Do­nos de imó­veis fo­gem aos se­gu­ros

Jornal de Angola - - PARTADA - ALEXA SONHI |

A mai­o­ria dos pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis em re­gi­me ho­ri­zon­tal, en­vol­ven­do pré­di­os e con­do­mí­ni­os, fur­ta-se a pa­gar o se­gu­ro de in­cên­dio e de mul­ti-ris­co habitacional, em de­so­be­di­ên­cia à lei que es­ta­be­le­ce obri­ga­to­ri­e­da­de a es­se ins­tru­men­to fi­nan­cei­ro, re­ve­lou on­tem, em Lu­an­da, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da ENSA, Ma­nu­el Gon­çal­ves.

A mai­o­ria dos pro­pri­e­tá­ri­os de imó­veis em re­gi­me ho­ri­zon­tal, en­vol­ven­do pré­di­os e con­do­mí­ni­os, fur­ta-se a pa­gar o se­gu­ro de in­cên­dio e de mul­ti-ris­co habitacional, em de­so­be­di­ên­cia à lei que es­ta­be­le­ce obri­ga­to­ri­e­da­de a es­se ins­tru­men­to fi­nan­cei­ro, re­ve­lou on­tem, em Lu­an­da, o pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção da ENSA.

Ma­nu­el Gon­çal­ves, que fa­la­va à mar­gem da con­fe­rên­cia na­ci­o­nal so­bre “Go­ver­na­ção corporativa no sec­tor se­gu­ra­dor”, lem­brou que qual­quer em­pre­sa ou ci­da­dão que ti­ver o seu imó­vel se­gu­ra­do é mui­to mais pro­te­gi­do em ca­so de um si­nis­tro, não im­por­tan­do a na­tu­re­za.

O PCA da ENSA dis­se que, na si­tu­a­ção de cri­se em que o país vi­ve, tor­na-se ne­ces­sá­rio que ca­da vez mais se fa­ça a pro­tec­ção dos ac­ti­vos pes­so­ais e pa­tri­mo­ni­ais, pa­ra que, em ca­so de si­nis­tro, o ris­co se­ja trans­fe­ri­do pa­ra as se­gu­ra­do­ras.

“É im­por­tan­te que os ci­da­dãos te­nham ga­ran­ti­as de que a se­gu­ra­do­ra, a que vão re­cor­rer, em ca­so do si­nis­tro, pos­sa cor­res­pon­der às ex­pec­ta­ti­vas, pa­gan­do as res­pec­ti­vas in­dem­ni­za­ções”, ape­lou.

Por seu tur­no, o di­rec­tor-ad­jun­to da Aca­de­mia de Se­gu­ros e Fun­dos de Pen­sões (ASFP) dis­se que a sua ins­ti­tui­ção es­tá vi­ra­da pa­ra a edu­ca­ção, for­ma­ção e vi­sa tam­bém o fo­men­to da ac­ti­vi­da­de se­gu­ra­do­ra.

Jú­lio Ma­ti­as dis­se que a trans­pa­rên­cia na ges­tão das em­pre­sas de se­gu­ro é im­pres­cin­dí­vel pa­ra a sua sus­ten­ta­bi­li­da­de e a cri­a­ção de uma re­la­ção de con­fi­an­ça en­tre os cli­en­tes e a pre­ga­do­ra de ser­vi­ço, nes­te ca­so as se­gu­ra­do­ras.

“Nós acre­di­ta­mos que qual­quer ci­da­dão que as­sis­tiu a es­ta con­fe­rên­cia na­ci­o­nal de go­ver­na­ção corporativa no sec­tor se­gu­ra­dor saiu mais re­for­ça­do com re­la­ção à prá­ti­ca de go­ver­na­ção e boa ges­tão das su­as em­pre­sas em­pre­sa”, res­sal­tou.

Na con­fe­rên­cia, que ter­mi­nou on­tem nu­ma das sa­las da Aca­de­mia BAI, fo­ram abor­da­dos te­mas co­mo a trans­pa­rên­cia co­mo pi­lar fun­da­men­tal pa­ra uma boa go­ver­na­ção corporativa no sec­tor do se­gu­ro e a im­por­tân­cia da au­di­to­ria in­ter­na na go­ver­na­ção corporativa no sec­tor se­gu­ra­dor. No even­to, es­ti­ve­ram pre­sen­tes res­pon­sá­veis de se­gu­ra­do­ras, cor­re­to­res de se­gu­ros, me­di­a­do­res e es­tu­dan­tes do cur­so de Mar­ke­ting e Se­gu­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.