Cré­di­to mal­pa­ra­do pre­o­cu­pa ban­cá­ri­os

Jornal de Angola - - PARTADA - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

A ban­ca an­go­la­na con­ti­nua a ter co­mo fac­tor de ins­ta­bi­li­da­de o cré­di­to mal­pa­ra­do, que au­men­tou 8,8 por cen­to, e a bai­xa ban­ca­ri­za­ção da po­pu­la­ção, re­ve­la o es­tu­do apre­sen­ta­do on­tem, em Lu­an­da, pe­la em­pre­sa de con­sul­to­ria KPMG. O sec­tor re­gis­tou em 2015 um abran­da­men­to dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res de ac­ti­vi­da­de.

A ban­ca an­go­la­na ve­ri­fi­cou no ano pas­sa­do um abran­da­men­to dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res de ac­ti­vi­da­de e di­men­são e man­tém ele­va­dos ní­veis de ren­ta­bi­li­da­de em re­la­ção ao vo­lu­me de activos sob ges­tão (16,6 por cen­to), em ter­mos do nú­me­ro de agên­ci­as (5,9 por cen­to) e do nú­me­ro de co­la­bo­ra­do­res (4,3 por cen­to), re­ve­la o es­tu­do apre­sen­ta­do on­tem, em Lu­an­da, pe­la em­pre­sa de con­sul­to­ria KPMG.

O sec­tor con­ti­nua a ter co­mo fac­tor de ins­ta­bi­li­da­de o cré­di­to mal­pa­ra­do, que au­men­tou 8,8 por cen­to, e a bai­xa ban­ca­ri­za­ção da po­pu­la­ção. Com ba­se nos da­dos do cen­so de 2014, a po­pu­la­ção an­go­la­na ban­ca­ri­za­da ron­da os 47 por cen­to. O Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) ain­da não for­ne­ceu os da­dos de 2015, mas a KPMG an­te­vê um ce­ná­rio po­si­ti­vo na sua evo­lu­ção.O país tem ho­je 27 instituições ban­cá­ri­as e aguar­da-se pe­la en­tra­da de mais três – o Eco­bank An­go­la, o Ban­co Pos­tal e o Ban­co da Chi­na. Há dois anos, os cin­co mai­o­res ban­cos an­go­la­nos de­ti­nham 73 por cen­to do to­tal de activos do sec­tor. Em 2015, es­se in­di­ca­dor caiu pa­ra 69 por cen­to.

Em ter­mos de ren­ta­bi­li­da­de, os re­sul­ta­dos lí­qui­dos agre­ga­dos au­men­ta­ram 19,8 por cen­to, uma va­ri­a­ção po­ten­ci­a­da pe­la evo­lu­ção cam­bi­al ve­ri­fi­ca­da no ano de 2015, por cres­cen­tes vo­lu­mes de pro­vei­tos re­la­ti­vos ao cré­di­to con­ce­di­do e aos pro­gres­si­vos ní­veis de efi­ci­ên­cia ope­ra­ci­o­nal. A evo­lu­ção dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res de de­sem­pe­nho, em con­jun­to com o re­for­ço da ban­ca­ri­za­ção, e o es­for­ço das instituições financeiras em apro­xi­ma­rem as su­as nor­mas às das instituições ban­cá­ri­as in­ter­na­ci­o­nais, an­te­vêem uma evo­lu­ção po­si­ti­va, ain­da que tal de­pen­da mui­to da evo­lu­ção ma­cro­e­co­nó­mi­ca do país, nos pró­xi­mos anos.

A eco­no­mia an­go­la­na de­ve apre­sen­tar no fi­nal des­te ano uma ta­xa de in­fla­ção su­pe­ri­or a 40 por cen­to, a mais ele­va­da des­de o ano de 2008, con­tra uma ta­xa de 10,3 por cen­to re­gis­ta­da no ano de 2015.

Da­dos do BNA, re­to­ma­dos pe­la KPMG, in­di­cam que a ta­xa de câm­bio re­gis­tou uma de­pre­ci­a­ção de 24,3 por cen­to, en­tre o fi­nal dos anos de 2014 e 2015. Re­la­ti­va­men­te ao pri­mei­ro se­mes­tre des­te ano, a ta­xa de câm­bio de­cres­ceu 18,4 por cen­to, em fun­ção da ele­va­da pro­cu­ra de dó­la­res, mui­to in­flu­en­ci­a­da pe­la que­bra das re­cei­tas em mo­e­da es­tran­gei­ra as­so­ci­a­das à ex­por­ta­ção de pe­tró­leo.

Em li­nhas ge­rais, a de­sa­ce­le­ra­ção jus­ti­fi­ca­da pe­la que­da da pro­cu­ra in­ter­na, a re­trac­ção do in­ves­ti­men­to pú­bli­co e as di­fi­cul­da­des no aces­so às im­por­ta­ções de­vem tra­zer um im­pac­to sig­ni­fi­ca­ti­vo no Pro­gra­ma de In­ves­ti­men­tos Pú­bli­cos do Exe­cu­ti­vo e de­vem pro­vo­car al­te­ra­ções no pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to dos pro­jec­tos es­tru­tu­ran­tes, bem co­mo con­di­ci­o­nar o es­for­ço de di­ver­si­fi­ca­ção da eco­no­mia.

De­pó­si­tos em que­da

Os de­pó­si­tos em mo­e­da na­ci­o­nal e es­tran­gei­ra sob re­ser­va do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA) vol­ta­ram a des­cer, ago­ra em mais de qua­tro por cen­to, en­tre Se­tem­bro e Ou­tu­bro, pa­ra o equi­va­len­te a 1,089 tri­liões de kwan­zas. Da­dos pre­li­mi­na­res do BNA so­bre o pa­no­ra­ma mo­ne­tá­rio an­go­la­no in­di­cam que as re­ser­vas já ti­nham des­ci­do em Se­tem­bro 3,1 por cen­to, pa­ra 1,138 tri­liões de kwan­zas, e no es­pa­ço de um mês caí­ram mais cer­ca de 49 mil mi­lhões de kwan­zas, até Ou­tu­bro. Em cau­sa es­tá a obri­ga­to­ri­e­da­de de os mais de 20 ban­cos co­mer­ci­ais que ope­ram em An­go­la cons­ti­tuí­rem re­ser­vas so­bre os de­pó­si­tos à or­dem do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la, que fi­xou ta­xas de 15 por cen­to do to­tal em mo­e­da es­tran­gei­ra e 25 por cen­to em mo­e­da na­ci­o­nal.

En­tre a de­no­mi­na­da “re­ser­va ban­cá­ria”, con­ta­vam-se a 31 de Ou­tu­bro de­pó­si­tos obri­ga­tó­ri­os em mo­e­da es­tran­gei­ra, que des­ce­ram 5,5 por cen­to fa­ce a Se­tem­bro, pa­ra 120.759 mi­lhões de kwan­zas (666 mi­lhões de eu­ros), e em mo­e­da na­ci­o­nal, que re­du­zi­ram em 3,3 por cen­to, pa­ra 884.307 mi­lhões de kwan­zas. Nos úl­ti­mos cin­co anos, pe­río­do dis­po­ni­bi­li­za­do na aná­li­se do BNA, o va­lor to­tal mais bai­xo des­tas re­ser­vas ban­cá­ri­as ocor­reu em 2012, com 671.325 mi­lhões de kwan­zas.

A eco­no­mia na­ci­o­nal en­fren­ta uma gra­ve cri­se fi­nan­cei­ra e eco­nó­mi­ca, de­cor­ren­te da que­bra da co­ta­ção do bar­ril de pe­tró­leo no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal, si­tu­a­ção que se re­flec­te ain­da na fal­ta de di­vi­sas no país, o que pro­vo­ca vá­ri­as res­tri­ções na ges­tão de mo­e­da es­tran­gei­ra.

Des­de Se­tem­bro de 2014, a mo­e­da na­ci­o­nal an­go­la­na des­va­lo­ri­zou em mais de 40 por cen­to, fa­ce ao dó­lar nor­te-ame­ri­ca­no, pa­ra 166 kwan­zas pa­ra um dó­lar, à ta­xa ofi­ci­al, mui­to lon­ge dos va­lo­res do mer­ca­do pa­ra­le­lo, que ron­da os 490 kwan­zas. Os ban­cos co­mer­ci­ais an­go­la­nos es­tão obri­ga­dos des­de 1 de Ju­lho de 2015 a cons­ti­tuir re­ser­vas de mo­e­da na­ci­o­nal no BNA equi­va­len­tes a 25 por cen­to dos de­pó­si­tos dos cli­en­tes.

O co­e­fi­ci­en­te de re­ser­vas obri­ga­tó­ri­as em mo­e­da es­tran­gei­ra man­te­ve-se inal­te­ra­do em 15 por cen­to. O co­e­fi­ci­en­te de re­ser­vas obri­ga­tó­ri­as em mo­e­da na­ci­o­nal es­ta­va fi­xa­do em 2014 em12,5 por cen­to, ten­do o BNA au­men­ta­do a 1 de Ja­nei­ro de 2015 pa­ra 15 por cen­to, jus­ti­fi­can­do a de­ci­são com a ne­ces­si­da­de de “ga­ran­tir a es­ta­bi­li­da­de de pre­ços”, pre­ci­sa­men­te no pi­co da cri­se da que­bra da co­ta­ção in­ter­na­ci­o­nal do pe­tró­leo.

Os ban­cos co­mer­ci­ais que ope­ram em An­go­la são obri­ga­dos a in­for­mar re­gu­lar­men­te o ban­co cen­tral so­bre es­tas re­ser­vas, que en­vol­vem de­pó­si­tos e ope­ra­ções com tí­tu­los.

JO­SÉ SO­A­RES

Victor Ri­bei­ri­nho da KPMG quan­do apre­sen­ta­va o re­la­tó­rio que re­tra­ta o es­ta­do da ban­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.