Go­ver­no e an­ti­gos guer­ri­lhei­ros as­si­nam hoje no­vo acor­do de paz

Pre­si­den­te Juan Manuel Santos des­car­ta re­fe­ren­do e pac­to é vo­ta­do no Par­la­men­to

Jornal de Angola - - PARTADA - ELEAZAR VAN-DÚNEM * |

O Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (FARC) as­si­nam, hoje, em Bo­go­tá, às 17 ho­ras de An­go­la, um se­gun­do e de­fi­ni­ti­vo acor­do de paz des­ti­na­do a pôr fim a mais de meio sé­cu­lo de guer­ra ci­vil no país, de­pois de o pri­mei­ro ser re­jei­ta­do num re­fe­ren­do re­a­li­za­do no dia 2 de Ou­tu­bro.

A ce­ri­mó­nia é di­ri­gi­da pe­lo Che­fe de Es­ta­do, Juan Manuel Santos, e pe­lo lí­der das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia, Ro­dri­go Lon­doño Eche­ver­ry “Ti­mo­chen­ko”, que es­tá des­de se­gun­da­fei­ra em Bo­go­tá, com os mais al­tos di­ri­gen­tes da an­ti­ga guer­ri­lha.

Num co­mu­ni­ca­do di­vul­ga­do on­tem, ne­go­ci­a­do­res do Go­ver­no co­lom­bi­a­no e das FARC in­for­ma­ram que am­bas as par­tes con­cor­dam em as­si­nar o acor­do fi­nal, pon­do fim a dé­ca­das de con­fli­to e cri­an­do con­di­ções pa­ra a cons­tru­ção de uma paz “es­tá­vel e du­ra­dou­ra”.

Na no­ta tam­bém é re­fe­ri­do que o acor­do te­ve luz ver­de após no­ve di­as de in­ten­sas ne­go­ci­a­ções na ca­pi­tal cu­ba­na e se­de das ne­go­ci­a­ções de paz du­ran­te os úl­ti­mos qua­tro anos, Ha­va­na, pa­ra al­can­çar “um no­vo con­sen­so, com mu­dan­ças e con­tri­bui­ções dos mais di­ver­sos sec­to­res da so­ci­e­da­de” co­lom­bi­a­na.

Ao in­vés de ser sub­me­ti­do a re­fe­ren­do, co­mo o pri­mei­ro, re­jei­ta­do por mar­gem ín­fi­ma pe­los co­lom­bi­a­nos, o no­vo acor­do vai ao Par­la­men­to pa­ra apro­va­ção.

O Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as FARC ul­ti­ma­vam até on­tem os pro­ce­di­men­tos pa­ra es­se fim.

Ma­no­bras da opo­si­ção

O Go­ver­no da Colôm­bia e as FARC as­si­nam o no­vo pac­to sem o aval dos opo­si­to­res do an­te­ri­or, que, na se­gun­da fei­ra, após um en­con­tro de mais de seis ho­ras com re­pre­sen­tan­tes das au­to­ri­da­des co­lom­bi­a­nas, re­jei­ta­ram o no­vo pac­to e so­li­ci­ta­ram uma reu­nião com a an­ti­ga guer­ri­lha, que a re­cu­sou.

Os opo­si­to­res do acor­do ale­gam que, com a não in­clu­são de al­guns “de al­guns dos seus pe­di­dos” no acor­do que o Go­ver­no co­lom­bi­a­no e as FARC con­si­de­ram “de­fi­ni­ti­vo e imo­di­fi­cá­vel”, es­te “é ape­nas um re­to­que do acor­do re­jei­ta­do pe­lo po­vo co­lom­bi­a­no”.

Ál­va­ro Uri­be, ex-Che­fe de Es­ta­do e lí­der dos opo­si­to­res das ne­go­ci­a­ções com o an­ti­go gru­po re­bel­de afir­mou que “o go­ver­no ne­gou, es­ta noi­te [se­gun­da-fei­ra], a pos­si­bi­li­da­de de um acor­do na­ci­o­nal so­bre te­mas subs­tan­ci­ais”.

O ex-pre­si­den­te co­lom­bi­a­no de­fen­de que o no­vo acor­do se­ja re­fe­ren­da­do e diz ser in­su­fi­ci­en­te a sua apro­va­ção no Par­la­men­to. Ar­gu­men­ta que, “de acor­do com a pa­la­vra em­pe­nha­da pe­lo Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca e se­gun­do a sen­ten­ça do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal”, de­ve pre­va­le­cer o re­fe­ren­do po­pu­lar “de to­do o acor­do ou pe­lo me­nos dos te­mas so­bre os qu­ais não há acor­do”.

Os pe­di­dos apre­sen­ta­dos pe­los opo­si­to­res e re­jei­ta­do por Bo­go­tá, ex­pli­cou, in­clu­em não per­mi­tir a ele­gi­bi­li­da­de po­lí­ti­ca de au­to­res de crimes gra­ves en­quan­to cum­prem as su­as pe­nas, eli­mi­nar o nar­co­trá­fi­co co­mo co­ne­xo ao de­li­to po­lí­ti­co e que o acor­do não en­tre na Cons­ti­tui­ção, en­tre ou­tras so­li­ci­ta­ções.

Ál­va­ro Uri­be fa­lou após o Pre­si­den­te Juan Manuel Santos ad­ver­tir que o seu go­ver­no não vai per­mi­tir que gru­pos vi­o­len­tos po­nham em ris­co o pro­ces­so de paz com as FARC, re­fe­rin­do-se a ata­ques co­me­ti­dos nas úl­ti­mas se­ma­nas con­tra lí­de­res so­ci­ais e ac­ti­vis­tas de di­rei­tos hu­ma­nos.

A ad­ver­tên­cia foi fei­ta de­pois de, na se­gun­da-fei­ra, as FARC en­vi­a­rem uma car­ta aber­ta ao Pre­si­den­te Juan Manuel Santos na qual afir­mam que os úl­ti­mos aten­ta­dos “de­mons­tram que os sec­to­res que se opõem ao acor­do de paz com o go­ver­no co­lo­ca­ram em mar­cha um no­vo ge­no­cí­dio con­tra lí­de­res so­ci­ais e cam­po­ne­ses”.

Acor­do ago­ra é de to­dos

Ao anun­ci­ar o no­vo acor­do de paz, no dia 12 des­te mês, o Che­fe do Es­ta­do co­lom­bi­a­no e No­bel da Paz 2016 dis­se que fo­ram re­co­lhi­das as pro­pos­tas dos ex-pre­si­den­tes Ál­va­ro Uri­be (2002-2010) e An­drés Pas­tra­na (1998-2002), os dois prin­ci­pais opo­si­to­res ao pri­mei­ro acor­do de, paz cu­jas ini­ci­a­ti­vas “con­tri­buí­ram pa­ra al­can­çar es­te no­vo acor­do que ago­ra é de to­dos”.

O no­vo acor­do pos­sui mu­dan­ças em re­la­ção ao an­te­ri­or, re­jei­ta­do no re­fe­ren­do de 2 de Ou­tu­bro, es­pe­ci­fi­ca so­bre di­rei­tos da pro­pri­e­da­de privada, so­bre um tri­bu­nal es­pe­ci­al de Jus­ti­ça e os lo­cais de con­fi­na­men­to on­de os re­bel­des de­vem cum­prir pe­nas pri­va­ti­vas de li­ber­da­de de en­tre 5 e 8 anos pe­los crimes co­me­ti­dos du­ran­te o con­fli­to ar­ma­do, que du­rou mais de 52 anos.

In­clui es­cla­re­ci­men­tos so­bre o com­ba­te ao nar­co­trá­fi­co, obri­ga a guer­ri­lha a en­tre­gar to­dos seus bens pa­ra in­dem­ni­zar as ví­ti­mas e es­ta­be­le­ce que a im­ple­men­ta­ção dos acor­dos é fei­ta sem pôr em ris­co à es­ta­bi­li­da­de fis­cal, in­cor­po­ran­do des­te mo­do pro­pos­tas da opo­si­ção, lí­de­res re­li­gi­o­sos e ou­tros sec­to­res que re­jei­ta­ram o acor­do ini­ci­al.

Se­gun­do o Go­ver­no co­lom­bi­a­no, o no­vo acor­do de paz in­clui al­te­ra­ções em 56 dos 57 pon­tos ques­ti­o­na­dos pe­la opo­si­ção.

Os lí­de­res da guer­ri­lha, no en­tan­to, ain­da po­dem ser es­co­lhi­dos pa­ra car­gos pú­bli­cos e o par­ti­do po­lí­ti­co que sur­gir das FARC de­ve ter dez as­sen­tos no Par­la­men­to du­ran­te du­as le­gis­la­tu­ras, mes­mo sem al­can­çar os vo­tos ne­ces­sá­ri­os. Es­tes pon­tos são re­jei­ta­dos pe­los opo­si­to­res.

O Go­ver­no e as FARC as­si­na­ram em 26 de Se­tem­bro um acor­do de paz, mas a mai­o­ria dos co­lom­bi­a­nos o re­cu­sou no re­fe­ren­do de 2 de Ou­tu­bro, o que le­vou Juan Manuel Santos a con­vo­car os seus opo­si­to­res pa­ra con­se­guir um con­sen­so, que aca­bou por não ser al­can­ça­do.

O con­fli­to ar­ma­do co­lom­bi­a­no fez, se­gun­do da­dos ofi­ci­ais, mais de 260 mil mor­tos, 45 mil de­sa­pa­re­ci­dos e 6,9 mi­lhões de des­lo­ca­dos.

AFP

Che­fe do Es­ta­do co­lom­bi­a­no Juan Manuel Santos es­tá de­ci­di­do a tra­zer a paz após mais de meio sé­cu­lo de guer­ra ci­vil com a an­ti­ga guer­ri­lha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.