Bru­xa­ria pa­ra se­pa­rar ca­sais

Jornal de Angola - - PARTADA - RI­CAR­DO PÉREZ-SOLERO |

Per­fu­mes en­can­ta­dos, ima­gens sa­gra­das e quei­ma­du­ras com in­cen­so são al­guns dos re­mé­di­os que bru­xos ani­mis­tas uti­li­zam qu­an­do são pro­cu­ra­dos por fa­mí­li­as cam­bo­ja­nas pa­ra aca­bar com as re­la­ções dos seus fi­lhos ou pa­ren­tes LGBT (lés­bi­cas, gays, tran­se­xu­ais e bis­se­xu­ais).

Ape­sar da cres­cen­te to­le­rân­cia com es­te gru­po no Cam­bo­ja, mui­tas fa­mí­li­as opõem-se a que os seus fi­lhos ou pa­ren­tes te­nham re­la­ções com pes­so­as do mes­mo se­xo por pre­con­cei­tos so­ci­ais ou por­que sig­ni­fi­ca não po­der ter des­cen­dên­cia.

A meia ho­ra da ci­da­de de Kam­pot, no sul do país, um es­trei­to ca­mi­nho ao pé do mon­te Blan­co le­va à ca­sa de uma ido­sa fei­ti­cei­ra que se cha­ma Lork Ta (que po­de ser tra­du­zi­do co­mo “ere­mi­ta com po­de­res má­gi­cos”).

Lork Ta des­car­ta ca­ta­lo­gar-se den­tro dos mais de cem ti­pos de cu­ran­dei­ros ani­mis­tas ou “kru kh­mer” que exis­tem no Cam­bo­ja, on­de o bu­dis­mo se mes­cla com o ani­mis­mo, e as­se­gu­ra que o seu po­der vem de dois deu­ses ani­mis­tas cha­ma­dos Pre­ah Ang Dang Ker e Pre­ah Ang Plern Chat.

En­tre as fi­gu­ras de­co­ra­ti­vas, ve­las e in­cen­sos, a ido­sa de 93 anos ga­ran­te que uti­li­zou fei­ti­ços pa­ra se­pa­rar ca­sais “em mi­lha­res de oca­siões” e que co­nhe­ce vá­ri­os “mé­to­dos pa­ra que se se­pa­rem”.

Um de­les con­sis­te em re­ci­tar pa­la­vras em pa­li en­quan­to “so­pra” o con­ju­ro so­bre um per­fu­me, que de­ve­rá ser sal­pi­ca­do so­bre a pes­soa que vai ser en­fei­ti­ça­da.

“Se o ca­sal es­tá pro­fun­da­men­te apai­xo­na­do, mas os pais de am­bas as pes­so­as não po­dem acei­tar, se não que­rem que pes­so­as do mes­mo se­xo es­te­jam apai­xo­na­das, con­se­gui­rão que se odei­em en­tre eles”, de­cla­rou Lork Ta nu­ma ca­si­nha cons­truí­da com bam­bu e lo­nas.

“Re­a­li­zar es­ta ma­gia cus­ta mui­to di­nhei­ro, mais de cem (dó­la­res)”, acres­cen­tou. Em­bo­ra Lork Ta re­co­nhe­ça que não po­de mu­dar a na­tu­re­za das pes­so­as, pais cam­bod­ja­nos re­cor­rem a ri­tu­ais co­mo os seus com a ideia de que os seus fi­lhos es­tão en­fei­ti­ça­dos, ou com a es­pe­ran­ça de que mu­dem após rom­per a sua re­la­ção. “O en­can­to só faz com que dei­xem de es­tar apai­xo­na­dos. Após is­so, de­pen­de de­les ten­tar al­go com al­guém do se­xo opos­to ou do mes­mo”, ad­ver­tiu a fei­ti­cei­ra.

A cam­bod­ja­na Poy Long con­tou que, da mes­ma for­ma que al­guns dos cli­en­tes de Lork Ta, ela tam­bém foi obri­ga­da a sub­me­ter-se a re­mé­di­os má­gi­cos qu­an­do os seus pais de­ci­di­ram que a sua com­pa­nhei­ra, uma mu­lher, não era apro­pri­a­da.

“Os meus pais acre­di­tam nos Kru Kh­mer. Fo­ram a um e dis­se­ram-lhe que eu ti­nha si­do en­fei­ti­ça­da com um fei­ti­ço de amor. No to­tal le­va­ram-me pa­ra ver seis Kru Kh­mer” , re­la­tou a cam­bod­ja­na em Ph­nom Pe­nh.

Em­bo­ra os seus pais a te­nham acei­ta­do qu­an­do con­tou so­bre a sua op­ção se­xu­al aos 16 anos, ter­mi­na­ram re­jei­tan­do a sua com­pa­nhei­ra e tra­tan­do-a co­mo se es­ti­ves­se lou­ca. “O bu­dis­mo não men­ci­o­na na­da de LGBT, é ape­nas so­bre amar sem dis­cri­mi­nar nin­guém”, la­men­tou a cam­bod­ja­na. Após in­ter­mi­ná­veis ses­sões de fu­ma­ção com in­cen­so, ex­pe­ri­men­ta­das cu­ras e ou­tros re­mé­di­os so­bre­na­tu­rais, Poy Long con­se­guiu que os seus pais se ren­des­sem e dei­xas­sem de in­flu­en­ci­ar a sua vi­da. Ela con­si­de­ra que ago­ra há mais in­for­ma­ção e to­le­rân­cia do que há al­guns anos, em­bo­ra a dis­cri­mi­na­ção per­ma­ne­ça e se­ja mais for­te em áre­as ru­rais, on­de vi­ve 80 por cen­to da po­pu­la­ção.

Em Ph­nom Pe­nh exis­tem vá­ri­os ba­res di­ri­gi­dos ao pú­bli­co ho­mos­se­xu­al e trans­gé­ne­ro, e no ano pas­sa­do foi lan­ça­da a pri­mei­ra re­vis­ta es­pe­cí­fi­ca pa­ra es­tes gru­pos.

Ro­dri­go Mon­te­ro, as­ses­sor de gé­ne­ro da agên­cia ale­mã de co­o­pe­ra­ção (GIZ, em ale­mão) no Cambodja, diz que em 2014 o Mi­nis­té­rio de As­sun­tos da Mu­lher in­cluiu pe­la pri­mei­ra vez os gru­pos LGBT den­tro das po­lí­ti­cas go­ver­na­men­tais con­tra a vi­o­lên­cia de gé­ne­ro.

“O Mi­nis­té­rio re­co­men­dou que hou­ves­se diá­lo­go com as pes­so­as LGBT pa­ra de­sen­vol­ver uma política na­ci­o­nal que abor­de a dis­cri­mi­na­ção e re­ver o cur­ri­cu­lum do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção pa­ra in­cor­po­rar te­mas LGBT”, in­di­cou Mon­te­ro.

Por sua vez, a ONG Rock de­sen­vol­veu um con­tra­to en­tre par­ti­cu­la­res que per­mi­te que pes­so­as do mes­mo se­xo te­nham uma união com cer­tas ga­ran­ti­as le­gais pe­ran­te as au­to­ri­da­des lo­cais, o pri­mei­ro pas­so pa­ra o ca­sa­men­to ho­mos­se­xu­al, que ain­da não é le­gal no Cambodja. No en­tan­to, no país, on­de não exis­tem ter­mos es­pe­cí­fi­cos em kh­mer pa­ra de­sig­nar lés­bi­cas, gays, pes­so­as trans­gé­ne­ro e bis­se­xu­ais, a pri­o­ri­da­de é aca­bar com a dis­cri­mi­na­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.