Di­men­são eco­nó­mi­ca da cri­a­ção ar­tís­ti­ca an­go­la­na

Jornal de Angola - - CULTURA -

So­bre a di­men­são me­ce­ná­ti­ca do BAI, Jor­ge Gum­be es­cre­veu o se­guin­te, num tex­to pu­bli­ca­do no ca­tá­lo­go da ex­po­si­ção : “Ci­en­te da sua di­men­são cul­tu­ral, o BAI ini­ci­ou o me­ce­na­to con­subs­tan­ci­a­do no apoio fi­nan­cei­ro pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ar­tes vi­su­ais an­go­la­nas nas su­as va­ri­a­das dis­ci­pli­nas, cha­man­do a si a sua pró­pria or­ga­ni­za­ção.

O me­ce­na­to, ou se­ja, o apoio fi­nan­cei­ro à ac­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca por par­te de em­pre­sas ou par­ti­cu­la­res, é um ele­men­to pre­sen­te pra­ti­ca­men­te em to­do o es­pec­tro da ac­tu­al ac­ti­vi­da­de ex­po­si­ti­va. Es­tu­dos re­cen­tes em Eco­no­mia Cri­a­ti­va ar­gu­men­tam que na con­tem­po­ra­nei­da­de, de­mons­tra-se ca­da vez mais a in­ter­dis­ci­pli­na­ri­da­de co­e­xis­ten­te en­tre as di­ver­sas es­fe­ras da vi­da, por es­sa ra­zão, a Cul­tu­ra não se faz sem o su­por­te eco­nó­mi­co, aliás ne­nhu­ma ac­ti­vi­da­de faz-se sem re­cur­sos eco­nó­mi­cos, nem mes­mo a Eco­no­mia se faz sem o su­por­te cul­tu­ral. Nes­se âm­bi­to, o BAI pro­cu­rou pro­mo­ver-se uma ini­ci­a­ti­va sem fins lu­cra­ti­vos pa­ra a ins­ti­tui­ção, mas per­mi­tin­do de for­ma na­tu­ral que a Cul­tu­ra Na­ci­o­nal te­nha uma ex­pres­são vi­va no quo­ti­di­a­no de An­go­la e do Ban­co em par­ti­cu­lar, jun­to de pes­so­as e en­ti­da­des que con­vi­vem di­a­ri­a­men­te o seu es­pa­ço.

No ano em que se co­me­mo­rou os 15 anos de exis­tên­cia, o BAI re­for­çou o com­pro­mis­so com a sua po­lí­ti­ca de me­ce­na­to cul­tu­ral, pro­mo­ven­do as dis­tin­tas ten­dên­ci­as cri­a­ti­vas do po­vo an­go­la­no, sob o le­ma “In­ves­ti­mos nos ar­tis­tas da ter­ra”, de­pois de 11 anos cir­cuns­cri­tos à ci­da­de de Lu­an­da, a pri­mei­ra edi­ção do “BAI-Arte” fo­ra da ci­da­de de Lu­an­da acon­te­ceu na pro­vín­cia de Ca­bin­da e no ano se­guin­te foi na pro­vín­cia da Huíla. Es­tes ar­tis­tas ti­ve­ram a opor­tu­ni­da­de de lhes ser brin­da­da a pos­si­bi­li­da­de de mos­tra­rem o seu po­der cri­a­ti­vo. As obras ex­pos­tas vei­cu­lam sig­ni­fi­ca­dos e di­fe­ren­tes re­a­li­da­des que per­mi­tem os ar­tis­tas mo­ve­rem-se em di­fe­ren­tes di­rec­ções e a re­de­fi­ni­rem no­vos olha­res.

Em re­la­ção à di­men­são es­té­ti­ca, as obras, qua­se to­das, cons­truí­das de di­fe­ren­tes ma­te­ri­ais e al­guns reu­ti­li­za­dos, dis­tin­guem-se por uma poé­ti­ca di­rec­ta, que se as­so­ci­am a no­ções de tra­du­ção, fan­ta­sia, si­mu­la­cros, uto­pia, e em for­mar no­vas ro­tas de en­vol­vi­men­to num sis­te­ma in­te­gral de in­ter­câm­bio de idei­as e vi­sões. Im­por­ta su­bli­nhar que o “BAI-Arte” é ho­je uma re­fe­rên­cia tan­to pa­ra os cli­en­tes do Ban­co co­mo pa­ra os pró­pri­os ar­tis­tas que en­con­tram es­pa­ço e apoio na di­vul­ga­ção dos seus tra­ba­lhos. Te­mos cons­ci­ên­cia que es­te pro­jec­to que se vai fir­man­do te­rá co­mo con­sequên­cia con­so­li­dar a vo­ca­ção do Ban­co co­mo um par­cei­ro par­ti­ci­pa­ti­vo na cul­tu­ra na­ci­o­nal co­mo vec­tor de de­sen­vol­vi­men­to da cri­a­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca de An­go­la”.

DR

Cu­ra­dor da ex­po­si­ção Jor­ge Gum­be

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.