CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - APOLINÁRIO AFONSO|Mar­çal MADALENA COS­TA LUCRÉCIO SILVA MARLENE DA CONCEIÇÃO|

Pa­tro­cí­ni­os a clu­bes

Al­guns em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos têm con­tri­buí­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do nos­so des­por­to, dis­po­ni­bi­li­zan­do avul­ta­das ver­bas pa­ra clu­bes do nos­so Gi­ra­bo­la. Al­guns clu­bes do nos­so Gi­ra­bo­la vi­vem de pa­tro­cí­ni­os de em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos, sem os quais não te­ri­am a pos­si­bi­li­da­de de com­pe­tir no nos­so cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol. É de lou­var o es­for­ço fi­nan­cei­ro fei­to por em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos que que­rem pro­jec­tar a prá­ti­ca da nos­sa mo­da­li­da­de em vá­ri­as pro­vín­ci­as do país, mas pen­so que os clu­bes de­vem pro­cu­rar mo­de­los de or­ga­ni­za­ção que ga­ran­tam a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de. É que um pa­tro­ci­na­dor po­de, por qual­quer ra­zão e a qual­quer mo­men­to, dei­xar de fi­nan­ci­ar ac­ti­vi­da­des des­por­ti­vas de um clu­be. As di­rec­ções dos clu­bes que be­ne­fi­ci­am de pa­tro­cí­ni­os de em­pre­sá­ri­os an­go­la­nos de­vem tra­ba­lhar pa­ra cri­ar con­di­ções pa­ra, em ca­so de per­der es­ses pa­tro­cí­ni­os, te­rem so­lu­ções pa­ra os pro­ble­mas. Sou­be que o Pro­gres­so da Lun­da Sul, que fez uma ex­ce­len­te cam­pa­nha no úl­ti­mo cam­pe­o­na­to na­ci­o­nal de fu­te­bol, dei­xa­rá de ser pa­tro­ci­na­do por um em­pre­sá­rio an­go­la­no. Es­pe­ro que se en­con­tre ra­pi­da­men­te so­lu­ções pa­ra as­se­gu­rar que o Pro­gres­so da Lun­da Sul con­ti­nue no Gi­ra­bo­la. A Lun­da Sul só tem uma equi­pa no Gi­ra­bo­la. Que o Pro­gres­so da Lun­da Sul con­ti­nue na mai­or com­pe­ti­ção fu­te­bo­lís­ti­ca na­ci­o­nal.

As chu­vas e o li­xo

Es­ta­mos em épo­ca de chu­vas e é bom que a re­co­lha do li­xo con­ti­nue a fa­zer-se com ce­le­ri­da­de, pa­ra se evi­tar do­en­ças.

Vi­vo em Luanda e es­tou sa­tis­fei­ta com o tra­ba­lho que tem si­do fei­ro pe­las ope­ra­do­ras de re­co­lha de li­xo na ca­pi­tal do país. Te­nho de re­co­nhe­cer que mui­ta coi­sa mu­dou pa­ra me­lhor, no que diz res­pei­to à re­co­lha de re­sí­du­os só­li­dos.

Acre­di­to que os pro­ble­mas que ti­ve­mos no pas­sa­do e que re­sul­ta­ram da con­cen­tra­ção de mui­to li­xo em di­fe­ren­tes áre­as da ca­pi­tal do país não vol­ta­rão a ocor­rer, a jul­gar pe­lo gran­de es­for­ço quer tem si­do fei­to pe­lo Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Luanda. Qu­e­ro, nes­te es­pa­ço dos lei­to­res, en­co­ra­jar as au­to­ri­da­des a pros­se­gui­rem com o seu ár­duo tra­ba­lho em prol da qua­li­da­de de vi­da dos ci­da­dãos. Que con­ti­nu­em a tra­ba­lhar pa­ra bem-es­tar do po­vo.

Os pre­ços nas can­ti­nas

Te­nho no­ta­do que os pre­ços em mui­tas can­ti­nas do meu bair­ro são ain­da mui­to al­tos, quan­do com­pa­ra­dos com os pra­ti­ca­dos em gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais. Com­pra-se nes­sas can­ti­nas a pre­ços mui­to al­tos pro­du­tos bá­si­cos, co­mo o óleo, o fei­jão e o lei­te.

Pen­so que mui­tos co­mer­ci­an­tes se apro­vei­tam do fac­to de mui­tas pes­so­as não te­rem, por vá­ri­as ra­zões, pos­si­bi­li­da­de de des­lo­ca­rem-se às gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais pa­ra pra­ti­ca­rem pre­ços ele­va­dos.

Te­nho a im­pres­são de que es­ses co­mer­ci­an­tes com­pram os pro­du­tos nas gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais a bai­xos pre­ços e os re­ven­dem à po­pu­la­ção a pre­ços al­tos. Ape­lo aos ser­vi­ços de fis­ca­li­za­ção pa­ra ana­li­sa­rem es­te fe­nó­me­no.

Com­prei há di­as um pa­co­te de lei­te nu­ma can­ti­na do meu bair­ro a 600 kwan­zas, vin­do de­pois a ad­qui­rir o mes­mo pro­du­to a 350 nu­ma gran­de su­per­fí­cie co­mer­ci­al.

So­li­da­ri­e­da­de com os po­bres

Sou cris­tã e gos­ta­va que hou­ves­se mais so­li­da­ri­e­da­de pa­ra com as pes­so­as que são mui­to po­bres, a qu­em fal­ta mui­ta coi­sa bá­si­ca.

Que os ci­da­dãos em con­di­ções de po­der dar al­gu­ma coi­sa aos po­bres o fa­çam pa­ra mi­no­rar o so­fri­men­to de mui­ta gen­te no nos­so país. Te­mos to­dos nós de fa­zer o bem e amar o pró­xi­mo.

Sei que há mui­ta gen­te no nos­so país que tem mui­to di­nhei­ro e que po­dia re­a­li­zar mui­tas ac­ções fi­lan­tró­pi­cas em vá­ri­as pro­vín­ci­as .

Sei que te­mos mui­tos em­pre­sá­ri­os bem su­ce­di­dos no nos­so país. Eles po­di­am con­tri­buir pa­ra, de al­gum mo­do, se aca­bar, por exem­plo, com o so­fri­men­to de mui­tas cri­an­ças que es­tão pri­va­das de mui­ta coi­sa.

CASIMIRO PEDRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.