Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral es­cla­re­ce so­bre vo­to no ex­te­ri­or

Pros­se­gue pro­ces­so dis­ci­pli­nar con­tra co­mis­sá­ri­os que vi­o­la­ram re­gu­la­men­tos in­ter­nos

Jornal de Angola - - PARTADA - VICTORINO JOAQUIM |

O vo­to no ex­te­ri­or do país, o pro­ces­so dis­ci­pli­nar ins­tau­ra­do a co­mis­sá­ri­os elei­to­rais e o fi­nan­ci­a­men­to pa­ra os de­le­ga­dos de lis­ta fo­ram as prin­ci­pais pre­o­cu­pa­ções apre­sen­ta­das por de­pu­ta­dos da opo­si­ção du­ran­te um encontro com a Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral (CNE), em Lu­an­da.

No fi­nal do encontro, de­cor­ri­do na se­de da CNE, a por­ta-voz do ór­gão, Jú­lia Fer­rei­ra, dis­se à im­pren­sa que na reu­nião re­a­li­za­da a pe­di­do dos de­pu­ta­dos da opo­si­ção pa­ra a tro­ca de in­for­ma­ções e es­cla­re­ci­men­tos de dú­vi­das re­la­ti­vas à pre­pa­ra­ção das elei­ções, o vo­to dos ci­da­dãos an­go­la­nos no ex­te­ri­or do país foi uma das ques­tões que mais pre­o­cu­pa­ram os par­la­men­ta­res da UNITA, CA­SA-CE, PRS e FNLA.

Jú­lia Fer­rei­ra dis­se que ape­nas vo­tam os ci­da­dãos que se en­con­tram no ex­te­ri­or nu­ma “si­tu­a­ção tran­si­tó­ria ou pon­tu­al”, co­mo por exem­plo os es­tu­dan­tes, os do­en­tes, os tra­ba­lha­do­res nas mis­sões con­su­la­res, en­tre ou­tros. “Há uma es­pe­ci­fi­ci­da­de que de­cor­re da lei que não tor­na abran­gen­te a qual­quer ci­da­dão exer­cer o di­rei­to de vo­to no ex­te­ri­or do país”, es­cla­re­ceu.

A co­mis­sá­ria elei­to­ral afir­mou que a ques­tão do vo­to no ex­te­ri­or tem um pro­ce­di­men­to pró­prio, obe­de­cen­do a di­ver­sas fa­ses. “Di­zer ho­je e ago­ra se os an­go­la­nos no ex­te­ri­or vão ou não vo­tar, se­ria for­çar a CNE a dar uma res­pos­ta pron­ta e ime­di­a­ta de um ac­to cu­ja lei já pre­vê os pro­ce­di­men­tos e cro­no­lo­gia e que ca­re­ce de um pro­nun­ci­a­men­to por par­te da ple­ná­ria des­te ór­gão”, re­al­çou. Jú­lia Fer­rei­ra acres­cen­tou que, quan­do che­gar a al­tu­ra, a CNE vai fa­zer uma apre­ci­a­ção so­bre a ques­tão, pa­ra ve­ri­fi­car se exis­tem con­di­ções, até por­que é ne­ces­sá­rio, an­te­ci­pa­da­men­te, sa­ber quan­tos elei­to­res exis­tem e em que con­di­ção es­tão no ex­te­ri­or do país.

So­bre a ques­tão do pro­ces­so dis­ci­pli­nar ins­tau­ra­do a al­guns co­mis­sá­ri­os elei­to­rais da CNE acu­sa­dos de usar in­de­vi­da­men­te do­cu­men­tos tim­bra­dos e vi­o­lar os re­gu­la­men­tos in­ter­nos, Jú­lia Fer­rei­ra in­for­mou que o pro­ces­so ain­da es­tá a de­cor­rer os seus trâ­mi­tes.

“Há uma co­mis­são cons­ti­tuí­da pa­ra dar o de­vi­do tra­ta­men­to ao as­sun­to. Por na­tu­re­za, os pro­ces­sos dis­ci­pli­na­res têm a ca­rac­te­rís­ti­ca de con­fi­den­ci­a­li­da­de e, nes­ta fa­se, nin­guém es­tá em con­di­ções de di­zer em que con­di­ções es­tá o pro­ces­so”, dis­se a por­ta-voz da CNE, que pe­diu que se aguar­de pe­la con­clu­são do tra­ba­lho.

Em re­la­ção a es­sa ques­tão, re­fe­riu, a de­le­ga­ção par­la­men­tar fez um ape­lo no sen­ti­do de se ter al­gu­ma pon­de­ra­ção quan­to à me­di­da dis­ci­pli­nar que, even­tu­al­men­te, ve­nha a ser apli­ca­da pe­lo ple­ná­rio da CNE, co­mo con­sequên­cia do pro­ces­so.

Fi­nan­ci­a­men­to dos de­le­ga­dos

So­bre o fi­nan­ci­a­men­to dos de­le­ga­dos de lis­ta, Jú­lia Fer­rei­ra dis­se que o mes­mo de­cor­re da Lei de Fi­nan­ci­a­men­to aos Par­ti­dos Po­lí­ti­cos e tam­bém de al­gu­mas dis­po­si­ções da Lei Or­gâ­ni­ca so­bre Elei­ções Ge­rais, que per­mi­tem, em anos de elei­ções, ha­ver uma ver­ba ca­bi­men­ta­da pa­ra ca­da par­ti­do con­cor­ren­te. “Se não exis­tir al­te­ra­ção à le­gis­la­ção, à se­me­lhan­ça de 2012, os par­ti­dos po­lí­ti­cos con­cor­ren­tes vão be­ne­fi­ci­ar des­te fi­nan­ci­a­men­to”, as­se­gu­rou.

An­dré Men­des de Car­va­lho, pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da CA­SA-CE, con­si­de­rou que “não há elei­ções trans­pa­ren­tes sem de­le­ga­dos de lis­tas” e la­men­tou o fac­to de os par­ti­dos po­lí­ti­cos na opo­si­ção não te­rem di­nhei­ro pa­ra su­por­tar o tra­ba­lho dos seus de­le­ga­dos de lis­ta. “Acre­di­ta­mos que es­ta é uma res­pon­sa­bi­li­da­de do Es­ta­do”, de­fen­deu.

Lu­cas Ngon­da, da FNLA, e Be­ne­di­to Da­ni­el, do PRS, mos­tra­ram­se con­fi­an­tes no bom sen­so do Exe­cu­ti­vo num me­lhor tra­ta­men­to dos as­sun­tos abor­da­dos.

Au­di­ên­cia

Ain­da on­tem, o pre­si­den­te da CNE te­ve um encontro com o se­cre­tá­rio da UNITA pa­ra os As­sun­tos Po­lí­ti­cos e Elei­to­rais, Ál­va­ro Chi­cu­a­mu­an­ga, com quem tam­bém abor­dou ques­tões so­bre a pre­pa­ra­ção das elei­ções.

A UNITA, dis­se Ál­va­ro Chi­cu­a­mu­an­ga, ve­ri­fi­cou ir­re­gu­la­ri­da­des nos pro­ces­sos elei­to­rais an­te­ri­o­res e não quer que os mes­mos vol­tem a ser re­gis­ta­dos nas elei­ções do pró­xi­mo ano, ra­zão pe­la qual achou opor­tu­no le­var es­sas pre­o­cu­pa­ções ao co­nhe­ci­men­to da CNE.

En­tre as ir­re­gu­la­ri­da­des no­ta­das pe­la UNITA nas úl­ti­mas elei­ções, Chi­cu­a­mu­an­ga apon­tou os atra­sos no cre­den­ci­a­men­to dos de­le­ga­dos de lis­ta, a re­co­lha de car­tões elei­to­rais e a des­lo­ca­ção das bri­ga­das sem in­for­ma­ção aos par­ti­dos po­lí­ti­cos.

A por­ta-voz da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral es­cla­re­ceu que os atra­sos ve­ri­fi­ca­dos no cre­den­ci­a­men­to de­ve­ram-se à du­pli­ci­da­de de no­mes em lis­tas de par­ti­dos po­lí­ti­cos apre­sen­ta­do à CNE, que de­pois ti­ve­ram de re­fa­zer as su­as lis­tas. Jú­lia Fer­rei­ra dis­se não ser cor­rec­ta a pro­pos­ta apre­sen­ta­da pe­lo di­ri­gen­te da UNITA de que se­ri­am os par­ti­dos po­lí­ti­cos a cre­den­ci­ar os seus de­le­ga­dos de lis­ta, ao in­vés da CNE. “To­dos os ac­tos da CNE fun­dam-se na lei e não de­ve ser ela a al­te­rá-la”, con­si­de­rou.

A co­mis­sá­ria elei­to­ral re­fu­tou a de­nún­cia da UNITA so­bre a re­co­lha de car­tões de elei­tor. “No âm­bi­to das vi­si­tas de cons­ta­ta­ção efec­tu­a­das, nun­ca se cons­ta­tou a re­co­lha de car­tões, nem si­tu­a­ções em que os ci­da­dãos não sa­bem on­de es­tão as bri­ga­das de re­gis­to elei­to­ral”, de­cla­rou.

Ain­da as­sim, Jú­lia Fer­rei­ra de­fen­deu que é uma si­tu­a­ção que de­ve ser apre­ci­a­da, nos ter­mos da lei, pri­mei­ra­men­te pe­lo Mi­nis­té­rio da Ad­mi­nis­tra­ção do Ter­ri­tó­rio, que é o de­par­ta­men­to do Exe­cu­ti­vo que tem a com­pe­tên­cia de re­a­li­za­ção do pro­ces­so elei­to­ral.

KINDALA MA­NU­EL

Por­ta-voz da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral es­cla­re­ceu que o vo­to no ex­te­ri­or tem pro­ce­di­men­to pró­prio e obe­de­ce a di­ver­sas fa­ses

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.