Es­ta­tu­to do jor­na­lis­ta pas­sa por una­ni­mi­da­de

APRO­VA­DO PACOTE LEGISLATIVO DA CO­MU­NI­CA­ÇÃO SO­CI­AL

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁCIO |

AAs­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­vou on­tem o Pacote Legislativo da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, que in­te­gra as Leis de Im­pren­sa, da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA), so­bre o Exer­cí­cio da Ac­ti­vi­da­de de Te­le­vi­são e Ra­di­o­di­fu­são e a de Pro­tec­ção das Re­des e Sis­te­mas In­for­má­ti­cos, além do Es­ta­tu­to do Jor­na­lis­ta. O mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Jo­sé Luís de Ma­tos, afir­mou que a apro­va­ção do pacote legislativo da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al é uma vi­tó­ria pa­ra o jor­na­lis­mo an­go­la­no, fru­to da co­or­de­na­ção que foi fei­ta com a as­so­ci­a­ção dos jor­na­lis­tas. As Leis apro­va­das res­pon­sa­bi­li­zam ain­da mais a clas­se jor­na­lís­ti­ca que vai ter de cor­res­pon­der à con­fi­an­ça que os de­pu­ta­dos de­po­si­ta­ram nos pro­fis­si­o­nais da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al com a apro­va­ção dos di­plo­mas le­gais. O mi­nis­tro ga­ran­tiu que o Exe­cu­ti­vo vai cum­prir os pra­zos pa­ra a re­gu­la­men­ta­ção das leis. “Os de­pu­ta­dos con­tri­buí­ram pa­ra que os pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al ti­ves­sem bo­as leis e não há na­da a con­tes­tar”, sa­li­en­tou o mi­nis­tro.

A As­sem­bleia Na­ci­o­nal apro­vou on­tem o Pacote Legislativo da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, que in­te­gra as Leis de Im­pren­sa, da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA), so­bre o Exer­cí­cio da Ac­ti­vi­da­de de Te­le­vi­são e Ra­di­o­di­fu­são e a de Pro­tec­ção das Re­des e Sis­te­mas In­for­má­ti­cos, além do Es­ta­tu­to do Jor­na­lis­ta.

O mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Jo­sé Luís de Ma­tos, afir­mou que apro­va­ção do pacote legislativo da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al é uma vi­tó­ria pa­ra o jor­na­lis­mo an­go­la­no, fru­to da co­or­de­na­ção que foi fei­ta com as­so­ci­a­ção dos jor­na­lis­tas.

As Leis apro­va­das res­pon­sa­bi­li­zam ain­da mais a clas­se jor­na­lís­ti­ca que vai ter de cor­res­pon­der à con­fi­an­ça que os de­pu­ta­dos de­po­si­ta­ram aos pro­fis­si­o­nais da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al com a apro­va­ção dos di­plo­mas le­gais.

O mi­nis­tro ga­ran­tiu que Exe­cu­ti­vo vai cum­prir os pra­zos pa­ra a re­gu­la­men­ta­ção das leis. “Os de­pu­ta­dos con­tri­buí­ram pa­ra que os pro­fis­si­o­nais da co­mu­ni­ca­ção so­ci­al ti­ves­sem bo­as leis e não há na­da a con­tes­tar”, sa­li­en­tou o mi­nis­tro.

Um dos do­cu­men­tos em que hou­ve una­ni­mi­da­de na vo­ta­ção foi o Es­ta­tu­to dos Jor­na­lis­tas, que de­fi­ne os pa­râ­me­tros do exer­cí­cio da pro­fis­são de jor­na­lis­ta, as­sim co­mo os di­rei­tos, de­ve­res e res­pon­sa­bi­li­da­des pro­fis­si­o­nais. O Es­ta­tu­to es­ta­be­le­ce o de­ver do jor­na­lis­ta pau­tar o exer­cí­cio da pro­fis­são no res­pei­to e ob­ser­va­ção das nor­mas le­gais per­ti­nen­tes e da éti­ca e de­on­to­lo­gia pro­fis­si­o­nais.

A pro­pos­ta foi apre­sen­ta­da pe­la de­pu­ta­da Luí­sa Da­mião, que ga­ran­te, igual­men­te, o di­rei­to do jor­na­lis­ta de aces­so às fon­tes de in­for­ma­ção e ao si­gi­lo pro­fis­si­o­nal, bem co­mo es­ta­be­le­ce o prin­cí­pio da res­pon­sa­bi­li­da­de por ac­tos por ele pra­ti­ca­dos que in­frin­jam a lei. O Es­ta­tu­to cla­ri­fi­ca, além dis­so, as con­di­ções em que um jor­na­lis­ta es­tran­gei­ro po­de exer­cer a pro­fis­são em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. A Lei de Im­pren­sa, apro­va­da com vo­tos fa­vo­rá­veis do MPLA e FNLA, con­tra da CA­SA-CE, e abs­ten­ções da UNITA e PRS , foi apre­sen­ta­da pe­lo de­pu­ta­do João Mu­a­ton­gue­la, da Co­mis­são dos As­sun­tos Cons­ti­tu­ci­o­nais e Ju­rí­di­cos.

No di­plo­ma, o Exe­cu­ti­vo es­ta­be­le­ce apoio aos ór­gãos de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al pa­ra as­se­gu­rar o plu­ra­lis­mo da in­for­ma­ção e o li­vre exer­cí­cio da li­ber­da­de de im­pren­sa e o seu ca­rác­ter de in­te­res­se pú­bli­co. O di­plo­ma es­ta­be­le­ce tam­bém que a ac­ti­vi­da­de da Agên­cia de No­tí­ci­as po­de ser exer­ci­da por qual­quer en­ti­da­de pú­bli­ca ou pri­va­da, mas não de­ve ser exer­ci­da nem fi­nan­ci­a­da por par­ti­dos ou as­so­ci­a­ções po­lí­ti­cas, or­ga­ni­za­ções sin­di­cais, pa­tro­nais, pro­fis­si­o­nais ou au­tar­qui­as lo­cais.

Já o di­plo­ma que de­fi­ne o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de de Ra­di­o­di­fu­são foi apro­va­do com vo­tos fa­vo­rá­veis do MPLA, CA­SA-CE e FNLA e abs­ten­ções da UNITA e do PRS. A de­pu­ta­da Yo­lan­da Brí­gi­da, que apre­sen­tou o do­cu­men­to, lem­brou que o meio con­ti­nua a ser um dos prin­ci­pais veí­cu­los de co­mu­ni­ca­ção pa­ra le­var a in­for­ma­ção e en­tre­te­ni­men­to aos ci­da­dãos, além de pro­mo­ver a cul­tu­ra, ci­da­da­nia e o res­pei­to pe­las di­fe­ren­ças. Os de­pu­ta­dos apro­va­ram a pro­pos­ta de Lei da En­ti­da­de Re­gu­la­do­ra da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al An­go­la­na (ERCA), que re­ce­beu vo­tos fa­vo­rá­veis do MPLA e con­tra da UNITA e CA­SA-CE e abs­ten­ção do PRS. Já a Lei de Pro­tec­ção das Re­des e Sis­te­mas In­for­má­ti­cos foi apro­va­da com vo­tos fa­vo­rá­veis do MPLA, CA­SA-CE e FNLA e abs­ten­ção da UNITA e PRS. O mi­nis­tro con­si­de­ra a Lei da ERCA “um bom di­plo­ma” e que os pro­fis­si­o­nais es­tão bem re­pre­sen­ta­dos. “Acho que te­mos tu­do pa­ra fa­zer­mos um bom tra­ba­lho e com mai­or res­pon­sa­bi­li­da­de”, dis­se.

KINDALA MANUEL

Mi­nis­tro ape­lou à clas­se jor­na­lís­ti­ca a cor­res­pon­der à con­fi­an­ça dos de­pu­ta­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.