Ge­ró­ni­mo Ne­to es­tá op­ti­mis­ta

Trei­na­dor de­sa­fia ac­tu­ais se­lec­ci­o­na­do­res a su­pe­rar o sé­ti­mo lu­gar do Mun­di­al de Fran­ça

Jornal de Angola - - PARTADA - VIVALDO EDU­AR­DO |

Três ve­zes campeão con­ti­nen­tal, à fren­te da Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or fe­mi­ni­na de andebol, Ge­ró­ni­mo Ne­to acre­di­ta na con­quis­ta do tí­tu­lo africano da mo­da­li­da­de. Afas­ta­do das qua­dras por ques­tões de saú­de, o téc­ni­co que li­de­rou o ASA, na con­quis­ta do úni­co tí­tu­lo na­ci­o­nal de andebol des­sa agre­mi­a­ção, em se­ni­o­res fe­mi­ni­nos, con­ti­nua a par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te na ges­tão téc­ni­ca da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Andebol e dei­xa, em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, con­se­lhos im­por­tan­tes pa­ra a pro­va con­ti­nen­tal que vai de­cor­rer em Lu­an­da.

Três ve­zes campeão con­ti­nen­tal, à fren­te da Se­lec­ção Na­ci­o­nal sé­ni­or fe­mi­ni­na de andebol, Ge­ró­ni­mo Ne­to es­tre­ou-se co­mo téc­ni­co prin­ci­pal das Pé­ro­las de Áfri­ca no CAN de 2000, re­a­li­za­do na Ar­gé­lia. O mo­men­to era con­tur­ba­do, fa­ce à saí­da de Be­to Fer­rei­ra, o mais re­no­ma­do trei­na­dor na­ci­o­nal e a re­no­va­ção for­ça­da do “se­te” na­ci­o­nal. No en­tan­to, o jo­vem téc­ni­co jus­ti­fi­cou ple­na­men­te a con­fi­an­ça em si de­po­si­ta­da, pe­lo en­tão pre­si­den­te da Fe­de­ra­ção An­go­la­na de Andebol (Fa­and), Hi­lá­rio de Sou­sa. Se­gui­ram-se dois CAN, com sal­do vi­to­ri­o­so, em 2005 na Tu­ní­sia e, em 2008, na úl­ti­ma pro­va que o nos­so país or­ga­ni­zou.

Afas­ta­do das qua­dras por ques­tões de saú­de, o téc­ni­co que li­de­rou o ASA, na con­quis­ta do úni­co tí­tu­lo na­ci­o­nal de andebol des­sa agre­mi­a­ção, em se­ni­o­res fe­mi­ni­nos, con­ti­nua a par­ti­ci­par ac­ti­va­men­te na ges­tão téc­ni­ca da Fa­and e dei­xa, nes­ta en­tre­vis­ta, con­se­lhos im­por­tan­tes pa­ra a pro­va que se avi­zi­nha. De per­meio, de­sa­fia Fi­li­pe Cruz e Ed­gar Ne­to a me­lho­ra­rem o 7º lu­gar que con­se­guiu em 2007, em Fran­ça, já no pró­xi­mo Cam­pe­o­na­to do Mun­do, na Ale­ma­nha, pois con­si­de­ra que é che­ga­da a ho­ra de fa­zê-lo.

Jor­nal de An­go­la - Já sen­te o am­bi­en­te do CAN? Co­mo an­te­vê es­ta pro­va, cá em Lu­an­da?

Ge­ró­ni­mo Ne­to

- O nos­so andebol es­tá bem e re­co­men­da-se. Não es­tá a mor­rer. Mui­to pe­lo con­trá­rio, fru­to do ex­ce­len­te tra­ba­lho que te­mos re­a­li­za­do nos es­ca­lões de for­ma­ção, des­pon­tam a ca­da dia que pas­sa no­vos ta­len­tos que nos per­mi­tem es­tar no to­po e com mar­gem pa­ra su­bir ca­da vez mais. Já se An­ti­go se­lec­ci­o­na­dor na­ci­o­nal acre­di­ta na re­con­quis­ta do tí­tu­lo con­ti­nen­tal sen­te o am­bi­en­te, mas fal­ta mais di­vul­ga­ção e maior mo­bi­li­za­ção do pú­bli­co. As atle­tas de­vem ofe­re­cer al­guns bi­lhe­tes pa­ra in­cen­ti­var as pes­so­as a irem em pe­so ao pa­vi­lhão, por­que é es­se po­vo que nos vai em­pur­rar pa­ra a vi­tó­ria. É as­sim em ca­sa. O pú­bli­co tem um ca­ri­nho mui­to gran­de pe­la se­lec­ção de fe­mi­ni­na de andebol e po­de trans­for­mar os nos­sos maus mo­men­tos em bons mo­men­tos. Ago­ra, do pon­to de vis­ta com­pe­ti­ti­vo, ao ní­vel africano, com maior ou me­nor di­fi­cul­da­de, a ideia é mes­mo ga­nhar. Já lan­cei o de­sa­fio ao Fi­li­pe Cruz, pa­ra le­var es­te es­pí­ri­to de vi­tó­ria ao ní­vel mun­di­al e olím­pi­co, a co­me­çar pe­lo pró­xi­mo Cam­pe­o­na­to do Mun­do, no pró­xi­mo ano, na Ale­ma­nha. Sem qual­quer es­pé­cie de xe­no­fo­bia, até por­que eu pró­prio trei­nei equi­pas em Por­tu­gal, que­ro que quan­do o sé­ti­mo lu­gar for me­lho­ra­do, que se­ja por um trei­na­dor an­go­la­no. E o Fi­li­pe ga­ran­tiu que vão pro­cu­rar fa­zer is­so.

Jor­nal de An­go­la - Nes­tes úl­ti­mos anos, Ge­ró­ni­mo Ne­to li­cen­ci­ou-se em Psi­co­lo­gia do Tra­ba­lho. Se­rá que is­so vai im­pli­car maior dis­tan­ci­a­men­to em re­la­ção ao andebol?

Ge­ró­ni­mo Ne­to

- Não. Pe­lo con­trá­rio. Fa­ço par­te da área téc­ni­ca da fe­de­ra­ção. O di­rec­tor téc­ni­co é o Pi­na de Al­mei­da e eu tra­ba­lho di­rec­ta­men­te com ele. Que­ro dar mui­to mais ao desporto e sin­to que pos­so fa­zer is­so. Pa­ra o pró­xi­mo ano, pa­ra além do tra­ba­lho que re­a­li­zo aqui na fe­de­ra­ção (vai ha­ver elei­ções e es­pe­ro que eu pos­sa con­ti­nu­ar), pre­ten­do im­ple­men­tar um pro­jec­to de mas­si­fi­ca­ção do andebol e do bas­que­te­bol. Te­mos tu­do ela­bo­ra­do. Po­de­rá ser uma es­co­la, um nú­cleo, en­fim, po­de fun­ci­o­nar cá, no Hu­am­bo, etc, o mais im­por­tan­te é de­sen­vol­ver um pro­jec­to con­cre­to que, em dois ci­clos olím­pi­cos, no má­xi­mo pro­du­za re­sul­ta­dos con­cre­tos.

Jor­nal de An­go­la - Quais são os prin­ci­pais ad­ver­sá­ri­os de An­go­la nes­te CAN e que es­tra­té­gia acon­se­lha?

Ge­ró­ni­mo Ne­to

- Sem des­pri­mor pa­ra ou­tros ad­ver­sá­ri­os, por­que to­dos nos me­re­cem mui­to res­pei­to, a Tu­ní­sia e a Cos­ta do Mar­fim são, na mi­nha opi­nião, os con­cor­ren­tes prin­ci­pais a ter em con­ta. Is­to por­que, tal co­mo re­fe­riu o pre­si­den­te da fe­de­ra­ção, a nos­sa con­vic­ção na vi­tó­ria é gran­de, mes­mo re­co­nhe­cen­do que po­de­re­mos en­fren­tar di­fi­cul­da­des, por­que os ou­tros tam­bém es­tão a tra­ba­lhar. Em ter­mos es­tra­té­gi­cos, te­mos que de­fen­der com mui­ta in­ten­si­da­de, pa­ra li­mi­tar as ac­ções de ata­que das nos­sas ad­ver­sá­ri­as e for­çá-las a co­me­ter er­ros. A par­tir daí, lan­ça­mos o nos­so con­tra-ata­que e te­mos os nos­sos pro­ble­mas re­sol­vi­dos.

Jor­nal de An­go­la - Que re­co­men­da, pa­ra man­ter os ní­veis de con­cen­tra­ção das jo­ga­do­ras em ca­sa?

Ge­ró­ni­mo Ne­to

- Rei­te­ro aqui que o pú­bli­co é pe­ça fun­da­men­tal. É mais um jo­ga­dor em cam­po. Acre­di­to que, ao ní­vel do cor­po téc­ni­co, tu­do es­tá a ser fei­to pa­ra que as me­ni­nas es­te­jam nas me­lho­res con­di­ções fí­si­cas, téc­ni­cas, tác­ti­cas e psi­co­ló­gi­cas e en­trem no seu má­xi­mo no CAN. Or­ga­ni­zar es­ta com­pe­ti­ção pe­la ter­cei­ra vez já é um ga­nho. Se­ria ou­ro so­bre azul ga­nhá-la. Pa­ra tal, quan­do che­ga­rem do es­tá­gio, as jo­ga­do­ras de­ve­rão ser dis­pen­sa­das pa­ra re­ver fa­mi­li­a­res. É um as­pec­to mui­to im­por­tan­te, por­que elas fi­ca­ram lon­ge dos fi­lhos, pais, ir­mãos, ma­ri­dos, etc. e o con­for­to mo­ral que irão re­ce­ber des­tas pes­so­as, an­tes de par­ti­rem pa­ra a ba­ta­lha fi­nal, é fun­da­men­tal. De­pois des­ta dis­pen­sa, a pá­tria fa­la mais al­to e elas de­vem, en­tão, con­cen­trar-se uni­ca­men­te na pro­va. Du­ran­te a pró­pria com­pe­ti­ção, no dia de pau­sa, é im­por­tan­te cri­ar ou­tros am­bi­en­tes, fo­ra da re­a­li­da­de des­por­ti­va, pa­ra que as jo­ga­do­ras pos­sam des­com­pri­mir.

Jor­nal de An­go­la - Fa­lou da me­lho­ria do nos­so de­sem­pe­nho em Jo­gos Olím­pi­cos e cam­pe­o­na­tos do mun­do. Que po­lí­ti­ca de­ve­mos se­guir in­ter­na­men­te, pa­ra as­se­gu­rar es­ta me­lho­ria?

Ge­ró­ni­mo Ne­to

- Re­fe­ri an­tes que, na ge­ne­ra­li­da­de, tra­ba­lha­mos bem a for­ma­ção. É im­por­tan­te man­ter is­so. En­tre­tan­to, se­ria ex­ce­len­te se trei­na­do­res con­cei­tu­a­dos tor­nas­sem o seu tra­ba­lho ex­ten­si­vo a ou­tras pro­vín­ci­as que têm o andebol em fa­se em­bri­o­ná­ria. Se eles tra­ba­lhas­sem al­gum tem­po no Hu­am­bo, Huí­la, Ma­lan­je e ou­tras pro­vín­ci­as com mui­to po­ten­ci­al, mas um pou­co ador­me­ci­das, o andebol cres­ce­ria aí, já com gran­de qua­li­da­de e nós só tí­nha­mos a ga­nhar. Ou­tro as­pec­to im­por­tan­te é a ma­nu­ten­ção do equi­lí­brio nas com­pe­ti­ções in­ter­nas. De­ve, no mí­ni­mo, ha­ver al­gu­ma pa­ri­da­de en­tre os dois prin­ci­pais clu­bes. O ide­al se­ria ter mui­tos clu­bes for­tes. Não sen­do pos­sí­vel, pe­los me­nos os dois prin­ci­pais de­vem ter al­gum equi­lí­brio. Nes­ta al­tu­ra, além da Ma­ri­nha, o 1º de Agos­to tem os nú­cle­os de Ben­gue­la e Ca­bin­da. A ideia é boa e traz be­ne­fí­ci­os à mo­da­li­da­de. Mas, se os ou­tros não têm ca­pa­ci­da­de de acom­pa­nhar, per­de­se o equi­lí­brio in­ter­no e a se­lec­ção vai res­sen­tir-se dis­to.

M. MACHANGONGO

An­ti­go se­lec­ci­o­na­dor Ge­ró­ni­mo Ne­to

M. MACHANGONGO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.