SUDÃO DO SUL

Jornal de Angola - - PARTADA -

Ata­ques e fal­ta de ali­men­tos afec­tam mi­lha­res de pes­so­as

Mi­lha­res de sul-su­da­ne­ses con­ti­nu­am a aban­do­nar as su­as ca­sas por re­ceio de ata­ques ar­ma­dos e à fo­me que afec­ta as res­pec­ti­vas zo­nas, dis­se­ram tes­te­mu­nhas.

“Per­di a es­pe­ran­ça de que a si­tu­a­ção me­lho­re no Sudão do Sul. Não po­de­mos fa­zer as nos­sas co­lhei­tas de­vi­do à fal­ta de se­gu­ran­ça e, an­tes que a fo­me nos ma­te, de­ci­di dei­xar a re­gião com a mi­nha fa­mí­lia e ir pa­ra um cam­po de re­fu­gi­a­dos, já que as pes­so­as aqui es­tão a mor­rer de­vi­do à fo­me”, dis­se à EFE uma ha­bi­tan­te da re­gião de Na­da­pal, si­tu­a­da na fron­tei­ra sul com o Qué­nia.

De acor­do com Ro­sa Ufuhu, o con­fli­to no Sudão do Sul ame­a­ça pro­vo­car uma gra­ve cri­se de fo­me da­da a in­ca­pa­ci­da­de de os agri­cul­to­res re­a­li­za­rem as su­as co­lhei­tas por cau­sa dos cons­tan­tes ata­ques.

Ou­tra re­gião afec­ta­da é o es­ta­do de Al­to Ni­lo, on­de há for­tes te­mo­res en­tre os cam­po­ne­ses de que es­te ano não se­ja pos­sí­vel pro­ce­der à co­lhei­ta, pe­los in­ces­san­tes ata­ques que co­me­ça­ram a ser lan­ça­dos pe­la opo­si­ção ar­ma­da con­tra a ci­da­de de Al­rank, no ex­tre­mo nor­te do es­ta­do.

Tam­bém fo­ram re­gis­ta­dos ata­ques con­tra os agri­cul­to­res nas re­giões de Wad Aku­na e Ya­lhak, en­tre ou­tras.

“É ver­da­de que so­fre­re­mos uma cri­se de fo­me se não con­se­guir­mos co­lher o mi­lho que se­me­a­mos nu­ma su­per­fí­cie de 1 mi­lhão de 'fe­da­nes' (4.200 qui­ló­me­tros qua­dra­dos) e que se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra a nos­sa re­gião e os es­ta­dos de Bahr al Ga­zal e Equa­tó­ria”, dis­se à EFE o cam­po­nês Deng Thon, de Al­rank.

Thon de­nun­ci­ou que ele e os com­pa­nhei­ros fo­ram ví­ti­mas de ata­ques por par­te dos re­bel­des que ti­nham a in­ten­ção de des­truir as co­lhei­tas.

A cri­se ali­men­tar ex­plo­diu mes­mo com as pre­vi­sões de uma boa sa­fra agrí­co­la, com co­lhei­tas abun­dan­tes em vá­ri­as re­giões do país.

O au­men­to dos con­fron­tos en­tre as for­ças do Go­ver­no e a opo­si­ção obri­gou mi­lha­res de pes­so­as a aban­do­na­rem as ter­ras pa­ra pro­cu­rar re­fú­gio em cen­tros da ONU e acam­pa­men­tos de des­lo­ca­dos em paí­ses vi­zi­nhos, co­mo o Ugan­da e o Qué­nia.

No es­ta­do de Equa­tó­ria, no ex­tre­mo sul do país, mui­tos ha­bi­tan­tes fu­gi­ram pa­ra o Qué­nia e o Ugan­da.

Além dis­so, os ci­vis que op­ta­ram por per­ma­ne­cer nas su­as áre­as nos es­ta­dos de Al­to Ni­lo (nor­des­te) e de Uni­da­de (no­ro­es­te) re­cei­am mo­vi­men­tar-se em li­ber­da­de pa­ra efec­tu­a­rem as co­lhei­tas des­ta sa­fra e os com­ba­tes em Uni­da­de le­va­ram mi­lha­res de ha­bi­tan­tes a bus­car re­fú­gio em cen­tros da ONU.

De­pois de a si­tu­a­ção ter si­do es­ta­bi­li­za­da, gra­du­al­men­te, com a as­si­na­tu­ra de um acor­do de paz no iní­cio do ano, es­ses ci­da­dãos co­me­ça­ram a re­gres­sar aos seus la­res, dos quais ago­ra vol­tam a fu­gir com a ex­plo­são de no­vos con­fron­tos, o que os obri­gou a re­tor­nar aos cen­tros de aco­lhi­men­to.

“No iní­cio des­te ano, saí­mos do cen­tro da ONU no qual nos tí­nha­mos re­fu­gi­a­do, de­pois da as­si­na­tu­ra do acor­do de paz e do re­tor­no de uma de­le­ga­ção da opo­si­ção a Ju­ba, por is­so co­me­ça­mos a se­me­ar de no­vo”, re­la­tou, por te­le­fo­ne, à EFE, Wi­e­go Sam­sun, cam­po­nês de Ban­tiu, ca­pi­tal de Uni­da­de. No en­tan­to, Sam­sun la­men­ta que o au­men­to dos com­ba­tes te­nha im­pe­di­do os cam­po­ne­ses de efec­tu­a­rem as co­lhei­tas, por is­so es­tes vol­ta­ram ao cen­tro da ONU “por me­do de uma cri­se de fo­me.”

Além dis­so, mais de 1 mi­lhão de sul-su­da­ne­ses fu­gi­ram do país, 90 por cen­to dos quais mu­lhe­res e cri­an­ças, se­gun­do da­dos do Es­cri­tó­rio das Na­ções Uni­das pa­ra Assuntos Hu­ma­ni­tá­ri­os (OCHA).

Mais de qua­tro mil ci­vis en­tram por dia no Ugan­da pa­ra se re­fu­gi­ar no acam­pa­men­to de Bi­di­bi­di, aber­to em Agos­to, que ac­tu­al­men­te aco­lhe mais de 188 mil sul-su­da­ne­ses.

A por­ta-voz do Pro­gra­ma Ali­men­tar Mun­di­al, Bi­ti­na Lusher, afir­mou re­cen­te­men­te que a des­nu­tri­ção su­pe­ra 15 por cen­to da po­pu­la­ção - o que é um ní­vel de emer­gên­cia - em se­te dos dez es­ta­dos que com­põem o Sudão do Sul, e que es­ta des­nu­tri­ção che­ga a 30 por cen­to em Bahr al Ga­zal do Nor­te.

Ape­sar des­ses nú­me­ros, o vi­ce­mi­nis­tro de In­for­ma­ção do país, Akol Paul Kor­dit, afir­mou em de­cla­ra­ções à EFE que o seu país so­fre “uma cri­se eco­nó­mi­ca, que não po­de ser qua­li­fi­ca­da co­mo uma cri­se de fo­me, co­mo ale­gam al­gu­mas or­ga­ni­za­ções hu­ma­ni­tá­ri­as.”

Por is­so, Kor­dit pe­diu a es­sas ins­ti­tui­ções que in­ten­si­fi­cas­sem os seus “es­for­ços pa­ra aju­dar as pes­so­as no país com ali­men­tos e re­mé­di­os, ao in­vés de es­cre­ve­rem re­la­tó­ri­os ne­ga­ti­vos.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.