An­ge­la Mer­kel é can­di­da­ta a no­vo man­da­to

Jornal de Angola - - PARTADA -

Nu­ma reu­nião on­tem, em Ber­lim, com mem­bros da di­rec­ção do seu par­ti­do, a União De­mo­cra­ta Cris­tã (CDU), a chanceler alemã, An­ge­la Mer­kel, anun­ci­ou a in­ten­ção de con­cor­rer a um quar­to man­da­to nas elei­ções le­gis­la­ti­vas do pró­xi­mo ano. Além do de­se­jo de apre­sen­tar uma no­va can­di­da­tu­ra pa­ra chanceler du­ran­te as le­gis­la­ti­vas de 2017, a che­fe de Go­ver­no ale­mão ex­pres­sou a in­ten­ção de ser re­e­lei­ta co­mo pre­si­den­te da CDU no Con­gres­so de De­zem­bro. Após 11 anos à fren­te do país, Mer­kel já os­ten­ta o re­cor­de de lon­ge­vi­da­de en­tre os ac­tu­ais go­ver­nan­tes oci­den­tais.

A chanceler alemã, An­ge­la Mer­kel, co­mu­ni­cou on­tem ao seu par­ti­do, a União De­mo­cra­ta Cris­tã (CDU), em Ber­lim, que pre­ten­de con­cor­rer a um quar­to man­da­to nas elei­ções le­gis­la­ti­vas do pró­xi­mo ano.

Além do de­se­jo de apre­sen­tar uma no­va can­di­da­tu­ra pa­ra chanceler du­ran­te as le­gis­la­ti­vas de 2017, a che­fe de Go­ver­no ale­mão ex­pres­sou a in­ten­ção de ser re­e­lei­ta co­mo pre­si­den­te da CDU no Con­gres­so de De­zem­bro. Após 11 anos à fren­te do país, Mer­kel já os­ten­ta o re­cor­de de lon­ge­vi­da­de en­tre os ac­tu­ais go­ver­nan­tes oci­den­tais.

Ju­lia Klöck­ner, do CDU e mui­to pró­xi­ma a Mer­kel, de­fen­deu a can­di­da­tu­ra e afir­mou que a chanceler é “uma ga­ran­tia de es­ta­bi­li­da­de e con­fi­a­bi­li­da­de num pe­río­do tur­bu­len­to”.

A jul­gar pe­las pes­qui­sas, Mer­kel tem for­tes hi­pó­te­ses de con­quis­tar o quar­to man­da­to co­mo chanceler e en­trar pa­ra a his­tó­ria da Ale­ma­nha ao su­pe­rar o tem­po de po­der do icó­ni­co chanceler do pós-gu­er­ra Kon­rad Ade­nau­er que fi­cou 14 anos, e o do seu pró­prio men­tor po­lí­ti­co, Hel­mut Kohl, re­cor­dis­ta com 16 anos.

Uma pes­qui­sa pu­bli­ca­da pe­lo jor­nal Bild, 55 por cen­to dos ale­mães de­se­ja que Mer­kel per­ma­ne­ça no car­go, con­tra 39 por cen­to de opi­niões con­trá­ri­as. A acei­ta­ção de Mer­kel ten­de a su­bir, pois que em Agos­to, o ín­di­ce fa­vo­rá­vel à chanceler era de 50 por cen­to.

No en­tan­to, Mer­kel es­tá nu­ma si­tu­a­ção pa­ra­do­xal: elo­gi­a­da no ex­te­ri­or, on­de as ex­pec­ta­ti­vas a seu res­pei­to au­men­ta­ram após a vi­tó­ria de Do­nald Trump na elei­ções ame­ri­ca­nas, na Ale­ma­nha en­fren­ta um ano elei­to­ral de cer­to mo­do fra­gi­li­za­da pe­la polémica pro­vo­ca­da pe­la de­ci­são de re­ce­ber um mi­lhão de re­fu­gi­a­dos no país.

Es­ta se­ma­na, Ba­rack Oba­ma elo­gi­ou Mer­kel em Ber­lim du­ran­te a sua úl­ti­ma vi­a­gem ofi­ci­al co­mo Pre­si­den­te dos EUA. “Se fos­se ale­mão, po­de­ria dar meu apoio”, dis­se.O atra­so no anún­cio da can­di­da­tu­ra es­tá re­la­ci­o­na­do com a per­da de po­der. Após a polémica so­bre a re­cep­ção aos re­fu­gi­a­dos, Mer­kel te­ve que li­dar com a re­be­lião da CSU, par­ti­do ali­a­do bá­va­ro, que ame­a­çou não apoi­ar a sua can­di­da­tu­ra em 2017, an­tes de mu­dar de opi­nião an­te a fal­ta de al­ter­na­ti­va.

A chanceler so­freu ou­tro re­vés es­te mês ao não con­se­guir de­sig­nar um mem­bro do seu par­ti­do co­mo can­di­da­to a Pre­si­den­te em 2017, um pos­to pa­ra o qual foi es­co­lhi­do o so­ci­al-de­mo­cra­ta Frank-Wal­ter Stein­mei­er, ac­tu­al mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros.

An­ge­la Mer­kel mantém a van­ta­gem so­bre os de­mais opo­nen­tes, já que não pos­sui ri­vais for­tes no CDU e con­ti­nua sen­do mui­to mais po­pu­lar que os seus ad­ver­sá­ri­os so­ci­al-de­mo­cra­tas.

AFP

An­ge­la Mer­kel co­mu­ni­cou ao seu par­ti­do o de­se­jo de con­cor­rer a um quar­to man­da­to nas elei­ções le­gis­la­ti­vas do pró­xi­mo ano

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.