Pa­ga­men­to elec­tró­ni­co ten­de a cres­cer

RE­DE MUL­TI­CAI­XA Car­tões de cré­di­to vi­vos re­flec­tem uma boa evo­lu­ção dos mei­os de li­qui­da­ção

Jornal de Angola - - ECONOMIA - AR­MAN­DO ES­TRE­LA |

A re­de Mul­ti­cai­xa re­gis­tou no ano pas­sa­do um au­men­to das tran­sac­ções em “Au­to­ma­tic Tel­ler Ma­chi­nes” (ATM) de cer­ca de 20 por cen­to, pa­ra mais de 1,5 triliões de kwan­zas, e as em Ter­mi­nal de Pa­ga­men­to Au­to­má­ti­co (TPA) 45 por cen­to, pa­ra uma mé­dia de 51.185 mi­lhões de kwan­zas por mês.

Os da­dos são re­ve­la­dos no es­tu­do “Aná­li­se do sec­tor ban­cá­rio 2015” di­vul­ga­do sex­ta-fei­ra, em Lu­an­da, pe­lo em­pre­sa in­ter­na­ci­o­nal de con­sul­to­ria KPMG, no qual se afir­ma que a evo­lu­ção das tran­sac­ções em TPA re­pre­sen­ta uma de­sa­ce­le­ra­ção fa­ce às de 2014, qu­an­do es­ti­ve­ram pró­xi­mo do vo­lu­me de 50 por cen­to, es­ta­be­le­ci­do pe­lo BNA co­mo pa­drão de cres­ci­men­to anu­al.

As tran­sac­ções elec­tró­ni­cas cres­ce­ram em 97 por cen­to pa­ra as ope­ra­ções de pa­ga­men­to de fac­tu­ras e 148 por cen­to as ope­ra­ções de trans­fe­rên­cia, em­bo­ra o cres­ci­men­to de seis por cen­to no nú­me­ro de ATM te­nha si­do in­fe­ri­or ao ve­ri­fi­ca­do em 2014.

Em 2014 ha­via 4,74 mi­lhões de car­tões Mul­ti­cai­xa vá­li­dos, 3,42 mi­lhões dos quais re­gis­ta­ram ac­ti­vi­da­de. A evo­lu­ção do nú­me­ro de car­tões vi­vos tam­bém acom­pa­nhou a dos res­tan­tes mei­os de pa­ga­men­to, ao apre­sen­tar ta­xas de cres­ci­men­to in­fe­ri­o­res às de 2013, pas­san­do de 29 pa­ra oi­to por cen­to.

A KPMG dis­se que ape­sar da de­sa­ce­le­ra­ção do cres­ci­men­to no nú­me­ro de car­tões, fo­ram re­a­li­za­das no ano pas­sa­do cer­ca 300 mi­lhões de tran­sac­ções com car­tões.

Os ní­veis do cré­di­to con­ce­di­do apre­sen­tam ta­xas de cres­ci­men­to po­si­ti­vas, mas in­fe­ri­o­res às re­gis­ta­das no ano de 2014. Em 2015, o cré­di­to con­ce­di­do (cré­di­to bru­to) cres­ceu 9,5 por cen­to, 21,4 pon­tos per­cen­tu­ais abai­xo do re­gis­ta­do em 2014 e 1,9 pon­tos per­cen­tu­ais abai­xo do cres­ci­men­to de 2013.

Es­sa evo­lu­ção foi acom­pa­nha­da pe­lo au­men­to do cré­di­to mal­pa­ra­do, cu­jo vo­lu­me du­pli­cou des­de o ano de 2012. Pa­ra o efei­to, o cré­di­to vencido cor­res­pon­de a um cres­ci­men­to anu­al de 26 por cen­to e, em 2015, re­gis­tou um au­men­to de 8,8 por cen­to. O rácio de cré­di­to vencido man­te­ve-se sen­si­vel­men­te cons­tan­te, mas tem um de­crés­ci­mo de 0,1 pon­tos per­cen­tu­ais.

Re­la­ti­va­men­te a de­pó­si­tos de cli­en­tes, o sec­tor apre­sen­tou uma ta­xa de cres­ci­men­to de 11,9 por cen­to, abai­xo da ve­ri­fi­ca­da em 2014, de 16,1 por cen­to. Es­te cres­ci­men­to foi po­ten­ci­a­do pe­los de­pó­si­tos à or­dem, que evo­luí­ram 13 por cen­to e re­pre­sen­tam ho­je 56 por cen­to do to­tal de de­pó­si­tos dis­po­ní­veis no sis­te­ma.

Os de­pó­si­tos a pra­zo re­gis­ta­ram um au­men­to de 10,2 por cen­to e re­pre­sen­tam 44 por cen­to do to­tal. Ao ní­vel da dis­tri­bui­ção por mo­e­da, os de­pó­si­tos em mo­e­da na­ci­o­nal re­pre­sen­tam 71 por cen­to do to­tal con­ta­bi­li­za­do em 2015.

O es­tu­do da KPMG de­cla­ra que o rácio de trans­for­ma­ção dos de­pó­si­tos di­mi­nuiu 1,2 pon­tos per­cen­tu­ais, evo­luin­do de 55,5 por cen­to, em 2014, pa­ra 54,3 por cen­to, em 2015.

Es­sa va­ri­a­ção tra­duz um cres­ci­men­to mais acen­tu­a­do no vo­lu­me de de­pó­si­tos, qu­an­do com­pa­ra­do com o in­cre­men­to apre­sen­ta­do pe­lo cré­di­to bru­to a cli­en­tes, de 11,9 e 9,5 por cen­to, res­pec­ti­va­men­te, mas é tam­bém re­fle­xo de um mai­or es­cru­tí­nio na ava­li­a­ção dos pro­jec­tos de in­ves­ti­men­to, diz o es­tu­do des­te ano da KPMG.

Em ter­mos do vo­lu­me de ac­ti­vos, o sec­tor ban­cá­rio apre­sen­ta um vo­lu­me to­tal su­pe­ri­or em 16,6 por cen­to, ao re­gis­ta­do em 2014. A sua evo­lu­ção tra­duz um mer­ca­do ava­li­a­do em cer­ca de 7.520 mil mi­lhões de kwan­zas.

A es­tru­tu­ra de ac­ti­vos da ban­ca na­ci­o­nal man­tém-se es­tá­vel fa­ce a 2014, mas é evi­den­te a re­du­ção nas apli­ca­ções de li­qui­dez em 5,9 pon­tos per­cen­tu­ais e o au­men­to nas obri­ga­ções e tí­tu­los em 6,4 pon­tos per­cen­tu­ais, de­cla­ra o re­la­tó­rio apre­sen­ta­do pe­la KPMG.

JO­SÉ SO­A­RES

Mo­men­to da apre­sen­ta­ção à co­mu­ni­ca­ção so­ci­al do es­tu­do so­bre o sec­tor ban­cá­rio an­go­la­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.