O no­vo El Do­ra­do das li­gas pro­fis­si­o­nais ame­ri­ca­nas

LAS VE­GAS

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JÉRÔME RASETTI |

Ge­lo no meio do de­ser­to: Las Ve­gas fa­rá a sua gran­de es­treia na Li­ga nor­te-ame­ri­ca­na de hóquei (NHL) em Outubro de 2017, uma re­vo­lu­ção no des­por­to pro­fis­si­o­nal dos Es­ta­dos Uni­dos, que an­tes mi­ni­mi­za­va a ca­pi­tal mun­di­al dos ca­si­nos.

Se­rá que o a equi­pa se cha­ma­rá os De­sert Knights, ou os Gol­den Knights (Cavaleiros do De­ser­to, Cavaleiros Dou­ra­dos, em in­glês), ou um no­me um pou­co mais im­pro­vá­vel co­mo os Slot Ma­chi­nes, li­te­ral­men­te os “Ca­ça-mo­e­das”?

Bill Fo­ley irá des­ven­dar o no­me, o lo­go e as co­res da sua equi­pa, que se es­tre­a­rá na NHL na tem­po­ra­da 2017-2018.

O em­pre­sá­rio, que fez for­tu­na no mer­ca­do fi­nan­cei­ro e que pre­ci­sou de pa­gar um di­rei­to de en­tra­da no va­lor de 500 mi­lhões de dó­la­res, fez al­go iné­di­to: con­se­guiu que­brar um ta­bu ao con­ven­cer os di­ri­gen­tes das li­gas nor­te-ame­ri­ca­nas a es­ta­be­le­cer uma equi­pa em Las Ve­gas, no Es­ta­do de Ne­va­da, on­de as apos­tas des­por­ti­vas são le­ga­li­za­das, o que po­de­ria co­lo­car em dú­vi­da a li­su­ra dos atle­tas e da pró­pria equi­pa após uma der­ro­ta. “Não te­mos ne­nhu­ma pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção à in­te­gri­da­de do nos­so des­por­to. Es­te é um pe­río­do par­ti­cu­lar­men­te en­tu­si­as­ta pa­ra Las Ve­gas, mas tam­bém pa­ra a NHL”, con­fir­mou Gar­ry Bett­man, pre­si­den­te da NHL.

“O des­por­to pro­fis­si­o­nal foi fei­to pa­ra es­tar pre­sen­te aqui”, comemorou a pre­fei­ta de Las Ve­gas, Ca­rolyn Go­od­man. A no­va equi­pa se­di­a­rá os seus jo­gos na T-Mo­bi­le Are­na, uma sa­la po­li­des­por­ti­va re­cém-inau­gu­ra­da com ca­pa­ci­da­de pa­ra 17.500 lu­ga­res, er­gui­da na Strip, a fa­mo­sa ave­ni­da on­de já se en­con­tram os mai­o­res e mais lu­xu­o­sos ho­téis-ca­si­nos de “Sin City”, a ci­da­de do pe­ca­do.

Las Ve­gas Rai­ders vem aí

Com uma po­pu­la­ção de 2,1 mi­lhões de ha­bi­tan­tes e, prin­ci­pal­men­te, 42,3 mi­lhões de tu­ris­tas por ano (da­dos de 2015), Las Ve­gas é um mer­ca­do des­por­ti­vo de enor­me po­ten­ci­al. A ou­sa­da aposta da NHL, que não cri­a­va uma no­va equi­pa des­de 2000 (Co­lum­bus e Min­ne­so­ta), aca­bou dan­do idei­as a ou­tras Li­gas. “Las Ve­gas é uma jóia. Sim, há jo­ga­ti­na, mas é tam­bém a ci­da­de da di­ver­são, um des­ti­no tan­to pa­ra a fa­mí­lia quan­to pa­ra os ne­gó­ci­os”, re­su­miu Jer­ry Jo­nes, o len­dá­rio do­no do Dal­las Cow­boys, equi­pa mais po­pu­lar da NFL (Li­ga de Fu­te­bol Ame­ri­ca­no). O pro­jec­to mais avan­ça­do é, jus­ta­men­te, da NFL: Mark Da­vis, do­no do Oa­kland Rai­ders, es­tá em ne­go­ci­a­ções avan­ça­das com as au­to­ri­da­des lo­cais pa­ra cons­truir um es­tá­dio pa­ra 65 mil es­pec­ta­do­res e que te­rá um tec­to re­trá­til, ca­paz de li­dar com as vi­o­len­tas va­ri­a­ções de tem­pe­ra­tu­ra do de­ser­to de Mo­ja­ve.

Pa­ra de­fen­der o pro­jec­to fa­raó­ni­co (1,4 mil mi­lhões de dó­la­res) e a mu­dan­ça dos Rai­ders, que não vêem a ho­ra de dei­xar o ve­lho e an­ti­qua­do es­tá­dio de Oa­kland, Da­vis foi a Las Ve­gas em Agos­to e le­vou um re­for­ço de pe­so, o ex-mé­dio da selecção in­gle­sa Da­vid Beckham.

“Con­tar com uma equi­pa tão importante co­mo os Rai­ders se­ria in­crí­vel pa­ra Las Ve­gas, mas não se li­mi­ta­ria a is­so. Is­so per­mi­ti­ria a vin­da da MLS (Li­ga de Fu­te­bol nor­te­a­me­ri­ca­na), dos mai­o­res clu­bes eu­ro­peus, co­mo o Man­ches­ter Uni­ted, du­ran­te a sua di­gres­são de pré-tem­po­ra­da”, ex­pli­cou o ex-jo­ga­dor dos “Red De­vils” e do Re­al Ma­drid.

En­quan­to es­pe­ra pe­lo fu­te­bol ame­ri­ca­no, o ba­se­bol e o bas­que­te­bol -a NBA or­ga­ni­zou o seu All Star Ga­me em Las Ve­gas em 2007a ex­pe­ri­ên­cia com o hóquei se­rá acom­pa­nha­da com mui­ta aten­ção. Os pri­mei­ros in­di­ca­do­res são po­si­ti­vos: 14 mil pes­so­as já ma­ni­fes­ta­ram a von­ta­de de ad­qui­rir o ca­der­no anu­al de in­gres­sos.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.