En­tre­pos­to en­tra nas con­tas da di­ver­si­fi­ca­ção

Jornal de Angola - - PARTADA -

Ges­to­res da em­pre­sa anun­ci­am pla­no com me­tas bem de­fi­ni­das pa­ra par­ti­ci­pa­ção in­ci­si­va e sus­ten­ta­da na ca­deia pro­du­ti­va e no cir­cui­to co­mer­ci­al

O pro­gra­ma de fo­men­to da pro­du­ção agrí­co­la que es­tá a ser de­sen­vol­vi­do em to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal pa­ra au­men­tar a ofer­ta de bens ali­men­ta­res pa­ra a po­pu­la­ção ganha um ali­a­do de “pe­so”: O En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la.

Em­pre­sa pú­bli­ca do sec­tor de abas­te­ci­men­to ali­men­tar, cri­a­da há sen­si­vel­men­te 15 anos, o EAA es­tá pron­to pa­ra con­tri­buir de for­ma ac­ti­va pa­ra o au­men­to da ofer­ta de pro­du­tos agrí­co­las atra­vés da uma apos­ta no es­ta­be­le­ci­men­to par­ce­ri­as só­li­das com vá­ri­as ou­tras es­tru­tu­ras lo­gís­ti­cas que ope­ram no mer­ca­do.

Pe­la vo­ca­ção na­tu­ral, e num ce­ná­rio de for­te de­pen­dên­cia de im­por­ta­ções, o EAA tem uma pa­la­vra a di­zer na es­ta­bi­li­da­de dos pre­ços, em par­ti­cu­lar dos bens da ces­ta bá­si­ca. Ele ac­tua co­mo um agen­te da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al gros­sis­ta de mo­do a pre­ve­nir si­tu­a­ções de rup­tu­ras no mer­ca­do.

Mas num qua­dro co­mo o ac­tu­al, com li­mi­ta­ções na ac­ti­vi­da­de de im­por­ta­ção de­vi­do a es­cas­sez de di­vi­sas, a em­pre­sa apos­ta ago­ra nu­ma no­va abor­da­gem do seu “co­re”, ex­pan­din­do em ter­mos ter­ri­to­ri­ais e re­di­rec­ci­o­nan­do o seu fo­co no fo­men­to da pro­du­ção lo­cal.

O pre­si­den­te do Con­se­lho da Ad­mi­nis­tra­ção do EAA, Jo­fre Van Dú­nem, ga­ran­te es­tar em con­di­ções de cri­ar de­le­ga­ções lo­cais ali on­de se fi­zer sen­tir a ne­ces­si­da­de de uma es­tru­tu­ra de apoio à dis­tri­bui­ção de bens, prin­ci­pal­men­te os da ces­ta bá­si­ca. “Lá on­de for ne­ces­sá­rio va­mos cri­ar de­le­ga­ções pa­ra apro­xi­mar­nos ca­da vez mais dos nos­sos ob­jec­ti­vos que pas­sam por as­se­gu­rar a ne­ces­sá­ria es­ta­bi­li­da­de no for­ne­ci­men­to de bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de às po­pu­la­ções”.

Pa­ra já, a par­tir de 2017 co­me­çam a se­rem mon­ta­das no­vas fi­li­ais do EAA nas pro­vín­ci­as de Malanje, Uí­ge e Cu­ne­ne num in­ves­ti­men­to de 1.692 mi­lhões de kwan­zas.

Jo­fre Van- Dú­nem não tem dú­vi­das so­bre os enor­mes de­sa­fi­os que a em­pre­sa te­rá que en­fren­tar nes­se no­vo seg­men­to de ne­gó­cio, ten­do em aten­ção as “enor­mes di­fi­cul­da­des de es­co­a­men­to de pro­du­tos do cam­po” em pra­ti­ca­men­te to­do o ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal. O res­pon­sá­vel do EAA re­fe­re-se às vi­as de co­mu­ni­ca­ção, aos cus­tos com os com­bus­tí­veis, jun­tan­do-se a is­so a ine­xis­tên­cia de in­fra-es­tru­tu­ras in­ter­mé­di­as des­de os pó­los de pro­du­ção aos pon­tos de ven­da fi­nal ao con­su­mi­dor.

É do con­jun­to de cons­ta­ta­ções na re­de co­mer­ci­al que a EAA de­ci­diu en­ve­re­dar por uma trans­for­ma­ção do seu seg­men­to de ma­nei­ra a tor­nar-se num agen­te ain­da mais ac­ti­vo no in­cen­ti­vo à pro­du­ção na­ci­o­nal, pro­mo­ven­do um mai­or en­vol­vi­men­to com pro­du­to­res de vá­ri­as di­men­sões no ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Se­gun­do Jo­fre Van-Dú­nem, a es­tra­té­gia pas­sa pe­la cri­a­ção de par­ce­ri­as com agen­tes lo­cais, des­de os que ne­ces­si­tam de in­su­mos pa­ra a pro­du­ção e ou­tros dos mei­os pa­ra o es­co­a­men­to, sur­gin­do nes­ta ca­deia o EAA co­mo uma es­pé­cie de ân­co­ra.

Apos­ta no mi­lho

O re­de­fi­nir a sua ac­tu­a­ção no mer­ca­do, a ges­tão do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la con­si­de­ra fun­da­men­tal ele­ger pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos com os quais se­ja pos­sí­vel mais fa­cil­men­te es­tru­tu­rar um cir­cui­to co­mer­ci­al, des­de a fa­se de pro­du­ção. E no sec­tor agrí­co­la, mais con­cre­ta­men­te, a es­co­lha re­caiu pa­ra o mi­lho, pe­las su­as mais va­ri­a­das par­ti­cu­la­ri­da­des e pe­la im­por­tân­cia múl­ti­pla na pro­du­ção ali­men­tar.

A en­tra­da da EAA no sec­tor agrí­co­la tem em vis­ta cri­ar um am­bi­en­te de ne­gó­ci­os que per­mi­te pro­por­ci­o­nar aos pe­que­nos e gran­des pro­du­to­res de mi­lho, con­di­ções pa­ra es­co­ar sem gran­des cons­tran­gi­men­tos a sua pro­du­ção des­de os cam­pos. E em re­la­ção ao mi­lho, é es­pe­ra­do um efei­to mul­ti­pli­ca­dor bem mais acen­tu­a­do de­vi­do às múl­ti­plas uti­li­da­des do mi­lho.

Des­de a pro­du­ção de fa­ri­nha à pro­du­ção de ra­ção ani­mal, a apos­ta no mi­lho pro­me­te uma en­tra­da bem mais im­pac­tan­te do que nou­tro pro­du­to. O En­tre­pos­to sur­ge co­mo uma es­pé­cie de ga­ran­tia de mer­ca­do des­te pro­du­to, e de qual­quer ou­tro, des­de o pro­du­tor até ao con­su­mi­dor fi­nal.

É pois es­se o prin­ci­pal de­sa­fio a que se pro­põe a ges­tão do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la, que es­pe­ra até 2022 con­so­li­dar a re­de na­ci­o­nal e es­tar em ple­nas con­di­ções de con­tri­buir pa­ra uma mai­or ofer­ta de bens com ní­veis de qua­li­da­de com­pa­rá­veis aos exis­ten­tes nos gran­des mer­ca­dos in­ter­na­ci­o­nais.

Ges­tão in­te­gra­da

Pa­ra tor­nar ain­da mais exequí­vel a no­va es­tra­té­gia, o EAA propôs-se im­ple­men­tar um mo­de­lo de ges­tão in­te­gra­da que pos­sa iden­ti­fi­car par­cei­ros pa­ra uma ac­tu­a­ção con­jun­ta que vi­a­bi­li­ze a saí­da fá­cil dos pro­du­tos dos cam­pos agrí­co­las. O mo­de­lo de ges­tão in­te­gra­do es­co­lhi­do pro­põe-se al­can­çar to­da a ca­deia de apro­vi­si­o­na­men­to, des­de a pro­du­ção até ao es­co­a­men­to. Mais do que es­ta­be­le­cer par­ce­ri­as, os res­pon­sá­veis do EAA con­si­de­ram fun­da­men­tal pa­ra o êxi­to do pro­jec­to a aqui­si­ção de vá­ri­os hec­ta­res de ter­re­nos na pro­vín­cia da Huíla e ou­tras con­ces­sões já so­li­ci­ta­das ao Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra.

O res­pon­sá­vel pe­la área de pla­ne­a­men­to es­tra­té­gi­co e pro­jec­tos do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la, Cas­trí­cio Cas­tro ex­pli­ca que ao par­tir pa­ra in­ves­ti­men­tos na com­pra de vas­tos ter­re­nos em di­fe­ren­tes re­giões do país, a em­pre­sa alar­ga o seu le­que de op­ções, que po­de le­var, no fu­tu­ro, à pro­du­ção pró­pria de mi­lho, so­ja, ar­roz, as­sim co­mo uma mai­or in­te­gra­ção nes­ta ca­deia de agri­cul­to­res de pe­que­no e mé­dio por­te, bem co­mo de cam­po­ne­ses.

“Gos­ta­ría­mos e te­mos es­sa pre­fe­rên­cia em tra­ba­lhar na im­ple­men­ta­ção dos pro­gra­mas di­ri­gi­dos que fo­ram ori­en­ta­dos pe­lo Exe­cu­ti­vo pa­ra au­men­tar a pro­du­ção de bens ali­men­ta­res, ob­vi­a­men­te em par­ce­ria com ou­tros agen­tes eco­nó­mi­cos que te­nham am­bi­ção de ti­rar os pro­du­tos do cam­po”, adi­an­tam os res­pon­sá­veis do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la.

Nes­ta al­tu­ra, di­fe­ren­tes equi­pas do EAA já têm con­cluí­do o tra­ba­lho de pros­pec­ção em vá­ri­as pro­vín­ci­as de re­co­nhe­ci­do po­ten­ci­al agrí­co­la, o que per­mi­te avan­çar pa­ra a im­ple­men­ta­ção des­te pro­jec­to a par­tir de ba­ses con­si­de­ra­das só­li­das pa­ra al­can­çar to­da a ca­deia pro­du­ti­va.

O con­tri­bu­to in­ci­si­vo do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la pa­ra se­gu­ran­ça ali­men­tar foi es­tu­da­do e ana­li­sa­do ao de­ta­lhe. No to­po da ca­deia des­se pro­ces­so ha­ve­rá agen­tes fi­nan­ci­a­do­res des­de a a

KINDALA MA­NU­EL

Ges­to­res do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro as­su­mem am­bi­ção de ser um par­cei­ro de pe­so no fo­men­to da pro­du­ção agrí­co­la

En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro de An­go­la es­tá pron­to pa­ra con­tri­buir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te no au­men­to da ofer­ta de pro­du­tos agrí­co­las atra­vés de uma apos­ta no es

KINDALA MA­NU­EL

Pre­si­den­te do Con­se­lho da Ad­mi­nis­tra­ção do En­tre­pos­to Adu­a­nei­ro Jo­fre Van-Dú­nem Jú­ni­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.