Sa­lá­ri­os vão ser re­a­jus­ta­dos

Em to­do o país vão ser ad­mi­ti­dos 800 mé­di­cos e 200 en­fer­mei­ros li­cen­ci­a­dos

Jornal de Angola - - PARTADA - ADELINA INÁ­CIO |

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças as­se­gu­rou on­tem que o Exe­cu­ti­vo pre­vê no Orçamento Ge­ral do Es­ta­do (OGE) pa­ra 2017 o re­a­jus­ta­men­to sa­la­ri­al e a re­vi­são do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal. Ar­cher Man­guei­ra, que res­pon­dia às pre­o­cu­pa­ções dos de­pu­ta­dos du­ran­te o de­ba­te do OGE na es­pe­ci­a­li­da­de, afir­mou que o Exe­cu­ti­vo re­co­nhe­ce a ne­ces­si­da­de de se fa­zer um ajus­ta­men­to sa­la­ri­al em fun­ção do equi­lí­brio ma­cro-eco­nó­mi­co. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, que não re­ve­lou a per­cen­ta­gem do ajus­ta­men­to sa­la­ri­al, afir­mou que é um tra­ba­lho que vai ser fei­to por uma co­mis­são es­pe­ci­a­li­za­da, com a in­ter­ven­ção de vá­ri­os sec­to­res.

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de, Cons­tan­ti­na Fur­ta­do, anun­ci­ou que o sec­tor da Saú­de pre­vê a ad­mis­são em 2017 de 800 mé­di­cos e 200 en­fer­mei­ros li­cen­ci­a­dos. A pro­pos­ta de Lei do OGE pa­ra 2017, que es­tá em aná­li­se nas co­mis­sões de es­pe­ci­a­li­da­de da As­sem­bleia Na­ci­o­nal, pre­vê re­cei­tas e des­pe­sas de 7,307 tri­liões de kwan­zas. A pre­vi­são de re­cei­tas do OGE es­ti­ma em 46 dó­la­res o pre­ço mé­dio de ex­por­ta­ção de ca­da bar­ril de pe­tró­leo.

O Exe­cu­ti­vo pre­vê no Orçamento Ge­ral do Es­ta­do pa­ra 2017 o re­a­jus­ta­men­to sa­la­ri­al e a re­vi­são do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal, ga­ran­tiu on­tem no Par­la­men­to o mi­nis­tro das Fi­nan­ças.

Ar­cher Man­guei­ra adi­an­tou que o sa­lá­rio mí­ni­mo vai ser vis­to no âm­bi­to da po­lí­ti­ca re­tri­bu­ti­va que es­tá a ser apli­ca­da pe­lo Exe­cu­ti­vo.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças res­pon­deu às ques­tões apre­sen­ta­das pe­los de­pu­ta­dos da UNITA Manuel Sa­vihem­ba e Fer­nan­do Hei­tor. Manuel Sa­vihem­ba ques­ti­o­nou o mi­nis­tro das Fi­nan­ças so­bre a re­vi­são do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal, o re­a­jus­te dos sa­lá­ri­os e a atri­bui­ção de sub­sí­di­os e in­cen­ti­vos de pe­ri­fe­ria e iso­la­men­to. Já Fer­nan­do Hei­tor ques­ti­o­nou so­bre os re­sul­ta­dos do com­ba­te aos fun­ci­o­ná­ri­os “fantasmas” na Fun­ção Pú­bli­ca.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, que fa­lou du­ran­te o de­ba­te do Orçamento Ge­ral do Es­ta­do na es­pe­ci­a­li­da­de, afir­mou que o Exe­cu­ti­vo re­co­nhe­ce a ne­ces­si­da­de de se fa­zer um ajus­ta­men­to sa­la­ri­al em fun­ção da ges­tão ma­cro­e­co­nó­mi­ca. “Vai-se de­fi­nir qual a me­lhor op­ção que se ajus­ta, com­bi­nan­do a ques­tão do sa­lá­rio re­al com a ques­tão do equi­lí­brio ma­cro­e­co­nó­mi­co”, dis­se Ar­cher Man­guei­ra.

O mi­nis­tro das Fi­nan­ças, que não re­ve­lou a per­cen­ta­gem do ajus­ta­men­to sa­la­ri­al, jus­ti­fi­cou que “é um tra­ba­lho que vai ser fei­to por uma co­mis­são es­pe­ci­a­li­za­da”, com a in­ter­ven­ção de vá­ri­os sec­to­res.

Ar­cher Man­guei­ra afir­mou que o Mi­nis­té­rio das Fi­nan­ças es­tá pre­o­cu­pa­do com os tra­ba­lha­do­res “fantasmas” na fun­ção pú­bli­ca, in­for­man­do que “foi cri­a­da uma co­mis­são que es­tá a tra­ba­lhar no as­sun­to” e opor­tu­na­men­te vai apre­sen­tar os re­sul­ta­dos. O mi­nis­tro das Fi­nan­ças tran­qui­li­zou os de­pu­ta­dos e ga­ran­tiu que o sec­tor que di­ri­ge vai em­pe­nhar-se mais pa­ra que o fe­nó­me­no “fun­ci­o­ná­ri­os fantasmas” se­ja ul­tra­pas­sa­do. O se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, An­tó­nio Pau­lo, re­co­nhe­ceu a exis­tên­cia de fun­ci­o­ná­ri­os fantasmas na fun­ção pú­bli­ca, mas ga­ran­tiu que a ta­xa des­ses fun­ci­o­ná­ri­os “não é muito al­ta”.

Mais mé­di­cos

A se­cre­tá­ria de Es­ta­do da Saú­de, Cons­tan­ti­na Fur­ta­do, dis­se que o sec­tor da Saú­de pre­vê a ad­mis­são de 800 mé­di­cos e 200 en­fer­mei­ros li­cen­ci­a­dos pa­ra fa­zer cobertura a ní­vel na­ci­o­nal e a re­vi­ta­li­za­ção da municipalização da saú­de.

Com es­ta ad­mis­são, fri­sou, o Mi­nis­té­rio da Saú­de quer fa­zer che­gar a ofer­ta dos ser­vi­ços de saú­de mais pró­xi­mo da co­mu­ni­da­de. O mi­nis­tro da Edu­ca­ção, Pin­da Si­mão, re­co­nhe­ceu que exis­te um atra­so no pa­ga­men­to dos pro­fes­so­res de al­fa­be­ti­za­ção, mas ga­ran­tiu que os re­cur­sos fi­nan­cei­ros ava­li­a­dos em cer­ca de 1,2 mil mi­lhões de kwan­zas es­tão pre­vis­tos no Orçamento de 2017. Es­tes re­cur­sos, acres­cen­tou, vão per­mi­tir o pa­ga­men­to das dí­vi­das e o de­sen­vol­vi­men­to do pro­gra­ma du­ran­te o ano de 2017.

O mi­nis­tro res­pon­deu às per­gun­tas apre­sen­ta­das pe­los de­pu­ta­dos Nu­no Car­na­val e Jo­sé Ci­pri­a­no, do MPLA, que cen­tra­ram as su­as pre­o­cu­pa­ções nas ques­tões re­la­ci­o­na­das com a Edu­ca­ção e Saú­de.

O mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Jo­sé Luís de Ma­tos, res­pon­deu a du­as ques­tões de de­pu­ta­dos do MPLA e da UNITA. O pri­mei­ro ques­ti­o­nou a exis­tên­cia de um cen­tro de pro­du­ção na pro­vín­cia do Bié. Jo­sé Luís de Ma­tos es­cla­re­ceu que o sec­tor que di­ri­ge ain­da não tem pro­jec­to pa­ra a ins­ta­la­ção de um cen­tro de pro­du­ção na­que­la pro­vín­cia. Já o de­pu­ta­do da UNITA Fer­nan­do Hei­tor ma­ni­fes­tou pre­o­cu­pa­ção em re­la­ção a cer­tas pu­bli­ci­da­des que pas­sam na te­le­vi­são ou afi­xa­das na via pú­bli­ca.

O mi­nis­tro da Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al ga­ran­tiu que o di­plo­ma so­bre a pu­bli­ci­da­de, a ser apro­va­do pe­lo Par­la­men­to, vai aju­dar a pôr fim à in­de­cên­cia na pu­bli­ci­da­de. O en­con­tro de on­tem foi ori­en­ta­do pe­lo pre­si­den­te da Co­mis­são de Eco­no­mia e Fi­nan­ças, Manuel Nu­nes Jú­ni­or, co­ad­ju­va­do pe­los pre­si­den­tes da 6ª, 7ª e 8ª co­mis­sões da As­sem­bleia Na­ci­o­nal.

Par­cei­ros so­ci­ais

Na se­gun­da-fei­ra, foi a vez dos par­cei­ros so­ci­ais. Manuel Vi­a­ge, da UNTA - Con­fe­de­ra­ção Sin­di­cal, de­fen­deu um re­a­jus­ta­men­to sa­la­ri­al na fun­ção pú­bli­ca pa­ra mi­ni­mi­zar as ca­rên­ci­as das fa­mí­li­as em si­tu­a­ção de ele­va­da ins­ta­bi­li­da­de so­ci­al e eco­nó­mi­ca e re­a­ni­mar a au­to-es­ti­ma pro­fis­si­o­nal dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. “Nos anos de 2015 e 2016 os sa­lá­ri­os dos fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos não fo­ram re­a­jus­ta­dos”, lem­brou.

Manuel Vi­a­ge cen­trou a sua in­ter­ven­ção em três as­pec­tos re­la­ci­o­na­dos com o cres­ci­men­to PIB, em­pre­go e sa­lá­ri­os. O sin­di­ca­lis­ta sau­dou a pre­vi­são de 2,1 por cen­to da ta­xa de cres­ci­men­to co­mo si­nal ani­ma­dor da re­to­ma do cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e es­pe­ra que os em­pre­gos exis­ten­tes na eco­no­mia se man­te­nham es­tá­veis e que se cri­em no­vas opor­tu­ni­da­des , ten­do em con­ta as in­ten­ções de in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos.

A ex­pan­são do em­pre­go e as opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho no sec­tor in­for­mal, fri­sou, ge­ram ren­di­men­tos pa­ra o con­for­to da si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca das fa­mí­li­as. A UNTA-CS su­ge­re um le­van­ta­men­to dos pos­tos de tra­ba­lho pa­ra o apu­ra­men­to con­cre­to do nú­me­ro e do per­fil téc­ni­co e pro­fis­si­o­nal das va­gas exis­ten­tes.

O vi­ce-pre­si­den­te do Con­se­lho Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de, Mas­san­ga­no Do­min­gos, dis­se que a sua or­ga­ni­za­ção es­tá pre­o­cu­pa­da com os pro­jec­tos e pro­gra­mas pa­ra a área da ju­ven­tu­de e des­por­to que vão per­mi­tir a in­ser­ção dos jo­vens na vi­da ac­ti­va. Pe­diu o re­for­ço dos pro­gra­mas e pro­jec­tos que vi­sam o in­cen­ti­vo do em­pre­en­de­do­ris­mo pa­ra que os jo­vens pos­sam ge­rar em­pre­gos.

Tal co­mo foi de­fen­di­do pe­la UNTA-CS, Mas­san­ga­no Do­min­gos pe­diu tam­bém o re­a­jus­te do sa­lá­rio mí­ni­mo na­ci­o­nal. Quan­to ao Orçamento atri­buí­do ao Con­se­lho Na­ci­o­nal da Ju­ven­tu­de, pe­diu igual­men­te a re­vi­são das ver­bas atri­buí­das a es­ta or­ga­ni­za­ção pa­ra a con­clu­são dos pro­gra­mas e pro­jec­tos tra­ça­dos.

Ama­deu Amo­rim, do Pro­ces­so 50, pe­diu au­men­to do sa­lá­rio dos po­lí­ci­as pa­ra me­lho­rar a se­gu­ran­ça dos ci­da­dãos e du­ran­te as elei­ções do pró­xi­mo ano no país. Ama­deu Amo­rim pe­diu ain­da a re­vi­são das ver­bas atri­buí­das aos an­ti­gos com­ba­ten­tes.

KINDALA MANUEL

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças Ar­cher Man­guei­ra as­se­gu­rou que o Orçamento Ge­ral do Es­ta­do tem ga­ran­ti­do o re­a­jus­te dos sa­lá­ri­os

KINDALA MANUEL

Mi­nis­tro das Fi­nan­ças ga­ran­tiu aos de­pu­ta­dos que o tra­ba­lho pa­ra re­a­jus­ta­men­to dos sa­lá­ri­os de­ve ser fei­to por co­mis­são es­pe­ci­a­li­za­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.