Ava­li­a­ção do com­ba­te à cor­rup­ção

Rui Man­guei­ra fa­lou na con­fe­rên­cia da Fesa so­bre os progressos em­pre­en­di­dos pe­lo país

Jornal de Angola - - PARTADA - JOSINA DE CARVALHO |

Os progressos fei­tos por An­go­la em ma­té­ria de trans­pa­rên­cia e com­ba­te à cor­rup­ção vão ser ava­li­a­dos em 2020, de­pois de ter pas­sa­do pe­la pri­mei­ra ava­li­a­ção em 2014, anun­ci­ou on­tem o mi­nis­tro da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos. Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre “Trans­pa­rên­cia, lu­ta con­tra a cor­rup­ção, boa go­ver­na­ção e de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos” pro­mo­vi­do pe­la FESA, Rui Man­guei­ra fa­lou dos avan­ços re­gis­ta­dos pe­lo país, en­quan­to Es­ta­do-par­te da Con­ven­ção das Na­ções Uni­das con­tra a Cor­rup­ção. Rui Man­guei­ra en­ten­de que a cor­rup­ção de­ve ser tra­ta­da com gran­de aten­ção.

Os progressos fei­tos por An­go­la em ma­té­ria de trans­pa­rên­cia e com­ba­te à cor­rup­ção vão ser ava­li­a­dos em 2020, de­pois de ter pas­sa­do pe­la pri­mei­ra ava­li­a­ção em 2014, anun­ci­ou on­tem o mi­nis­tro da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos.

Ao dis­cur­sar na aber­tu­ra da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre “Trans­pa­rên­cia, lu­ta con­tra a cor­rup­ção, boa go­ver­na­ção e de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos”, Rui Man­guei­ra fa­lou dos avan­ços re­gis­ta­dos pe­lo país, en­quan­to Es­ta­do-par­te da Con­ven­ção das Na­ções Uni­das con­tra a Cor­rup­ção.

Rui Man­guei­ra en­ten­de que a cor­rup­ção de­ve ser tra­ta­da com gran­de aten­ção, por­que o seu avan­ço não só des­trói as eco­no­mi­as dos paí­ses e as so­ci­e­da­des, mas tem gran­des con­sequên­ci­as pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to. “Só se­rá pos­sí­vel o con­tro­lo da cor­rup­ção com a co­o­pe­ra­ção dos agen­tes en­vol­vi­dos e com­pro­me­ti­dos em man­ter a ho­nes­ti­da­de, in­cluin­do o Es­ta­do, a so­ci­e­da­de ci­vil e o sec­tor pri­va­do”, re­fe­riu, des­ta­can­do igual­men­te o pa­pel da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al e a ne­ces­si­da­de de o Exe­cu­ti­vo in­ves­tir na pre­ven­ção da cor­rup­ção, atra­vés da for­ma­ção da ju­ven­tu­de.

O mi­nis­tro con­si­de­rou a re­a­li­za­ção de elei­ções re­gu­la­res e a paz so­ci­al in­di­ca­do­res re­le­van­tes pa­ra ava­li­a­ção da boa go­ver­na­ção e al­can­ce da cre­di­bi­li­da­de de um país.

A pro­mo­ção da igual­da­de, par­ti­ci­pa­ção e o plu­ra­lis­mo fo­ram apon­ta­dos igual­men­te co­mo prin­cí­pi­os ba­si­la­res da boa go­ver­na­ção, en­quan­to a Agen­da de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel 2030 é um ins­tru­men­to de ba­se de ori­en­ta­ção dos Es­ta­dos-mem­bros das Na­ções Uni­das, in­cluin­do An­go­la, pa­ra a me­lho­ria da qua­li­da­de de vi­da dos seus ci­da­dãos nos pró­xi­mos 15 anos. “A boa go­ver­na­ção tem que ser pa­ra o nos­so país, um re­cur­so es­tra­té­gi­co que ge­ra de­sen­vol­vi­men­to, es­ta­bi­li­da­de, pros­pe­ri­da­de e in­clu­são so­ci­al”, re­for­çou o mi­nis­tro.

Di­rei­tos hu­ma­nos

Rui Man­guei­ra dis­se que An­go­la apre­sen­tou aos or­ga­nis­mos in­ter­na­ci­o­nais de Di­rei­tos Hu­ma­nos os re­la­tó­ri­os de Ava­li­a­ção Pe­rió­di­ca e Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos e o de Im­ple­men­ta­ção da Con­ven­ção dos Di­rei­tos Eco­nó­mi­cos, So­ci­ais e Cul­tu­rais.

O mi­nis­tro afir­mou ser vi­sí­vel e re­co­nhe­ci­do o pro­gres­so al­can­ça­do pe­lo Es­ta­do an­go­la­no em ma­té­ria de pro­mo­ção e pro­tec­ção dos Di­rei­tos Hu­ma­nos e a sua fir­me von­ta­de po­lí­ti­ca em me­lho­rar ca­da vez mais o seu de­sem­pe­nho nes­te do­mí­nio, ape­sar de exis­ti­rem al­guns de­sa­fi­os e in­su­fi­ci­ên­ci­as de um país em si­tu­a­ção de pós-con­fli­to. Além dis­so, acres­cen­tou, o país é mem­bro fun­da­dor do pro­ces­so Kim­ber­ley, um me­ca­nis­mo cri­a­do por al­guns Es­ta­dos pa­ra pro­por­ci­o­nar mais trans­pa­rên­cia ao sec­tor ex­trac­ti­vo e, igual­men­te, mem­bro ob­ser­va­dor da Ini­ci­a­ti­va de Trans­pa­rên­cia nas In­dús­tria Ex­trac­ti­va (ITIE). O ins­tru­men­to tem co­mo ob­jec­ti­vo pro­mo­ver uma me­lhor go­ver­na­ção nos paí­ses ri­cos em re­cur­sos, por meio da pu­bli­ca­ção e ve­ri­fi­ca­ção in­te­gral de pa­ga­men­tos fei­tos por em­pre­sas e re­cei­tas pa­ra os go­ver­nos, pro­ve­ni­en­tes dos sec­to­res de pe­tró­leo, gás na­tu­ral e mi­ne­ra­ção.

Rui Man­guei­ra re­cor­dou ain­da que en­tra­ram em vi­gor as leis dos Cri­mes Sub­ja­cen­tes ao Bran­que­a­men­to de Ca­pi­tais, 2014, e de Co­o­pe­ra­ção Ju­rí­di­ca In­ter­na­ci­o­nal em ma­té­ria pe­nal, em 2015, e foi ain­da cri­a­da a Uni­da­de de In­for­ma­ção Fi­nan­cei­ra (UIF). A sua mis­são é re­co­lher, ex­plo­rar, pro­ces­sar e di­fun­dir, pa­ra as au­to­ri­da­des com­pe­ten­tes, in­for­ma­ções fi­nan­cei­ras que lhe fo­rem apre­sen­ta­das por en­ti­da­des na­ci­o­nais ou es­tran­gei­ras, res­pei­tan­tes aos pro­du­tos e ope­ra­ções sus­pei­tas de pro­ve­ni­ên­cia cri­mi­no­sa, pre­vis­ta e pu­ní­vel por lei.

A ní­vel ju­di­ci­al, Rui Man­guei­ra in­for­mou que têm si­do ins­truí­dos vá­ri­os pro­ces­sos nos tri­bu­nais de pri­mei­ra ins­tân­cia, Su­pre­mo e de Con­tas, que nos úl­ti­mos cin­co anos ins­tru­em, em mé­dia, 100 pro­ces­sos anu­al­men­te.

Trans­pa­rên­cia na ges­tão

O di­rec­tor-ge­ral da Fun­da­ção Edu­ar­do dos San­tos (Fesa), João de Deus Pe­rei­ra, du­ran­te a sua in­ter­ven­ção na aber­tu­ra da con­fe­rên­cia, dis­se que a apro­va­ção do pac­to le­gis­la­ti­vo so­bre a pre­ven­ção e o com­ba­te à cor­rup­ção é uma ac­ção que as­si­na­la o es­for­ço do Exe­cu­ti­vo pa­ra di­ri­mir es­te mal, apon­ta­do co­mo uma das prin­ci­pais cau­sas do sub­de­sen­vol­vi­men­to.

“A trans­pa­rên­cia na ges­tão da coi­sa pú­bli­ca é o meio mais efi­ci­en­te e efi­caz pa­ra que se pos­sa evi­tar ac­tos de cor­rup­ção e não pas­sa ape­nas pe­la di­vul­ga­ção das ac­ções e os re­sul­ta­dos da go­ver­na­ção. É im­por­tan­te di­vul­gá-la em lin­gua­gem aces­sí­vel pa­ra to­da a so­ci­e­da­de”, as­si­na­lou.

O pre­si­den­te da Li­ga In­ter­na­ci­o­nal de De­fe­sa dos Di­rei­tos Hu­ma­nos e Am­bi­en­te, João Cas­tro, dis­se que a cor­rup­ção e o bran­que­a­men­to de ca­pi­tais afec­tam gran­de­men­te a boa go­ver­na­ção, a trans­pa­rên­cia e a re­a­li­za­ção dos di­rei­tos hu­ma­nos na sua ple­ni­tu­de, o de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co, po­lí­ti­co, so­ci­al e cul­tu­ral e con­tri­bu­em pa­ra a des­cre­di­bi­li­za­ção das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do an­go­la­no.

João Cas­tro afir­mou que as or­ga­ni­za­ções da so­ci­e­da­de ci­vil jo­gam sem­pre um pa­pel pre­pon­de­ran­te na pro­mo­ção da trans­pa­rên­cia e da boa go­ver­na­ção, no apoio e de­fe­sa dos su­pe­ri­o­res in­te­res­ses na­ci­o­nais e na lu­ta con­tra a cor­rup­ção, vi­san­do ala­van­car o sec­tor pri­va­do. Por es­ta ra­zão, de­cla­rou, é ur­gen­te o en­ga­ja­men­to do sec­tor pri­va­do nesta lu­ta que é de to­da a so­ci­e­da­de.

A Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre “Trans­pa­rên­cia, lu­ta con­tra a cor­rup­ção, boa go­ver­na­ção e de­fe­sa dos di­rei­tos hu­ma­nos” é uma or­ga­ni­za­ção da Fesa, no âm­bi­to do seu 20º ani­ver­sá­rio e 74º do seu pa­tro­no, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos. Nes­te even­to, que ter­mi­na ho­je, par­ti­ci­pam es­pe­ci­a­lis­tas de Por­tu­gal e Ca­bo Ver­de, além de na­ci­o­nais, co­mo juí­zes, mem­bros do Exe­cu­ti­vo, do Con­se­lho de Cu­ra­do­res da Fesa, de­pu­ta­dos, en­ti­da­des re­li­gi­o­sas, do­cen­tes e es­tu­dan­tes uni­ver­si­tá­ri­os.

DOMBELE BERNARDO

Ti­tu­lar do sec­tor da Justiça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos quer en­vol­vi­men­to do Es­ta­do e so­ci­e­da­de ci­vil no com­ba­te con­tra a cor­rup­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.