So­pa de Le­tras

Jornal de Angola - - LAZER -

********** Um fun­ci­o­ná­rio pú­bli­co, cum­pri­dor, re­gra­do e dis­ci­pli­na­do saiu de ca­sa pa­ra o ser­vi­ço, sem a som­bri­nha. No ta­xi, ao le­van­tar-se, pe­gou dis­trai­da­men­te a som­bri­nha de um ho­mem, que ia a seu la­do, e es­te cha­mou-Ihe a aten­ção pa­ra o fac­to. En­ver­go­nha­do, en­trou nu­ma lo­ja e com­prou um, sem se lem­brar de que no ser­vi­ço ti­nha sem­pre, por pru­dên­cia, ou­tro, pa­ra uma fal­ta. En­tre­tan­to, em ca­sa, a mu­lher, no­tan­do o es­que­ci­men­to de­le, man­dou a em­pre­ga­da le­var-lhe o que era nor­mal­men­te do seu uso. À ho­ra do al­mo­ço, qu­an­do es­ta­va a vol­tar pa­ra ca­sa, te­ve a tris­te idéia de le­var as três som­bri­nhas. Idéia tris­te, por­que no ta­xi de­pa­rou-se com o mes­mo ho­mem da ma­nhã, a quem lhe ti­nha ti­ra­do a som­bri­nha por en­ga­no que, ao vê-lo tão bem ape­tre­cha­do, dis­se-lhe com um ar fin­gi­da­men­te cúm­pli­ce:

- Sim, se­nhor! Que boa co­lhei­ta, ho­je… En­con­tre as se­guin­tes pa­la­vras:

al­fa­ce, to­ma­te e ce­bo­la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.