Uso dos ter­re­nos tem maior con­tro­lo

Au­to­ri­da­des con­ce­dem par­ce­las sem com­pe­tên­ci­as de­fi­ni­das por lei

Jornal de Angola - - PARTADA - PE­REI­RA DINIS |

O Mi­nis­té­rio do Urbanismo e Ha­bi­ta­ção re­co­men­dou a des­lo­ca­ção às pro­vín­ci­as de equi­pas de tra­ba­lho pa­ra pro­ce­de­rem à uni­for­mi­za­ção dos con­tra­tos de con­ces­são, de mo­do a se­rem in­se­ri­das cláu­su­las obri­ga­tó­ri­as de ga­ran­tia do apro­vei­ta­men­to útil e efec­ti­vo dos ter­re­nos, as­sim co­mo ins­ti­tuir um qua­dro le­gal pa­ra cla­ri­fi­car os po­de­res dos so­bas.

Os ser­vi­ços de Ad­mi­nis­tra­ção lo­cal do Es­ta­do en­con­tram di­fi­cul­da­des em dis­tin­guir as com­pe­tên­ci­as na con­ces­são dos di­rei­tos fundiários, cons­ta­tou o Mi­nis­té­rio do Urbanismo e Ha­bi­ta­ção.

O de­par­ta­men­to mi­nis­te­ri­al re­co­nhe­ce ser pre­ci­so cum­prir o es­ta­be­le­ci­do na le­gis­la­ção a es­se res­pei­to, so­bre­tu­do o ti­pi­fi­ca­do na Lei de Ter­ras.

O de­ba­te so­bre a ques­tão fun­diá­ria, em par­ti­cu­lar, o que diz res­pei­to a pre­ços, de­ve ser in­ten­si­fi­ca­do, co­mo re­co­men­da­ram os par­ti­ci­pan­tes num se­mi­ná­rio so­bre es­ta te­má­ti­ca re­a­li­za­do em Lu­an­da.

A au­sên­cia de ins­tru­men­tos do or­de­na­men­to de ter­ri­tó­rio tem fa­ci­li­ta­do a ocu­pa­ção ile­gal dos so­los, re­fe­rem es­pe­ci­a­lis­tas do sec­tor, que acres­cen­tam que o di­rei­to de pro­pri­e­da­de, co­mo o fun­diá­rio, cons­tan­te na Lei de Ter­ras, só po­de ser con­ce­di­do em re­la­ção a ter­re­nos ur­ba­nos.

É pre­ci­so ad­mi­tir a con­ces­são do di­rei­to de pro­pri­e­da­de so­bre ter­re­nos ru­rais me­di­an­te a va­lo­ri­za­ção dos mes­mos, sem que one­rem o Es­ta­do em ca­so de ex­pro­pri­a­ção, di­zem os qua­dros do sec­tor, que con­si­de­ram ne­ces­sá­rio cla­ri­fi­car as com­pe­tên­ci­as dos in­ter­ve­ni­en­tes na tra­mi­ta­ção dos pro­ces­sos pa­ra a cons­ti­tui­ção de di­rei­tos fundiários. A es­te res­pei­to, re­fe­rem que exis­te uma ta­be­la na­ci­o­nal de pre­ços apro­va­da pa­ra co­brar nas con­ces­sões de di­rei­tos fundiários a ní­vel na­ci­o­nal.

Pa­ra de­ter­mi­nar o pre­ço dos ter­re­nos fundiários, de­vem ser con­si­de­ra­das al­gu­mas va­lên­ci­as, co­mo a clas­si­fi­ca­ção, lo­ca­li­za­ção, fi­na­li­da­de, grau de de­sen­vol­vi­men­to, in­fra-es­tru­tu­ras e ser­vi­ços exis­ten­tes, re­fe­rem.

O Mi­nis­té­rio do Urbanismo e Ha­bi­ta­ção re­fe­re que exis­te al­gu­ma in­su­fi­ci­ên­cia téc­ni­ca dos di­fe­ren­tes agen­tes da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca em in­ter­pre­tar, quer a Lei de Ter­ras co­mo a Lei do Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio e Urbanismo, ten­do co­mo con­sequên­cia as dis­tor­ções que se re­gis­tam na sua apli­ca­ção.

“Há uma ne­ces­si­da­de ur­gen­te de se con­sa­grar em Lei a for­ma ou pro­ce­di­men­to que de­vem ser ob­ser­va­dos pa­ra ma­te­ri­a­li­zar a re­ver­são dos di­rei­tos fundiários, nos ca­sos em que não ocor­ra o apro­vei­ta­men­to útil e efec­ti­vo dos ter­re­nos con­ce­di­dos, den­tro do pra­zo es­ta­be­le­ci­do na Lei de Ter­ras”, di­zem os es­pe­ci­a­lis­tas.

Em al­gu­mas lo­ca­li­da­des, exis­tem au­to­ri­da­des que con­ce­dem ter­re­nos sem que dis­po­nham de com­pe­tên­cia pa­ra o efei­to de acor­do com a Lei e com fal­ta de ar­ti­cu­la­ção en­tre as mes­mas. So­bre is­so, há a ne­ces­si­da­de de cla­ri­fi­car o pa­pel das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais, con­cluí­ram os téc­ni­cos do sec­tor.

Uni­for­mi­za­ção de cri­té­ri­os

O Mi­nis­té­rio do Urbanismo e Ha­bi­ta­ção re­co­men­dou a des­lo­ca­ção às pro­vín­ci­as de equi­pas de tra­ba­lho pa­ra, em con­jun­to com as au­to­ri­da­des pro­vin­ci­ais, apro­fun­da­rem os as­pec­tos apre­sen­ta­dos.

O mi­nis­té­rio de­ve pro­ce­der à uni­for­mi­za­ção dos con­tra­tos de con­ces­são de mo­do de a se­rem in­se­ri­das cláu­su­las obri­ga­tó­ri­as, co­mo é o ca­so da ga­ran­tia do apro­vei­ta­men­to útil e efec­ti­vo dos ter­re­nos, as­sim co­mo ins­ti­tuir um qua­dro le­gal pa­ra cla­ri­fi­car os po­de­res das au­to­ri­da­des tra­di­ci­o­nais no que con­cer­ne à con­ces­são de di­rei­tos fundiários. e a cri­a­ção de ins­tru­men­tos que in­cen­ti­vem o in­ves­ti­men­to pri­va­do no sec­tor do urbanismo.

Co­mo re­co­men­da­ções, o sec­tor con­si­de­ra im­por­tan­te ac­tu­a­li­zar a car­to­gra­fia do país, do­tar o IGCA de re­cur­sos, pro­ce­der a uma re­vi­são pon­tu­al da Lei de Ter­ras, uni­for­mi­zar os pro­ce­di­men­tos na ins­tru­ção dos pro­ces­sos e das co­bran­ças de ta­xas de emo­lu­men­tos.

Os téc­ni­cos re­co­men­dam a di­fe­ren­ci­a­ção das ven­das de ter­re­nos “am­bu­la­tó­ri­as” e ju­rí­di­cas, a fis­ca­li­za­ção da apli­ca­ção da Lei de Ter­ras e do seu re­gu­la­men­to, e as con­ces­sões de ter­re­nos, as­sim co­mo a subs­ti­tui­ção das ex­pres­sões “Mu­ni­cí­pio do ti­po A”, por “Lo­ca­li­da­de do ti­po A”.

Agir com ba­se na lei

A mi­nis­tra do Urbanismo e Ha­bi­ta­ção, Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to, afir­mou que a ques­tão da ter­ra “na sua di­men­são ju­rí­di­ca não po­de dei­xar

Es­sa si­tu­a­ção, des­cri­ta na Lei, obri­ga, no ca­so de a ter­ra ser­vir de su­por­te de abri­go ou ha­bi­ta­ção da po­pu­la­ção re­si­den­te no ter­ri­tó­rio, im­pli­ca um ade­qua­do re­gi­me ur­ba­nís­ti­co, e o abri­go de ri­que­zas na­tu­rais de­ve-se ba­se­ar no uso e apro­vei­ta­men­to re­ve­la do di­rei­to mi­nei­ro, agrá­rio, flo­res­tal e de or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio, en­quan­to a aça­mo de­gra­dan­te do ho­mem de­ve ser en­ten­di­da no qua­dro do Di­rei­to do Am­bi­en­te.

Bran­ca do Es­pí­ri­to San­tos re­fe­riu que a Lei de Ter­ras “es­ta­be­le­ce as ba­ses ge­rais do re­gi­me ju­rí­di­co das ter­ras in­te­gra­das na pro­pri­e­da­de ori­gi­ná­ria do Es­ta­do, os di­rei­tos fundiários que so­bre es­tas po­dem re­cair e o re­gi­me ge­ral de trans­mis­são, cons­ti­tui­ção, exer­cí­cio e ex­tin­ção des­tes di­rei­tos”.

Es­ta Lei, pros­se­guiu, “apli­ca-se tam­bém aos ter­re­nos ru­rais e ur­ba­nos so­bre os quais o Es­ta­do cons­ti­tua al­gum dos di­rei­tos fundiários ne­la pre­vis­tos em be­ne­fi­cio de pes­so­as sin­gu­la­res ou de pes­so­as co­lec­ti­vas de di­rei­to pú­bli­co ou de di­rei­to pri­va­do, de­sig­na­da­men­te com vis­ta à pros­se­cu­ção de fins de ex­plo­ra­ção agrí­co­la, pe­cuá­ria, sil­ví­co­la, mi­nei­ra, in­dus­tri­al, co­mer­ci­al, habitacional, de edi­fi­ca­ção ur­ba­na ou ru­ral, de or­de­na­men­to do ter­ri­tó­rio, pro­tec­ção do am­bi­en­te e de com­ba­te àe­ro­são dos so­los”.

Ter­ra per­ten­ce ao Es­ta­do

A mi­nis­tra dis­se que “a ter­ra cons­ti­tui pro­pri­e­da­de ori­gi­ná­ria do Es­ta­do, in­te­gra­da no seu do­mí­nio pri­va­do ou no seu do­mí­nio pú­bli­co”, ou cons­ti­tuí­dos nos ter­mos da lei “ex­tin­guem-se pe­lo seu não exer­cí­cio ou pe­la inob­ser­vân­cia dos ín­di­ces de apro­vei­ta­men­to útil e efec­ti­vo du­ran­te três anos con­se­cu­ti­vos ou seis anos in­ter­po­la­dos, qual­quer que se­ja o mo­ti­vo”.

A mi­nis­tra apon­tou, co­mo ti­pos de di­rei­tos fundiários que po­dem ser exer­ci­dos por pes­so­as sin­gu­la­res e co­lec­ti­vas nos ter­re­nos con­ce­dí­veis in­te­gra­dos no do­mí­nio pri­va­do do Es­ta­do, a pro­pri­e­da­de pri­va­da, o do­mí­nio útil con­su­e­tu­di­ná­rio, o do­mí­nio útil ci­vil, o di­rei­to de ocu­pa­ção pre­cá­ria e o de su­per­fí­cie.

“A cons­ti­tui­ção ou con­ces­são dos ti­pos de di­rei­tos fundiários pre­vis­tos, re­ge-se pe­las dis­po­si­ções e li­mi­tes da lei e dos seus re­gu­la­men­tos”, fri­sou, pa­ra adi­an­tar que só po­dem ser ob­jec­to de ven­da os ter­re­nos ur­ba­nos con­ce­dí­veis in­te­gra­dos no do­mí­nio pri­va­do do Es­ta­do ou das au­tar­qui­as lo­cais.

São ain­da pas­sí­veis de ven­da as pe­que­nas par­ce­las de ter­re­no in­su­fi­ci­en­tes pa­ra cons­tru­ção re­gu­lar con­fi­nan­tes com ter­re­no per­ten­cen­te ao re­que­ren­te em re­gi­me de pro­pri­e­da­de per­fei­ta e que não pos­sam apro­vei­tar a qual­quer ou­tro pro­pri­e­tá­rio ou con­ces­si­o­ná­rio con­fi­nan­te e as par­ce­las con­ce­di­das por afo­ra­men­to ou ar­ren­da­men­to for­man­do ter­re­no con­tí­nuo com par­ce­las de pro­pri­e­da­de pri­va­da, no qual se en­con­tre já cons­ti­tuí­do edi­fí­cio de­vi­da­men­te apro­va­do.

Po­dem ser ob­jec­to de con­ces­são os ter­re­nos in­te­gra­dos no do­mí­nio pú­bli­co, os ter­re­nos abran­gi­dos por uma re­ser­va to­tal, os ter­re­nos ru­rais co­mu­ni­tá­ri­os, en­quan­to in­te­gra­dos

Ter­re­nos ru­rais e ur­ba­nos so­bre os quais o Es­ta­do cons­ti­tui al­guns dos di­rei­tos fundiários po­dem be­ne­fi­ci­ar pro­jec­tos de sin­gu­la­res ou pri­va­dos com vis­ta à ex­plo­ra­ção agrí­co­la e pe­cuá­ria

O Mi­nis­té­rio do Urbanismo e Ha­bi­ta­ção pre­co­ni­za a definição de uma ta­be­la pre­ços es­pe­ci­al pa­ra an­ti­gos com­ba­ten­tes e mi­li­ta­res, na con­ces­são de di­rei­tos fundiários e a ne­ces­si­da­de da exis­tên­cia de pla­nos de or­de­na­men­to de ter­ri­tó­rio no sen­ti­do de de­fi­nir o uso e ocu­pa­ção dos so­los, bem co­mo pa­ra fa­ci­li­tar a clas­si­fi­ca­ção dos ter­re­nos a ser con­ce­di­dos.

Pa­ra os qua­dros, é ne­ces­sá­rio cla­ri­fi­car os en­car­gos das in­fra-es­tru­tu­ras, se­jam do Es­ta­do, se­jam con­ces­si­o­ná­ri­os, de ser tra­ta­da de for­ma in­te­gra­da e em fun­ção dos seus múl­ti­plos usos”.

A go­ver­nan­te ci­tou, co­mo usos pos­sí­veis da ter­ra, o su­por­te de abri­go ou ha­bi­ta­ção da po­pu­la­ção re­si­den­te no ter­ri­tó­rio, o abri­go de ri­que­zas na­tu­rais, o su­por­te do exer­cí­cio de ac­ti­vi­da­des eco­nó­mi­cas, agrá­ri­as, in­dus­tri­ais e de pres­ta­ção de ser­vi­ços e o su­por­te de to­dos os efei­tos re­sul­tan­tes da aça­mo des­re­gra­da ou de­gra­dan­te do ho­mem com im­pac­to ne­ga­ti­vo no equi­lí­brio eco­ló­gi­co. mas “o Es­ta­do po­de trans­mi­tir ou one­rar a pro­pri­e­da­de dos ter­re­nos in­te­gra­dos no seu do­mí­nio pri­va­do”.

A go­ver­nan­te adi­an­tou que a trans­mis­são do di­rei­to de pro­pri­em­da­de e a cons­ti­tui­ção de di­rei­tos fundiários li­mi­ta­dos so­bre ter­re­nos in­te­gra­dos no do­mí­nio pri­va­do do Es­ta­do “po­dem ter lu­gar com o ob­jec­ti­vo de ga­ran­tir o apro­vei­ta­men­to útil e efec­ti­vo des­tes”. Des­ta for­ma, acres­cen­tou, os di­rei­tos fundiários ad­qui­ri­dos, trans­mi­ti­dos no do­mí­nio útil con­su­e­tu­di­ná­rio, sem pre­juí­zo do dis­pos­to nos nú­me­ros 4 e 5 do ar­ti­go 37.º da Lei n.º 9/04, de 9 de No­vem­bro e os ter­re­nos que só pos­sam ser ocu­pa­dos por meio de li­cen­ça es­pe­ci­al. Bran­ca do Es­pí­ri­to San­to cla­ri­fi­cou que “não po­de ser trans­mi­ti­do a pes­so­as sin­gu­la­res ou a pes­so­as co­lec­ti­vas de di­rei­to pri­va­do o di­rei­to de pro­pri­e­da­de so­bre ter­re­nos ru­rais in­te­gra­dos, quer no do­mí­nio pú­bli­co do Es­ta­do, quer no seu do­mí­nio pri­va­do”.

KINDALA MA­NU­EL

KINDALA MA­NU­EL

Mi­nis­tra des­ta­cou que a ter­ra é do Es­ta­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.