­des do país são nu­me­ro­sas e a me­lho­ria que am­bi­ci­o­na­mos da qua­li­da­de de vi­da das po­pu­la­ções não de­pen­de ex­clu­si­va­men­te da von­ta­de po­lí­ti­ca, mas tam­bém de um con­jun­to de fac­to­res eco­nó­mi­cos, so­ci­ais e cul­tu­rais que são exó­ge­nos”, dis­se Ar­cher Man­guei­ra.

Po­lí­ti­cos di­ver­gem

An­tes do de­ba­te so­bre o OGE, que du­rou mais de cin­co ho­ras, os pre­si­den­tes dos gru­pos par­la­men­ta­res do MPLA, UNITA, CA­SA-CE, PRS e o re­pre­sen­tan­te da FNLA apre­sen­ta­ram as su­as de­cla­ra­ções po­lí­ti­cas so­bre o do­cu­men­to em vo­ta­ção.

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar do MPLA, Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra, dis­se que pa­ra o MPLA as po­lí­ti­cas eco­nó­mi­cas não fa­zem qual­quer sen­ti­do se não con­tri­buí­rem pa­ra o au­men­to do bem-es­tar e da qua­li­da­de de vi­da do po­vo. Por es­ta ra­zão, acres­cen­tou, o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral e a me­lho­ria das con­di­ções de vi­da do ci­da­dão e das fa­mí­li­as es­tão sem­pre no cen­tro das aten­ções do MPLA.

Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra dis­se que o seu par­ti­do tem cons­ci­ên­cia de que mui­to ain­da há a fa­zer e que nem tu­do o que foi pro­jec­ta­do foi re­a­li­za­do co­mo o pre­vis­to. Vir­gí­lio de Fon­tes Pe­rei­ra dis­se que o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra o pró­xi­mo ano con­tém as me­di­das con­cre­tas de cur­to pra­zo pa­ra dar con­ti­nui­da­de à apli­ca­ção da Es­tra­té­gia pa­ra a Saí­da da Cri­se.

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da UNITA, Adal­ber­to da Cos­ta Jú­ni­or, dis­se que paí­ses co­mo An­go­la, que têm uma eco­no­mia pou­co di­ver­si­fi­ca­da, de­vi­am ter res­pon­sa­bi­li­da­des acres­ci­das quan­to à con­tra­ta­ção de dí­vi­da in­ter­na ou ex­ter­na.

O de­pu­ta­do da UNITA de­fen­de que os sec­to­res da Edu­ca­ção e Saú­de de­vem me­re­cer um “ex­tra­or­di­ná­rio” in­ves­ti­men­to pa­ra ga­ran­tia do fu­tu­ro do país. Adal­ber­to da Cos­ta Jú­ni­or pe­diu mai­or trans­pa­rên­cia na abor­da­gem dos de­sa­fi­os da es­ta­bi­li­da­de eco­nó­mi­ca. O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da CA­SA-CE, An­dré Men­des de Carvalho, de­fen­de que o OGE de­ve con­tem­plar ver­bas pa­ra co­brir as des­pe­sas das elei­ções ge­rais de 2017. Pa­ra o de­pu­ta­do, o Es­ta­do de­ve as­se­gu­rar uma si­tu­a­ção de equi­lí­brio en­tre as for­ças po­lí­ti­cas con­cor­ren­tes pa­ra que as elei­ções pos­sam ser de­mo­crá­ti­cas, jus­tas e cre­dí­veis.Le­o­nor Gas­par, de­pu­ta­do do PRS, lem­brou que 2017 é o ano das elei­ções e que no do­cu­men­to de­ve cons­tar uma ru­bri­ca so­bre as elei­ções ge­rais pa­ra que os con­cor­ren­tes ao plei­to te­nham uma vi­são do va­lor a ser atri­buí­do.

O de­pu­ta­do Lu­cas Ngon­da, da FNLA, de­fen­deu a apos­ta no em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal e no de­sen­vol­vi­men­to do mun­do ru­ral, que na sua opi­nião são pas­sos se­gu­ros que po­dem le­var o país ao de­sen­vol­vi­men­to.

Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al

Os de­pu­ta­dos vol­tam ho­je ao Par­la­men­to pa­ra apro­var o Pa­co­te Le­gis­la­ti­vo da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al. O con­jun­to de di­plo­mas pro­pos­tos pe­lo Exe­cu­ti­vo pre­ten­de re­gu­lar o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de jor­na­lís­ti­ca, as re­gras es­ta­tu­tá­ri­as que de­fi­nem os re­qui­si­tos da ac­ti­vi­da­de e de­mais con­di­ções pa­ra o exer­cí­cio da pro­fis­são. No pa­co­te, cons­tam as pro­pos­tas de Lei de Im­pren­sa, o Es­ta­tu­to do Jor­na­lis­ta, o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de de ra­di­o­di­fu­são e a En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al.

A proposta de Lei de Im­pren­sa re­sul­ta da ne­ces­si­da­de de se ade­quar à Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca e às trans­for­ma­ções po­lí­ti­cas, eco­nó­mi­cas e so­ci­ais ocor­ri­das no país. O di­plo­ma vi­sa con­cre­ti­zar o exer­cí­cio dos di­rei­tos, li­ber­da­des e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais dos ci­da­dãos, no que diz res­pei­to à li­ber­da­de de im­pren­sa e de ex­pres­são.

Já a proposta de Lei so­bre o Es­ta­tu­to do Jor­na­lis­ta tem co­mo ob­jec­ti­vo prin­ci­pal a de­fi­ni­ção dos pa­râ­me­tros do exer­cí­cio da pro­fis­são de jor­na­lis­ta, as­sim co­mo os di­rei­tos, de­ve­res e res­pon­sa­bi­li­da­des pro­fis­si­o­nais. O di­plo­ma es­ta­be­le­ce o de­ver do jor­na­lis­ta pau­tar o exer­cí­cio da pro­fis­são no res­pei­to e ob­ser­va­ção das nor­mas le­gais per­ti­nen­tes e da éti­ca e de­on­to­lo­gia pro­fis­si­o­nais.

A proposta ga­ran­te, igual­men­te, o di­rei­to do jor­na­lis­ta de aces­so às fon­tes de in­for­ma­ção e ao si­gi­lo pro­fis­si­o­nal, e es­ta­be­le­ce o prin­cí­pio da res­pon­sa­bi­li­da­de por ac­tos por ele pra­ti­ca­dos que in­frin­jam a lei. O Es­ta­tu­to cla­ri­fi­ca as con­di­ções em que um jor­na­lis­ta es­tran­gei­ro po­de exer­cer a pro­fis­são em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. Um ou­tro di­plo­ma que cons­ta do pa­co­te é a proposta de Lei so­bre o Exer­cí­cio da Ac­ti­vi­da­de de Ra­di­o­di­fu­são que sur­ge da ne­ces­si­da­de de ac­tu­a­li­zar a le­gis­la­ção so­bre ra­di­o­di­fu­são.

PAULO MULAZA

Mi­nis­tro e che­fe da Ca­sa Ci­vil Ma­nu­el Ne­to fez a lei­tu­ra da men­sa­gem do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca à As­sem­bleia Na­ci­o­nal

SAN­TOS PEDRO

Exe­cu­ti­vo ex­pli­cou com de­ta­lhes as me­di­das cons­tan­tes no OGE pa­ra o pró­xi­mo ano e o im­pac­to es­pe­ra­do na eco­no­mia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.