CARTAS DO LEI­TOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - EVARISTO DA GRA­ÇA EMÍLIA COR­REIA

Alu­nos de­sa­com­pa­nha­dos

To­dos os di­as ve­jo, com mui­ta pre­o­cu­pa­ção, cri­an­ças que vão à es­co­la so­zi­nhas. Em al­guns ca­sos, vão a pé. Em ou­tros, apa­nham tá­xi. Não sei o mo­ti­vo que im­pe­de os seus pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção de os acom­pa­nhar, mas, se­ja co­mo for, pen­so não ha­ver mo­ti­vo que jus­ti­fi­que tal fa­lha, que, com os pe­ri­gos que an­dam à sol­ta, po­de ser fa­tal. To­dos os di­as, ou­vi­mos nas rá­di­os e ve­mos nas te­le­vi­sões ca­sos de cri­an­ças que fo­ram rap­ta­das, vi­o­la­das e até mor­tas por es­ta­rem so­zi­nhas.

Os pais de­vi­am apren­der com es­sas si­tu­a­ções me­nos bo­as que têm acon­te­ci­do a mui­tas cri­an­ças. Não po­de­mos re­la­xar ou cru­zar os bra­ços só por­que não acon­te­ceu con­nos­co. Há um di­ta­do que diz quan­do a la­vra do vi­zi­nho es­ti­ver a pe­gar fo­go, de­ve­mos mo­lhar a nos­sa, pois nun­ca sa­be­mos quan­do é que es­se mes­mo fo­go vai afec­tar tam­bém a nos­sa la­vra. Ou, di­to de ou­tra for­ma, quan­do vir as bar­bas do seu vi­zi­nho a pe­gar fo­go, po­nha as su­as de mo­lho. To­do o cui­da­do é pou­co.

Al­guns pais e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção apon­tam a ho­ra em que têm de sair de ca­sa pa­ra ir ao ser­vi­ço, pa­ra jus­ti­fi­car o não acom­pa­nha­men­to dos fi­lhos à es­co­la. Is­so po­de fa­zer al­gum sen­ti­do nas gran­des me­tró­po­les que são ho­je al­gu­mas das nos­sas ci­da­des, mas, ain­da as­sim, eu me per­gun­to: en­tre atra­sar al­guns mi­nu­tos no ser­vi­ço e im­pe­dir que o seu fi­lho ou fi­lha en­fren­te to­dos es­ses pe­ri­gos, qual é a me­lhor op­ção?

Fa­cil­men­te, pos­so con­cluir que a res­pos­ta é a se­gun­da, pois nin­guém quer ver o seu fi­lho vi­rar pre­sa fá­cil de gen­te mal­do­sa ou de um even­tu­al atro­pe­la­men­to. Por es­sa ra­zão, pa­ra que is­so não acon­te­ça, é fun­da­men­tal que pas­se­mos a ser mais vi­gi­lan­tes com os nos­sos fi­lhos.

Não po­de­mos per­mi­tir que con­ti­nu­em a fa­zer gran­des ca­mi­nha­das so­zi­nhos. Se não ti­ver­mos tem­po pa­ra os le­var à es­co­la ou a ou­tros lu­ga­res, va­mos pe­dir a um fa­mi­li­ar pró­xi­mo e de con­fi­an­ça que o fa­ça. Só não de­ve­mos acei­tar que fa­lhas co­mo es­sas con­ti­nu­em a acon­te­cer. Se par­tir­mos do prin­cí­pio de que as cri­an­ças são se­res in­de­fe­sos e fa­cil­men­te ma­ni­pu­lá­veis, con­clui­re­mos que não de­ve­mos dei­xá-las an­dar so­zi­nhas. Aqui fi­ca o con­se­lho.

Mer­ca­do do Zan­go

Sou mo­ra­dor do Zan­go Ze­ro, no bair­ro Mun­dim­ba. Que­ro, an­tes de mais, fe­li­ci­tar o gran­de tra­ba­lho que tem si­do de­sen­vol­vi­do to­das as se­gun­das-fei­ras pa­ra a lim­pe­za do Mer­ca­do do Zan­go e ar­re­do­res.

Quem às ma­nhãs por ali pas­sa, po­de cons­ta­tar is­so. É bo­ni­to ver os ven­de­do­res a con­tri­buí­rem pa­ra me­lho­rar o sa­ne­a­men­to bá­si­co do lo­cal, ape­sar dos cons­tran­gi­men­tos que têm cau­sa­do no trân­si­to.

La­men­to ape­nas o fac­to de al­guns ven­de­do­res am­bu­lan­tes pou­co ou na­da fa­ze­rem pa­ra co­la­bo­rar.

Es­pe­ro que es­ta ini­ci­a­ti­va con­si­ga mo­bi­li­zar tam­bém os mo­ra­do­res do Zan­go no sen­ti­do de sair­mos to­dos be­ne­fi­ci­a­dos com is­so. Ou­tro as­pec­to que me tem pre­o­cu­pa­do é a fal­ta de ener­gia no bair­ro, que tem dei­xa­do os mo­ra­do­res in­sa­tis­fei­tos.

Te­mos co­nhe­ci­men­to de que o Es­ta­do já fez o ca­das­tra­men­to da zo­na e que já fo­ram iden­ti­fi­ca­dos os lo­cais pa­ra a ins­ta­la­ção dos pos­tos de trans­for­ma­ção de ener­gia eléc­tri­ca, o que nos dei­xou, no prin­cí­pio, com al­gu­ma es­pe­ran­ça de di­as me­lho­res. O gran­de pro­ble­ma é que o pro­jec­to já le­va mais de três anos e até ago­ra não há gran­des avan­ços. Fru­to da fal­ta de ener­gia no bair­ro, tem au­men­ta­do o nú­me­ro de as­sal­tos aos mo­ra­do­res e às re­si­dên­ci­as.

Re­cen­te­men­te, a Co­mis­são de Mo­ra­do­res reu­niu com os re­si­den­tes do bair­ro, na ten­ta­ti­va de en­con­trar so­lu­ções, mas, in­fe­liz­men­te, as coi­sas não têm re­sul­ta­do. Con­ti­nu­a­mos a vi­ver o mes­mo di­le­ma.

Es­ta­mos to­dos cons­ci­en­tes de que o nos­so Go­ver­no tem pres­ta­do um bom ser­vi­ço no in­tui­to de con­ti­nu­ar a cri­ar con­di­ções pa­ra me­lho­rar os ser­vi­ços bá­si­cos à po­pu­la­ção, co­mo no ca­so de abas­te­ci­men­to de água po­tá­vel, for­ne­ci­men­to de ener­gia e me­lho­ria das in­fra-es­tru­tu­ras so­ci­ais. Mas é pre­ci­so ir um pou­co mais rá­pi­do em al­guns pro­jec­tos, co­mo é no nos­so ca­so, que já le­va três anos.

Es­pe­ro que Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal de Vi­a­na te­nha tam­bém em aten­ção a nos­sa si­tu­a­ção, por­que já não es­ta­mos a con­se­guir con­ser­var os fres­cos.

CASIMIRO PE­DRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.