Qua­tro dé­ca­das a can­tar ki­zom­ba

QUA­TRO DÉ­CA­DAS DE MÚ­SI­CA Edu­ar­do Paim can­ta su­ces­sos de car­rei­ra no Cen­tro de Con­fe­rên­ci­as de Be­las

Jornal de Angola - - PARTADA - HONORATO SIL­VA |

Da vi­o­la de brin­que­do ofe­re­ci­da pe­la mãe nas­ceu a sua pai­xão ar­tís­ti­ca, há já qua­tro dé­ca­das. Hoje, Edu­ar­do Paim é re­co­nhe­ci­do pe­los seus com­pa­tri­o­tas co­mo o men­tor de uma ge­ra­ção que re­vo­lu­ci­o­nou a mú­si­ca de An­go­la, cu­jos su­ces­sos vão ser re­cor­da­dos ama­nhã às 21h00, no Cen­tro de Con­fe­rên­ci­as de Be­las (CCB), num es­pec­tá­cu­lo de ce­le­bra­ção de car­rei­ra, sob a chan­ce­la do Show do Mês da em­pre­sa No­va Ener­gia.

Pro­mo­vi­do a “ge­ne­ral” em 1997, num con­cer­to na Fei­ra Po­pu­lar em Lu­an­da, re­co­nhe­ci­men­to fei­to pe­lo ra­di­a­lis­ta Mi­guel Ne­to, Edu­ar­do Paim tem o ónus da sis­te­ma­ti­za­ção da ki­zom­ba, es­ti­lo mu­si­cal com raí­zes no sem­ba. Ir­ma­na­das, dan­ça e es­tru­tu­ra me­ló­di­ca con­quis­ta­ram es­pa­ço e pas­sa­ram a re­pre­sen­tar An­go­la no mun­do.

Fi­lho da re­vo­lu­ção que “deu à luz” a In­de­pen­dên­cia, o con­sa­gra­do “pai da ki­zom­ba” usa a sim­pli­ci­da­de pa­ra con­vi­dar os apre­ci­a­do­res da sua ar­te a fes­te­ja­rem os seus 40 anos de car­rei­ra. De Por­tu­gal traz o in­se­pa­rá­vel Fer­nan­do Qu­en­tal e o su­ces­so re­no­va­do pe­lo tem­po: “quan­do eu fui a Ben­gue­la/eu não quis re­gres­sar/ao ver Praia Mo­re­na/fi­quei a so­nhar...”

A con­tra­ri­ar o di­to po­pu­lar “santos de ca­sa não fa­zem mi­la­gres”, Ge­ne­ral Kam­bu­en­go le­va ao pal­co Ja­cin­to Tchi­pa, o mi­li­tar que con­quis­tou os an­go­la­nos com um can­to de es­pe­ran­ça, num mo­men­to de al­gu­ma in­cer­te­za. Os jo­vens e ado­les­cen­tes da épo­ca, hoje ho­mens fei­tos, lem­bram com nos­tal­gia o “bom dia ma­mãe/bom dia pai.../es­tou de saú­de ma­mãe/to­me es­ta car­ti­nha ma­mãe/pa­ra vo­cê não pen­sar em mim...” Vai ser o re­cor­dar de uma ve­lha ami­za­de for­ja­da nos es­tú­di­os da RNA, a fa­mo­sa CT1, um mo­nu­men­to da so­no­plas­tia em An­go­la. Mas de lem­bran­ças não é tu­do. Edu­ar­do Paim ofe­re­ce um pre­sen­te es­pe­ci­al aos seus fãs, ao le­var pa­ra o pal­co Ru­ca Van-Dúnem e Ri­car­do Abreu, dois no­mes in­con­tor­ná­veis na his­tó­ria da ki­zom­ba. A par­tir de Lisboa, no iní­cio da dé­ca­da de 90, os jo­vens an­go­la­nos tor­na­ram-se nos se­nho­res das pis­tas de dan­ça, com uma pro­pos­ta ou­sa­da que pas­sou a di­vi­dir o es­pa­ço en­tão do­mi­na­do pe­la mú­si­ca das An­ti­lhas e de Ca­bo Ver­de.

Lu­an­di­no de Carvalho e Pau­lo Flo­res, au­sen­tes, são os ou­tros no­mes do mo­vi­men­to cul­tu­ral que se impôs com “Sem Ki­gi­la” e “Sem Ki­gi­la Tam­bém”. O úl­ti­mo dis­co dei­xou pa­ra a pos­te­ri­da­de “Som de Lu­an­da”, uma can­ção de es­cu­ta obri­ga­tó­ria: “Vou fa­lar-vos/de uma ter­ra lin­da/de ci­da­des bo­ni­tas/bo­das e ga­ri­nas/foi ne­la/ne­la que eu nas­ci/foi ne­la que eu cres­ci/foi lá que me cri­ei/co­me­ço/por fa­lar da Ilha/mas que ma­ra­vi­lha/de praia tão lin­da/e o mus­su­lo/sem­pre a bri­lhar...”

As qua­tro dé­ca­das de car­rei­ra de Edu­ar­do Paim, su­por­ta­das pe­las obras “Lu­an­da, mi­nha ban­da”, “Do kai­aia”, “Kam­bu­en­go”, “Ain­da a tem­po”, “Mu­jim­bos”, “Ma­ru­vo na ta­ça” e “Etu mu di­e­tu”, com dis­cos de ou­ro re­sul­tan­tes da ven­da de 50 mil có­pi­as, quan­do hoje bas­ta atin­gir os 10 mil exem­pla­res, ser­vem de en­re­do pa­ra uma vi­a­gem pe­las so­no­ri­da­des mu­si­cais que fa­zem a his­tó­ria do dis­tin­to fi­lho de An­go­la nas­ci­do no vi­zi­nho Con­go Braz­za­vil­le. Lí­der dos “SOS”, ain­da nos anos 80, Ge­ne­ral Kam­bu­en­go che­gou a Lisboa no fi­nal da mes­ma dé­ca­da, com o pro­pó­si­to de com­prar um te­cla­do mais evo­luí­do e re­gres­sar pa­ra Lu­an­da, on­de ti­nha a sua ba­se mon­ta­da. Mas a vi­a­gem de al­guns di­as vi­rou es­ta­dia de anos, ao ser con­vi­da­do a in­te­grar o pro­jec­to “Sons de Áfri­ca”. As­sim co­me­çou o per­cur­so cri­a­ti­vo, que dei­xou pa­ra a me­mó­ria co­lec­ti­va o re­co­nhe­ci­men­to fei­to à mãe im­pul­si­o­na­do­ra da sua ac­ti­vi­da­de ar­tís­ti­ca.

Em en­tre­vis­ta à RDP Áfri­ca, o “pai da ki­zom­ba” fa­lou um pou­co do es­tá­gio ac­tu­al da car­rei­ra. “Na vi­da te­mos sem­pre um mo­men­to de re­fle­xão. Um mo­men­to em que olha­mos pa­ra den­tro e co­me­ça­mos a pro­ce­der a al­gu­mas ar­ru­ma­ções. A re­mo­de­la­ção é ine­vi­tá­vel na vi­da. No meu ca­so, por ter si­do al­guém que ino­vou, al­guém que trou­xe no­vas pro­pos­tas, a res­pon­sa­bi­li­da­de foi sem­pre muito mais acres­ci­da. Há um po­e­ma que gos­to de di­zer quan­do es­tou a brin­car com os meus fi­lhos: eu não es­pe­ro. Sou aque­le por quem se es­pe­ra. É pre­ci­so re­flec­tir muito, ter um au­to-con­tro­lo muito gran­de, por­que o mun­do é di­nâ­mi­co e te­mos de re­a­gir a is­so. Hoje em dia es­sa di­nâ­mi­ca às ve­zes é um bo­ca­di­nho trai­ço­ei­ra, por­que nos le­va a em­bar­car em cer­tas aven­tu­ras que no fun­do não tra­rão ne­nhum va­lor acres­ci­do ao nos­so tra­ba­lho. É sem­pre bom fa­zer as coi­sas de­va­ga­ri­nho, re­flec­tir, pe­dir opi­nião e in­te­ra­gir com os ou­tros.”

“O amor é meu”, com a par­ti­ci­pa­ção de Je­an Phi­lip­pe Marthely da ban­da an­ti­lha­na Kas­sav, e “Co­mo ela só ela”, mais uma ho­me­na­gem fei­ta à mu­lher, são du­as pro­pos­tas do pró­xi­mo dis­co que Edu­ar­do Paim jun­ta aos su­ces­sos “Lu­an­da, mi­nha ban­da”, “Ro­sa bai­la”, “A mi­nha vi­zi­nha”, “Es­sa mu­la­ta” e “Ki­zom­ba”, no ali­nha­men­to do es­pec­tá­cu­lo de ama­nhã.

JOÃO GO­MES

Edu­ar­do Paim as­si­na­la 40 anos de car­rei­ra

JOÃO GO­MES

Ge­ne­ral Kam­bu­en­go ce­le­bra ama­nhã no CCB qua­tro dé­ca­das de­di­ca­das à mú­si­ca an­go­la­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.