1926 - 2016 Fi­del Cas­tro Até sem­pre Co­man­dan­te

Jornal de Angola - - PARTADA - KUMUÊNHO DA ROSA |

Ban­dei­ras a meia has­te. Mor­reu o co­man­dan­te Fi­del. O mun­do cho­ra a morte des­te ho­mem, cu­ja gran­de­za e fir­me­za de ca­rác­ter, tor­na­ram-no me­re­ce­dor dig­no de um lu­gar en­tre as mais ilus­tres per­so­na­li­da­des da his­tó­ria uni­ver­sal.

En­quan­to vi­vo e no ac­ti­vo, Fi­del Cas­tro di­vi­diu opi­niões. Pa­ra a es­ma­ga­do­ra mai­o­ria era um su­jei­to ab­so­lu­ta­men­te ex­cep­ci­o­nal, vi­si­o­ná­rio, um li­ber­ta­dor. Na ver­da­de, Fi­del de­mons­trou sem­pre ser um ci­da­dão uni­ver­sal com pen­sa­men­to li­vre, in­do­má­vel até. Seus de­trac­to­res ja­mais to­le­ra­ram is­so.

Mes­mo de­pois de re­co­lhi­do, quan­do as su­as for­ças pa­re­ci­am ce­der ao po­der do tem­po, as su­as idei­as e pre­o­cu­pa­ções com os pro­ble­mas do mun­do mo­der­no eram se­gui­das por to­da a gen­te. Até pe­los que o odi­a­vam, ce­ga­men­te, em no­me da li­ber­da­de e da de­mo­cra­cia, pe­lo mo­do pe­cu­li­ar co­mo ex­pres­sa­va e de­fen­dia li­vre­men­te as su­as con­vic­ções.

E uma das con­vic­ções de Fi­del Cas­tro era de que os an­go­la­nos me­re­ci­am ser do­nos do seu pró­prio des­ti­no. Cla­ro que es­sa te­se de­fen­di­da na pri­mei­ra pes­soa, no apo­geu da Guer­ra Fria, em ple­na se­de das Na­ções Uni­das, va­leu-lhe mais al­guns pre­gos na sua pe­sa­da cruz.

Mas nin­guém re­cor­da de al­gum dia vê-lo re­cu­ar. Dar o di­to por não di­to. No ca­so de An­go­la, Fi­del Cas­tro foi, co­mo soe di­zer-se, es­cra­vo das su­as pa­la­vras. Co­mo bem re­fe­riu o Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos na men­sa­gem que en­de­re­çou on­tem ao Pre­si­den­te Raul Cas­tro Ruz e ao po­vo he­rói­co de Cu­ba, pela “ines­que­cí­vel con­tri­bui­ção” na de­fe­sa e ma­nu­ten­ção da so­be­ra­nia e in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al de An­go­la, na re­sis­tên­cia à agres­são do en­tão re­gi­me ra­cis­ta sul-afri­ca­no.

Es­sa re­fe­rên­cia à par­ti­ci­pa­ção de Cu­ba nes­se pe­río­do da nos­sa his­tó­ria tra­duz o mais pro­fun­do re­co­nhe­ci­men­to dos an­go­la­nos quan­to ao pa­pel de­ci­si­vo de Fi­del e do po­vo ir­mão de Cu­ba pa­ra que An­go­la lo­gras­se der­ro­tar as for­ças in­va­so­ras sul-afri­ca­nas e seus apoi­an­tes, dei­tan­do por ter­ra o pla­no ma­ca­bro do re­gi­me do apartheid de ins­ta­lar no po­der os seus ami­gos e co­la­bo­ra­do­res.

Não é se­gre­do pa­ra nin­guém que por ter de­ci­di­do apoi­ar An­go­la, num dos mo­men­tos mais crí­ti­cos do seu per­cur­so co­mo Es­ta­do so­be­ra­no e in­de­pen­den­te, Fi­del Cas­tro e Cu­ba pa­ga­ram até ho­je uma fac­tu­ra pe­sa­dís­si­ma. Não é só pela de­ci­são em si, a res­pon­der a um pe­di­do do Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to, mas por que ja­mais mos­trou qual­quer si­nal de he­si­ta­ção ou de ar­re­pen­di­men­to por ter di­to Sim Ca­ma­ra­da Ne­to.

E quan­do me re­fi­ro à pe­sa­da fac­tu­ra não fa­lo so­men­te dos enor­mes pre­juí­zos fi­nan­cei­ros que o po­vo da ilha viu so­mar aos que já vi­nha con­sen­tin­do por cau­sa de um em­bar­go eco­nó­mi­co de­cre­ta­do in­jus­ta e uni­la­te­ral­men­te por ou­tro Es­ta­do. Fa­lo de al­go mais pro­fun­do, que é o sen­ti­men­to de um co­man­dan­te que per­de, não um nem dois, mas cen­te­nas de com­ba­ten­tes na fren­te de com­ba­te, lon­ge da sua ter­ra, por uma cau­sa que ja­mais po­de­rá ser re­su­mi­da a nú­me­ros ou ci­frões.

Por cer­to, aque­les que en­con­tram al­go de no­bre e de­fen­sá­vel no en­vio de es­pe­ci­a­lis­tas pa­gos a pre­ço de ou­ro pa­ra trei­nar gru­pos (re­bel­des mais ou me­nos mo­de­ra­dos) pa­ra der­ru­bar go­ver­nos le­gí­ti­mos, ja­mais per­ce­be­rão por que mi­lha­res de com­ba­ten­tes cu­ba­nos, do mais mo­des­to sol­da­do ao ofi­ci­al de mai­or gra­du­a­ção, sem nos es­que­cer­mos de ou­tros tan­tos ci­vis, en­tre mé­di­cos e pro­fes­so­res, vi­e­ram pa­ra An­go­la, de for­ma ab­so­lu­ta­men­te vo­lun­tá­ria, sim­ples­men­te con­ven­ci­dos de que pa­ga­vam uma dí­vi­da his­tó­ri­ca com Áfri­ca.

Es­tou tam­bém re­cor­da­do das pa­la­vras do Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, em Ju­nho de 2014, em Ha­va­na, quan­do se re­cu­sou a co­lo­car as re­la­ções com Cu­ba no mes­mo ní­vel que ou­tras. Tí­nha­mos aca­ba­do de che­gar de Bra­sí­lia e re­cor­do-me bem do Che­fe de Es­ta­do, ain­da no ae­ro­por­to de Ha­va­na, res­pon­der à ques­tão co­lo­ca­da por um co­le­ga da te­le­vi­são, que es­ta­va ali pa­ra ana­li­sar jun­ta­men­te com os “nos­sos ir­mãos cu­ba­nos” to­das as for­mas pos­sí­veis de for­ta­le­cer as re­la­ções. Dis­se-o de vi­va voz e em jei­to de re­ma­te su­bli­nhou que “An­go­la e Cu­ba são paí­ses ir­mãos, com lon­ga tra­di­ção de lu­ta”.

É por es­tas e mi­lhões de ou­tras ra­zões, que a morte des­ta per­so­na­gem ím­par da his­tó­ria uni­ver­sal cons­ti­tui mo­ti­vo de pro­fun­da cons­ter­na­ção, par­ti­cu­lar­men­te pa­ra o po­vo an­go­la­no de Ca­bin­da ao Cu­ne­ne e do Mar ao Les­te. Pois bem, ban­dei­ras a meia has­te. Mor­reu o co­man­dan­te Fi­del Cas­tro Ruz.

AFP

Fi­del foi uma fi­gu­ra ím­par de trans­cen­den­te im­por­tân­cia his­tó­ri­ca que mar­cou a sua épo­ca pe­lo pa­pel que de­sem­pe­nhou no seu país e nas gran­des trans­for­ma­ções da hu­ma­ni­da­de em prol dos mais po­bres

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.