Elei­ção de Do­nald Trump abre es­pa­ço à co­o­pe­ra­ção

RELAÇÕES EN­TRE ES­TA­DOS UNI­DOS E A RÚS­SIA Mos­co­vo e Washing­ton têm opor­tu­ni­da­de his­tó­ri­ca de tra­ba­lhar sem o es­tig­ma da des­con­fi­an­ça

Jornal de Angola - - MUNDO - ELEAZAR VAN-DÚNEM |

A vi­tó­ria de Do­nald Trump nas elei­ções pre­si­den­ci­ais de 8 de No­vem­bro nos EUA, con­si­de­ra­da “sur­pre­en­den­te” pe­la generalidade dos ana­lis­tas po­lí­ti­cos, po­de abrir ca­mi­nho a uma no­va era nas relações en­tre os Go­ver­nos de Washing­ton e Mos­co­vo, sem o “es­tig­ma da des­con­fi­an­ça” que a ca­rac­te­ri­za des­de os tem­pos da Guer­ra Fria.

Os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­ais rus­sos no­ti­ci­a­ram on­tem que uma fon­te do Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no dis­se ao jor­nal “Iz­ves­tia” que o Pre­si­den­te elei­to Do­nald Trump vai pre­pa­rar uma vi­a­gem à Rús­sia, de­pois da to­ma­da de pos­se, pre­vis­ta pa­ra Ja­nei­ro do pró­xi­mo ano.

A fon­te, cu­jo no­me não foi di­vul­ga­do, ex­pli­cou que Do­nald Trump de­se­ja­va en­con­trar-se com o lí­der rus­so an­tes de to­mar pos­se, mas “após al­gu­mas reu­niões, foi de­ci­di­do adi­ar a vi­si­ta pa­ra de­pois da to­ma­da de pos­se do Pre­si­den­te elei­to Do­nald Trump”.

Es­ta re­ve­la­ção é fei­ta três di­as de­pois de uma con­ver­sa ao te­le­fo­ne en­tre Do­nald Trump e Vla­di­mir Pu­tin, em que fa­la­ram so­bre as pers­pec­ti­vas de man­ter um diá­lo­go cons­tru­ti­vo após a mu­dan­ça de Go­ver­no nos EUA, ba­se­a­do “nos di­rei­tos iguais e res­pei­to mú­tuo”.

Do­nald Trump adop­tou sem­pre um tom con­ci­li­a­tó­rio em re­la­ção à Rús­sia. Es­ta pos­tu­ra con­quis­tou os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­ais rus­sos, que, ao con­trá­rio da generalidade da im­pren­sa nor­te-ame­ri­ca­na e dos paí­ses oci­den­tais, não es­con­de­ram a sim­pa­tia pe­lo mag­na­ta re­pu­bli­ca­no du­ran­te a co­ber­tu­ra das elei­ções pre­si­den­ci­ais.

Ana­lis­tas dos dois paí­ses su­bli­nha­ram o fac­to de, co­mo can­di­da­to às elei­ções pre­si­den­ci­ais pe­lo par­ti­do re­pu­bli­ca­no, Do­nald Trump afir­mar, em ple­na cam­pa­nha elei­to­ral, que po­dia ali­vi­ar as ten­sões en­tre os EUA e a Rús­sia, e com o Pre­si­den­te rus­so, Vla­di­mir Pu­tin, com o qual “ado­ra­va ter uma boa re­la­ção”.

Vla­di­mir Pu­tin, por sua vez, elo­gi­ou o Pre­si­den­te elei­to nor­te-ame­ri­ca­no, que de­fi­ne co­mo “ho­mem bri­lhan­te e ta­len­to­so”.

Um si­nal que de­mons­tra que a re­la­ção en­tre du­as das mai­o­res po­tên­ci­as mun­di­ais po­de me­lho­rar é o fac­to de os mei­os de co­mu­ni­ca­ção so­ci­ais rus­sos enal­te­ce­rem a po­si­ção “pró-Rús­sia” do Pre­si­den­te elei­to nor­te-ame­ri­ca­no e con­si­de­ra­rem que “se Do­nald Trump for ca­paz de cum­prir pe­lo me­nos 30 por cen­to dos seus pla­nos pa­ra com a Rús­sia e Vla­di­mir Pu­tin, vai ser mui­to bom”.

Relações de­te­ri­o­ra­das

Do­nald Trump foi elei­to Pre­si­den­te dos EUA nu­ma al­tu­ra em que as relações en­tre os dois paí­ses pa­re­cem es­tar a pi­o­rar des­de o fim da cha­ma­da Guer­ra Fria, em 1991.

Pa­ra os rus­sos, a ten­são e o mau re­la­ci­o­na­men­to en­tre os dois paí­ses re­sul­ta do fac­to de os Es­ta­dos Uni­dos “pre­fe­ri­rem fa­zer im­po­si­ções pa­ra di­a­lo­gar”, mas pa­ra os nor­te-ame­ri­ca­nos re­sul­ta “da po­lí­ti­ca ex­pan­si­o­nis­ta” e do “re­van­chis­mo” rus­so “per­so­ni­fi­ca­do pe­lo Pre­si­den­te Vla­di­mir Pu­tin”.

Es­pe­ci­a­lis­tas e ci­en­tis­tas po­lí­ti­cos afir­mam, con­tu­do, que re­sul­ta da fal­ta de con­fi­an­ça e en­ten­di­men­to en­tre os go­ver­nos de Washing­ton e Mos­co­vo, e aci­ma de tu­do, de von­ta­de po­lí­ti­ca, pa­ra fa­zer das relações en­tre os dois paí­ses al­go mais do que “um jo­go de ra­to e ga­to” re­sul­tan­te dos resquí­ci­os da Guer­ra Fria, o que im­pe­de que qual­quer ten­ta­ti­va de diá­lo­go se­ja cons­truí­da so­bre ali­cer­ces for­tes. Os EUA, di­zem es­pe­ci­a­lis­tas, tar­dam em acei­tar e re­co­nhe­cer que, após um pe­río­do fo­ra do ce­ná­rio glo­bal e re­fém de Washing­ton, a Rús­sia de Vla­di­mir Pu­tin é ago­ra uma po­tên­cia e, co­mo tal, pre­ten­de con­so­li­dar a sua po­si­ção e zo­na de in­fluên­cia no mun­do , re­cu­pe­rar o pro­ta­go­nis­mo mun­di­al e do que con­si­de­ra “uma hu­mi­lha­ção do Oci­den­te”.

Er­ros de ava­li­a­ção dos EUA e de paí­ses oci­den­tais in­cen­ti­va­ram a ad­mis­são pe­la OTAN de paí­ses co­mo a Po­ló­nia, Re­pú­bli­ca Che­ca e Hun­gria, de paí­ses bál­ti­cos co­mo a Li­tuâ­nia, Es­tó­nia e Le­tó­nia, que fa­zi­am par­te da an­ti­ga União So­vié­ti­ca, e a pre­ten­são de in­te­grar a Geór­gia e a Ucrâ­nia na Ali­an­ça Atlân­ti­ca.

A res­pos­ta do Go­ver­no de Mos­co­vo a es­sas “pro­vo­ca­ções” e as re­ac­ções de Washing­ton es­fri­a­ram ca­da vez mais as relações bi­la­te­rais en­tre os dois paí­ses.

Co­o­pe­ra­ção é fun­da­men­tal

A jul­gar pe­las su­as de­cla­ra­ções, an­tes e após a vi­tó­ria nas pre­si­den­ci­ais, Do­nald Trump es­tá dis­pos­to a es­ta­be­le­cer um ti­po di­fe­ren­te de re­la­ção en­tre os dois paí­ses, que con­du­za a um en­ten­di­men­to efec­ti­vo e a uma mai­or es­ta­bi­li­da­de glo­bal.

Um en­ten­di­men­to cla­ro en­tre Washing­ton e Mos­co­vo pa­ra que um não pre­ju­di­que o ou­tro po­dia sim­pli­fi­car e ace­le­rar so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas re­gi­o­nais co­mo a Sí­ria, Ucrâ­nia e Co­reia do Nor­te, só pa­ra ci­tar al­guns.

Os Es­ta­dos Uni­dos tam­bém têm de aban­do­nar o ob­jec­ti­vo de im­pe­dir o de­sen­vol­vi­men­to da Chi­na e da Rús­sia pa­ra man­ter uma or­dem mun­di­al uni­po­lar, ca­so con­trá­rio, po­dem, mais ce­do ou mais tar­de, cri­ar con­di­ções pa­ra a eclo­são de uma ter­cei­ra guer­ra mun­di­al.

AFP

Pre­si­den­te elei­to dos Es­ta­dos Uni­dos Do­nald Trump sem­pre adop­tou um tom con­ci­li­a­tó­rio em re­la­ção à Rús­sia e a Vla­di­mir Pu­tin

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.