CAR­TAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ANA DO­MIN­GOS CELMÁRIO RAMIRO

Os cor­tes de luz

De­pois de já se ter su­pe­ra­do, há um tem­po, os fre­quen­tes cor­tes de ener­gia eléc­tri­ca nal­guns bair­ros da ci­da­de de Lu­an­da, que obri­ga­va mui­tas fa­mí­li­as a des­fa­ze­rem-se dos par­cos ali­men­tos de que dis­pu­nham nas su­as ar­cas, os cor­tes es­tão de vol­ta e em for­ça.

Não se sa­be ao cer­to o que se es­tá a pas­sar. Não nos di­zem na­da pa­ra pe­lo me­nos en­ten­der­mos. O que é cer­to é que es­ses cor­tes vol­ta­ram a acon­te­cer e já es­tão a in­co­mo­dar as pes­so­as. Eu mo­ro no bair­ro Pren­da. Lá a luz es­tá a fa­zer das su­as. Dia sim dia não. Qua­se que já não se con­se­gue con­fi­ar ne­la. Re­ceio per­der, mais uma vez, os ali­men­tos que te­nho con­ser­va­do na ar­ca. De igual mo­do, te­nho o há­bi­to de as­sis­tir sem­pre ao no­ti­ciá­rio. Mas, nos úl­ti­mos di­as, che­go a fi­car di­as sem sa­ber o que se es­tá a pas­sar no país, por cul­pa des­ses cor­tes fre­quen­tes de ener­gia eléc­tri­ca.

Pen­so que, mais do que se pre­o­cu­par em re­sol­ver o pro­ble­ma, a Em­pre­sa Na­ci­o­nal de Dis­tri­bui­ção de Ener­gia (ENDE) de­ve­ria tam­bém ter a pre­o­cu­pa­ção de in­for­mar aos con­su­mi­do­res so­bre as ra­zões des­ses cor­tes, bem co­mo o fim dos mes­mos. Is­so, na mi­nha opi­nião, per­mi­ti­ria ao con­su­mi­dor não só re­cla­mar ou cri­ti­car, mas en­ten­der me­lhor o que es­tá a ser fei­to e até co­la­bo­rar com a ENDE. A qua­dra fes­ti­va es­tá aí a che­gar e é nes­sa al­tu­ra que os mar­gi­nais mais en­tram em ac­ção. As ru­as es­tão às es­cu­ras, são um bom atrac­ti­vo pa­ra os mar­gi­nais. Por is­so, pe­di­mos a quem de di­rei­to que re­sol­va es­se pro­ble­ma de cor­tes de ener­gia eléc­tri­ca nos bair­ros de Lu­an­da. Sa­ber co­mu­ni­car po­de, em mui­tos ca­sos, ser mais im­por­tan­te que re­sol­ver os pro­ble­mas de for­ma pa­li­a­ti­va.

Ex­plo­ra­ção in­fan­til

Du­ran­te uma pas­sa­gem pe­la Pra­ça da Independência, tam­bém co­nhe­ci­da co­mo Lar­go 1º de Maio, nos pri­mei­ros di­as do seu man­da­to co­mo go­ver­na­dor pro­vin­ci­al de Lu­an­da, Hi­gi­no Car­nei­ro cha­mou a aten­ção so­bre a ne­ces­si­da­de de se aca­bar com o mau ambiente que se re­gis­ta na­que­la zo­na, on­de uma tur­ba de ma­tu­lões, su­pos­tos pro­ge­ni­to­res, co­lo­cam di­a­ri­a­men­te, fa­ça sol fa­ça chu­va, cri­an­ças mal­tra­pi­lhas a pe­dir es­mo­la. Lem­bro-me de o go­ver­na­dor ter di­to que o que se re­gis­ta na­que­la zo­na, sob o olhar im­pá­vi­do da po­lí­cia, de­mons­tra fal­ta de au­to­ri­da­de. Pos­so con­cor­dar em par­te com o go­ver­na­dor. Mas tam­bém pen­so ser ur­gen­te que se fa­ça al­gu­ma coi­sa por aque­las cri­an­ças que são ex­plo­ra­das por gen­te adul­ta. Aos pou­cos aque­le lar­go em­ble­má­ti­co es­tá a trans­for­mar­se num lar­go de pe­din­tes e de con­cen­tra­ção de me­no­res que de­vi­am es­tar nas sa­las de au­las.

O Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça (INAC), que fi­ca nas ime­di­a­ções, de­via to­mar al­gu­ma pro­vi­dên­cia cau­te­lar, por­que são vi­sí­veis si­nais de ane­mia se­ve­ra no cor­po da­que­las cri­an­ças. Uma pron­ta in­ter­ven­ção do INAC é uma obri­ga­ção mo­ral e hu­ma­ni­tá­ria. Pro­te­ger a cri­an­ça do tra­ba­lho in­fan­til é tam­bém a obri­ga­ção le­gal do INAC. Fin­gir que ali tão pró­xi­mo na­da se es­tá a pas­sar é, atre­vo-me a di­zer, cri­me. Por vi­ver nos Con­go­le­ses e tra­ba­lhar na ci­da­de, pas­so pe­lo Lar­go da Independência to­dos os di­as úteis. E o dra­ma con­ti­nua. Há co­mo que uma organização de adul­tos ma­lan­dros a usa­rem cri­an­ças em ida­de es­co­lar pa­ra pe­di­rem es­mo­la. O di­rei­to des­sas cri­an­ças es­tá a ser vi­o­la­do to­dos os di­as sob o olhar des­pre­o­cu­pa­do de to­dos. Te­nha­mos com­pai­xão por aque­las cri­an­ças. Não pe­di­ram pa­ra nas­cer e não me­re­cem o tra­ta­men­to que se lhes es­tá a dar. Ain­da va­mos a tem­po de fa­zer al­gu­ma coi­sa pa­ra sal­var aque­las cri­an­ças. Não es­pe­re­mos ape­nas a vés­pe­ra do Na­tal e ofe­re­cer um lan­che pa­ra apa­re­cer na im­pren­sa. E o tra­ba­lho in­fan­til não se pas­sa ape­nas no Lar­go da Independência.

Em fren­te à Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de Lu­an­da há uma se­nho­ra cu­ja ida­de não con­si­go pre­ci­sar, que pe­de es­mo­la na­que­la rua. Ela faz-se acom­pa­nhar sem­pre de um be­bé de apro­xi­ma­da­men­te um ano e pou­cos me­ses. Quan­do o si­nal de trân­si­to fe­cha, ela vai aos car­ros pe­din­char e dei­xa a cri­an­ça so­zi­nha no pas­seio, bem ao la­do de uma ca­bi­ne de luz eléc­tri­ca, que fi­ca no pe­que­no lar­go que es­tá em fren­te à por­ta des­sa uni­ver­si­da­de. Os pe­ri­gos pos­sí­veis são mais do que mui­tos, co­mo é evi­den­te. A cri­an­ça po­de to­car nos fi­os da ca­bi­ne sob ten­são e mor­rer elec­tro­cu­ta­da ou ser rap­ta­da. Al­guém li­ga­do ao INAC e à Rein­ser­ção So­ci­al tem de in­ves­ti­gar bem es­te ca­so. Sa­ber se a se­nho­ra é de fac­to a mãe e se es­tá im­pe­di­da eco­no­mi­ca­men­te de cui­dar da cri­an­ça.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.