As fé­ri­as la­bo­rais

Jornal de Angola - - LAZER -

As fé­ri­as la­bo­rais são um pe­río­do de des­can­so pe­rió­di­co de tra­ba­lho, maior que um fim de se­ma­na. O pe­río­do de fé­ri­as va­ria de acor­do com a le­gis­la­ção de ca­da país.

“Fé­ri­as” de­sig­nam o pe­río­do de des­can­so a que têm di­rei­to em­pre­ga­dos, ser­vi­do­res pú­bli­cos, es­tu­dan­tes e ou­tros, de­pois de pas­sa­do um ano ou um se­mes­tre de tra­ba­lho ou de ac­ti­vi­da­des. A pa­la­vra pro­vém do la­tim “fe­ria, -ae”, sin­gu­lar de “fe­ri­ae, -arum”, que sig­ni­fi­ca­va, en­tre os an­ti­gos ro­ma­nos, o dia em que, por pres­cri­ção re­li­gi­o­sa, não se tra­ba­lha­va.

A pa­la­vra la­ti­na en­con­tra-se tam­bém na de­no­mi­na­ção dos di­as da se­ma­na do ca­len­dá­rio ela­bo­ra­do pe­lo im­pe­ra­dor ro­ma­no Cons­tan­ti­no, no sé­cu­lo III d.C., que os san­ti­fi­cou com o no­me de “eria” e o sen­ti­do de “co­me­mo­ra­ção re­li­gi­o­sa”: “Pri­ma fe­ria, Se­cun­da fe­ria, Ter­tia fe­ria, Quar­ta fe­ria, Quin­ta fe­ria, Sex­ta fe­ria e Sep­ti­ma fe­ria”. No sé­cu­lo IV, ain­da por in­fluên­cia da Igre­ja Ca­tó­li­ca, “pri­ma fe­ria” foi subs­ti­tuí­do por “Do­mi­ni­cus di­es” (dia do Se­nhor) e “Sep­ti­ma fe­ria” trans­for­mou-se em “sab­ba­tu”, dia em que os pri­mei­ros ju­deus cris­tãos reu­ni­am pa­ra orar. A lín­gua por­tu­gue­sa foi a úni­ca a man­ter uma pa­la­vra de­ri­va­da de “fe­ria” (no ca­so, “fei­ra”) pa­ra de­sig­nar os no­mes dos di­as de se­ma­na.

No Brasil, a le­gis­la­ção de tra­ba­lha­do­res es­ta­be­le­ce um mí­ni­mo de 30 di­as con­se­cu­ti­vos de fé­ri­as após o pe­río­do de do­ze me­ses de tra­ba­lho, sen­do, es­te úl­ti­mo, de­no­mi­na­do “pe­río­do aqui­si­ti­vo”.

Por­tan­to, to­do o em­pre­ga­do tem di­rei­to anu­al­men­te ao go­zo de um pe­río­do de fé­ri­as, sem pre­juí­zo da re­mu­ne­ra­ção, com­pu­tan­do-se, es­te pe­río­do, in­clu­si­ve co­mo tem­po de ser­vi­ço.

O ob­jec­ti­vo do di­rei­to do em­pre­ga­do a fé­ri­as é con­ce­der-lhe um jus­to e re­pa­ra­dor des­can­so, não sen­do per­mi­ti­da, por­tan­to, a con­ver­são de to­do o pe­río­do de fé­ri­as em pe­cú­nia, mas so­men­te de um má­xi­mo de 1/3 do pe­río­do.

A con­ces­são das fé­ri­as de­ve ser co­mu­ni­ca­da ao em­pre­ga­do por es­cri­to com uma an­te­ce­dên­cia mí­ni­ma de 30 di­as, me­di­an­te um avi­so em du­as vi­as, men­ci­o­nan­do o pe­río­do aqui­si­ti­vo a que se re­fe­rem e os di­as em que se­rão go­za­das, de­ven­do, o em­pre­ga­do, dar ci­ên­cia da acei­ta­ção do avi­so.

O em­pre­ga­do em go­zo de fé­ri­as não po­de pres­tar ser­vi­ços a ou­tro em­pre­ga­dor, ex­cep­to quan­do já exis­ta con­tra­to de tra­ba­lho re­gu­lar­men­te man­ti­do com aque­le.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.