CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOSEFA LUÍS JO­A­QUIM LUCAS IDALINA AFONSO

Me­ren­da es­co­lar

Vai ter­mi­nar o ano lec­ti­vo de 2016 e era bom que se fi­zes­sem os ne­ces­sá­ri­os ba­lan­ços pa­ra se sa­ber o que foi bem fei­to, o que foi mal fei­to e o que fal­tou fa­zer. Os ba­lan­ços im­pli­cam ava­li­a­ções do nos­so tra­ba­lho e es­tas aju­dam a me­lho­rar o nos­so de­sem­pe­nho. E é de bom de­sem­pe­nho que pre­ci­sa­mos no nos­so en­si­no.

Uma das coi­sas que no pró­xi­mo ano lec­ti­vo se de­via fa­zer era mon­tar um sis­te­ma mais efi­ci­en­te de dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar em to­das as es­co­las pri­má­ri­as pú­bli­cas. Pen­so que já al­tu­ra de ter­mos o sis­te­ma de dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar sem la­cu­nas. Há ex­pe­ri­ên­ci­as de ou­tros paí­ses, mes­mo afri­ca­nos, que de­vi­am ser co­nhe­ci­das pa­ra ver­mos que mo­de­lo de dis­tri­bui­ção de me­ren­da em es­co­las po­de re­sol­ver os nos­sos pro­ble­mas.

O Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção de­ve ser, sal­vo me­lhor en­ten­di­men­to, a en­ti­da­de que de­ve su­per­vi­si­o­nar a dis­tri­bui­ção da me­ren­da es­co­lar. Que a dis­tri­bui­ção de me­ren­da es­co­lar es­te­ja a car­go de en­ti­da­des idó­ne­as, pa­ra se ga­ran­tir que as nos­sas cri­an­ças re­ce­bam nas su­as es­co­las ali­men­tos de for­ma con­tí­nua. A dis­tri­bui­ção de me­ren­da po­de con­tri­buir pa­ra o bom de­sem­pe­nho es­co­lar das nos­sas cri­an­ças.

Por ou­tro la­do gos­ta­va de aler­tar aos res­pon­sá­veis do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção pa­ra o es­ta­do das ca­sas de ba­nho de mui­tas es­co­las pú­bli­cas. É pre­ci­so que se fa­çam obras de re­a­bi­li­ta­ção de ca­sas de ba­nho em mui­tas es­co­las pú­bli­cas. É ne­ces­sá­rio ga­ran­tir um am­bi­en­te sa­dio nas es­co­las, pa­ra evitar que os es­tu­dan­tes con­trai­am do­en­ças.

Os qua­dros na­ci­o­nais

Sin­to or­gu­lho do su­ces­so que vá­ri­os mú­si­cos an­go­la­nos tem ti­do, ao pon­to de ser com mui­ta frequên­cia con­vi­da­dos pa­ra es­pec­tá­cu­los no ex­te­ri­or do país. É im­pres­si­o­nan­te o nú­me­ro de can­to­res an­go­la­nos com mui­ta qua­li­da­de. Is­so é fru­to de mui­to tra­ba­lho . Que o exem­plo des­tes mú­si­cos que mui­to tra­ba­lham pa­ra te­rem su­ces­so na sua pro­fis­são se­ja se­gui­do por ou­tros an­go­la­nos que tra­ba­lham nou­tros sec­to­res.

Pa­ra mim , os nos­sos mú­si­cos têm mos­tra­do que com tra­ba­lho ab­ne­ga­do po­de-se ir mui­to lon­ge. Te­mos de tra­ba­lhar mui­to pa­ra con­se­guir­mos ter su­ces­so, não só ao ní­vel da mú­si­ca, mas tam­bém nou­tros do­mí­ni­os da vi­da na­ci­o­nal. Te­mos qua­dros com mui­to ta­len­to em vá­ri­as áre­as do sa­ber. É ne­ces­sá­rio va­lo­ri­zá-los. E te­mos de ser nós a va­lo­ri­zar, em pri­mei­ro lu­gar, o ta­len­to dos nos­sos com­pa­tri­o­tas. Não de­ve­mos fi­car à es­pe­ra que qua­dros an­go­la­nos se­jam pri­mei­ro va­lo­ri­za­dos no es­tran­gei­ro. De­ve­mos to­dos nós, an­go­la­nos, sen­tir or­gu­lho dos nos­sos me­lho­res mú­si­cos , ju­ris­tas , en­ge­nhei­ros, mé­di­cos, ar­qui­tec­tos , en­fer­mei­ros, so­ció­lo­gos , an­tro­pó­lo­gos, his­to­ri­a­do­res , fi­ló­so­fos , eco­no­mis­tas, ges­to­res , pa­ra só ci­tar es­tas pro­fis­sões. Mui­tos dos nos­sos qua­dros su­pe­ri­o­res es­tu­da­ram em vá­ri­as uni­ver­si­da­des es­tran­gei­ras e ob­ti­ve­ram ele­va­das no­tas. Por que ra­zão en­tão não se dá por ve­zes o de­vi­do va­lor aos qua­dros na­ci­o­nais que fi­ze­ram os seus cur­sos com no­tas ex­ce­len­tes den­tro e fo­ra do país? Qual é a di­fi­cul­da­de em se re­co­nhe­cer que há qua­dros an­go­la­nos ca­pa­zes de exer­cer cer­to ti­po de ta­re­fas? Qual a di­fi­cul­da­de de se re­mu­ne­rar bem os bons qua­dros na­ci­o­nais? A quem apro­vei­ta a mar­gi­na­li­za­ção de téc­ni­cos an­go­la­nos? É pre­ci­so que se co­me­ce a va­lo­ri­zar o mé­ri­to. A me­di­o­cri­da­de não nos le­va­rá a la­go al­gum. A pros­pe­ri­da­de cons­trói-se com a ex­ce­lên­cia. A va­lo­ri­za­ção do mé­ri­to fa­rá com que to­dos se es­for­cem mais.

Li­vra­ri­as em mu­ni­cí­pi­os

Cons­ta­to que nos nos­sos mu­ni­cí­pi­os há mais es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais pa­ra ven­da de pro­du­tos ali­men­ta­res do que li­vra­ri­as. Por que ra­zão não há li­vra­ri­as em mui­tos dos nos­sos mu­ni­cí­pi­os ? Te­mos por exem­plo em Lu­an­da mu­ni­cí­pi­os com mais de 500 mil ha­bi­tan­tes. Gos­ta­va que os nos­sos em­pre­sá­ri­os in­ves­tis­sem tam­bém em li­vra­ri­as. Ou se­rá que es­te ne­gó­cio não dá mui­to di­nhei­ro, ten­do em con­ta os pre­ços dos li­vros que têm de ser pra­ti­ca­dos e que não po­dem ser su­por­ta­dos pe­los con­su­mi­do­res?

CA­SI­MI­RO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.