Os gra­ves pro­ble­mas da SIC

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTOR CAR­VA­LHO |

O mer­ca­do li­ga­do à im­pren­sa em Portugal, co­mo um pou­co por to­do o mun­do, atra­ves­sa uma pro­fun­da cri­se que é fru­to das no­vas tec­no­lo­gi­as de in­for­ma­ção en­tre as qu­ais so­bres­sai a con­cor­rên­cia que é inin­ter­rup­ta­men­te fei­ta pe­las re­des so­ci­ais.

Den­tro des­se ti­po de mer­ca­do o sec­tor do au­di­o­vi­su­al é o que mais sen­te na pe­le as di­fi­cul­da­des que re­sul­tam de uma con­jun­tu­ra eco­nó­mi­ca in­ter­na­ci­o­nal que afec­ta, de for­ma mais pro­fun­da, os paí­ses mais po­bres e que são ha­bi­tu­al­men­te de­sig­na­dos de “pe­ri­fé­ri­cos” no con­ti­nen­te on­de es­tão ge­o­gra­fi­ca­men­te in­se­ri­dos.

Pa­ra ten­tar ul­tra­pas­sar a ad­ver­si­da­de há em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção que op­tam por fa­zer uso da ar­gú­cia e da com­pe­tên­cia dos seus ges­to­res pa­ra mi­ni­mi­zar os efei­tos da cri­se ofe­re­cen­do aos seus lei­to­res, ou­vin­tes ou te­les­pec­ta­do­res pro­du­tos mais atrac­ti­vos e pro­du­zi­dos de for­ma mais pro­fis­si­o­nal.

In­fe­liz­men­te, po­rém, há tam­bém os que por se­rem in­com­pe­ten­tes op­tam por um ca­mi­nho que jul­gam mais fá­cil, não olhan­do a mei­os nem a pes­so­as pa­ra ten­ta­rem au­men­tar as su­as re­cei­tas, que o mes­mo é di­zer os seus ín­di­ces de au­di­ên­cia.

En­tre os que ten­tam im­por a “lei da sel­va” so­bres­sai o gru­po Im­pre­sa, li­de­ra­do pe­la fa­mí­lia Bal­se­mão, que des­de há de­ma­si­a­dos anos es­co­lheu An­go­la e os An­go­la­nos co­mo pe­ças a que sem­pre re­cor­rem quan­do o jo­go das audiências não lhes es­tá a cor­rer de fei­ção.

Is­to, não por­que eles não gos­tem ver­da­dei­ra­men­te de An­go­la ou dos An­go­la­nos mas, sim­ples­men­te, por­que pa­ra so­bre­vi­ve­rem no meio da sua in­com­pe­tên­cia fa­zem uso do que lhes pa­re­ce mais fá­cil.

Na ver­da­de é de so­bre­vi­vên­cia pu­ra e du­ra que se fa­la quan­do são sa­bi­das as di­fi­cul­da­des eco­nó­mi­cas por que pas­sam os prin­ci­pais tí­tu­los do gru­po (SIC, Ex­pres­so, Exa­me e a revista Vi­são) que vão mes­mo obri­gar o gru­po a des­pe­dir cen­te­nas de tra­ba­lha­do­res, se­gun­do re­la­ta a im­pren­sa por­tu­gue­sa e é as­su­mi­do pe­lo pró­prio Sin­di­ca­to dos Jor­na­lis­tas.

Aliás, no que res­pei­ta à SIC tem si­do fre­quen­te­men­te no­ti­ci­a­da a con­ti­nu­a­da saí­da de al­guns dos seus me­lho­res pro­fis­si­o­nais pa­ra es­ta­ções da con­cor­rên­cia, o que re­sul­ta di­rec­ta­men­te do fac­to da es­ta­ção ser aque­la que me­nos des­per­ta o in­te­res­se dos por­tu­gue­ses, ao pon­to de ser a que es­tá na cau­da da lis­ta de audiências.

An­go­la é um país que es­tá de mo­do in­de­lé­vel no co­ra­ção dos por­tu­gue­ses, lo­go tu­do o que so­bre ela se di­ga, à par­ti­da, tem uma vas­ta e in­te­res­sa­da au­di­ên­cia ga­ran­ti­da. En­tão se for pa­ra di­zer mal, es­se au­men­to da au­di­ên­cia, pe­lo me­nos du­ran­te umas ho­ras, po­de ter o acrés­ci­mo de ser­vir co­mo en­go­do pa­ra que as eli­tes por­tu­gue­sas con­ti­nu­em a ali­men­tar o seu sau­do­sis­mo co­lo­ni­al. Se is­so su­ce­des­se se­ria, pa­ra a fa­mí­lia Bal­se­mão, a ce­re­ja em ci­ma do bo­lo.

Mas, pa­ra is­so era pre­ci­so que a SIC ti­ves­se res­pon­sá­veis edi­to­ri­ais com­pe­ten­tes e ver­da­dei­ra­men­te com­pro­me­ti­dos com a isen­ção jor­na­lís­ti­ca. Mas, cla­ra­men­te, não foi is­so que mais uma vez su­ce­deu.

Da­do o atra­pa­lha­do de­sem­pe­nho dos “ac­to­res” an­go­la­nos que a SIC es­co­lheu (com o de­vi­do res­pei­to pa­ra os pro­fis­si­o­nais que de­sem­pe­nham es­ta no­bre ar­te) pa­ra o es­pec­tá­cu­lo que de­ci­diu apre­sen­tar na noi­te da úl­ti­ma quin­ta-fei­ra, du­vi­da­mos que no fi­nal do pro­gra­ma tan­to as audiências co­mo o flu­xo de apoi­os te­nham su­bi­do.

Des­de uma jor­na­lis­ta im­ber­be e ner­vo­sa, pou­co fa­mi­li­a­ri­za­da com a re­a­li­da­de an­go­la­na, até à es­co­lha dos “per­so­na­gens se­cun­dá­ri­os” to­dos eles com uma evi­den­te for­ma­ção po­lí­ti­ca tu­do foi de­ma­si­a­do fra­co pa­ra que pu­des­se sa­tis­fa­zer os ob­jec­ti­vos dos es­tra­te­gas que es­ti­ve­ram por de­trás da ideia de ten­tar ofus­car os ecos das co­me­mo­ra­ções do 41º ani­ver­sá­rio da Independência de An­go­la, ig­no­ran­do tu­do o que de bom acon­te­ceu no país des­de 11 de No­vem­bro de 1975.

Tra­tou-se de um exer­cí­cio jor­na­lís­ti­co de­gra­dan­te mas que te­ve a vir­tu­de de dei­xar per­ce­ber a ra­zão pe­la qu­al são ca­da vez mais os por­tu­gue­ses que op­tam por sin­to­ni­zar as ou­tras es­ta­ções te­le­vi­si­vas.

Ain­da por ci­ma, co­mo o es­pec­tá­cu­lo foi sen­do an­te­ci­pa­da e di­fu­sa­men­te anun­ci­a­do, po­de­mos mes­mo di­zer que se tra­tou de um exer­cí­cio de pu­bli­ci­da­de en­ga­na­do­ra, pois de “gran­de re­por­ta­gem” te­ve ape­nas o no­me.

Nem se­quer po­de­mos dar à es­ta­ção da fa­mí­lia Bal­se­mão o be­ne­fí­cio da dú­vi­da, pois ape­nas a me­re­ce­ri­am se, pe­lo me­nos, ti­ves­sem ti­do o cui­da­do de es­co­lher co­mo ro­tei­ris­tas de oca­sião per­so­na­gens mais sé­ri­os e me­nos com­pro­me­ti­dos com a di­fa­ma­ção, a in­tri­ga e a ca­lú­nia po­lí­ti­ca.

En­fim, foi um es­pec­tá­cu­lo à al­tu­ra da SIC que mais uma vez, de mo­do des­pu­do­ra­do, usou o no­me de An­go­la pa­ra ten­tar aju­dar a re­sol­ver os seus gra­ves pro­ble­mas in­ter­nos.

An­go­la agra­de­ce a op­ção, pois foi mais uma vez pro­va­do que con­ti­nu­a­mos a es­tar na agen­da po­lí­ti­ca de al­gu­mas eli­tes por­tu­gue­sas que se fa­lam de nós é por­que, na ver­da­de, as es­ta­mos a in­co­mo­dar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.