Ins­ti­tui­ção ban­cá­ria na van­guar­da do apoio à cul­tu­ra

Es­tra­té­gia me­ce­ná­ti­ca de de­sen­vol­vi­men­to e pro­mo­ção das ar­tes plás­ti­cas an­go­la­nas

Jornal de Angola - - CULTURA - JOMO FORTUNATO |

A dé­ci­ma sé­ti­ma edi­ção do BAIAr­te, que es­te ano vai de 17 a 30 de No­vem­bro, ce­le­bra vin­te anos de exis­tên­cia da ins­ti­tui­ção ban­cá­ria com a ex­po­si­ção, “20 anos, 20 Obras- BAI Arte 2016”, pa­ten­te ao pú­bli­co na Aca­de­mia BAI no Mor­ro Ben­to. O cer­ta­me, de pe­ri­o­di­ci­da­de anu­al, cri­ou mar­ca e pres­tí­gio jun­to da clas­se ar­tís­ti­ca, e pro­pi­ci­ou uma re­la­ção sau­dá­vel en­tre o BAI, e cri­a­do­res re­pre­sen­ta­ti­vos da pin­tu­ra an­go­la­na.

O ar­tis­ta plás­ti­co Jor­ge Gum­be ava­li­ou, en­quan­to cu­ra­dor, a ex­po­si­ção co­lec­ti­va do pon­to de vis­ta da qua­li­da­de ar­tís­ti­ca das obras, nos ter­mos que se­guem: “O acer­vo in­te­gran­te da ex­po­si­ção “20 anos, 20 Obras- BAI Arte 2016” é cons­ti­tuí­da por 20 obras de arte, en­tre pin­tu­ras e es­cul­tu­ras, e tra­duz a res­pos­ta ao de­sa­fio per­ma­nen­te lan­ça­do aos ar­tis­tas no do­mí­nio das ar­tes vi­su­ais. Na ex­po­si­ção es­tão re­pre­sen­ta­dos ar­tis­tas de di­fe­ren­tes ge­ra­ções, es­co­las, e es­ti­los de dis­tin­tas ex­pe­ri­ên­ci­as de vi­da, o que fa­vo­re­ce a di­ver­si­da­de de com­por­ta­men­tos es­té­ti­cos. Con­tu­do, em to­dos eles en­con­tra­mos um de­no­mi­na­dor co­mum, a ca­pa­ci­da­de de re­fle­xão emer­gi­da do pa­tri­mó­nio cul­tu­ral an­go­la­no no con­tex­to só­cio-cul­tu­ral e o con­cei­to de tran­si­ção re­sul­tan­te da evo­lu­ção téc­ni­ca e con­cep­tu­al da pro­du­ção da arte an­go­la­na. Num olhar aten­to à ex­po­si­ção, ob­ser­va­mos que exis­te um diá­lo­go no mes­mo es­pa­ço, de obras de ar­tis­tas que tra­ba­lham nu­ma di­men­são cul­tu­ral da so­ci­e­da­de tra­di­ci­o­nal, cri­a­do­res e cri­a­ções que se ba­sei­am na tra­di­ção da sua co­mu­ni­da­de, re­co­nhe­ci­dos co­mo re­fle­xos das su­as iden­ti­da­des cul­tu­rais e so­ci­ais, cu­jos pa­drões e va­lo­res são trans­mi­ti­dos oral­men­te, e ou­tros que tra­ba­lham no en­con­tro com a mo­der­ni­da­de, cri­a­do­res com for­ma­ção aca­dé­mi­ca for­mal, in­for­mal, au­to­di­dac­tas e ar­tis­tas po­pu­la­res ur­ba­nos”.

Ar­tis­tas

Es­tão ex­pos­tas na edi­ção “20 anos, 20 Obras- BAI Arte 2016”, tra­ba­lhos de 21 ar­tis­tas plás­ti­cos, So­zi­nho Lo­pes, Lu­an­di­no de Car­va­lho, Dom Se­bas Cas­su­le, Paulo Kus­sy, Mar­co Ca­ben­da, Mar­cos Ntan­gu, Mau­ra Sil­va, Isa­bel Bap­tis­ta, Ki­a­na, Ana Su­za­na Da­vid, Ho­rá­cio Dá Mes­qui­ta, Dé­lio Jas­se, An­tó­nio Mbo­zo “To­ko”, Amân­dio Vem­ba, An­dré Ma­len­ga, Jor­ge Gum­be, Men­des Ribeiro, An­tó­nio To­más Ana (Eto­na), Fran­cis­co Van-Dú­nem , Van, Ana Sil­va, e Fer­nan­des de Car­va­lho, To­zé.

His­tó­ria

O BAI-Arte co­me­çou com as ar­tes plás­ti­cas em 1999, ten­do a in­ci­dên­cia ar­tís­ti­ca des­do­bra­do-se em di­fe­ren­tes do­mí­ni­os da arte: ta­pe­ça­ria, es­cul­tu­ra, mú­si­ca e dan­ça. A pri­mei­ra edi­ção coin­ci­diu com a ce­le­bra­ção do ter­cei­ro ani­ver­sá­rio do BAI, com uma ex­po­si­ção co­lec­ti­va que reu­niu cin­co ar­tis­tas plás­ti­cos an­go­la­nos: Don Se­bas Cas­su­le, Jor­ge Gum­be, Lu­an­di­no Car­va­lho, To­zé e Van, to­ta­li­zan­do um con­jun­to de vin­te e cin­co obras, que te­ve co­mo cu­ra­dor o ar­tis­ta plás­ti­co Ro­sá­rio Ma­ti­as, na al­tu­ra res­pon­sá­vel pe­lo De­par­ta­men­to de Ope­ra­ções Es­tran­gei­ras. Em ca­da mês de No­vem­bro, pa­ra além das es­pe­ci­fi­ci­da­des te­má­ti­cas no do­mí­nio da arte, emer­ge uma va­ri­e­da­de de va­lo­res es­té­ti­cos, nu­ma ini­ci­a­ti­va que vai, pau­la­ti­na­men­te, cons­ti­tuin­do uma re­fe­rên­cia pa­ra cli­en­tes, co­la­bo­ra­do­res, ar­tis­tas e pú­bli­co em ge­ral. O BAI-Arte tem pos­si­bi­li­ta­do uma sim­bi­o­se, on­de os es­pa­ços do BAI são va­lo­ri­za­dos, com uma no­va fun­ção, pro­cu­ran­do ino­var, em to­das as di­men­sões, a sua ac­ção so­ci­al e em­pre­sa­ri­al. Na sequên­cia se­lec­ci­o­na­mos al­guns mo­men­tos e te­mas im­por­tan­tes da his­tó­ria do pré­mio.

Dan­ça

A edi­ção de 2009 do BAI-Arte foi de­di­ca­da à dan­ça, sus­ten­ta­da pe­lo es­pe­tá­cu­lo “Ora­tu­ra dos Ogros”, uma co­re­o­gra­fia da Com­pa­nhia de Dan­ça Con­tem­po­râ­nea de Lu­an­da, num diá­lo­go in­ter­tex­tu­al com as ar­tes plás­ti­cas e a nar­ra­ção de con­tos da tra­di­ção oral an­go­la­na. O cer­ta­me de­cor­reu de 14 a 18 de No­vem­bro, no SIEXPO, Sa­lão de Ex­po­si­ções do Mu­seu de His­tó­ria Na­tu­ral, e te­ve du­as abor­da­gens: uma ex­po­si­ção de Ho­rá­cio da Mes­qui­ta, con­jun­to de agua­re­las que con­ta­vam a His­tó­ria da Ba­çu­la, uma ex­po­si­ção de te­las da UNAP, in­cluin­do ob­jec­tos do Bal­let Na­ci­o­nal, re­pre­sen­tan­do um his­tó­ri­co da dan­ça na sua ge­ne­ra­li­da­de, com a de­no­mi­na­ção, “Mo­vi­men­tos da dan­ça”.

Mú­si­ca

O sim­bo­lis­mo da mú­si­ca es­te­ve re­pre­sen­ta­do na edi­ção de 2010 do BAI-Arte, que de­cor­reu de 9 a 13 de No­vem­bro, sob o sig­no “Vi­va a mú­si­ca”. Na oca­sião o SIEXPO, Sa­lão In­ter­na­ci­o­nal de Ex­po­si­ções, trans­for­mou-se num “pal­co in­te­rac­ti­vo de de­mons­tra­ções acús­ti­cas va­ri­a­das, on­de foi apre­sen­ta­da a ri­que­za har­mó­ni­ca e as va­ri­a­das ma­ni­fes­ta­ções de ca­da um dos ins­tru­men­tos mu­si­cais”. An­go­la co­me­mo­ra­va, na al­tu­ra, os trin­ta e cin­co anos de in­de­pen­dên­cia, e o BAI os seus ca­tor­ze anos de exis­tên­cia. Es­ti­ve­ram ex­pos­tas: a voz, a di­kan­za, o hun­go, o kis­san­ge, o tam­bor, a ma­rim­ba, sa­xo­fo­ne e a gui­tar­ra. Im­por­ta re­fe­rir que a va­lo­ri­za­ção da mú­si­ca an­go­la­na es­te­ve pre­sen­te nos pro­jec­tos BAI-night, con­cer­tos de pe­ri­o­di­ci­da­de tri­mes­tral,e, ac­tu­al­men­te no Pré­mio BAI- can­ção do car­na­val, e, no do­mí­nio do li­vro, com o apoio à re­a­li­za­ção da Fei­ra In­ter­na­ci­o­nal do Li­vro e do Dis­co.

Ca­bin­da

A pri­mei­ra edi­ção do BAI-Arte fo­ra da ci­da­de de Lu­an­da, acon­te­ceu na pro­vín­cia de Ca­bin­da nos di­as 3 e 7 de Ju­nho de 2011, sob o sig­no “In­ves­ti­mos nos ar­tis­tas da ter­ra”, de­pois de on­ze anos cir­cuns­cri­tos à ci­da­de de Lu­an­da. Es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­dos na dé­ci­ma se­gun­da edi­ção os ar­tis­tas: Ngon­ga Nku­la Ribeiro, Sa­mu­el Nkai, An­tó­nio Fran­cis­co, Es­tê­vão Ki­ony Kom­ba An­dré, Paulo Mvum­bi, An­tó­nio Nzin­ga e Ma­teus Mi­guel, com obras nas dis­ci­pli­nas de es­cul­tu­ra e pin­tu­ra, com a cu­ra­do­ria do ar­tis­ta plás­ti­co an­go­la­no Jor­ge Gum­be. O BAI, se­gun­do a no­ta de im­pren­sa dis­tri­buí­da na al­tu­ra, “mantém-se fi­el à sua fi­lo­so­fia de ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra que tem, en­tre os seus va­lo­res, a pre­o­cu­pa­ção com o apoio à cul­tu­ra e às ar­tes an­go­la­nas, en­quan­to de­po­si­tá­ri­as da me­mó­ria co­lec­ti­va dos an­go­la­nos”.

Huíla

De­pois de Ca­bin­da foi a vez da Huíla aco­lher a edi­ção do BAI-Arte, em 2012, no dé­ci­mo sex­to ani­ver­sá­rio da ins­ti­tui­ção ban­cá­ria. Na oca­sião o cu­ra­dor e ar­tis­ta plás­ti­co Jor­ge Gum­be, afir­mou o se­guin­te: “No ano em que co­me­mo­ra os de­zas­seis anos de exis­tên­cia, o BAI re­for­ça o com­pro­mis­so com a sua po­lí­ti­ca de me­ce­na­to cul­tu­ral, pro­mo­ven­do as dis­tin­tas ten­dên­ci­as cri­a­ti­vas do po­vo an­go­la­no”. No “BAI-Arte, Lu­ban­go 2012” es­ti­ve­ram re­pre­sen­ta­dos se­te ar­tis­tas da Huíla e de Lu­an­da, no­me­a­da­men­te: Agui­nal­do Fa­ria, Re­be­ca Lua, An­dré Ma­len­ga, Pas­co­al Du­an­go, Cla­ver Cruz, Pas­co­al Ka­du, e Paulo Kus­sy, co­mo con­vi­da­do es­pe­ci­al. Du­ran­te uma se­ma­na, o es­pa­ço Cás­per Lod­je aco­lheu a mos­tra co­lec­ti­va com­pos­ta por de­zas­seis obras, in­ti­tu­la­da “Uma ex­po­si­ção de ta­len­to e de cri­a­ti­vi­da­de”.

In­de­pen­dên­cia

A 16ª edi­ção do BAI-Arte, em 2015, sau­dou os 40 anos de In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, e con­tou com uma ex­po­si­ção co­lec­ti­va que reu­niu tra­ba­lhos de qua­tro ar­tis­tas plás­ti­cos, Ál­va­ro Car­do­so, Jor­ge Gum­be, Keye­zua, Van, e do re­a­li­za­dor Ngu­xi dos San­tos, com cu­ra­do­ria de Adri­a­no Maia. A ex­po­si­ção re­flec­tiu os ide­ais dos cin­co ar­tis­tas so­bre o pro­ces­so de de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la e foi re­a­li­za­da por oca­sião do 19º ani­ver­sá­rio do Ban­co An­go­la­no de In­ves­ti­men­tos, a 14 de No­vem­bro, no âm­bi­to do seu pro­gra­ma de pro­mo­ção das ar­tes, com par­ti­cu­lar des­ta­que pa­ra as ar­tes plás­ti­cas.

Se­gun­do os or­ga­ni­za­do­res da ex­po­si­ção, “a arte no país é tam­bém o “ros­to” do pro­gra­ma de re­cons­tru­ção na­ci­o­nal que em 13 anos de paz per­mi­tiu a re­cu­pe­ra­ção e re­cons­tru­ção de in­fra-es­tru­tu­ras só­cio-eco­nó­mi­cas de gran­de di­men­são em to­da a ex­ten­são do ter­ri­tó­rio”. Na oca­sião, Te­re­sa Ga­ma, Vi­ce-Pre­si­den­te da Fun­da­ção BAI, es­cre­veu o se­guin­te no ca­tá­lo­go da ex­po­si­ção: “Va­mos co­me­mo­rar, em 2015, uma gran­de efe­mé­ri­de que, pa­ra nós, cons­ti­tui um mar­co his­tó­ri­co, ou se­ja, a ce­le­bra­ção dos qua­ren­ta anos da nos­sa in­de­pen­dên­cia, e, con­co­mi­tan­te­men­te, a dé­ci­ma sé­ti­ma edi­ção do BAI-Arte sob o tí­tu­lo “Ros­tos da paz”, pre­ci­sa­men­te no ano em que o BAI co­me­mo­ra o seu dé­ci­mo no­no ani­ver­sá­rio . Im­por­ta re­fe­rir que o BAI e a sua Fun­da­ção, nun­ca es­ti­ve­ram in­di­fe­ren­tes ao seu ani­ver­sá­rio, li­gan­do as­sim a arte, en­quan­to ac­ti­vi­da­de hu­ma­na li­ga­da a ma­ni­fes­ta­ções de or­dem es­té­ti­ca, a per­cep­ções, emo­ções e idei­as, com o ob­jec­ti­vo de es­ti­mu­lar o in­te­res­se e cons­ci­ên­cia jun­to do pú­bli­co, num pro­ces­so em que ca­da obra de arte pos­sui um sig­ni­fi­ca­do úni­co e di­fe­ren­te”.

DR

Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção do BAI na inau­gu­ra­ção da mos­tra “20 anos, 20 Obras - Bai Arte 2016”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.