Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Ca­bin­da com fis­su­ras à es­pe­ra de obras

As fis­su­ras do imó­vel au­men­tam a ca­da dia que pas­sa cri­an­do me­do aos tra­ba­lha­do­res e alu­nos

Jornal de Angola - - PARTADA - JOAQUIM SUAMI | Ca­bin­da

O Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Ca­bin­da ne­ces­si­ta com ur­gên­cia de obras de re­pa­ra­ção, pa­ra pro­por­ci­o­nar aos es­tu­dan­tes e cor­po do­cen­te as mí­ni­mas con­di­ções de tra­ba­lho, en­si­no e de apren­di­za­gem, in­for­mou on­tem, ao Jor­nal de An­go­la, na­que­la ci­da­de, o sub­di­rec­tor pe­da­gó­gi­co da ins­ti­tui­ção.

Al­ber­to Ma­ta­di Dom­bi dis­se que, ten­do em con­ta a gra­vi­da­de da si­tu­a­ção, há to­da a ne­ces­si­da­de de uma in­ter­ven­ção ur­gen­te por par­te do go­ver­no da pro­vín­cia e do sec­tor da Edu­ca­ção, sob pe­na de o ins­ti­tu­to de­sa­bar por com­ple­to da­do o avan­ça­do es­ta­do de de­gra­da­ção que o mes­mo apre­sen­ta.

Su­bli­nhou que as fis­su­ras do imó­vel au­men­tam a ca­da dia que pas­sa, cri­an­do me­do no seio dos pro­fes­so­res, es­tu­dan­tes e do pes­so­al ad­mi­nis­tra­ti­vo.

“A re­a­bi­li­ta­ção da es­co­la não é da com­pe­tên­cia da di­rec­ção da es­co­la, mas sim do Go­ver­no de Ca­bin­da. Na pro­vín­cia exis­te, des­de de 2012, um pro­gra­ma de de­mo­li­ção e de re­a­bi­li­ta­ção de ins­ti­tui­ções do Es­ta­do. Com ba­se nis­so, pen­sa­mos que é pos­sí­vel dar so­lu­ção ao pro­ble­ma do Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co”, dis­se o res­pon­sá­vel, que de­fen­de a de­mo­li­ção da es­tru­tu­ra pa­ra ser com­pen­sa­da com uma ou­tra.

Al­ber­to Ma­ta­di Dom­bi re­co­nhe­ce ser im­por­tan­te a de­mo­li­ção do imó­vel, mas de­fen­de a preservação do as­pec­to arquitectónico da ins­ti­tui­ção, pe­lo fac­to de o Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Ca­bin­da ser con­si­de­ra­do um mo­nu­men­to cul­tu­ral e o ti­po de ar­qui­tec­tu­ra só exis­tir em qua­tro pro­vín­ci­as: Ca­bin­da, Uí­ge, Cu­an­za Sul e Cu­an­za Nor­te.

Cur­sos bá­si­cos e mé­di­os

O sub­di­rec­tor pe­da­gó­gi­co ex­pli­cou que o ins­ti­tu­to foi cons­truí­do nu­ma área ala­ga­da e com mo­ra­di­as à vol­ta, o que pro­vo­ca a acu­mu­la­ção de gran­des quan­ti­da­des de água, so­bre­tu­do na épo­ca de chu­va. O ins­ti­tu­to des­ti­na-se à for­ma­ção de cur­sos bá­si­cos e mé­di­os nas áre­as de In­for­má­ti­ca, Ins­ta­la­ções Eléc­tri­cas, Me­ta­lo-me­câ­ni­ca, Má­qui­nas-mo­tor, Cons­tru­ção Ci­vil e De­se­nha­dor Pro­jec­tis­ta.Fa­zem ain­da par­te as ca­dei­ras de elec­tri­ci­da­de de bai­xa ten­são e ser­ra­lha­ria.

Des­de 2004, o Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Ca­bin­da for­mou 2.400 es­tu­dan­tes, nos cur­sos bá­si­cos e mé­di­os, nas áre­as de In­for­má­ti­ca, Ins­ta­la­ções Eléc­tri­cas, Me­ta­lo-me­câ­ni­ca, Má­qui­nas-mo­tor, Obras de Cons­tru­ção Ci­vil e De­se­nha­dor Pro­jec­tis­ta. No ano pas­sa­do, fo­ram lan­ça­dos pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho 220 téc­ni­cos.

O sub­di­rec­tor pe­da­gó­gi­co ma­ni­fes­tou-se re­go­zi­ja­do pe­lo fac­to de mui­tos alu­nos for­ma­dos na ins­ti­tui­ção te­rem en­con­tra­do o pri­mei­ro em­pre­go e se­rem con­si­de­ra­dos ex­ce­len­tes pro­fis­si­o­nais.

Al­ber­to Ma­ta­di Dom­bi dis­se que ou­tros es­tu­dan­tes pre­fe­ri­ram dar con­ti­nui­da­de aos es­tu­dos, mas lem­brou que Ca­bin­da tem ca­rên­cia de cur­sos su­pe­ri­o­res de En­ge­nha­ria, o que cons­ti­tui uma pre­o­cu­pa­ção.

A Uni­ver­si­da­de 11 de No­vem­bro pos­sui um Ins­ti­tu­to Su­pe­ri­or Po­li­téc­ni­co que lec­ci­o­na cur­sos de En­ge­nha­ria. No mu­ni­cí­pio do Soyo, pro­vín­cia do Zai­re, exis­te um ou­tro que se­ria o lo­cal ide­al pa­ra os es­tu­dan­tes de Ca­bin­da pros­se­gui­rem os seus es­tu­dos su­pe­ri­o­res, mas mui­tos não en­con­tram fa­ci­li­da­des.

Fal­ta de do­cen­tes

O sub­di­rec­tor pe­da­gó­gi­co, Al­ber­to Ma­ta­di Dom­bi, dis­se que a gran­de di­fi­cul­da­de da ins­ti­tui­ção es­tá re­la­ci­o­na­da com a fal­ta de pro­fes­so­res pa­ra lec­ci­o­na­rem os cur­sos téc­ni­cos de Elec­tri­ci­da­de, Elec­tró­ni­ca e Te­le­co­mu­ni­ca­ções.

Pa­ra so­lu­ci­o­nar o pro­ble­ma, o ins­ti­tu­to ne­ces­si­ta de pe­lo me­nos 18 do­cen­tes, dos quais oi­to pa­ra o cur­so de Te­le­co­mu­ni­ca­ções. Há tam­bém fal­ta de pro­fes­so­res de Fí­si­ca.

O res­pon­sá­vel dis­se que a mai­o­ria dos pro­fes­so­res que lec­ci­o­nam os cur­sos téc­ni­cos for­mou-se na Ale­ma­nha e Cu­ba e tem di­fi­cul­da­de de trans­mi­tir os co­nhe­ci­men­tos por não do­mi­nar a lín­gua por­tu­gue­sa.

O Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co da pro­vín­cia de Ca­bin­da pos­sui 14 la­bo­ra­tó­ri­os em fun­ci­o­na­men­to, mas a gran­de pre­o­cu­pa­ção tem a ver com o dis­pen­sá­rio de quí­mi­ca que, por fal­ta de con­di­ções de equi­pa­men­tos ope­ra a meio gás, se­gun­do o sub­di­rec­tor pe­da­gó­gi­co

ANTÓNIO SO­A­RES

O Ins­ti­tu­to Po­li­téc­ni­co de Ca­bin­da foi cri­a­do pa­ra for­mar téc­ni­cos bá­si­cos e mé­di­os nas áre­as de In­for­má­ti­ca e Ins­ta­la­ções Eléc­tri­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.