As­sas­si­no da de­pu­ta­da Cox con­de­na­do a pri­são per­pé­tua

Jornal de Angola - - PARTADA -

O bri­tâ­ni­co de ex­tre­ma di­rei­ta que ma­tou a de­pu­ta­da tra­ba­lhis­ta e pró-eu­ro­peia Jo Cox em Ju­nho pas­sa­do, em ple­na cam­pa­nha pe­lo re­fe­ren­do so­bre a saí­da do Reino Unido da União Eu­ro­peia, foi con­de­na­do à pri­são per­pé­tua na quar­ta-fei­ra por um tri­bu­nal de Lon­dres, in­for­mou a Jus­ti­ça.

Tho­mas Mair, de 53 anos, ma­tou a par­la­men­tar Jo Cox nu­ma rua de Birs­tall, nor­te da In­gla­ter­ra, ao dis­pa­rar con­tra ela e tam­bém a es­fa­que­ar aos gri­tos de “Grã-Bre­ta­nha, pri­mei­ro!”, num ac­to de “bru­ta­li­da­de e co­var­dia gra­tui­ta” que cho­cou o país, se­gun­do a Jus­ti­ça.

O tri­bu­nal de­ter­mi­nou que o as­sas­si­no con­de­na­do, que ti­nha em ca­sa mui­to ma­te­ri­al de pro­pa­gan­da na­zi, agiu por ra­zões ide­o­ló­gi­cas.

Jo Cox ti­nha 41 anos e era mãe de dois fi­lhos me­no­res de ida­de.

Co­mo a ví­ti­ma “era mem­bro do Par­la­men­to, o cri­me tem uma di­men­são adi­ci­o­nal que exi­ge uma pu­ni­ção par­ti­cu­lar”, dis­se o juiz Alan Wil­kie, an­tes de pro­fe­rir a sen­ten­ça de pri­são per­pé­tua sem pos­si­bi­li­da­de de re­cur­so, al­go pou­co usu­al no Reino Unido.

“Não há dú­vi­das que (o ac­to) foi fei­to pa­ra pro­mo­ver uma cau­sa po­lí­ti­ca”, acres­cen­tou o juíz. “Mair não ex­pli­cou o seu ac­to, mas a acu­sa­ção pro­vou que, mo­vi­do pe­lo ódio, o seu cri­me pre­me­di­ta­do é um ac­to de ter­ro­ris­mo des­ti­na­do a re­al­çar a sua ide­o­lo­gia”, afir­mou Sue Hem­ming, re­pre­sen­tan­te do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, num co­mu­ni­ca­do.

O acu­sa­do, que se ha­via de­cla­ra­do ino­cen­te e re­nun­ci­ou a sua de­fe­sa, as­sis­tiu im­pas­sí­vel a lei­tu­ra do ve­re­dic­to e a con­de­na­ção.

O ma­ri­do da de­pu­ta­da, Bren­dan Cox, qua­li­fi­cou o as­sas­si­na­to co­mo “um ac­to po­lí­ti­co e ter­ro­ris­ta.”

A mor­te da de­pu­ta­da Jo Cox, de­fen­so­ra fer­re­nha dos re­fu­gi­a­dos e dos imi­gran­tes, ocor­reu nu­ma cam­pa­nha pe­lo “bre­xit”, cu­ja agres­si­vi­da­de e jo­go su­jo ha­vi­am si­do de­nun­ci­a­dos por mui­tos sec­to­res, e que foi sus­pen­sa du­ran­te três di­as em si­nal de lu­to.

“Não nos in­te­res­sa a pes­soa que o pla­ne­ou, sen­ti­mos pe­na de­le”, acres­cen­tou o ma­ri­do.

“Jo in­te­res­sa­va-se por to­do o mun­do, não por ego, mas pe­lo sim­ples de­se­jo de aju­dar.”

O lí­der do Par­ti­do Tra­ba­lhis­ta, Je­remy Corbyn, afir­mou que “o as­sas­si­na­to foi um ata­que à de­mo­cra­cia e pri­vou o mun­do de uma em­bai­xa­do­ra bon­do­sa e com­pas­si­va.”

“Jo vi­veu de acor­do com os seus va­lo­res até ao fim, quan­do co­lo­cou à fren­te a se­gu­ran­ça da sua equi­pa à sua. O Par­ti­do Tra­ba­lhis­ta sem­pre te­rá or­gu­lho de Jo”, sen­ten­ci­ou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.