Mor­te de guer­ri­lhei­ros das FARC põe em cau­sa o pro­ces­so de paz

Jornal de Angola - - PARTADA -

A mor­te de guer­ri­lhei­ros das FARC na Colôm­bia, as pri­mei­ras do­cu­men­ta­das des­de a vi­gên­cia do ces­sar-fo­go no país, ge­ra pre­o­cu­pa­ções so­bre a paz com os re­bel­des, com os quais o go­ver­no aca­ba de al­can­çar um no­vo acor­do pa­ra ter­mi­nar meio sé­cu­lo de con­fli­to.

“Is­to de­mons­tra quão frá­gil é o ces­sar fo­go”, de­cla­rou o ana­lis­ta Ari­el Ávi­la, ao ad­ver­tir pa­ra o ris­co de no­vos in­ci­den­tes com mem­bros das FARC, que já co­me­ça­ram a se reu­nir pa­ra a pos­te­ri­or de­po­si­ção de ar­mas, de­vi­do à in­cer­te­za ge­ra­da pe­la sus­pen­são do acor­do ori­gi­nal, re­jei­ta­do no re­fe­ren­do de 2 Ou­tu­bro.

O ces­sar-fo­go, em vi­gor des­de 29 de Agos­to de 2015, po­de se rom­per por­que as con­di­ções de con­cen­tra­ção não são cla­ras. Se­ja por­que as FAR es­tão sem di­nhei­ro nos acam­pa­men­tos e ten­tam ar­re­ca­dar”, dis­se o es­pe­ci­a­lis­ta da Fun­da­ção Paz e Re­con­ci­li­a­ção. O or­ga­nis­mo tri­par­ti­do de con­tro­lo do ces­sar-fo­go ex­pres­sou na quin­ta-fei­ra, em co­mu­ni­ca­do, a sua pre­o­cu­pa­ção com a mor­te de dois mem­bros das FAR e anun­ci­ou uma in­ves­ti­ga­ção so­bre os fac­tos ocor­ri­dos a 13 des­te mês em San­ta Rosa (Bo­lí­var, nor­te), um dia de­pois de ser fir­ma­do um no­vo acor­do em Cu­ba, se­de das ne­go­ci­a­ções de paz ini­ci­a­das em 2012. Es­se Me­ca­nis­mo de Mo­ni­to­ri­za­ção e Ve­ri­fi­ca­ção (MM&V), in­te­gra­do por re­pre­sen­tan­tes do Go­ver­no, das FARC e das Na­ções Uni­das, in­for­mou que vai fa­zer as re­co­men­da­ções ne­ces­sá­ri­as pa­ra evitar que se re­pi­tam in­ci­den­tes des­te ti­po.

Pe­rí­cia fo­ren­se

Aguer­ri­lha das For­çasAr­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC), a prin­ci­pal e mais an­ti­ga do país, pe­diu es­ta in­ves­ti­ga­ção, as­sim co­mo a rá­pi­da apli­ca­ção do no­vo acor­do, que es­ti­pu­la as con­di­ções de sua rein­ser­ção à vi­da ci­vil.

“Ne­nhum mor­to se jus­ti­fi­ca a es­tas al­tu­ras do pro­ces­so. Es­pe­ra­mos cla­re­za o mais ra­pi­da­men­te pos­sí­vel so­bre o ocor­ri­do”, dis­se o lí­der do gru­po, Ro­dri­go Lon­doño, co­nhe­ci­do por seus no­mes de gu­er­ra Ti­mo­león Ji­mé­nez ou Ti­mo­chen­ko.

“Va­mos exi­gir que se fa­ça uma pe­rí­cia fo­ren­se pa­ra de­ter­mi­nar se hou­ve com­ba­te ou não”, dis­se o co­man­dan­te guer­ri­lhei­ro Car­los An­tó­nio Lo­za­da num ví­deo di­fun­di­do na quin­ta-fei­ra pe­las FARC, no qual ques­ti­o­na a ver­são do Exér­ci­to de que os guer­ri­lhei­ros mor­re­ram num con­fron­to. Em Bo­go­tá, ca­pi­tal da Colôm­bia, o re­pre­sen­tan­te das FARC nas ne­go­ci­a­ções, Mar­cos Ca­lar­cá, afir­mou que es­ta se­ma­na o me­ca­nis­mo tem pre­vis­to en­tre­gar um in­for­me so­bre es­te te­ma. Ao anun­ci­ar o no­vo acor­do de paz, o Pre­si­den­te Ju­an Ma­nu­el San­tos des­ta­cou que “o ces­sar-fo­go é frá­gil e que a in­cer­te­za ge­ra te­mo­res e au­men­ta os ris­cos de se ati­rar ao li­xo es­te imen­so es­for­ço”.

O re­pre­sen­tan­te do Al­to Co­mis­sa­ri­a­do da ONU pa­ra os Di­rei­tos Hu­ma­nos na Colôm­bia, Todd Ho­wland, ad­ver­tiu na quin­ta-fei­ra pa­ra “um au­men­to da vi­o­lên­cia em vá­ri­as par­tes do país por fal­ta de se im­ple­men­tar de for­ma in­te­gral os acor­dos de paz”. “Ca­da dia que pas­sa é uma ame­a­ça”, ava­li­ou em con­fe­rên­cia de im­pren­sa Ley­ner Pa­la­ci­os, re­pre­sen­tan­te das ví­ti­mas do con­fli­to.

Ris­co de con­fli­to

Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta em con­fli­tos ar­ma­dos Fré­dé­ric Mas­sé, pro­fes­sor da Uni­ver­si­da­de Ex­ter­na­do de Bo­go­tá, o ocor­ri­do é um ca­so iso­la­do e não é pro­vá­vel que se rom­pa o ces­sar-fo­go. “Mas não de­ve se re­pe­tir com mui­ta frequên­cia”, acres­cen­tou, des­ta­can­do que é pre­ci­so es­pe­rar os re­sul­ta­dos da in­ves­ti­ga­ção pa­ra de­ter­mi­nar se se tra­ta­va, se­gun­do in­di­ca­ram al­gu­mas fon­tes, de guer­ri­lhei­ros fa­zen­do ex­tor­são. Se­ria mais pre­o­cu­pan­te se por trás hou­ves­se uma di­rec­triz de lí­de­res das FARC, ob­ser­vou o pro­fes­sor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.