O com­ba­te ao de­sem­pre­go

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Os de­pu­ta­dos re­co­men­da­ram re­cen­te­men­te a im­ple­men­ta­ção de po­lí­ti­cas pú­bli­cas des­ti­na­das a au­men­tar o em­pre­go no país. É po­si­ti­vo que os nos­sos par­la­men­ta­res es­te­jam pre­o­cu­pa­dos com o de­sem­pre­go no país que atin­giu ní­veis pre­o­cu­pan­tes, de­pois da cri­se re­sul­tan­te da fa­lên­cia de mui­tas em­pre­sas, que não con­se­gui­ram re­sis­tir à cri­se eco­nó­mi­ca e fi­nan­cei­ra que atra­ves­sa­mos. Sa­be-se que as em­pre­sas são os agen­tes eco­nó­mi­cos que ga­ran­tem nu­ma eco­no­mia de mer­ca­do um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de em­pre­gos que con­tri­bu­em pa­ra as­se­gu­rar que mui­tas fa­mí­li­as te­nham ren­di­men­tos pa­ra o seu sus­ten­to.

As em­pre­sas são um seg­men­to importante no pro­ces­so de com­ba­te à po­bre­za, pois as unidades pro­du­ti­vas po­dem as­se­gu­rar em­pre­gos a mi­lha­res de pes­so­as, com re­per­cus­sões po­si­ti­vas na vi­da de mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas. É pre­ci­so que as po­lí­ti­cas pú­bli­cas de com­ba­te ao de­sem­pre­go con­tem­plem ac­ções des­ti­na­das a ga­ran­tir, se for ca­so dis­so, apoi­os a em­pre­sas em di­fi­cul­da­des fi­nan­cei­ras, pa­ra que con­ti­nu­em fun­ci­o­nais. Ao mes­mo tem­po, se­rá ne­ces­sá­rio fa­zer com que mui­tos an­go­la­nos se in­te­res­sem pe­la vi­da em­pre­sa­ri­al, pa­ra que te­nha­mos ca­da vez mais unidades pro­du­ti­vas que cri­em em­pre­gos e pro­du­zam ri­que­za. Há mui­tos an­go­la­nos dis­pos­tos a en­ve­re­dar pe­la ac­ti­vi­da­de em­pre­sa­ri­al. Que a es­tes an­go­la­nos se­jam da­das opor­tu­ni­da­des de se afir­ma­rem no mun­do de ne­gó­ci­os di­mi­nuin­do-se ca­da vez mais a car­ga bu­ro­crá­ti­ca ao ní­vel dos pro­ce­di­men­tos pa­ra se cri­ar uma em­pre­sa.

Te­mos de ter ca­da vez mais em­pre­sas, pe­que­nas ou mé­di­as, pro­du­to­ras de bens e ser­vi­ços. Ho­je há um nú­me­ro ele­va­do de an­go­la­nos com pe­que­nos ne­gó­ci­os, que es­tão no mer­ca­do in­for­mal. Um nú­me­ro con­si­de­rá­vel de an­go­la­nos con­se­gue ren­di­men­tos re­cor­ren­do ao mer­ca­do in­for­mal. Mui­tos des­tes an­go­la­nos não for­ma­li­zam os seus ne­gó­ci­os por­que acham ain­da que há ex­ces­si­va bu­ro­cra­cia pa­ra tra­tar dos seus as­sun­tos. Era bom que as en­ti­da­des com­pe­ten­tes fi­zes­sem cam­pa­nhas,pa­ra, não só in­cen­ti­var as pes­so­as a cri­ar em­pre­sas, mas tam­bém pa­ra fa­lar-lhes das van­ta­gens em ter as su­as unidades pro­du­ti­vas for­ma­li­za­das.

O Es­ta­do tem, por via das ins­ti­tui­ções com­pe­ten­tes, de ser cé­le­re na for­ma­li­za­ção de ne­gó­ci­os (que não são pou­cos) do mer­ca­do in­for­mal, até por­que se ga­nha em ter­mos de tri­bu­ta­ção, com a ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas que po­dem ser­vir pa­ra fi­nan­ci­ar ser­vi­ços ne­ces­sá­ri­os à po­pu­la­ção. Os par­la­men­ta­res an­go­la­nos fi­ze­ram bem em tra­tar a ques­tão do de­sem­pre­go no país, pois tra­ta-se de um dos nos­sos gran­des pro­ble­mas. Qu­an­do há de­sem­pre­go mui­tas fa­mí­li­as cor­rem o ris­co de se de­ses­tru­tu­ra­rem. É de­ver do Es­ta­do fa­zer com que as fa­mí­li­as te­nham es­ta­bi­li­da­de, pro­mo­ven­do o em­pre­go.

O Es­ta­do de­ve tra­ba­lhar per­ma­nen­te­men­te no sen­ti­do da pro­mo­ção do bem-es­tar de to­dos os ci­da­dãos. E o bem-es­tar con­se­gue-se tam­bém por via de po­lí­ti­cas cen­tra­das na cri­a­ção de con­di­ções pa­ra que ha­ja em­pre­gos em to­do o país. A cri­a­ção de es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal é uma das vi­as que o Es­ta­do es­co­lheu, e bem, pa­ra re­du­zir o de­sem­pre­go no seio da ju­ven­tu­de. É importante que con­ti­nue a au­men­tar o nú­me­ro de es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal, que bons re­sul­ta­dos têm pro­du­zi­do ao ní­vel do de­sem­pe­nho dos jo­vens que por lá pas­sam. Há notícias de que mui­tos jo­vens for­ma­dos nes­sas es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal cri­a­das pe­lo Es­ta­do en­con­tram ge­ral­men­te em­pre­go em em­pre­sas.

Va­le a pe­na apos­tar tam­bém no en­si­no pro­fis­si­o­nal, até por­que há um nú­me­ro ele­va­do de jo­vens que, por di­ver­sas ra­zões, não pre­ten­dem ou não po­dem fre­quen­tar um ins­ti­tu­to mé­dio ou uma uni­ver­si­da­de. É pois importante que se dê opor­tu­ni­da­de a es­tes jo­vens de ad­qui­ri­rem em es­co­las de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal co­nhe­ci­men­tos pa­ra te­rem em seis me­ses ou um ano uma pro­fis­são que os ha­bi­li­te a tra­ba­lhar por con­ta pró­pria ou por con­ta de ou­trem. Foi bom os par­la­men­ta­res te­rem abor­da­do a ques­tão do de­sem­pre­go. Co­mo ór­gão de so­be­ra­nia e ca­sa das leis, a As­sem­bleia Na­ci­o­nal tem tam­bém res­pon­sa­bi­li­da­des no que diz res­pei­to ao de­sen­vol­vi­men­to eco­nó­mi­co e so­ci­al do país.

Os de­pu­ta­dos não de­vem es­tar à mar­gem dos gran­des pro­ble­mas do país. Eles fo­ram elei­tos pe­lo po­vo pa­ra aju­da­rem a re­sol­ver os seus pro­ble­mas. Os par­la­men­ta­res de­vem es­tar à al­tu­ra da mis­são que lhes foi con­fi­a­da pe­lo po­vo por via do vo­to. O de­sem­pre­go no país é uma re­a­li­da­de. Pe­ran­te es­ta re­a­li­da­de, é sem­pre importante que se re­co­men­dem so­lu­ções pa­ra um pro­ble­ma que afec­ta mui­tas fa­mí­li­as an­go­la­nas.

Os nos­sos go­ver­nan­tes, que têm de re­sol­ver mui­tos pro­ble­mas, não se can­sam de pro­cu­rar so­lu­ções pa­ra to­dos eles, por­que es­tão sem­pre pre­o­cu­pa­dos com a vi­da das po­pu­la­ções. São mui­tos os exemplos de em­pe­nho das au­to­ri­da­des na re­so­lu­ção dos pro­ble­mas do po­vo. Des­de a con­quis­ta da paz em 2002, os go­ver­nan­tes têm tra­ba­lha­do ar­du­a­men­te pa­ra que to­dos os an­go­la­nos vi­vam com dig­ni­da­de. Tem si­do gi­gan­tes­co o es­for­ço das au­to­ri­da­des pa­ra fa­zer de An­go­la um lu­gar bom pa­ra se vi­ver. A cons­tru­ção de uma so­ci­e­da­de de pro­gres­so tem si­do com­ple­xa, mas os go­ver­nan­tes es­tão preparados pa­ra os gran­des de­sa­fi­os, no in­te­res­se do po­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.