Co­mér­cio li­cen­cia no­vos ope­ra­do­res do mer­ca­do

Jornal de Angola - - MUNDO - ARÃO MAR­TINS |*

Mais de ses­sen­ta mil al­va­rás co­mer­ci­ais fo­ram emi­ti­dos nos úl­ti­mos três anos, a con­tar des­de Ou­tu­bro de 2013 até ao mes­mo mês des­te ano, afir­mou quin­ta­fei­ra, em Ben­gue­la, o di­rec­tor-ad­jun­to do Cen­tro In­te­gra­do de De­sen­vol­vi­men­to das Ac­ti­vi­da­des Co­mer­ci­ais (CIDAC). Car­los Al­ber­to Ama­do, que fa­la­va à An­gop à mar­gem do se­mi­ná­rio me­to­do­ló­gi­co re­gi­o­nal so­bre ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al e pres­ta­ção de ser­vi­ços mer­can­tis que de­cor­reu até on­tem na ci­da­de de Ben­gue­la, dis­se que, em ter­mos de al­va­rás, o país es­tá re­la­ti­va­men­te bem.

“Es­ta­mos a emi­tir al­va­rás a um rit­mo de­se­já­vel. Os pro­ble­mas que têm sur­gi­do a ní­vel das pro­vín­ci­as pren­dem-se mais com ques­tões ope­ra­ci­o­nais re­la­ti­vas ao fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma de in­ter­net e fa­lha no sis­te­ma de co­mu­ni­ca­ção de da­dos, mas pen­sa­mos que es­ta­mos a tra­ba­lhar no sen­ti­do de ul­tra­pas­sa­mos es­tas si­tu­a­ções a ní­vel de to­das as pro­vín­ci­as”, dis­se o res­pon­sá­vel.

Car­los Ama­do avan­çou que, nes­te mo­men­to, já há ori­en­ta­ções mui­to pre­ci­sas no sen­ti­do de acau­te­lar-se fu­tu­ra­men­te a ques­tão das ope­ra­ci­o­na­li­za­ções do pró­prio sis­te­ma, pa­ra que não pa­re, nem crie cons­tran­gi­men­to no li­cen­ci­a­men­to co­mer­ci­al.

O res­pon­sá­vel con­si­de­rou no­vi­da­de o fac­to de tra­ba­lhar-se nas ac­tu­a­li­za­ções, tan­to do sis­te­ma do co­mér­cio ex­ter­no que pro­ce­de ao li­cen­ci­a­men­to das ac­ti­vi­da­des de im­por­ta­ção, ex­por­ta­ção e re­ex­por­ta­ção (Ci­co­ex) co­mo do sis­te­ma in­te­gra­do de li­cen­ci­a­men­to das ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais (Ci­i­ac), o que vai per­mi­tir um mai­or con­tro­lo da ac­ti­vi­da­de do li­cen­ci­a­men­to e da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al por par­te dos agen­tes e vai per­mi­tir um fun­ci­o­na­men­to mais cé­le­re e ade­qua­do às ne­ces­si­da­des do país.

Os par­ti­ci­pan­tes ao se­mi­ná­rio es­tão a abor­dar te­mas co­mo apre­sen­ta­ção em sín­te­se da Lei nº 1/017 de 14 de Maio “Lei das Ac­ti­vi­da­des Co­mer­ci­ais”, apre­sen­ta­ção do re­gu­la­men­to so­bre o li­cen­ci­a­men­to da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mer­can­tis, emis­são de al­va­rás, mer­ca­dos ur­ba­nos e ru­rais, co­mér­cio a gros­so e a re­ta­lho, me­ca­nis­mo de acom­pa­nha­men­to e con­tro­lo de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca, en­tre ou­tros.

Mais em­pre­sas na Huíla

Um to­tal de 1.750 al­va­rás co­mer­ci­ais foi emi­ti­do, até Ou­tu­bro do ano em cur­so, pe­la Di­rec­ção Pro­vin­ci­al do Co­mér­cio na Huíla, anun­ci­ou on­tem, na ci­da­de do Lu­ban­go, o seu di­rec­tor. Fer­nan­do Ca­lo­la, que fa­la­va na aber­tu­ra do pri­mei­ro se­mi­ná­rio me­to­do­ló­gi­co re­gi­o­nal so­bre “O co­mér­cio e pres­ta­ção de ser­vi­ços”, di­ri­gi­do a qua­dros das di­rec­ções pro­vin­ci­ais do Co­mér­cio do Cu­ne­ne, Cu­an­do Cu­ban­go, Na­mi­be e Huíla, dis­se que fo­ram emi­ti­dos al­va­rás co­mer­ci­ais a em­pre­sas gros­sis­tas, de re­ta­lho e de pres­ta­ção de ser­vi­ços.

O res­pon­sá­vel lem­brou que, até 2013, a pro­vín­cia da Huíla con­ta­va com um uni­ver­so de 3.950 es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mer­can­tis a di­ver­sos ní­veis, ao qual jun­tam-se as 1.750 em­pre­sas vo­ca­ci­o­na­das pa­ra o co­mér­cio a gros­so, a re­ta­lho e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mer­can­tis, li­cen­ci­a­das até ao prin­cí­pio des­te mês.

O di­rec­tor pro­vin­ci­al do Co­mer­cio na Huíla re­fe­riu que, ac­tu­al­men­te, a sua di­rec­ção pa­ra­li­sou a ac­ti­vi­da­de de li­cen­ci­a­men­to, por fal­ta do mo­de­lo de au­to de vis­to­ria. Mas ga­ran­tiu que, em fun­ção da so­li­ci­ta­ção fei­ta aos ór­gãos com­pe­ten­tes, o Mi­nis­té­rio do Co­mer­cio vai dis­po­ni­bi­li­zar den­tro de di­as os mo­de­los pa­ra se dar iní­cio à ac­ti­vi­da­de com nor­ma­li­da­de.

“Já so­li­ci­tá­mos ao Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio e, pro­va­vel­men­te, na pró­xi­ma se­ma­na, já te­re­mos es­te ma­te­ri­al na pro­vín­cia, pa­ra dar­mos se­gui­men­to ao pro­ces­so de li­cen­ci­a­men­to, mui­to so­li­ci­ta­do pe­los co­mer­ci­an­tes lo­cais”, dis­se. Ba­se­an­do-se nos re­sul­ta­dos pre­li­mi­na­res do Cen­so Ge­ral 2014, se­gun­do os quais a pro­vín­cia da Huíla pos­sui 2.354.394 pes­so­as, sen­do 1.117.342 do se­xo mas­cu­li­no e 1.337.057 do fe­mi­ni­no, o res­pon­sá­vel re­fe­riu que a re­gião dis­põe de um am­plo mer­ca­do de con­su­mo.

O en­con­tro que de­cor­reu, on­tem, sur­giu no qua­dro das atri­bui­ções plas­ma­das no Es­ta­tu­to Or­gâ­ni­co do Mi­nis­té­rio do Co­mér­cio, apro­va­do pe­lo De­cre­to Pre­si­den­ci­al nú­me­ro 93/14 de 29 de Abril, que se pro­põe à re­a­li­za­ção de seminários metodológicos re­gi­o­nais, so­bre o co­mér­cio e ser­vi­ços mer­can­tis, com o ob­jec­ti­vo de do­tar os par­ti­ci­pan­tes com fer­ra­men­tas que lhes per­mi­tam pra­ti­car ac­tos de co­mér­cio, de acor­do com a le­gis­la­ção em vi­gor, co­nhe­cer e apli­car na ín­te­gra as leis que re­gem e dis­ci­pli­nam o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al em An­go­la e o pa­pel da ins­pec­ção na re­fe­ri­da ac­ti­vi­da­de.

Par­ti­ci­pa­ram no se­mi­ná­rio, qua­dros das di­rec­ções pro­vin­ci­ais do Co­mér­cio, Ho­te­la­ria e Tu­ris­mo, das pro­vín­ci­as da Huíla, Cu­ne­ne, Na­mi­be e Cu­an­do Cu­ban­go, qua­dros mu­ni­ci­pais que tu­te­lam os ser­vi­ços do Co­mér­cio em ca­da mu­ni­cí­pio e de ou­tros ór­gãos de su­bor­di­na­ção lo­cal, que in­ter­vêm no pro­ces­so de or­ga­ni­za­ção e exer­cí­cio das ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais, bem co­mo das as­so­ci­a­ções em­pre­sa­ri­ais.

Com a du­ra­ção de dois di­as, o se­mi­ná­rio or­ga­ni­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio do Co­mer­cio, abor­dou te­mas so­bre “A Lei das Ac­ti­vi­da­des Co­mer­ci­ais, li­cen­ci­a­men­to da ac­ti­vi­da­de co­mer­ci­al e de pres­ta­ção de ser­vi­ços mer­can­tis e o pro­ces­so de emis­são de al­va­rás co­mer­ci­ais”. A apre­sen­ta­ção dos re­gu­la­men­tos so­bre o “co­mér­cio a gros­so e a re­ta­lho, pes­ca, co­mer­ci­a­li­za­ção de vi­a­tu­ras, de aces­só­ri­os e as­sis­tên­cia téc­ni­ca, me­ca­nis­mos de acom­pa­nha­men­to e con­tro­lo de pro­du­tos da ces­ta bá­si­ca” es­te­ve en­tre os te­mas aflo­ra­dos.

Os par­ti­ci­pan­tes vi­si­ta­ram es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais pa­ra afe­rir as con­di­ções re­fe­ren­tes ao Có­di­go da Éti­ca, re­qui­si­tos dos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais, re­gras de in­du­men­tá­ria e o res­pei­to à le­gis­la­ção co­mer­ci­al. Os par­ti­ci­pan­tes se­rão sub­me­ti­dos à ela­bo­ra­ção do relatório, no pra­zo de 72 ho­ras, com os se­guin­tes itens: in­tro­du­ção, ac­ti­vi­da­des de­sen­vol­vi­das, grau de sa­tis­fa­ção dos par­ti­ci­pan­tes, cons­tran­gi­men­to de or­dem pe­da­gó­gi­ca e de lo­gís­ti­ca e, fi­nal­men­te, su­ges­tões.

JOÃO GOMES

Aber­tu­ra de no­vos es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais me­lho­ra o for­ne­ci­men­to de bens e ser­vi­ços

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.