Se­lec­ção li­ma úl­ti­mas ares­tas

PÉROLAS TERMINAM CI­CLO DE JO­GOS Ata­que e re­cu­pe­ra­ção de­fen­si­va são as prioridades

Jornal de Angola - - DESPORTO -

A Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or fe­mi­ni­na de an­de­bol de­fron­tou, on­tem às 20h00, a equi­pa do Al­mei­da Gar­rett, da pri­mei­ra Li­ga fe­mi­ni­na de Por­tu­gal, no úl­ti­mo jo­go de pre­pa­ra­ção, vi­san­do a par­ti­ci­pa­ção no CAN'2016, que se re­a­li­za de 28 de No­vem­bro a 6 de De­zem­bro, na Are­na do Ki­lam­ba, em Lu­an­da.

A der­ro­ta di­an­te dos ju­ni­o­res do FC do Por­to, por 27 - 31, nes­ta ter­ça-fei­ra, jus­ti­fi­ca-se, em par­te, se­gun­do o trei­na­dor ad­jun­to da Se­lec­ção Na­ci­o­nal, Ed­gar Ne­to, pe­las pre­cau­ções das atle­tas, no sen­ti­do de evi­tar le­sões, quan­do fal­tam pou­cos di­as pa­ra o ar­ran­que da mai­or reu­nião afri­ca­na do an­de­bol fe­mi­ni­no. De­pois do em­pa­te na pri­mei­ra par­ti­da, as por­tis­tas evi­den­ci­a­ram a sua su­pe­ri­o­ri­da­de, so­bre­tu­do no ca­pí­tu­lo fí­si­co, e be­ne­fi­ci­a­ram de al­gu­mas os­ci­la­ções no ren­di­men­to do “se­te” na­ci­o­nal, pa­ra cha­mar a si a vi­tó­ria. On­tem, di­an­te de uma for­ma­ção fe­mi­ni­na, Fi­li­pe Cruz e Ed­gar Ne­to de­fi­ni­ram co­mo ob­jec­ti­vo, o acer­to dos úl­ti­mos de­ta­lhes que não sa­tis­fa­zem a equi­pa téc­ni­ca, com pri­o­ri­da­de pa­ra o ata­que.

O ba­lan­ço do de­sem­pe­nho de­fen­si­vo é sa­tis­fa­tó­rio, com o gru­po a in­ter­pre­tar bem os sis­te­mas de­fen­si­vos 6:0 e 5:1, bem co­mo as dis­tin­tas va­ri­an­tes ide­a­li­za­das pe­la equi­pa téc­ni­ca. Até ama­nhã, úl­ti­mo dia de es­tá­gio em Gaia, Fi­li­pe Cruz e Ed­gar vão pres­tar es­pe­ci­al aten­ção às ac­ções de ata­que e à re­cu­pe­ra­ção de­fen­si­va, as­pec­tos que ain­da ca­re­cem de apri­mo­ra­men­to.

Hoje, a Se­lec­ção Na­ci­o­nal re­a­li­za uma ses­são úni­ca de trei­no tác­ti­co, que irá in­ci­dir so­bre cor­rec­ções aos as­pec­tos ne­ga­ti­vos apu­ra­dos ao ca­bo dos se­te jo­gos de pre­pa­ra­ção re­a­li­za­dos du­ran­te o es­tá­gio. Pa­ra ama­nhã, es­tá pro­gra­ma­da du­pla ses­são de trei­nos, an­tes do re­gres­so ao país, sá­ba­do, com par­ti­da do Por­to, às 8h00.

As atle­tas se­rão dis­pen­sa­das pa­ra re­ver a fa­mí­lia, na tar­de de sá­ba­do, em Lu­an­da, e o gru­po vol­ta a reu­nir-se no do­min­go, pa­ra uma ses­são de trei­nos no Pa­vi­lhão da Ci­da­de­la, às 18h00, an­tes da con­cen­tra­ção no ho­tel Di­a­man­te, que se­rá o “quar­tel-ge­ne­ral” da Se­lec­ção Na­ci­o­nal du­ran­te a vi­gé­si­ma se­gun­da edi­ção do Cam­pe­o­na­to Afri­ca­no das Na­ções8CAN) em se­ni­o­res fe­mi­ni­nos.

O prin­ci­pal des­ta­que da sé­ti­ma edi­ção do CAN (Ta­ça de Áfri­ca das Na­ções), em 1987, na ci­da­de de Ra­bat, ca­pi­tal de Mar­ro­cos, foi a con­quis­ta do cep­tro pe­la Costa do Mar­fim. O fei­to iné­di­to re­sul­tou da su­bi­da gra­du­al das cos­ta­mar­fi­nen­ses, que pas­sa­ram a ser “cli­en­tes” ha­bi­tu­ais do pó­dio e con­se­gui­ram a me­da­lha de pra­ta na com­pe­ti­ção an­te­ri­or.

Con­fli­tos en­tre jo­ga­do­ras, trei­na­do­res e fe­de­ra­ção con­go­le­sa pro­vo­ca­ram a au­sên­cia das en­tão te­tra­cam­peãs con­ti­nen­tais. O fac­to não des­vir­tu­ou a con­quis­ta das atle­tas da Costa do Mar­fim que, de­pois de cin­co pre­sen­ças efec­ti­vas na com­pe­ti­ção, “es­cre­vi­am o ca­pí­tu­lo doi­ra­do” do seu his­to­ri­al.

Ca­ma­rões e Con­go De­mo­crá­ti­co com­ple­ta­ram o pó­dio, en­quan­to a Tu­ní­sia, An­go­la e Egip­to pre­en­che­ram os pos­tos se­guin­tes da ta­be­la clas­si­fi­ca­ti­va, man­ten­do o ali­nha­men­to con­se­gui­do na edi­ção an­te­ri­or em Lu­an­da.

An­go­la con­ti­nu­ou a de­no­tar acen­tu­a­da pro­gres­são no de­sem­pe­nho, sem que tal fos­se acom­pa­nha­do por re­sul­ta­dos des­por­ti­vos mais ani­ma­do­res. O Con­go Braz­za­vil­le e Mar­ro­cos fo­ram au­sên­ci­as de vul­to na com­pe­ti­ção, pe­la sua con­di­ção de cam­peão em tí­tu­lo e an­fi­trião, res­pec­ti­va­men­te.

VII edi­ção (Mar­ro­cos, em 1987).

Cam­peã: Costa do Mar­fim.

Par­ti­ci­pan­tes (6): Costa do Mar­fim, Ca­ma­rões, Con­go De­mo­crá­ti­co, Tu­ní­sia, An­go­la e Egip­to.

Sem sur­pre­sa pa­ra al­guns, em 1989, na ca­pi­tal ar­ge­li­na, Ar­gel, o CAN co­nhe­ceu um no­vo e iné­di­to cam­peão, An­go­la. A “lu­ta di­plo­má­ti­ca” pe­lo do­mí­nio da Con­fe­de­ra­ção Afri­ca­na de An­de­bol aden­sou­se en­tre costa-mar­fi­nen­ses e con­go­le­ses, e An­go­la en­trou co­mo sim­ples ani­ma­do­ra. En­tre­tan­to, as li­ções ha­vi­am si­do bem apre­en­di­das com as der­ro­tas an­te­ri­o­res.

A vi­tó­ria do Fer­ro­viá­rio na Ta­ça dos Clu­bes Cam­peões deu si­nal po­si­ti­vo às au­to­ri­da­des. Cres­ceu a apos­ta na se­lec­ção fe­mi­ni­na. A pre­pa­ra­ção foi mais cui­da­da e os con­fli­tos in­ter­nos pas­sa­ram pa­ra se­gun­do pla­no, em de­fe­sa do in­te­res­se na­ci­o­nal. Pal­mi­ra Bar­bo­sa dei­xou pa­ra trás ou­tras jo­ga­do­ras afri­ca­nas de elei­ção que se des­ta­ca­vam, co­mo a ni­ge­ri­a­na Olí­via, ou as con­go­le­sas Ná­dia e Chan­tal Mbo. A ca­pi­tã do “se­te” na­ci­o­nal con­du­ziu as su­as co­le­gas na pri­mei­ra de mui­tas vi­tó­ri­as que iri­ram con­so­li­dar o do­mi­nio ab­so­lu­to de An­go­la. A ac­tu­al Se­cre­tá­ria de Es­ta­do pa­ra o Des­por­to, Ana Pau­la Sa­cra­men­to, foi a pon­ta di­rei­ta ti­tu­lar des­sa se­lec­ção e es­tá en­vol­vi­da­da ac­tu­al­men­te, por im­pe­ra­ti­vos do car­go que ocu­pa, na or­ga­ni­za­ção do ter­cei­ro CAN em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal.

Na épo­ca, às or­dens de Be­to Fer­rei­ra e Fer­nan­do Mo­rei­ra, as Pérolas im­pe­di­ram as costa-mar­fi­nen­ses de de­fen­der o tí­tu­lo e, mes­mo com a pre­sen­ça das con­go­le­sas, as an­go­la­nas mos­tra­ram-se aguer­ri­das e de­ter­mi­na­das a ins­cre­ver An­go­la no le­que das se­lec­ções com tí­tu­los con­quis­ta­dos.

No ano seguinte, An­go­la co­me­çou a com­pe­tir no Cam­pe­o­na­to do Mun­do na Co­reia do Sul. A Costa do Mar­fim fi­cou com a me­da­lha de pra­ta e o Con­go Braz­za­vil­le com a de bron­ze. Ar­gé­lia, Egip­to e Tu­ní­sia ocu­pa­ram as po­si­ções se­guin­tes.

VIII edi­ção (Ar­gé­lia, em 1989) Cam­peã: AN­GO­LA

Par­ti­ci­pan­tes (6): An­go­la, Costa do Mar­fim, Con­go Braz­za­vil­le, Ar­gé­lia, Egip­to e Tu­ní­sia.

Dois anos de­pois no Cai­ro, a pro­va re­gis­tou mais uma sur­pre­sa. Des­ta fei­ta, o cep­tro fi­cou com a Ni­gé­ria. Em­bo­ra não dis­pu­tas­se o cam­pe­o­na­to nas úl­ti­mas três edi­ções, as ni­ge­ri­a­nas pre­pa­ra­ram-se de mo­do a ob­ter um fei­to iné­di­to, re­me­ten­do as an­go­la­nas pa­ra a se­gun­da po­si­ção do pó­dio.

Go­ra­da a am­bi­ção de re­gres­sar às con­quis­tas, o Con­go Braz­za­vil­le ter­mi­nou a pro­va com me­da­lha de bron­ze. Ar­gé­lia, Se­ne­gal, Costa do Mar­fim e Egip­to fi­ca­ram nas po­si­ções ime­di­a­tas.

IX edi­ção (Ar­gé­lia, em 1991) Cam­peã: Ni­gé­ria

Par­ti­ci­pan­tes (7): Ni­gé­ria, An­go­la, Con­go Braz­za­vil­le, Ar­gé­lia, Se­ne­gal, Costa do Mar­fim e Egip­to.

No ano seguinte, em Ya­mous­sou­kro, An­go­la vol­tou a bri­lhar con­quis­tan­do o se­gun­do tro­féu con­ti­nen­tal. Ain­da às or­dens de Be­to Fer­rei­ra, a se­lec­ção mais ti­tu­la­da de Áfri­ca mos­trou aos mais aten­tos que o al­can­ce da ta­ça em 1991 era re­sul­ta­do de muito tra­ba­lho e pa­ra as an­go­la­nas não bas­ta­va par­ti­ci­par. Em cau­sa es­ta­va a am­bi­ção de atin­gir ou­tros pa­ta­ma­res e as­sim co­lo­car o no­me de An­go­la nos mais al­tos li­mi­a­res do des­por­to afri­ca­no no que o an­de­bol fe­mi­ni­no diz res­pei­to. O Con­go Braz­za­vil­le ter­mi­nou na se­gun­da po­si­ção. Ape­sar de jo­ga­rem em ca­sa as mar­fi­nen­ses ti­ve­ram de se con­ten­tar com o ter­cei­ro lu­gar, a se­guir Ni­gé­ria, Ar­gé­lia, Se­ne­gal, Tu­ní­sia e Con­go De­mo­crá­ti­co.

X edi­ção (Costa do Mar­fim, em 1992)

Cam­peã: AN­GO­LA.

Par­ti­ci­pan­tes (8): An­go­la, Con­go Braz­za­vil­le, Costa do Mar­fim, Ni­gé­ria, Ar­gé­lia, Se­ne­gal, Tu­ní­sia e Con­go De­mo­crá­ti­co.

M MACHANGONGO

Se­te an­go­la­no ga­nha gos­to pe­las vi­tó­ri­as e con­quis­ta dois cam­pe­o­na­tos em três edi­ções

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.