Ca­da me­tro qua­dra­do des­te im­po­nen­te edi­fí­cio, in­cluin­do o pro­jec­to ar­qui­tec­tó­ni­co, é de ori­gem na­ci­o­nal.

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

mun­do, mui­to pro­cu­ra­da no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, mas que, du­ran­te dé­ca­das, o país ven­dia em bru­to. Ho­je, a ac­ti­vi­da­de das du­as em­pre­sas e de ou­tras que ope­ram no sec­tor, quer na ex­trac­ção quer na trans­for­ma­ção, não se cir­cuns­cre­ve ao Gra­ni­to Ne­gro de An­go­la.

Em ca­da lo­ca­li­da­de, em ca­da pe­drei­ra, en­con­tra-se de­ter­mi­na­do ti­po de gra­ni­to, com ca­rac­te­rís­ti­cas es­pe­cí­fi­cas, aos quais pro­cu­ram acres­cer va­lor co­mer­ci­al. A Gra­nis­sul, por exem­plo, ex­plo­ra três qua­li­da­des de gra­ni­to, mas já che­gou a qua­tro, quan­do ex­traía na Ma­ta­la o Gra­ni­to Cas­ta­nho, ou­tra pe­dra de ra­ra be­le­za.

Mas se a in­dús­tria ex­trac­ti­va de ro­chas or­na­men­tais na Huí­la já vem de lon­ge, a de trans­for­ma­ção de pe­dras or­na­men­tais ain­da es­ta­va em fa­se in­ci­pi­en­te quan­do ocor­re a cri­se fi­nan­cei­ra pro­vo­ca­da pe­la que­da do pre­ço de pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. A sua ca­pa­ci­da­de de re­sis­tir a ad­ver­si­da­des foi pe­que­na pa­ra o cho­que.

Em con­sequên­cia dis­so, em­pre­sas co­mo a Ema­nha e a Gran­sul, que já ti­nham in­ves­ti­men­tos ma­te­ri­ais e hu­ma­nos vol­ta­dos pa­ra a trans­for­ma­ção do pro­du­to em so­lo pá­trio, vol­ta­ram a co­mer­ci­a­li­zar par­te subs­tan­ci­al do pro­du­to, pa­ra co­bri­rem os cus­tos cor­ren­tes.

As di­fi­cul­da­des no aces­so a di­vi­sas, lem­bra o di­rec­tor-ge­ral do gru­po So­co­lil, con­di­ci­o­nam a aqui­si­ção de con­su­mí­veis, sem os quais as in­dús­tri­as não tra­ba­lham. “O nos­so úni­co pro­ble­ma es­tá na im­por­ta­ção de con­su­mí­veis”.

Cla­mor da Gra­nis­sul

An­tó­nio Le­mos con­ta que a Gra­ni­sul es­tá pra­ti­ca­men­te pa­ra­li­sa­da, há mais de seis me­ses, por fal­ta de 800 mil dó­la­res pa­ra a com­pra de gra­na­lhas pa­ra ser­ra­ção e de abra­si­vos pa­ra po­lir os blo­cos, quan­do a em­pre­sa tem re­ser­vas fi­nan­cei­ras em mo­e­da na­ci­o­nal. “Não te­mos re­cei­tas em di­vi­sas por­que ven­de­mos no país to­da a nos­sa pro­du­ção. ”

Não obs­tan­te as di­fi­cul­da­des, An­tó­nio Le­mos re­co­nhe­ce que o sec­tor mi­nei­ro é pro­mis­sor e tem po­ten­ci­al pa­ra cri­ar mui­tos pos­tos de tra­ba­lho, so­bre­tu­do “se à ex­trac­ção acres­cer­mos a trans­for­ma­ção, que agre­ga va­lor às ma­té­ri­as-pri­mas”.

Pa­pel da ban­ca

Pa­ra o ges­tor, o rep­to lan­ça­do há tem­pos pe­lo mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas, Fran­cis­co Qu­ei­roz, de o sec­tor mi­nei­ro ul­tra­pas­sar, num ho­ri­zon­te tem­po­ral de dez a 15 anos, a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra na ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas fis­cais pa­ra o Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do, es­tá per­fei­ta­men­te ao al­can­ce do país. Mas é pre­ci­so am­pli­ar o es­pa­ço de ac­tu­a­ção dos agen­tes pri­va­dos.

“Quan­do uma em­pre­sa com 70 tra­ba­lha­do­res fi­ca pa­ra­li­sa­da du­ran­te me­ses, por fal­ta de 800 mil dó­la­res pa­ra aqui­si­ção de con­su­mí­veis, mes­mo com kwan­zas no ban­co, al­gu­ma coi­sa es­tá mal na de­fi­ni­ção de pri­o­ri­da­des”, cri­ti­ca o ges­tor, re­co­nhe­cen­do, no en­tan­to, que nem tu­do de­pen­de do po­der po­lí­ti­co, já que a ban­ca jo­ga um pa­pel fun­da­men­tal no apoio aos pro­du­to­res.

“Não va­mos fa­lar mal do Go­ver­no Pro­vin­ci­al de qu­em te­mos ti­do to­do o apoio ne­ces­sá­rio”, diz An­tó­nio Ma­nu­el, que in­sis­te que a ban­ca não tem fei­to a sua par­te no pro­ces­so da di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia e na es­tra­té­gia pa­ra saí­da da cri­se.

Po­lí­ti­cas pú­bli­cas

A es­tra­té­gia do Es­ta­do pa­ra o sec­tor mi­nei­ro é an­te­ri­or à cri­se fi­nan­cei­ra e abran­ge, pa­ra além das ro­chas or­na­men­tais, to­dos os re­cur­sos ge­o­ló­gi­co-mi­nei­ros. Em 2011, o Exe­cu­ti­vo con­ce­beu e apro­vou um Có­di­go Mi­nei­ro, que re­gu­la es­se sub­sec­tor da eco­no­mia, no que à in­ves­ti­ga­ção, des­co­ber­ta, ca­rac­te­ri­za­ção, ava­li­a­ção, ex­plo­ra­ção, co­mer­ci­a­li­za­ção, uso e apro­vei­ta­men­to diz res­pei­to. Em 2014, o Exe­cu­ti­vo pôs em mar­cha, à es­ca­la na­ci­o­nal, um pro­ces­so de pros­pec­ção de mi­né­ri­os, no âm­bi­to do Pla­no Na­ci­o­nal de Ge­o­lo­gia (Pla­na­geo) que já con­du­ziu à des­co­ber­ta de im­por­tan­tes ja­zi­das em vá­ri­as par­tes do país, in­cluin­do um com­ple­xo de 45 mil qui­ló­me­tros qua­dra­dos de gra­ni­to ne­gro en­tre as pro­vín­ci­as da Huí­la e Cu­ne­ne, que já é con­si­de­ra­do o mai­or do mun­do.

Da­dos pre­li­mi­na­res do es­tu­do in­di­cam que o país pos­sui, con­fir­ma­da­men­te, 38 dos 50 mi­ne­rais mais pro­cu­ra­dos no mun­do. A lis­ta de me­tais do­mi­ci­li­a­dos no sub­so­lo an­go­la­no in­clui o ou­ro, fer­ro, man­ga­nês, ti­tâ­nio, cró­mio, co­bre, chum­bo, zin­co, vol­frâ­mio, es­ta­nho, ní­quel, co­bal­to, lí­tio, nió­bio, tân­ta­lo, ou­ro, pra­ta, pla­ti­na e ter­ras ra­ras, com uti­li­da­de nas te­le­co­mu­ni­ca­ções. A es­tra­té­gia con­sis­te no ca­das­tra­men­to e ela­bo­ra­ção de ma­pas dos re­cur­sos mi­ne­rais exis­ten­tes no país e pas­sar de­pois a in­for­ma­ção so­bre as re­ais po­ten­ci­a­li­da­des do país a in­ves­ti­do­res pri­va­dos, na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros, in­te­res­sa­dos no ne­gó­cio.

Es­pe­ci­a­lis­tas en­vol­vi­dos no es­tu­do as­se­gu­ram que os da­dos re­co­lhi­dos vão per­mi­tir ao país pro­gra­mar, num ho­ri­zon­te de até cem anos, a ex­plo­ra­ção ra­ci­o­nal e sus­ten­tá­vel dos seus re­cur­sos mi­ne­rais. O es­tu­do é con­si­de­ra­do pe­la co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca co­mo um dos mai­o­res do gé­ne­ro já re­a­li­za­do no mun­do.

Ain­da de acor­do com es­pe­ci­a­lis­tas, o es­tu­do ga­ran­te pre­vi­si­bi­li­da­de às fu­tu­ras ge­ra­ções, que vão po­der ex­plo­rar os re­cur­sos mi­ne­rais do país, par­tin­do de ba­ses se­gu­ras e ci­en­ti­fi­ca­das.

A dois anos do fim, o es­tu­do já le­vou à des­co­ber­ta e ma­pe­a­men­to de im­por­tan­tes re­ser­vas dos mais di­ver­sos mi­né­ri­os e à con­fir­ma­ção de ou­tros tan­tos de que se ti­nha me­mó­ria, mas que dei­xa­ram de ser ex­plo­ra­dos de­pois da In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, de­vi­do à ins­ta­bi­li­da­de mi­li­tar que pa­ra­li­sou al­guns sec­to­res im­por­tan­tes da eco­no­mia, co­lo­can­do o país sob de­pen­dên­cia de pra­ti­ca­men­te dois úni­cos re­cur­sos, o pe­tró­leo e o di­a­man­te.

Op­ti­mis­ta, o mi­nis­tro da Ge­o­lo­gia e Mi­nas va­ti­ci­na que, den­tro de 15 a 20 anos, An­go­la é um país mi­nei­ro por ex­ce­lên­cia, se­não o lí­der do sec­tor em Áfri­ca. “O país tem con­di­ções pa­ra atin­gir es­sa po­si­ção.”

Mas o go­ver­nan­te re­co­nhe­ce que An­go­la só che­ga lá com o con­cur­so do em­pre­sa­ri­a­do na­ci­o­nal que, de um mo­do ge­ral, “es­tá li­mi­ta­do por in­su­fi­ci­ên­ci­as fi­nan­cei­ras e tec­no­ló­gi­cas”, co­mo faz ques­tão de su­bli­nhar.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Pe­ças usa­das no ape­tre­cha­men­to do Mu­seu da Mo­e­da fo­ram pro­du­zi­das no país nu­ma mos­tra cla­ra de qua­li­da­de do pro­du­to na­ci­o­nal

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Ma­te­ri­ais de cons­tru­ção usa­dos pa­ra aca­ba­men­tos vi­e­ram de fá­bri­cas da Huí­la e Na­mi­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.