Bus­cas po­li­ci­ais na se­de da Sam­sung en­vol­vem com­pra mas­si­va de Vi­a­gra

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JUNG HA-WON | AFP

A pro­cu­ra­do­ria sul-co­re­a­na re­a­li­zou on­tem uma ope­ra­ção de bus­ca no gru­po Sam­sung e no Fun­do de Pen­sãoNa­ci­o­nal, co­mo par­te da in­ves­ti­ga­ção so­bre o es­cân­da­lo de trá­fi­co de in­fluên­cia na pre­si­dên­cia.

O Sam­sung Group é sus­pei­to de ter su­bor­na­do Choi So­on-Sil, ami­ga e con­fi­den­te há 40 anos da pre­si­den­te Park Geun-Hye, pa­ra ob­ter a apro­va­ção do go­ver­no pa­ra uma fu­são con­tro­ver­sa em 2015.

Os in­ves­ti­ga­do­res da pro­cu­ra­do­ria re­a­li­za­ram bus­cas nas ins­ta­la­ções do De­par­ta­men­to de Es­tra­té­gia da Sam­sung, que su­per­vi­si­o­na to­das as de­ci­sões im­por­tan­tes do con­glo­me­ra­do, de acor­do com a agência Yo­nhap.

Um por­ta-voz da Sam­sung con­fir­mou a ac­ção, sem dar mais de­ta­lhes.

A fu­são con­tes­ta­da foi vis­ta co­mo um pas­so cru­ci­al pa­ra as­se­gu­rar uma trans­fe­rên­cia de po­der no to­po do gru­po, em fa­vor do her­dei­ro Lee Jae-Yong.

Cheil In­dus­tri­es, a hol­ding do gru­po, ha­via com­pra­do a C&T, uma sub­si­diá­ria da Sam­sung pre­sen­te nas áre­as de co­mér­cio e cons­tru­ção.

Mas um nú­me­ro sig­ni­fi­ca­ti­vo de ac­ci­o­nis­tas da C&T opu­se­ram-se for­te­men­te à fu­são, sob a li­de­ran­ça do fun­do es­pe­cu­la­ti­vo ame­ri­ca­no El­li­ott. Es­te úl­ti­mo ar­gu­men­ta­va que a ope­ra­ção su­bes­ti­ma­va o va­lor da em­pre­sa à cus­ta dos ac­ci­o­nis­tas.

Os que es­ta­vam con­tra a fu­são per­de­ram a ba­ta­lha, mas a sua cam­pa­nha re­pre­sen­tou uma re­vo­lu­ção na Co­reia do Sul, on­de as gran­des em­pre­sas fa­mi­li­a­res, os fa­mo­sos “cha­e­bol”, es­tão acos­tu­ma­dos a re­a­li­zar ma­no­bras sem qual­quer con­si­de­ra­ção pa­ra com os ac­ci­o­nis­tas me­no­res.

A ope­ra­ção ha­via si­do vo­ta­da, en­tre ou­tros, pe­lo Ser­vi­çoNa­ci­o­nal das Pen­sões e Apo­sen­ta­do­ri­as (NPS) de Seul, um dos prin­ci­pais ac­ci­o­nis­tas da Sam­sung.

A pro­cu­ra­do­ria re­a­li­zou tam­bém ope­ra­ções em vá­ri­as ins­ta­la­ções do fun­do de pen­são, de acor­do com um por­ta-voz do ser­vi­ço que ad­mi­nis­tra fun­dos de 543 tri­liões de won (434 bi­liões de eu­ros), o ter­cei­ro mai­or fun­do de pen­são do mun­do.

O NPS é su­per­vi­si­o­na­do pe­lo Mi­nis­té­rio dos As­sun­tos So­ci­ais e o seu mi­nis­tro de en­tão era vis­to co­mo sen­do muito pró­xi­mo da pre­si­den­te Park.

No­vas ma­ni­fes­ta­ções pro­gra­ma­das

Choi foi pre­sa no iní­cio de No­vem­bro por abu­so de po­der e ex­tor­são.Ela é acu­sa­da de ter usa­do a sua ami­za­de com Park pa­ra for­çar gru­pos da in­dús­tria a pa­gar di­nhei­ro pa­ra du­as fun­da­ções ques­ti­o­ná­veis pa­ra fins pes­so­ais.

A pro­cu­ra­do­ria sus­pei­ta que a pre­si­den­te agiu em “con­luio” nas ac­ti­vi­da­des ilí­ci­tas de Choi e pe­de pa­ra in­ter­ro­gá-la. A pre­si­den­te ne­ga as acu­sa­ções, cha­man­do-as de “fan­ta­si­as” fun­da­das na “ima­gi­na­ção”.

Park ha­via ini­ci­al­men­te ma­ni­fes­ta­do a sua von­ta­de de ser ou­vi­da pe­la jus­ti­ça, mas o seu ad­vo­ga­do afir­mou no do­min­go que ela só res­pon­de­ria a uma equi­pa de in­ves­ti­ga­do­res in­de­pen­den­tes que de­ve ser cri­a­da em bre­ve.

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça Kim Hyun-Wo­ong e um co­la­bo­ra­dor da pre­si­den­te, que já ocu­pou o car­go de pro­cu­ra­dor, apre­sen­ta­ram on­tem a sua re­nún­cia, re­flec­tin­do as ten­sões en­tre a pre­si­dên­cia e a pro­cu­ra­do­ria.

A po­pu­la­ri­da­de da pre­si­den­te Park não pá­ra de di­mi­nuir por cau­sa do es­cân­da­lo, en­quan­to cen­te­nas de mi­lha­res de ma­ni­fes­ta­ções pro­tes­tam re­gu­lar­men­te pa­ra exi­gir a sua re­nún­cia.

Os opo­si­to­res anun­ci­a­ram uma no­va ma­ni­fes­ta­ção pa­ra sá­ba­do, pre­ven­do a par­ti­ci­pa­ção de mais de 1,5 mi­lhões de pes­so­as. Sam­sung, o pri­mei­ro gru­po in­dus­tri­al da Co­reia do Sul,te­ria pa­go o equi­va­len­te a 15,8 mi­lhões de eu­ros às fun­da­ções de Choi.

A Sam­sung tam­bém é sus­pei­ta de ter fi­nan­ci­a­do com 2,8 mi­lhões de eu­ros a for­ma­ção eques­tre da fi­lha de Choi na Ale­ma­nha. O de­par­ta­men­to de pu­bli­ci­da­de da Sam­sung é sus­pei­to, por sua vez, de ter da­do di­nhei­ro pa­ra uma fun­da­ção des­por­ti­va di­ri­gi­da por uma so­bri­nha de Choi.

Vá­ri­os exe­cu­ti­vos da Sam­sung, in­cluin­do Lee, fo­ram ou­vi­dos no con­tex­to do es­cân­da­lo que re­ve­la as li­ga­ções, por ve­zes pou­co sau­dá­veis, en­tre os con­glo­me­ra­dos sul-co­re­a­nos e o po­der po­lí­ti­co.

O es­cân­da­lo to­mou ou­tro ru­mo in­co­mum on­tem quan­do o pre­si­den­te foi for­ça­do a ex­pli­car com­pras mas­si­vas de Vi­a­gra e ou­tras dro­gas úteis no tra­ta­men­to da dis­fun­ção eréc­til, re­ve­la­das por um mem­bro da opo­si­ção.

O es­cân­da­lo ga­nhou um no­vo ca­pí­tu­lo on­tem quan­do a pre­si­dên­cia da Co­reia do Sul te­ve que apre­sen­tar explicações so­bre a com­pra de Vi­a­gra e de ou­tros re­mé­di­os si­mi­la­res pa­ra tra­ta­men­to da dis­fun­ção eréc­til.

Um por­ta-voz de Park afir­mou que os com­pri­mi­dos fo­ram com­pra­dos pa­ra evi­tar um pos­sí­vel mal-es­tar du­ran­te uma vi­si­ta da pre­si­den­te em Maio a vá­ri­os paí­ses afri­ca­nos com áre­as de al­ti­tu­de ele­va­da, co­mo a Etió­pia. “Nós com­prá­mos pa­ra a vi­a­gem, mas não os usá­mos”, dis­se Jung Youn-Kuk à imprensa, an­tes de des­ta­car que o me­di­ca­men­to é co­nhe­ci­do pe­la sua efi­cá­cia con­tra o mal-es­tar em al­ti­tu­des.

AFP

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.