Se­cre­tá­rio da Ali­an­ça Atlân­ti­ca acre­di­ta no apoio de Washing­ton

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Se­cre­tá­rio-Ge­ral ces­san­te da ONU de­fi­niu, num co­mu­ni­ca­do, a no­me­a­ção de Samy Ba­di­ban­ga pa­ra pri­mei­ro-mi­nis­tro da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC) co­mo “o pri­mei­ro pas­so con­cre­to” na apli­ca­ção do acor­do po­lí­ti­co as­si­na­do em Outubro pe­la Mai­o­ria pre­si­den­ci­al, par­ti­dos po­lí­ti­cos da opo­si­ção con­go­le­sa e for­ças da so­ci­e­da­de ci­vil que in­te­gra­ram o diá­lo­go na­ci­o­nal re­a­li­za­do na­que­le país da Áfri­ca Cen­tral.

No do­cu­men­to, Ban Ki-mo­on con­vi­da o no­vo Go­ver­no a cri­ar um cli­ma pro­pí­cio “pa­ra de­fen­der os di­rei­tos e li­ber­da­des fun­da­men­tais e pa­ra a re­a­li­za­ção de elei­ções cre­dí­veis e in­clu­si­vas”, e pe­de às for­ças po­lí­ti­cas que não as­si­na­ram o acor­do “pa­ra re­sol­ver as su­as di­fe­ren­ças de for­ma pa­cí­fi­ca”.

À to­dos os ac­to­res po­lí­ti­cos con­go­le­ses, o Se­cre­tá­rio-Ge­ral da ONU ape­la a “tra­ba­lha­rem de boa-fé e num es­pí­ri­to de compromisso pa­ra uma so­lu­ção política que pre­pa­re o ca­mi­nho pa­ra elei­ções pa­cí­fi­cas, cre­dí­veis, in­clu­si­vas e opor­tu­nas”. Tais me­di­das de­vem ir de acor­do com a Cons­ti­tui­ção e com a Car­ta Afri­ca­na so­bre De­mo­cra­cia, Elei­ções e Go­ver­na­ção, con­clui a no­ta, que des­ta­ca os es­for­ços de me­di­a­ção da Con­fe­rên­cia Epis­co­pal do Con­go (CENCO).

O Pre­si­den­te ces­san­te con­go­lês, Jo­seph Ka­bi­la, no­me­ou na quin­ta­fei­ra o po­lí­ti­co da opo­si­ção Samy Ba­di­ban­ga pri­mei­ro-mi­nis­tro de um Go­ver­no de tran­si­ção cri­a­do pa­ra pre­pa­rar as pró­xi­mas elei­ções ge­rais (pre­si­den­ci­ais, le­gis­la­ti­vas e re­gi­o­nais) que, ao abri­go de um acor­do, de­vem ser re­a­li­za­das em si­mul­tâ­neo em Abril de 2018.

O acor­do po­lí­ti­co adia as elei­ções ge­rais pa­ra Abril de 2018, au­to­ri­za o Pre­si­den­te ces­san­te con­go­lês a per­ma­ne­cer no car­go in­te­ri­na­men­te até a re­a­li­za­ção das elei­ções pre­si­den­ci­ais e per­mi­te a for­ma­ção de um go­ver­no de união na­ci­o­nal, di­ri­gi­do por um mem­bro da opo­si­ção e cu­ja pri­o­ri­da­de é or­ga­ni­zar a vo­ta­ção. Ano­me­a­ção de Samy Ba­di­ban­ga, ami­go e an­ti­go con­se­lhei­ro de Eti­e­ne Tshi­se­ke­di, um dos dois prin­ci­pais lí­de­res po­lí­ti­cos da opo­si­ção con­go­le­sa, ao la­do de Möi­se Ka­tum­bi, é en­ten­di­da por ana­lis­tas po­lí­ti­cos con­go­le­ses co­mo uma ten­ta­ti­va do Che­fe do Es­ta­do con­go­lês se apro­xi­mar da opo­si­ção que re­jei­ta o acor­do po­lí­ti­co e exi­ge que Jo­seph Ka­bi­la dei­xe o po­der no fi­nal do seu man­da­to, em 19 de De­zem­bro.

Ao dis­cur­sar pe­ran­te a na­ção, no Con­gres­so, o Che­fe de Es­ta­do ces­san­te con­go­lês su­bli­nhou que o acor­do po­lí­ti­co saí­do do diá­lo­go na­ci­o­nal “é a úni­ca via” pa­ra re­sol­ver as di­fe­ren­ças po­lí­ti­cas.

Jo­seph Ka­bi­la, que tam­bém pro­me­teu fa­zer res­pei­tar a Cons­ti­tui­ção e não per­mi­tir que o país se­ja fei­to “re­féns de es­tra­té­gi­as in­sur­rec­ci­o­nais”, o que é en­ten­di­do co­mo um re­ca­do à “Res­sam­ble­ment”, de­nun­ci­ou o que cha­mou de “in­ge­rên­cia es­tran­gei­ra” e re­cor­dou que a RDC “tem di­rei­to a sua in­de­pen­dên­cia e so­be­ra­nia”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.