Cró­ni­ca de Luis Al­ber­to Fer­rei­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - LUIS AL­BER­TO FER­REI­RA |*

Nos paí­ses-cha­ve da Eu­ro­pa e na­que­les que, per­ten­cen­do tam­bém à União, co­nhe­ce­ram a te­naz em bra­sa da aus­te­ri­da­de, o ama­nhe­cer do dia se­guin­te às “pro­mes­sas go­ver­na­men­tais” de Do­nald Trump foi agi­ta­dís­si­mo. Eu, na qua­li­da­de de sim­ples ci­da­dão, en­fim, de co­me-e-ca­la, apoi­ei o quei­xo no co­to­ve­lo e dei-me à frui­ção do pen­sar, do re­cor­dar, do com­pa­rar. Pen­sei, por exem­plo, num an­ti­go pro­gra­ma de te­le­vi­são bra­si­lei­ro, “De Con­ver­sa em Con­ver­sa”. Apa­re­cia por lá um su­jei­to pro­po­nen­te de al­guns axi­o­mas que pa­re­ci­am ser de bair­ro mas não, eram da pá­tria e do mun­do. Por exem­plo: “Pa­ra exis­tir, o Bra­sil tem que se de­fen­der do Bra­sil?”. Ou, ain­da: “Vo­cê sa­be qual é a mai­or fes­ta que os po­bres ofe­re­cem aos ri­cos? É o Car­na­val”. Mais co­gi­ta­ti­vo, o ho­mem ad­ver­tia: “Às ve­zes, fe­li­ci­da­de tem per­na cur­ta”. Lê-se, ou­ve-se is­to e, por as­so­ci­a­ção de idei­as, pen­sa-se na Eu­ro­pa me­diá­ti­ca an­te­ri­or à vi­tó­ria elei­to­ral de Do­nald Trump. E na Eu­ro­pa po­lí­ti­ca ul­te­ri­or ao êxi­to do mul­ti­mi­li­o­ná­rio. As dis­so­nân­ci­as e os des­con­cha­vos com­pe­tem, com ruí­do, en­tre si. Lem­bro-me de ter li­do, na im­pren­sa ibé­ri­ca, es­te pres­sá­gio tre­men­dis­ta de uma po­li­tó­lo­ga que re­za­va pe­la não-elei­ção de Trump: “A Eu­ro­pa não so­bre­vi­ve­ria!”. E afi­nal, ape­sar do Bre­xit, tão cla­mo­ro­so quan­to a elei­ção de Trump, a Eu­ro­pa so­bre­vi­ve, ou pa­re­ce ter so­bre­vi­vi­do. No en­tan­to, o Bre­xit é pos­te­ri­or, co­mo a elei­ção de Do­nald Trump, à va­ga de des­pau­té­ri­os no in­te­ri­or da União Eu­ro­peia. A má­qui­na do tem­po fi­ca, ago­ra, à dis­po­si­ção da “nar­ra­ti­va” de dois ho­mens: Do­nald Trump e Ya­nis Va­rou­fa­kis. O mul­ti­mi­li­o­ná­rio e ago­ra pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos (Trump), po­de­ria até jus­ti­fi­car-se, pe­ran­te Bru­xe­las, com o ar­gu­men­to da le­gi­ti­ma­ção his­tó­ri­ca que o Des­ti­no Ma­ni­fes­to e o Pla­no Marshall lhe ofe­re­cem de ban­de­ja. A Eu­ro­pa, des­pi­da de au­to­ri­da­de mo­ral pa­ra ques­ti­o­nar o Des­ti­no Ma­ni­fes­to que ma­ni­e­ta­va e in­sul­ta­va o res­to do Con­ti­nen­te Ame­ri­ca­no - não se afoi­tou em ca­va­la­ri­as do amor­pró­prio so­be­ra­no por­que, de­pois da Se­gun­da Guer­ra Mun­di­al, saiu das ruí­nas à cus­ta dos dó­la­res do Pla­no Marshall. Daí a exis­tên­cia das ba­ses mi­li­ta­res nor­te-ame­ri­ca­nas um pou­co por to­da a Eu­ro­pa. A Eu­ro­pa que, ti­mo­na­da pe­la so­bran­ce­ria dos po­de­ro­sos, chi­co­te­ou, na ca­ra de Va­rou­fa­kis, o or­gu­lho da Gré­cia. Que, em Por­tu­gal, va­len­do-se das frá­geis por­tas da sub­ser­vi­ên­cia sem ver­go­nha, de­cre­tou a pan­to­mi­na dos “go­ri­las” da troi­ka, cal­ci­nou ter­ri­tó­ri­os so­ci­ais e trans­for­mou hos­pi­tais em ne­cro­té­ri­os.

A mais for­te das cons­tan­tes ob­ser­va­das no com­por­ta­men­to dos nor­te-ame­ri­ca­nos em ge­ral é o seu des­co­nhe­ci­men­to do mun­do. E o con­co­mi­tan­te de­sin­te­res­se por quan­to de “mau” su­ce­de pa­ra lá das fron­tei­ras dos Es­ta­dos Uni­dos. No li­mi­te da nos­sa cu­ri­o­si­da­de cí­vi­ca, per­gun­ta­ría­mos ape­nas co­mo se­rá a co­a­bi­ta­ção do ím­pe­to re­for­mis­ta do pre­si­den­te Do­nald Trump com os mais mo­de­ra­dos dos re­pu­bli­ca­nos que do­mi­nam o Se­na­do e a Câ­ma­ra de Re­pre­sen­tan­tes. O que se re­por­ta à po­lí­ti­ca ex­ter­na, sim, é do in­te­res­se da “co­mu­ni­da­de in­ter­na­ci­o­nal”. Não é da­do ad­qui­ri­do que em Bru­xe­las e Es­tras­bur­go al­guém dur­ma sem re­cor­rer aos com­pri­mi­dos. Da Ba­vi­e­ra, su­des­te da Ale­ma­nha, à An­da­lu­zia, sul de Es­pa­nha, as as­som­bra­ções nor­te-ame­ri­ca­nas são a cons­tan­te. A im­pren­sa de Ma­drid, co­mo que por ar­tes má­gi­cas, dei­xou pa­ra se­gun­do pla­no a ofen­si­va ne­o­co­lo­ni­al so­bre o go­ver­no da Ve­ne­zu­e­la. Pá­gi­nas in­tei­ras dos jor­nais aco­lhem, num al­vo­ro­ço, des­de sá­ba­do pas­sa­do, opi­nan­tes da ca­sa ou con­vi­da­dos de emer­gên­cia. “As­sim Aca­ba o Mun­do”. “Trump pla­neia apoi­ar-se na di­rei­ta po­pu­lis­ta eu­ro­peia”. “Mi­nis­tros dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da União Eu­ro­peia reu­nem-se pa­ra de­ba­tes so­bre Do­nald Trump”. “O po­pu­lis­mo mun­di­al tra­va a sua ba­ta­lha nos Es­ta­dos Uni­dos”. “Trump re­ce­beu no ar­ra­nha-céus Ni­gel Fa­ra­ge, o im­pul­sor do Bre­xit”. “A vi­tó­ria de Trump alar­ma os Es­ta­dos li­be­rais e ali­via os re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os!”. “Pe­ri­go!: de­mo­cra­cia!”. “O mag­na­te cur­tiu-se na co­bran­ça a in­qui­li­nos mo­ro­sos e nos pla­tós da te­le­vi­são”. “Pro­tec­ci­o­nis­mo do su­ces­sor de Oba­ma su­ge­re a an­ti-glo­ba­li­za­ção”. À mar­gem des­ta gri­ta­ria de “la pren­sa” es­pa­nho­la, Fran­ça e Ale­ma­nha in­vo­cam “va­lo­res a res­pei­tar” e dão a en­ten­der que o me­lhor mes­mo é “es­pe­rar pa­ra con­ver­sar”. Tran­qui­la e sem cui­da­dos mos­tra­se a bri­tâ­ni­ca se­nho­ra May: “São his­tó­ri­cos os la­ços que unem Rei­no Uni­do e Es­ta­dos Uni­dos da Amé­ri­ca do Nor­te”. Re­cor­ren­do à lu­pa: a mai­or das pre­o­cu­pa­ções eu­ro­pei­as se­rá o anel de bri­lhan­tes da con­ver­gên­cia, a OTAN. “Mau” pa­ra uns e “bom” pa­ra ou­tros se­rá o Trump que cor­ta a alei­ta­ção se­cu­ri­tá­ria ar­ma­da da Eu­ro­pa e con­vi­da ca­da qual a as­su­mir os res­pec­ti­vos gas­tos. Nas Amé­ri­cas do Nor­te, do Cen­tro e do Sul as “es­pe­ran­ças”, se as hou­ver, se­rão pou­cas e tre­men­tes. Os par­ti­dos me­xi­ca­nos do sis­te­ma, PRI e PAN, pas­sam a go­ver­nar co­mo “ór­fãos” de um pa­dri­nho su­bi­ta­men­te tor­na­do brus­co e im­pre­vi­sí­vel. Mais de me­ta­de dos 3 mi­lhões de imi­gran­tes que Trump ame­a­ça de­fe­nes­trar são me­xi­ca­nos. Pos­to em cau­sa es­tá, des­de a cam­pa­nha elei­to­ral “aque­ci­da” por Trump, o gran­de acor­do co­mer­ci­al dos Es­ta­dos Uni­dos com o Mé­xi­co e o Ca­na­dá. Um Trump “bom”? Um Trump “mau”? Qu­em de­ter­mi­na as cir­cuns­tân­ci­as da hu­ma­ni­da­de é a má­qui­na do tem­po. Em 1895, Her­bert Wells re­co­men­dou à hu­ma­ni­da­de pon­de­ra­ções so­bre a má­qui­na do tem­po. Se Na­po­leão as re­cu­sa­ria, Chur­chill ou Tru­man e ou­tros não fi­ze­ram me­lhor. Aque­les se­nho­res que, em Bru­xe­las, zom­ba­ram de Ya­nis Va­rou­fa­kis e hu­mi­lha­ram a Gré­cia, são os mes­mís­si­mos que des­co­bri­ram, ago­ra, 50 mil mi­lhões de eu­ros pa­ra “aju­dar” e ba­nir a aus­te­ri­da­de. Va­rou­fa­kis, que em Bru­xe­las e em vão propôs um sis­te­ma de re­dis­tri­bui­ção en­tre os Es­ta­dos eu­ro­peus, en­con­tra ago­ra o seu con­for­to nos tes­ta­men­tos do ve­lho Ho Chi Mi­nh: “Des­de o prin­cí­pio da sua exis­tên­cia que a hu­ma­ni­da­de te­ve de lu­tar con­tra a Na­tu­re­za pa­ra re­sis­tir. E pa­ra ven­cer nesta lu­ta ca­da ho­mem te­ve de apoi­ar-se na for­ça do nú­me­ro, quer di­zer da co­lec­ti­vi­da­de, da so­ci­e­da­de”. Pois, a união faz a for­ça.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.