Mar­cha si­len­ci­o­sa con­tra si­nis­tra­li­da­de

SE­GU­RAN­ÇA NAS ESTRADAS Aci­den­tes de vi­a­ção con­ti­nu­am a en­lu­tar fa­mí­li­as e são a se­gun­da cau­sa de mor­te em An­go­la

Jornal de Angola - - PARTADA - AN­DRÉ DA COS­TA |

Mi­lha­res de lu­an­den­ses mar­cha­ram on­tem pa­ra aler­tar os ci­da­dãos so­bre o ele­va­do ín­di­ce de si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria. A ini­ci­a­ti­va en­qua­dra-se na se­ma­na de re­fle­xão em alu­são ao 20 de No­vem­bro, Dia Mun­di­al em Me­mó­ria das Ví­ti­mas da Es­tra­da.

Uma mar­cha si­len­ci­o­sa foi re­a­li­za­da on­tem em Lu­an­da, no âm­bi­to da se­ma­na de re­fle­xão em alu­são ao 20 de No­vem­bro, Dia Mun­di­al em Me­mó­ria das Ví­ti­mas da Es­tra­da, ins­ti­tuí­do pe­las Na­ções Uni­das, em 2005.

A mar­cha foi fei­ta em uma ho­ra e meia e co­me­çou por vol­ta das 11h00 do Lar­go das He­roí­nas e ter­mi­nou no Lar­go do Sowe­to, jun­to ao Ci­ne Atlân­ti­co, on­de de­cor­reu uma Fei­ra do Aci­den­te.

Por oca­sião da efe­mé­ri­de, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do do In­te­ri­or, Eu­gé­nio Cé­sar La­bo­ri­nho, de­po­si­tou uma co­roa de flo­res no Lar­go da In­de­pen­dên­cia, on­de hou­ve um mi­nu­to de si­lên­cio em me­mó­ria das ví­ti­mas de aci­den­tes nas estradas do país.

O se­gun­do-co­man­dan­te ge­ral da Po­lí­cia Na­ci­o­nal, co­mis­sá­rio che­fe Paulo de Al­mei­da, e mem­bros do Con­se­lho Con­sul­ti­vo da Po­lí­cia Na­ci­o­nal de­po­si­ta­ram tam­bém flo­res em me­mó­ria dos ci­da­dãos fa­le­ci­dos.

Na mar­cha, os par­ti­ci­pan­tes usa­ram ca­mi­so­las e cha­péus de cor bran­ca e gri­ta­vam “qu­e­re­mos paz na es­tra­da”. Fo­ram tam­bém ou­vi­dos con­se­lhos úteis, co­mo “não usar o te­le­mó­vel du­ran­te a con­du­ção”, “se be­ber não con­du­za”, “res­pei­tar a si­na­li­za­ção e não pas­sar no si­nal ver­me­lho”, “os peões de­vem atra­ves­sar nas pas­sa­dei­ras e usar as pon­tes aé­re­as” e “pre­ven­ção ro­do­viá­ria um com­pro­mis­so com a Na­ção”.

O se­cre­ta­rio de Es­ta­do do In­te­ri­or dis­se que o ob­jec­ti­vo da mar­cha é aler­tar e re­cor­dar os ci­da­dãos so­bre a ele­va­do ín­di­ce de si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria que, além de pro­vo­car mor­tes, dei­xam mi­lha­res de pes­so­as com in­ca­pa­ci­da­de to­tal ou par­ci­al.

Eu­gé­nio La­bo­ri­nho acen­tu­ou que, em An­go­la, os aci­den­tes de vi­a­ção são a se­gun­da cau­sa de mor­te no país, de­pois da ma­lá­ria, sen­do mes­mo de­cla­ra­do pe­las au­to­ri­da­des sa­ni­tá­ri­as um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca. De Ja­nei­ro a Se­tem­bro, fo­ram re­gis­ta­dos no país 8.452 aci­den­tes de vi­a­ção que pro­vo­ca­ram 2.189 mor­tos e 8.518 fe­ri­dos, a mai­o­ria dos quais ví­ti­mas de atro­pe­la­men­to.

Es­ta­tís­ti­cas fa­lam

“Os nú­me­ros dos aci­den­tes in­di­cam um so­fri­men­to hu­ma­no gra­tui­to, mo­ti­va­do por ac­tos de ne­gli­gên­cia e pe­lo in­cum­pri­men­to das re­gras do Có­di­go de Es­tra­da”, de­cla­rou Eu­gé­nio La­bo­ri­nho, que pe­diu aos au­to­mo­bi­lis­tas e peões que se­jam res­pon­sá­veis na via pú­bli­ca. O di­rec­tor na­ci­o­nal ad­jun­to de Vi­a­ção e Trân­si­to, sub­co­mis­sá­rio Con­cei­ção Gomes, dis­se que as es­ta­tís­ti­cas da si­nis­tra­li­da­de ro­do­viá­ria até Se­tem­bro re­pre­sen­tam uma re­du­ção do nú­me­ro de aci­den­tes em com­pa­ra­ção com o mes­mo pe­río­do de 2015.

Ain­da as­sim, Con­cei­ção Gomes ma­ni­fes­tou-se pre­o­cu­pa­do com o nú­me­ro de pes­so­as que em An­go­la mor­rem em aci­den­tes de vi­a­ção, a mai­o­ria das quais é eco­no­mi­ca­men­te ac­ti­va. “As pes­so­as que mor­rem nos aci­den­tes de vi­a­ção são pes­so­as eco­no­mi­ca­men­te ac­ti­vas, sen­do por is­so ne­ces­sá­rio uma mu­dan­ça de men­ta­li­da­de”, acen­tu­ou Con­cei­ção Gomes. Alei­xo Ni­an­ga, co­or­de­na­dor na­ci­o­nal da Bri­ga­da Ju­ve­nil de Pre­ven­ção Ro­do­viá­ria da JMPLA, va­lo­ri­zou a mar­cha e ape­lou aos au­to­mo­bi­lis­tas pa­ra te­rem uma con­du­ção de­fen­si­va.

Men­sa­gem de pre­ven­ção

O ac­ti­vis­ta fri­sou que a JMPLA, or­ga­ni­za­ção ju­ve­nil do MPLA, tem fei­to es­for­ços no sen­ti­do de le­var a men­sa­gem de pre­ven­ção aos au­to­mo­bi­lis­tas e peões, a fim de que se te­nha uma so­ci­e­da­de com me­nos aci­den­tes e mais paz nas estradas. A au­to­mo­bi­lis­ta Cel­ma Fer­nan­des pe­diu aos au­to­mo­bi­lis­tas que ob­ser­vem as re­gras do Có­di­go de Es­tra­da, en­quan­to Gar­cia Fer­nan­des cha­mou a aten­ção às pes­so­as que con­du­zem sob o efei­to do ál­co­ol.

Par­ti­ci­pa­ram na mar­cha, além de efec­ti­vos da Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Vi­a­ção e Trân­si­to e da Bri­ga­da Es­pe­ci­al de Trân­si­to, es­cu­tei­ros, mem­bros da No­va Ali­an­ça dos Ta­xis­tas, da Bri­ga­da Ju­ve­nil de Pre­ven­ção ro­do­viá­ria da JMPLA, da Pu­man­gol, do Con­se­lho Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de, de igre­jas cris­tãs e da re­de am­bi­en­tal Mai­om­be.

VIGAS DA PURIFICAÇÃO

Por­me­nor da mar­cha re­a­li­za­da on­tem pe­la Di­rec­ção Na­ci­o­nal de Vi­a­ção e Trân­si­to em Lu­an­da pro­vín­cia que tem re­gis­ta­do o mai­or nú­me­ro de ví­ti­mas mor­tais re­sul­tan­tes de aci­den­tes de vi­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.