Leão Chi­min ques­ti­o­na se­ri­e­da­de das elei­ções

Di­ri­gen­tes do clu­be di­a­man­tí­fe­ro da Lun­da Nor­te de­vem va­lo­ri­zar a im­por­tân­cia dos só­ci­os

Jornal de Angola - - DESPORTO - ARMANDO SAPALO |

O an­ti­go pre­si­den­te e co-fun­da­dor do Gru­po Des­por­ti­vo do Sagrada Es­pe­ran­ça da Lun­da Nor­te, Leão Chi­min, es­pe­ra que a As­sem­bleia-Ge­ral de ba­lan­ço e re­no­va­ção de man­da­tos do clu­be, mar­ca­da pa­ra dia 3 de De­zem­bro, es­ta­be­le­ça no­vos ru­mos em ter­mos de or­ga­ni­za­ção das di­fe­ren­tes es­tru­tu­ras do clu­be di­a­man­tí­fe­ro.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, na quar­ta-fei­ra no Dun­do, Leão Chi­min con­si­de­rou que ape­sar de o Sagrada Es­pe­ran­ça ser uma ins­ti­tui­ção for­te e sus­ten­tá­vel no ca­pí­tu­lo fi­nan­cei­ra, ain­da exis­tem pro­ble­mas es­tru­tu­rais que ca­re­cem de uma pro­fun­da re­fle­xão, por par­te da sua mas­sa as­so­ci­a­ti­va.

As in­su­fi­ci­ên­ci­as or­ga­ni­za­ti­vas têm ti­do re­fle­xos ne­ga­ti­vos na pres­ta­ção e re­sul­ta­dos des­por­ti­vos do clu­be, par­ti­cu­lar­men­te a ní­vel do fu­te­bol, de­cla­rou Leão Chi­min, pa­ra qu­em a vi­da do Sagrada Es­pe­ran­ça con­ti­nua a ser de­ter­mi­na­da por um gru­po res­tri­to de pes­so­as, que no seu en­ten­der con­tras­ta com os prin­cí­pi­os es­ta­tu­tá­ri­os do clu­be.

O co-fun­da­dor de­fen­de a ne­ces­si­da­de da mas­sa as­so­ci­a­ti­va se ex­pri­mir de for­ma li­vre e de­mo­crá­ti­ca, so­bre as idei­as que vão sus­ten­tar os pro­gra­mas do pró­xi­mo man­da­to do ci­clo olím­pi­co na agre­mi­a­ção da Lun­da do Nor­te.

Chi­min es­pe­ra que a as­sem­bleia te­nha o ver­da­dei­ro sen­ti­do de um en­con­tro de só­ci­os, sem qual­quer res­tri­ção em ter­mos de par­ti­ci­pa­ção de pes­so­as que se iden­ti­fi­cam com o Sagrada Es­pe­ran­ça.

“A mi­nha ex­pec­ta­ti­va é que se­ja uma ver­da­dei­ra as­sem­bleia de só­ci­os, on­de se pos­sam ex­pri­mir li­vre­men­te so­bre a vi­da do clu­be quan­to a de­fi­ni­ção dos no­vos ru­mos des­sa agre­mi­a­ção des­por­ti­va”, afir­mou. A for­ma­li­za­ção da exis­tên­cia de só­ci­os no Gru­po Des­por­ti­vo Sagrada Es­pe­ran­ça, com a de­vi­da atri­bui­ção de car­tão de iden­ti­fi­ca­ção, co­mo for­ma de lhes con­fe­rir os di­rei­tos pre­vis­tos nos es­ta­tu­tos do clu­be, co­mo por exem­plo a par­ti­ci­pa­ção dos mes­mos nas as­sem­blei­as pa­ra a es­co­lha dos cor­pos ge­ren­tes do clu­be é ou­tra po­si­ção de­fen­di­da pe­lo ex-pre­si­den­te.

Leão Chi­min sus­ten­ta a sua po­si­ção, es­cla­re­cen­do que há um “can­cro” ge­ne­ra­li­za­do no mo­vi­men­to des­por­ti­vo an­go­la­no, que não se cir­cuns­cre­ve ape­nas ao Sagrada Es­pe­ran­ça, pois con­for­me acu­sa, mui­tas as­sem­blei­as já re­a­li­za­das são uma au­tên­ti­ca far­sa e si­mu­la­ção. Uma gran­de par­te das as­sem­blei­as são de­ci­di­das por uma mi­no­ria de pes­so­as, que ma­ni­pu­la a re­a­li­za­ção das reu­niões de ba­lan­ço e re­no­va­ção de man­da­tos, dis­se o tam­bém ju­ris­ta e mem­bro da co­mis­são que tra­ba­lhou na re­vo­ga­ção da Lei do Des­por­to em An­go­la.

“Em mui­tas as­sem­blei­as, são re­cru­ta­das pes­so­as da con­ve­ni­ên­cia da di­rec­ção ces­san­te com o ob­jec­ti­vo de aplau­di­rem as de­ci­sões to­ma­das e si­mu­la­rem que to­dos ob­jec­ti­vos pre­co­ni­za­dos pa­ra o re­fe­ri­do man­da­to fo­ram al­can­ça­dos”, res­sal­tou, re­fe­rin­do que acom­pa­nha com al­gu­ma aten­ção e apre­en­são o pro­ces­so de re­no­va­ção de man­da­tos a ní­vel dos clu­bes, as­so­ci­a­ções e fe­de­ra­ções des­por­ti­vas do País.

Por is­so, Leão Chi­min de­se­ja que a prá­ti­ca de si­mu­la­ção de as­sem­blei­as, com a pre­sen­ça de um nú­me­ro re­du­zi­do de só­ci­os, não afec­te a as­sem­bleia do Sagrada Es­pe­ran­ça da Lun­da Nor­te.

Fun­ções no clu­be

Além de ter in­te­gra­do o pri­mei­ro plan­tel do Sagrada Es­pe­ran­ça, lo­go após a fun­da­ção do clu­be a 26 de De­zem­bro de 1976, Leão Chi­min foi tam­bém o ter­cei­ro pre­si­den­te de di­rec­ção na his­tó­ria do for­ma­ção di­a­man­tí­fe­ra en­tre os anos de 1988 a 1989. Na se­gun­da pas­sa­gem à fren­te da di­rec­ção do Sagrada Es­pe­ran­ça, de­pois da As­sem­bleia re­a­li­za­da em 2009, o di­ri­gen­te viu o seu man­da­to in­ter­rom­pi­do, ao ser afas­ta­do pe­la Me­sa da As­sem­bleia-Ge­ral, ale­ga­da­men­te por de­so­be­di­ên­cia a es­te ór­gão de con­sul­ta e de­li­be­ra­ti­vo.

No man­da­to em que se tor­nou o quin­to pre­si­den­te da his­tó­ria do Sagrada Es­pe­ran­ça, Leão Chi­min ti­nha co­mo apos­ta a re­vi­ta­li­za­ção e di­na­mi­za­ção dos pro­jec­tos de for­ma­ção pa­ra a cap­ta­ção de no­vos ta­len­tos, pa­ra a equi­pa prin­ci­pal de fu­te­bol do con­jun­to da Lun­da Nor­te.

Em De­zem­bro o Sagrada Es­pe­ran­ça com­ple­ta 40 anos de exis­tên­cia. Fu­te­bol e té­nis de cam­po são as du­as mo­da­li­da­des des­por­ti­vas que a agre­mi­a­ção mo­vi­men­ta ac­tu­al­men­te. O des­por­to rei é a ban­dei­ra das co­res do clu­be e tem par­ti­ci­pa­ções re­gu­la­res nas prin­ci­pais com­pe­ti­ções sob a égi­de da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Fu­te­bol (FAF).

No seu pal­ma­rés, quan­to ao fu­te­bol, o Sagrada Es­pe­ran­ça foi cam­peão do Gi­ra­bo­la em 2005, com o trei­na­dor an­go­la­no Má­rio de Sou­sa Ca­la­do. a agre­mi­a­ção ven­ceu tam­bém, em du­as oca­siões (1988 e 1999), a Ta­ça de An­go­la. O pri­mei­ro tro­féu foi er­gui­do sob ba­tu­ta do ma­lo­gra­do Ade­li­no Cristóvão “Adé” e o se­gun­do de João Ma­cha­do.

A equi­pa ter­mi­nou o Gi­ra­bo­la ZAP 2016 na 9ª po­si­ção, com 37 pon­tos, sem con­tar com os prés­ti­mos do seu trei­na­dor prin­ci­pal, Zo­ran Ma­ki, sus­pen­so pe­la di­rec­ção a par­tir da 22ª Jornada do cam­pe­o­na­to. Na al­tu­ra, o elen­co li­de­ra­do por Os­val­do Van-du­ném ar­gu­men­tou que o trei­na­dor de­so­be­de­ceu ori­en­ta­ções su­pe­ri­o­res.

JO­SÉ SOARES

Di­a­man­tí­fe­ros mos­tra­ram for­ça com­pe­ti­ti­va nas eli­mi­na­tó­ri­as da Ta­ça Nel­son Man­de­la mas ex­pe­ri­men­ta­ram di­fi­cul­da­des no Gi­ra­bo­la ZAP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.