De­nún­ci­as anó­ni­mas di­fi­cul­tam in­ves­ti­ga­ções

PRO­CES­SOS EM CURSO NA PROCURADORIA

Jornal de Angola - - POLÍTICA - EDNA DALA |

A Procuradoria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca tem re­gis­ta­do mui­tos ca­sos de de­nún­cia de cor­rup­ção, dis­se, na quar­ta-fei­ra, em Luanda, o Pro­cu­ra­dor-Ge­ral. João Ma­ria de Sou­sa fa­la­va à im­pren­sa no fim do pri­mei­ro dia de tra­ba­lhos da XI con­fe­rên­cia in­ter­na­ci­o­nal da As­so­ci­a­ção de Pro­cu­ra­do­res de Áfri­ca (APA) e re­fe­riu que nem sem­pre tais de­nún­ci­as são com­pro­va­das, por­que as quei­xas apa­re­cem qua­se sem­pre sob a for­ma de ano­ni­ma­to.

João Ma­ria de Sou­sa sus­ten­tou que quan­do as de­nún­ci­as são anó­ni­mas tor­nam o pro­ces­so di­fí­cil de se com­pro­var, o que tam­bém di­fi­cul­ta o apro­fun­da­men­to da in­ves­ti­ga­ção. Na con­fe­rên­cia, que de­cor­re sob o le­ma “Pro­cu­ra­do­res de Áfri­ca uni­dos no com­ba­te à cor­rup­ção e ao cri­me trans­na­ci­o­nal”, João Ma­ria de Sou­sa de­fen­deu mai­or in­ves­ti­men­to nas no­vas tec­no­lo­gi­as, o que con­si­de­rou fun­da­men­tal pa­ra in­ves­ti­gar es­sa ti­po­lo­gia de cri­mes de cor­rup­ção.

A Procuradoria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, dis­se, con­ta com uma Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Pre­ven­ção e Com­ba­te à Cor­rup­ção, mas, in­fe­liz­men­te, não es­tá de­vi­da­men­te de­sen­vol­vi­da, pe­la ca­rên­cia de ma­gis­tra­dos, de mei­os e ins­ta­la­ções. João Ma­ria de Sou­sa apon­tou a cor­rup­ção co­mo um fe­nó­me­no que afec­ta to­dos os paí­ses, pois não há um úni­co que es­te­ja isen­to des­te mal, em­bo­ra ca­da um te­nha a sua pró­pria le­gis­la­ção.

Ca­so BESA

O Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca fa­lou do ca­so Ban­co Es­pí­ri­to San­to An­go­la (BESA) e ga­ran­tiu que o pro­ces­so es­tá em curso, ten­do re­cor­da­do que a in­ves­ti­ga­ção con­sis­te num inqué­ri­to re­que­ri­do a pe­di­do dos ac­ci­o­nis­tas do re­fe­ri­do ban­co.

João Ma­ria de Sou­sa con­si­de­rou que o de­sen­vol­vi­men­to des­te pro­ces­so pas­sa pe­la pró­pria co­la­bo­ra­ção dos ór­gãos do BESA. O ma­gis­tra­do ad­mi­tiu que o pro­ces­so “não é fá­cil”, ra­zão pe­la qual se es­tá a tra­ba­lhar “não com a ve­lo­ci­da­de pre­ten­di­da, mas na me­di­da do pos­sí­vel.”

João Ma­ria de Sou­sa es­cla­re­ceu que quan­do se ac­tua uma par­ti­ci­pa­ção o pro­ces­so fi­ca em aber­to. As di­li­gên­ci­as po­dem de­mo­rar em fun­ção das cir­cuns­tân­ci­as, pois, mal se ins­tau­ra o pro­ces­so, dá-se lo­go iní­cio à in­ves­ti­ga­ção. Re­fe­rin­do-se aos cri­mes trans­na­ci­o­nais e ci­ber­né­ti­cos, o Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca re­co­nhe­ceu que os mes­mos são um fe­nó­me­no no­vo em An­go­la. Foi mais lon­ge ao afir­mar que “nem os ma­gis­tra­dos do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, nem tão pou­co os in­ves­ti­ga­do­res do Ser­vi­ços de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal es­ta­vam pre­pa­ra­dos pa­ra com­ba­ter e in­ves­ti­gar es­sa ti­po­lo­gia de cri­me”.

Por is­so, adi­an­tou, a Procuradoria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca tem de­sen­vol­vi­do par­ce­ri­as in­ter­na­ci­o­nais pa­ra mai­or apro­fun­da­men­to dos co­nhe­ci­men­tos, de mo­do a ca­pa­ci­tar os seus qua­dros.

Per­das com a cor­rup­ção

Em to­do o mun­do, es­ti­ma-se que 3,6 tri­liões de dó­la­res são per­di­dos pe­la prá­ti­ca da cor­rup­ção, re­ve­lou o re­pre­sen­tan­te re­si­den­te do sis­te­ma das Na­ções Uni­das em An­go­la. Pa­o­lo Bal­la­del­li, que dis­cur­sa­va na aber­tu­ra da con­fe­rên­cia, es­cla­re­ceu que da­que­le va­lor, 2,6 tri­liões de dó­la­res são fur­ta­dos com a prá­ti­ca da cor­rup­ção, en­quan­to um tri­lião de dó­la­res per­de-se em su­bor­nos. Bal­la­del­li ad­mi­tiu que a cor­rup­ção não ex­clui ne­nhum país no mun­do.

Con­si­de­rou, no en­tan­to que, ape­sar de ser um fe­nó­me­no mui­to di­fu­so, a cor­rup­ção é par­ti­cu­lar­men­te pre­sen­te quan­do o po­der le­gis­la­ti­vo ou ju­di­ci­al são fra­cos. Apon­tou a pre­ven­ção e a re­pres­são co­mo dois gran­des pi­la­res da lu­ta con­tra a cor­rup­ção. “Nu­ma épo­ca em que se de­fen­de a er­ra­di­ca­ção da po­bre­za e o cres­ci­men­to eco­nó­mi­co com equi­da­de, é opor­tu­no ex­pli­car que a cor­rup­ção des­via im­por­tan­tes re­cur­sos que ser­vi­ri­am pa­ra os sec­to­res so­ci­ais co­mo a se­gu­ran­ça ali­men­tar, ocu­pa­ção, saú­de, em­pre­go, edu­ca­ção e ha­bi­ta­ção, en­tre ou­tros fac­to­res, dei­xan­do as­sim in­con­clu­si­va a res­pos­ta do Es­ta­do às ne­ces­si­da­des bá­si­cas da po­pu­la­ção, das fa­mí­li­as e das co­mu­ni­da­des”, dis­se.

DOMBELE BERNARDO

Pro­cu­ra­dor-Ge­ral da Re­pú­bli­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.