O res­pei­to pe­la Cons­ti­tui­ção

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Mais uma vez, a mes­ma his­tó­ria: a no­me­a­ção da en­ge­nhei­ra Isa­bel dos San­tos. De­pois das ex­pli­ca­ções do Go­ver­no, da pró­pria en­ge­nhei­ra Isa­bel dos San­tos e de vá­ri­as vo­zes se le­van­ta­rem so­bre o as­sun­to, um gru­po de in­di­ví­du­os in­sis­te na ideia de pres­si­o­nar a Jus­ti­ça, com ame­a­ças de ma­ni­fes­ta­ções, nu­ma al­tu­ra em que o Tri­bu­nal Su­pre­mo, pa­ra on­de foi di­ri­gi­da a pro­vi­dên­cia cau­te­lar, es­tá a ana­li­sar o do­cu­men­to.

Os ele­men­tos em cau­sa evo­cam a Lei da Pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, pa­ra anu­lar a no­me­a­ção de uma ci­da­dã an­go­la­na, com com­pe­tên­cia pro­va­da, com em­pre­sas co­ta­das em bol­sas in­ter­na­ci­o­nais.

O ju­ris­ta e cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta Jor­ge Ba­ce­lar Gou­veia afir­ma que não há vi­o­la­ção da Lei da Pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va, que proí­be ac­tos de­so­nes­tos ou que im­pli­cam o en­ri­que­ci­men­to da pes­soa que no­meia ou­tra pes­soa em cir­cuns­tân­ci­as que po­di­am ser du­vi­do­sas. O que não é o ca­so. E mais: a Lei da Pro­bi­da­de Ad­mi­nis­tra­ti­va não proí­be a no­me­a­ção de pa­ren­tes da­que­le que no­meia.

O fac­to de ser fi­lha do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca não de­ve fa­vo­re­cer, mas tam­bém não de­ve pre­ju­di­car um ci­da­dão, des­de que mos­tre com­pe­tên­cia pa­ra o car­go pa­ra o qual é no­me­a­do.

Pa­re­ce es­tra­nho que pes­so­as ale­ga­da­men­te es­cla­re­ci­das e que se po­si­ci­o­nam co­mo de­fen­so­ras da le­ga­li­da­de, da boa ges­tão da coi­sa pú­bli­ca e do país, ve­nham ago­ra ig­no­rar a ex­pe­ri­ên­cia e a dis­po­ni­bi­li­da­de da en­ge­nhei­ra Isa­bel dos San­tos, pon­do em cau­sa a sua no­me­a­ção. Aliás, os da­dos in­di­cam que a no­me­a­ção tem da­do bons fru­tos, com a re­du­ção de gas­tos e des­per­dí­ci­os acu­mu­la­dos pe­la So­nan­gol nos úl­ti­mos anos.

Des­de que to­mou pos­se, em Ju­nho, a ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol anun­ci­ou que to­mou me­di­das que per­mi­ti­ram pou­par 240 mi­lhões nos pri­mei­ros cin­co me­ses em fun­ções. As pou­pan­ças fo­ram fei­tas com me­di­das de con­ten­ção de cus­tos e de re­for­ço de efi­ci­ên­cia pa­ra au­men­tar a ren­ta­bi­li­da­de no ne­gó­cio de pe­tró­leo e gás.

A no­va ad­mi­nis­tra­ção can­ce­lou con­tra­tos de ‘ship­ping’ não pri­o­ri­tá­ri­os. Fo­ram ain­da ne­go­ci­a­dos ou can­ce­la­dos con­tra­tos a ní­vel cen­tral e nas sub­si­diá­ri­as do gru­po So­nan­gol, bem co­mo re­vis­tos mo­de­los de ope­ra­ção e pro­mo­vi­da a ra­ci­o­na­li­za­ção de di­ver­sos gas­tos e con­su­mos con­si­de­ra­dos su­pér­flu­os. Ao mes­mo tem­po, a ad­mi­nis­tra­ção re­a­va­li­ou os in­ves­ti­men­tos na re­fi­na­ria do Lo­bi­to e no ter­mi­nal oceâ­ni­co do Dan­de, pa­ra as­se­gu­rar a vi­a­bi­li­da­de a lon­go pra­zo dos in­ves­ti­men­tos.

O no­vo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da So­nan­gol abra­çou es­te de­sa­fio de trans­for­ma­ção com en­tu­si­as­mo e com o com­pro­mis­so de me­lho­rar a efi­ci­ên­cia, au­men­tar a ren­ta­bi­li­da­de, a trans­pa­rên­cia da ges­tão e pre­pa­rar a em­pre­sa pa­ra o no­vo mo­de­lo do sec­tor pe­tro­lí­fe­ro an­go­la­no.

É pre­ci­so não es­que­cer que a So­nan­gol é a prin­ci­pal em­pre­sa pú­bli­ca do país e a sua con­so­li­da­ção, a sua efi­cá­cia e efi­ci­ên­cia de­vem or­gu­lhar to­dos os an­go­la­nos.

A pró­pria Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca es­ta­be­le­ce o prin­cí­pio da igual­da­de. E pre­ju­di­car al­guém ape­nas por ser fi­lho do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ou de ou­tra pes­soa qual­quer que te­nha car­go pú­bli­co é, de fac­to, sub­ver­ter es­te prin­cí­pio.

A ex­pe­ri­ên­cia da en­ge­nhei­ra Isa­bel dos San­tos é im­por­tan­te no de­sen­vol­vi­men­to dos pro­jec­tos sus­ten­tá­veis.

A is­so, po­de­mos acres­cer as for­tes re­la­ções em­pre­sa­ri­ais in­ter­na­ci­o­nais que pos­sui. Qu­es­ti­o­nar tu­do is­so, nu­ma al­tu­ra em que o país tem vá­ri­os de­sa­fi­os pe­la fren­te, co­mo di­ver­si­fi­car a sua eco­no­mia, pa­re­ce mui­to es­tra­nho. O país pre­ci­sa de re­cei­tas pa­ra re­pa­rar as es­tra­das, au­men­tar o in­ves­ti­men­to na agri­cul­tu­ra, ace­le­rar a in­dus­tri­a­li­za­ção e me­lho­rar a vi­da dos ci­da­dãos. A efi­ci­ên­cia da So­nan­gol é mais um ca­mi­nho pa­ra es­te pro­pó­si­to. Nes­te mo­men­to, por exem­plo, o país es­tá a re­a­li­zar o pro­ces­so de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, pa­ra ga­ran­tir que no pró­xi­mo ano os an­go­la­nos pos­sam, nas ur­nas, es­co­lher os seus go­ver­nan­tes.

Qua­se cin­co mi­lhões de ci­da­dãos já ac­tu­a­li­za­ram os seus da­dos elei­to­rais. O tra­ba­lho cen­tra-se ago­ra nas lo­ca­li­da­des de di­fí­cil aces­so. Mei­os aé­re­os, ter­res­tres e flu­vi­ais es­tão a ser mo­bi­li­za­dos pa­ra per­cor­rer to­do o país, pa­ra que nin­guém fi­que de fo­ra do pro­ces­so. É pre­ci­so con­ti­nu­ar a mo­bi­li­zar e sen­si­bi­li­zar os ci­da­dãos com ida­de elei­to­ral pa­ra afluí­rem aos pos­tos de ac­tu­a­li­za­ção do re­gis­to elei­to­ral, cum­prin­do as­sim um de­ver de ci­da­da­nia. O mi­nis­tro Bor­ni­to de Sou­sa des­do­bra-se em vi­si­tas às pro­vín­ci­as pa­ra ava­li­ar o an­da­men­to do pro­ces­so.

O par­ti­do que sus­ten­ta o Go­ver­no não se can­sa de ape­lar aos an­go­la­nos pa­ra o re­gis­to, num cla­ro si­nal de em­pe­nho na con­so­li­da­ção da nos­sa jo­vem de­mo­cra­cia. Mais uma vez, os an­go­la­nos são cha­ma­dos a de­fen­der as su­as con­quis­tas.

O res­pei­to à Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca é um de­ver de to­dos. Não po­de­mos ad­mi­tir que ele­men­tos com fins in­con­fes­sos pos­sam com­pro­me­ter a paz e a es­ta­bi­li­da­de du­ra­men­te al­can­ça­das.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.