Atrac­ti­vos no cam­po pa­ra tra­var êxo­do ru­ral

Sophia Sha­ningwa des­ta­ca im­por­tân­cia da co­o­pe­ra­ção en­tre Na­mí­bia e An­go­la

Jornal de Angola - - PARTADA - JOÃO DI­AS |

A mi­nis­tra namibiana do Urbanismo e De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral, Sophia Sha­ningwa, es­te­ve em Lu­an­da pa­ra par­ti­ci­par no Fó­rum dos Mu­ni­cí­pi­os e Ci­da­des de An­go­la, que de­cor­reu a 15 e 16 do cor­ren­te mês. O Jor­nal de An­go­la con­ver­sou com a mi­nis­tra do país a sul. Ao lon­go da en­tre­vis­ta, Sophia Sha­ningwa des­ta­cou a im­por­tân­cia da co­o­pe­ra­ção en­tre o seu país e An­go­la e de­fen­deu a sua con­ti­nua ma­nu­ten­ção. A mi­nis­tra é de opi­nião de que as po­lí­ti­cas ha­bi­ta­ci­o­nais de­vem ser abran­gen­tes e in­clu­si­vas, lem­bran­do que a Na­mí­bia pro­cu­ra re­gu­lar o mer­ca­do imo­bi­liá­rio pa­ra que até o ci­da­dão com bai­xo ren­di­men­to te­nha aces­so ha­bi­ta­ção dig­na e com qua­li­da­de. Cri­ti­ca aque­les que no sec­tor pro­cu­ram o que cha­ma de lu­cro ce­go e in­jus­ti­fi­ca­do. Na sua vi­são e de acor­do com a ex­pe­ri­ên­cia namibiana, pa­ra a cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras, é pre­ci­so, e em pri­mei­ro lu­gar, iden­ti­fi­car as re­giões on­de há mai­or den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca pa­ra que es­tas res­pon­dam as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção. Há que sa­ber quan­tos são, pa­ra que se­jam cons­truí­dos, por exem­plo hos­pi­tais, es­co­las e ca­sas em fun­ção dis­so.

Jor­nal de An­go­la - A Na­mí­bia é um país jo­vem, se olhar­mos pa­ra os anos em que es­tá in­de­pen­den­te. Po­rém, pa­re­ce ter con­se­gui­do uma boa organização ur­ba­na e equi­li­brar a qua­li­da­de de vi­da en­tre o cam­po e a ci­da­de. Que ex­pe­ri­ên­cia tem pa­ra par­ti­lhar?

Sophia Sha­ningwa - Ve­nho a An­go­la pa­ra par­ti­ci­par do Fó­rum dos Mu­ni­cí­pi­os e Ci­da­des or­ga­ni­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio pa­ra ab­sor­ver a ex­pe­ri­ên­cia an­go­la­na no do­mí­nio da organização e or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio, mas tam­bém dei­xar­mos a nos­sa ex­pe­ri­ên­cia e os nos­sos ca­sos de su­ces­so ao ní­vel das Fi­nan­ças Lo­cais, ges­tão de re­sí­du­os, de­sen­vol­vi­men­to ru­ral e tec­no­ló­gi­co. Ape­sar dis­so, de­vo lem­brar que a ex­pe­ri­ên­cia que te­mos do pas­sa­do não é tão boa. A Na­mí­bia é ain­da uma cri­an­ça de 26 anos. Só co­me­çá­mos a or­ga­ni­zar e a pôr tu­do em or­dem de­pois da nos­sa Independência. Windho­ek era uma ci­da­de re­ser­va­da só pa­ra a mi­no­ria bran­ca. Foi de­pois da Independência que a cons­ti­tui­ção per­mi­tiu que a po­pu­la­ção namibiana, de Nor­te a Sul, e de Es­te a Oes­te, se mo­vi­men­tas­se sem res­tri­ções pa­ra to­do e qual­quer can­to do país.

Jor­nal de An­go­la - O que su­ce­deu com a li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens na Na­mí­bia e que re­per­cus­sões sur­gi­ram na épo­ca?

Sophia Sha­ningwa - Di­an­te dis­so, o país en­con­trou ou­tro pro­ble­ma: eram ne­ces­sá­ri­as in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra su­por­tar es­ta ava­lan­che e o mo­do co­mo se de­sen­ca­de­a­va o mo­vi­men­to de pes­so­as e bens e em mui­tos ca­sos a sua fi­xa­ção na ci­da­de. Foi de fac­to, uma con­tra­di­ção à nos­sa von­ta­de ver­mos que ha­via pre­dis­po­si­ção e até con­sa­gra­ção cons­ti­tu­ci­o­nal pa­ra que o na­mi­bi­a­no co­mum pu­des­se mo­ver-se de

uma pa­ra ou­tras ci­da­des, mas que, co­mo já dis­se, as in­fra-es­tru­tu­ras não es­ta­vam à dis­po­si­ção des­sa po­pu­la­ção. Quan­do se dá es­te mo­vi­men­to, as ci­da­des pre­ci­sam cri­ar mais es­co­las de qua­li­da­de, hos­pi­tais com ca­pa­ci­da­de pa­ra dar res­pos­tas ime­di­a­tas e efi­ca­zes às do­en­ças e dis­por das de­mais es­tru­tu­ras pa­ra dar qua­li­da­de à vi­da.

Jor­nal de An­go­la - É sem­pre bom tra­zer a de­ba­te ques­tões que têm a ver com a vi­da dos mu­ni­cí­pi­os e ci­da­des, seus pro­ble­mas, seus avan­ços e re­cu­os, pers­pec­ti­vas e es­pe­ran­ças?

Sophia Sha­ningwa - Sem dú­vi­da. É um bom exer­cí­cio. Ho­je es­ta­mos a fa­lar do fó­rum de mu­ni­cí­pi­os e ci­da­des de An­go­la, uma ques­tão que sem­pre foi e con­ti­nua a ser im­por­tan­te pa­ra a vi­da das pes­so­as, quer na Na­mí­bia, quer aqui em An­go­la, pois quan­do fa­la­mos de mu­ni­cí­pi­os e ci­da­des, es­ta­mos a fa­lar da po­pu­la­ção, das in­fra­es­tru­tu­ras, do de­sen­vol­vi­men­to e de uma sé­rie de as­pec­tos que con­cor­rem pa­ra a sua qua­li­da­de de vi­da, que no fun­do de­ve ser o cer­ne das nos­sas po­lí­ti­cas. É pre­ci­so cons­truir ca­sas, lo­jas e es­pa­ços de la­zer, mas tam­bém ga­ran­tir a se­gu­ran­ça com a ins­ta­la­ção de mais es­qua­dras po­li­ci­ais, ba­ses de bom­bei­ros e ins­ta­lar dis­po­si­ti­vos que as­se­gu­rem a tran­qui­li­da­de e paz. Ter uma ci­da­de pa­ra to­dos e com a qua­li­da­de que se quer é um de­sa­fio, pois é pre­ci­so pen­sar ao de­ta­lhe so­bre to­dos os as­pec­tos. Pa­ra os jo­vens, é pre­ci­so pen­sar em bo­as uni­ver­si­da­des e na cri­a­ção de em­pre­gos e la­zer. É ver­da­de que fa­lan­do das in­fra-es­tru­tu­ras e da li­vre cir­cu­la­ção de pes­so­as e bens ou das pes­so­as,

prin­ci­pal­men­te, me re­fi­ro à ne­ces­si­da­de das nos­sas cri­an­ças te­rem aces­so à es­co­la e to­das as con­di­ções pa­ra que tal se efec­ti­ve com gran­de pro­vei­to. Mas tu­do is­so faz par­te tam­bém de uma boa ges­tão do país. To­das es­tas ques­tões de­vem ser pro­jec­ta­das nu­ma pers­pec­ti­va de mé­dio pra­zo pa­ra que a po­pu­la­ção te­nha qua­li­da­de de vi­da e as cri­an­ças um bom sis­te­ma de en­si­no e to­do um con­jun­to de es­tru­tu­ras que mi­no­rem ou mes­mo fa­çam com que ine­xis­tam di­fi­cul­da­des. E pa­ra is­so, é pre­ci­so cri­ar um sis­te­ma de trans­por­tes fun­ci­o­nal e com­pac­to pa­ra que es­te mo­vi­men­to da ci­da­de às zo­nas ru­rais ou o con­trá­rio, se­ja pos­sí­vel e com qua­li­da­de.

Jor­nal de An­go­la - To­das es­tas ques­tões cons­ti­tu­em um que­bra­ca­be­ça pa­ra a cons­tru­ção das ci­da­des nos tem­pos de ho­je?

Sophia Sha­mingwa - Com cer­te­za. Es­tes cons­ti­tu­em ape­nas al­guns dos pro­ble­mas da ci­da­de. Mas é um gran­de de­sa­fio pa­ra to­dos nós, na Na­mí­bia e é um de­sa­fio de An­go­la. Vi a po­pu­la­ção aqui e sin­to que pre­ci­sa­mos fa­zer mais pa­ra a cri­a­ção de pos­tos de tra­ba­lho. Mas a ques­tão que se co­lo­ca é: o que va­mos fa­zer? Pa­ra res­pon­der a es­ta ques­tão, nós na Na­mí­bia es­ta­mos a fa­zer a pla­ni­fi­ca­ção a ní­vel das nos­sas pro­vín­ci­as pa­ra des­cen­tra­li­zar as nos­sas ac­ti­vi­da­des e re­for­çá-las nas zo­nas ru­rais. De­ve­mos fa­zer com que to­das as in­fra-es­tru­tu­ras ur­ba­nas exis­ten­tes nos gran­des cen­tros ur­ba­nos, exis­tam tam­bém nas zo­nas ru­rais. Por exem­plo, é pre­ci­so des­cen­tra­li­zar as con­ser­va­tó­ri­as pa­ra evi­tar que o ci­da­dão saia das em que vi­vem pa­ra a ci­da­de com a in­ten­ção de ver ques­tões que se­ri­am re­sol­vi­das no seu lo­cal de re­si­dên­cia se lá es­ti­ves­sem co­lo­ca­das in­fra-es­tru­tu­ras ou ser­vi­ços. É pre­ci­so pro­vi­den­ci­ar es­pa­ço pa­ra que tu­do is­so se­ja pos­sí­vel, eé o que te­mos ten­ta­do fa­zer até aqui.

Jor­nal de An­go­la - A ins­ta­la­ção de ser­vi­ços e a cons­tru­ção de in­fra­es­tru­tu­ras fun­da­men­tais nas zo­nas ru­rais, são um tra­vão ao êxo­do ru­ral ou, na sua opi­nião, exis­tem ou­tros fac­to­res sub­ja­cen­tes?

Sophia Sha­ningwa - É fun­da­men­tal, cla­ra­men­te. Quan­do se le­va à zo­na ru­ral, o que exis­te na ci­da­de em ter­mos de ser­vi­ços, la­zer e in­fra-es­tru­tu­ras, es­ta­mos a tra­var o êxo­do ru­ral, que na mai­or par­te dos ca­sos é mo­ti­va­do pe­la bus­ca de opor­tu­ni­da­des e con­for­to. Es­ta­mos nes­se pro­ces­so e o que vai acon­te­cer, em bre­ve, é que a po­pu­la­ção ru­ral, ago­ra na ci­da­de, re­gres­se à pro­ce­dên­cia, pois lá es­tão cri­a­das as con­di­ções e opor­tu­ni­da­des pa­ra vi­ve­rem com dig­ni­da­de. Se não se pro­vi­den­cia to­das as es­tru­tu­ras pa­ra tor­nar pos­sí­vel a ac­ti­vi­da­de eco­nó­mi­ca nas zo­nas ru­rais, o flu­xo da po­pu­la­ção pa­ra as ci­da­des vai con­ti­nu­ar a au­men­tar, aliás, es­ta é uma ten­dên­cia na­tu­ral, o ho­mem pro­cu­rar qua­li­da­de e con­for­to. Se a zo­na ru­ral não ti­ver, en­tão vão sem­pre ter a ci­da­de co­mo pa­na­ceia dos seus pro­ble­mas,

em­bo­ra nem sem­pre ne­la es­te­ja a so­lu­ção do que se pro­cu­ra.

Jor­nal de An­go­la - O que fa­zer en­tão pa­ra que tu­do is­so se­ja fei­to com sus­ten­ta­bi­li­da­de?

Sophia Sha­mingwa - O que te­mos fei­to até aqui e an­tes de tu­do, é iden­ti­fi­car as zo­nas e re­giões on­de há mai­or den­si­da­de de­mo­grá­fi­ca. Quan­do pro­ce­de­mos as­sim, pre­ten­de­mos cri­ar in­fra-es­tru­tu­ras que res­pon­dam as ne­ces­si­da­des da po­pu­la­ção. Há que sa­ber quan­tos são, pa­ra que se­jam cons­truí­dos, por exem­plo hos­pi­tais, es­co­las e ca­sas em fun­ção dis­so.

Jor­nal de An­go­la - Es­ta é uma me­di­da mui­to sen­sa­ta, mas tem fun­ci­o­na­do na Na­mí­bia?

Sophia Sha­mingwa - Com cer­te­za. Mas ain­da as­sim, é tam­bém ne­ces­sá­rio iden­ti­fi­car as po­ten­ci­a­li­da­des e vo­ca­ção e as van­ta­gens eco­nó­mi­cas de ca­da pro­vín­cia. É pre­ci­so ver se tem vo­ca­ção pa­ra agri­cul­tu­ra e se for ri­ca e fér­til, va­mos di­rec­ci­o­nar to­das as má­qui­nas e for­ças pa­ra de­sen­vol­ver a agri­cul­tu­ra. Se for in­dús­tria, va­mos fa­zer o mes­mo e pre­pa­rar re­cur­sos hu­ma­nos qua­li­fi­ca­dos pa­ra o efei­to e fa­ze­mos o mes­mo se a pro­vín­cia for ri­ca em mi­ne­rais. Pa­ra is­so, pre­ci­sa­mos sem­pre e, co­mo tem acon­te­ci­do, de in­ves­ti­do­res com quem re­par­ti­mos as van­ta­gens a meio: 50 a 50. Mas é pre­ci­so per­ce­ber, que no fi­nal, de­ve ser a po­pu­la­ção o gran­de be­ne­fi­ciá­rio.

Jor­nal de An­go­la - O que quer di­zer?

Sophia Sha­mingwa - O que qu­e­ro di­zer, é que além de ou­tros be­ne­fí­ci­os, um in­ves­ti­men­to a es­te ní­vel de­ve tor­nar pos­sí­vel a cons­tru­ção de ha­bi­ta­ção no lo­cal pa­ra que to­dos quan­to tra­ba­lhem lá, não te­nham de re­gres­sar no fi­nal de ca­da jor­na­da, ou se­ja, que não te­nham ape­nas as su­as ca­sas co­mo me­ros dor­mi­tó­ri­os. Têm de vi­ver pró­xi­mo ao lo­cal de tra­ba­lho. Es­ta­mos a fa­zer is­so, na Na­mí­bia, ten­tan­do des­cen­tra­li­zar to­das as ac­ti­vi­da­des pa­ra as zo­nas ru­rais e cri­ar opor­tu­ni­da­des de em­pre­go fo­ra de Windho­ek e sin­to que a po­pu­la­ção es­tá a

re­ver-se nes­tas me­di­das. Tu­do is­so faz com que o Go­ver­no re­du­za os cus­tos com a re­du­ção do mo­vi­men­to cam­po/ci­da­de.

Jor­nal de An­go­la - O que a Na­mí­bia es­tá a fa­zer é mui­to in­te­li­gen­te, mas co­mo é que tem si­do na prá­ti­ca com a ques­tão dos cus­tos daí de­cor­ren­tes?

Sophia Sha­mingwa - Criá­mos a cul­tu­ra de de­fen­der os nos­sos pró­pri­os or­ça­men­tos na As­sem­bleia Na­ci­o­nal, ou se­ja, se vo­cê for go­ver­na­dor de uma re­gião, te­rá de ser ca­paz de di­zer no par­la­men­to as re­ais ne­ces­si­da­de da sua re­gião. E eu, na qua­li­da­de de mi­nis­tra, te­nho de de­fen­der o or­ça­men­to do meu sec­tor em fun­ção do que tem de ser re­a­li­za­do a cur­to e a mé­dio pra­zo. Até ago­ra tem cor­ri­do con-

“De­ve­mos fa­zer com que to­das as in­fra-es­tru­tu­ras ur­ba­nas exis­ten­tes nos gran­des ” cen­tros exis­tam tam­bém nas zo­nas ru­rais

PAULO MULAZA

Mi­nis­tra Sophia Sha­ningwa diz que é pre­ci­so le­var in­fra-es­tru­tu­ras ao cam­po pa­ra fi­xar os jo­vens e tra­var o êxo­do ru­ral

JOÃO GO­MES

Mi­nis­tra namibiana do Urbanismo e De­sen­vol­vi­men­to Ru­ral Sophia Sha­ningwa cri­ti­ca aque­les que no sec­tor pro­cu­ram lu­cros in­jus­ti­fi­ca­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.