A no­va ima­gem do co­lé­gio car­di­na­lí­cio

Jornal de Angola - - OPINIÃO - AFP |

De­zes­se­te no­vos car­de­ais fo­ram or­de­na­dos on­tem pe­lo pa­pa Francisco, que pro­gres­si­va­men­te mo­de­la à sua ima­gem o co­lé­gio car­di­na­lí­cio, ago­ra me­nos eu­ro­peu e mais com­pro­me­ti­do com a jus­ti­ça so­ci­al.

O con­sis­tó­rio (as­sem­bleia de car­de­ais) pa­ra um no­vo co­lé­gio car­di­na­lí­cio foi ce­le­bra­do on­tem na ba­sí­li­ca de São Pe­dro.

Ca­da no­vo “prín­ci­pe da Igre­ja” ajo­e­lhou-se de for­ma ri­tu­al di­an­te do pon­tí­fi­ce pa­ra re­ce­ber o seu bar­re­te púr­pu­ra, uma cobertura ecle­siás­ti­ca que se ajus­ta à ca­be­ça e que tem for­ma qua­dran­gu­lar, as­sim co­mo o anel de car­de­al.

“Amem, fa­çam o bem, aben­ço em e re­zem”, afir­mou o pa­pa, an­tes de la­men­tar que o “des­co­nhe­ci­do ou o imi­gran­te ou o re­fu­gi­a­do” se trans­for­mem às ve­zes pa­ra nós num “ini­mi­go”.

“Vi­e­mos de paí­ses dis­tan­tes (...) com idi­o­mas, co­res e cos­tu­mes di­fe­ren­tes (...) pen­san­do de for­ma di­fe­ren­te e ce­le­bran­do a fé com ri­tos di­fe­ren­tes. E na­da dis­to nos con­ver­te em ini­mi­gos”, de­cla­rou Francisco nu­ma ho­mi­lia.

O no­vo co­lé­gio es­tá com­pos­to por 228 mem­bros, que po­dem au­xi­li­ar o pa­pa na sua ac­ti­vi­da­de diá­ria. Mas ape­nas 121 de­les têm me­nos de 80 anos e po­dem par­ti­ci­par no fa­mo­so con­cla­ve que ele­ge um no­vo pa­pa e que, po­ten­ci­al­men­te, po­dem su­ce­der ao ar­gen­ti­no Francisco.

O pon­tí­fi­ce, de 79 anos, que or­de­nou car­de­ais pe­la ter­cei­ra vez des­de a sua elei­ção em 2013, no­me­ou pes­so­al­men­te mais de um ter­ço dos car­de­ais elei­to­res.

Ao re­ve­lar os no­mes dos es­co­lhi­dos, o pa­pa dis­se que a sua es­co­lha re­flec­te mais uma vez a “uni­ver­sa­li­da­de da Igre­ja”, em opo­si­ção a uma tra­di­ção mais cen­tra­da no pas­sa­do, na Eu­ro­pa, ou até mes­mo na Itá­lia.

De fac­to, 13 ho­mens de to­dos os con­ti­nen­tes con­ver­te­ram-se nes­te sá­ba­do em car­de­ais elei­to­res: três eu­ro­peus, três ame­ri­ca­nos, um me­xi­ca­no, dois sul-ame­ri­ca­nos, dois africanos, um asiá­ti­co e um da Oce­a­nia.

Qua­tro car­de­ais com mais de 80 anos - não elei­to­res por­tan­to - têm um es­ta­tu­to mais ho­no­rá­rio.

Um con­de­na­do à mor­te

To­dos eles são ar­ce­bis­pos ou bis­pos, com ex­cep­ção de um sim­ples pa­dre al­ba­nês, Er­nest Si­mo­ni, de 88 anos, per­se­gui­do du­ran­te a di­ta­du­ra co­mu­nis­ta de En­ver Hoxha.

Con­de­na­do à mor­te por ter ce­le­bra­do uma mis­são em me­mó­ria do pre­si­den­te ame­ri­ca­no John Ken­nedy, Si­mo­ni cum­priu 18 anos de tra­ba­lhos for­ça­dos, na pri­são e nu­ma mi­na. Ao­vi­si­tar a Al­bâ­nia em 2014, Francisco fi­cou im­pres­si­o­na­do e emo­ci­o­na­do com a his­tó­ria de vi­da des­te re­sis­ten­te ca­tó­li­co.

Ou­tra op­ção ori­gi­nal é a de um “nún­cio apos­tó­li­co” (em­bai­xa­dor do pa­pa) na Sí­ria, país “már­tir” e in­ces­san­te­men­te pre­sen­te nas ora­ções de Francisco. O mon­se­nhor Ma­rio Ze­na­ri­não acei­tou aban­do­nar o pos­to que ocu­pa há oi­to anos em Da­mas­co, on­de ten­ta di­a­lo­gar com as di­fe­ren­tes par­tes do con­fli­to.

Além dis­so, o mon­se­nhor Di­eu­don­né Nza­pa­lain­ga, en­vol­vi­do nu­ma pla­ta­for­ma in­ter-re­li­gi­o­sa pa­ra a paz no seu de­vas­ta­do país, tor­nou-se o pri­mei­ro car­de­al da his­tó­ria da Re­pú­bli­ca Cen­tro-Afri­ca­na. Aos 49 anos, ele é o mais jo­vem dos no­vos car­de­ais.

A “pe­ri­fe­ria” do pa­pa

O pon­tí­fi­ce ar­gen­ti­no, que não gos­ta mui­to da palavra pe­ri­fe­ria, or­de­nou car­de­ais do Le­sotho, Pa­pua-No­va Gui­né, Ilhas Mau­rí­ci­as, Ban­gla­desh e Ma­lá­sia, paí­ses que têm pe­la pri­mei­ra vez al­guém em tal pos­to.

Ou­tro fac­to de des­ta­que é o de que o pa­pa se­lec­ci­o­nou ape­nas um pre­la­do da Cú­ria ro­ma­na (go­ver­no do Va­ti­ca­no).Tra­ta-se, no en­tan­to, de al­guém no­vo: o ame­ri­ca­no nas­ci­do na Ir­lan­da Ke­vin Far­rell, que es­ta­va em Dal­las e foi no­me­a­do em Agos­to pre­fei­to do no­vo “di­cas­té­rio” (mi­nis­té­rio) da lai­ci­da­de, da fa­mí­lia e da vi­da.

Ou­tros dois ame­ri­ca­nos es­co­lhi­dos, os ar­ce­bis­pos Bla­se Cu­pi­ch de Chi­ca­go e Jo­seph To­bin de In­di­a­ná­po­lis, são con­si­de­ra­dos pre­la­dos mais “pro­gres­sis­tas” pe­la im­pren­sa ca­tó­li­ca, com a de­fe­sa do es­pa­ço da mu­lher na Igre­ja e da imi­gra­ção.

E ou­tro elei­to, o mon­se­nhor Jo­zef De Ke­sel, ar­ce­bis­po de Ma­li­nas-Bru­xe­las, já fa­lou so­bre a ques­tão da ma­nu­ten­ção do ca­rác­ter obri­ga­tó­rio do ce­li­ba­to pa­ra os sa­cer­do­tes.

O no­vo con­cla­ve te­rá ago­ra 45% de elei­to­res da Ve­lha Eu­ro­pa (con­tra 52% qu­an­do o pa­pa Francisco foi elei­to em Mar­ço de 2013), 14% da Amé­ri­ca do Nor­te, 12% da Áfri­ca, 12% da Ásia, 11% da Amé­ri­ca do Sul, 3% da Amé­ri­ca Cen­tral e 3% da Oce­a­nia. A mu­dan­ça re­flec­te mais a pre­sen­ça mai­o­ri­tá­ria de ca­tó­li­cos no he­mis­fé­rio sul do pla­ne­ta, en­quan­to a Eu­ro­pa avan­ça no pro­ces­so de se­cu­la­ri­za­ção.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.