Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ma­ni­fes­ta cons­ter­na­ção

CONDOLÊNCIAS PELA MORTE DO LÍDER HISTÓRICO DA REVOLUÇÃO CUBANA

Jornal de Angola - - PARTADA -

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, con­si­de­rou on­tem Fi­del Cas­tro uma “fi­gu­ra ím­par de trans­cen­den­te im­por­tân­cia his­tó­ri­ca, que mar­cou a sua épo­ca pe­lo pa­pel que de­sem­pe­nhou no seu país e nas gran­des trans­for­ma­ções da hu­ma­ni­da­de, em prol da li­ber­da­de, jus­ti­ça so­ci­al e de­sen­vol­vi­men­to dos po­vos”. Se­gun­do um co­mu­ni­ca­do da Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, foi com pro­fun­da cons­ter­na­ção que o Che­fe de Es­ta­do te­ve co­nhe­ci­men­to da no­tí­cia da morte do histórico líder cu­ba­no. Uma de­cla­ra­ção do Bu­re­au Po­lí­ti­co do MPLA tam­bém re­cor­da o apoio de Cu­ba, atra­vés das de­ci­sões de Fi­del Cas­tro, à lu­ta pela in­de­pen­dên­cia de An­go­la, no pe­río­do da guer­ra co­lo­ni­al, e na der­ro­ta dos exér­ci­tos in­va­so­res do en­tão re­gi­me de apartheid da Áfri­ca do Sul e do ex-Zaí­re de Mo­bu­tu.

O Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos con­si­de­ra Fi­del Cas­tro uma fi­gu­ra ím­par de trans­cen­den­te im­por­tân­cia his­tó­ri­ca que mar­cou a sua épo­ca pe­lo pa­pel que de­sem­pe­nhou no seu país e nas gran­des trans­for­ma­ções da hu­ma­ni­da­de, em prol da li­ber­da­de, jus­ti­ça so­ci­al e de­sen­vol­vi­men­to dos po­vos.

Nu­ma men­sa­gem, o Che­fe de Es­ta­do ma­ni­fes­tou-se “pro­fun­da­men­te cons­ter­na­do ao to­mar co­nhe­ci­men­to do de­sa­pa­re­ci­men­to fí­si­co do Líder da Revolução Cubana e an­ti­go Pre­si­den­te de Cu­ba, co­man­dan­te Fi­del Cas­tro, ocor­ri­do sex­ta-fei­ra em Ha­va­na”. O Pre­si­den­te trans­mi­tiu tam­bém as su­as pro­fun­das condolências ao ho­mó­lo­go Raúl Cas­tro Ruz, ao Go­ver­no, ao po­vo cu­ba­no e à fa­mí­lia en­lu­ta­da, pres­tan­do a mais sen­ti­da ho­me­na­gem à ilus­tre fi­gu­ra do fa­le­ci­do Co­man­dan­te Fi­del Cas­tro.

Na men­sa­gem, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos re­cor­dou a so­li­da­ri­e­da­de que Cu­ba brin­dou à lu­ta dos po­vos co­lo­ni­za­dos, em es­pe­ci­al ao po­vo an­go­la­no, su­bli­nhan­do a ines­que­cí­vel con­tri­bui­ção da­que­le país, sob a li­de­ran­ça de Fi­del Cas­tro, na de­fe­sa e ma­nu­ten­ção da so­be­ra­nia e in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al de An­go­la, na re­sis­tên­cia à agres­são do en­tão re­gi­me ra­cis­ta sul-afri­ca­no.

Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos en­con­trou-se com Fi­del de Cas­tro em Ju­nho de 2014, na al­tu­ra da sua vi­si­ta ofi­ci­al a Cu­ba, que en­tre ou­tros ob­jec­ti­vos, ser­viu pa­ra es­tu­dar to­das as for­mas pos­sí­veis pa­ra for­ta­le­cer as re­la­ções en­tre os dois paí­ses. Na al­tu­ra, o Pre­si­den­te an­go­la­no de­po­si­tou uma co­roa de flo­res no mo­nu­men­to de ou­tro he­rói na­ci­o­nal cu­ba­no, Jo­sé Mar­ti.

Par­ti­do no po­der la­men­ta

O Bu­re­au Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do MPLA to­mou co­nhe­ci­men­to com a mai­or co­mo­ção do fa­le­ci­men­to de Fi­del Cas­tro. Nu­ma men­sa­gem po­de ler-se que “um pro­fun­do pe­sar aba­la o MPLA e o po­vo an­go­la­no, que sem­pre vi­ram ne­le um ami­go e com­pa­nhei­ro de to­das as ho­ras, cu­jo pa­pel foi de­ter­mi­nan­te pa­ra a der­ro­ta dos exér­ci­tos in­va­so­res do en­tão re­gi­me do apartheid da Áfri­ca do Sul e do ex-Zaí­re, que pre­ten­di­am im­pe­dir a pro­cla­ma­ção da In­de­pen­dên­cia de An­go­la, em 11 de No­vem­bro de 1975, e a sua con­se­quen­te con­so­li­da­ção, até aos di­as de ho­je”.

O MPLA con­si­de­ra que a evo­ca­ção do seu no­me e da sua me­mó­ria, sem­pre vi­vos no co­ra­ção do po­vo an­go­la­no, se­rá uma fon­te ines­go­tá­vel de ins­pi­ra­ção, pa­ra que o seu exem­plo de de­ter­mi­na­ção in­ter­na­ci­o­na­lis­ta e pro­gres­sis­ta te­nha con­ti­nui­da­de ao lon­go do pro­ces­so de edu­ca­ção das ge­ra­ções vin­dou­ras.

“Nes­ta ho­ra de dor e de lu­to, o Bu­re­au Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do MPLA ver­ga-se pe­ran­te a me­mó­ria do Ca­ma­ra­da Co­man­dan­te Fi­del Cas­tro e, em no­me dos mi­li­tan­tes, sim­pa­ti­zan­tes e ami­gos do Par­ti­do, en­de­re­ça à fa­mí­lia en­lu­ta­da, ao Bu­re­au Po­lí­ti­co do Co­mi­té Cen­tral do Par­ti­do Co­mu­nis­ta de Cu­ba e ao Po­vo Cu­ba­no as su­as mais sen­ti­das condolências”, lê-se na men­sa­gem.

O vi­ce-pre­si­den­te do MPLA, João Lou­ren­ço, tam­bém re­a­giu à morte de Fi­del Cas­tro e lem­brou o hu­ma­nis­mo do líder da revolução cubana. No Uí­ge, on­de cum­pre uma vi­si­ta de tra­ba­lho, o po­lí­ti­co su­bli­nhou que o mun­do per­deu um gran­de ho­mem.

“Es­ta­mos a re­a­li­zar es­te en­con­tro num dia de mui­ta tris­te­za, pela morte do Pre­si­den­te Cu­ba­no, Fi­del Cas­tro”, dis­se, pe­din­do aos par­ti­ci­pan­tes que fi­zes­sem um mi­nu­to de si­lên­cio. João Lou­ren­ço apon­tou o pa­pel que os com­ba­ten­tes cu­ba­nos de­sem­pe­nha­ram em An­go­la, re­fe­rin­do que Fi­del Cas­tro foi um gran­de de­fen­sor da hu­ma­ni­da­de, não ape­nas dos hu­mil­des e opri­mi­dos do seu país, mas de to­do o mun­do.

Com­ba­ten­tes cons­ter­na­dos

AASSOCIAÇÃO Clu­be dos Com­ba­ten­tes e Ami­gos da Ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le ma­ni­fes­tou-se cons­ter­na­da pela morte do an­ti­go Pre­si­den­te cu­ba­no. Nu­ma no­ta de condolências as­si­na­da pe­lo seu pre­si­den­te exe­cu­ti­vo, Jus­ti­no Mo­rais Da­mião, a As­so­ci­a­ção res­sal­ta as qua­li­da­des hu­ma­nas e in­te­lec­tu­ais do líder da revolução cubana, on­de se des­ta­ca a pron­ti­dão em pres­tar aju­da a ou­tros paí­ses.

“Nós, he­róis da Ba­ta­lha do Cui­to Cu­a­na­va­le, in­cli­na­mo-nos pe­ran­te a me­mó­ria do líder da Revolução Cubana, Fi­del Cas­tro, e gran­de ami­go do po­vo an­go­la­no, que atra­vés dos seus con­se­lhos ga­nhá­mos for­ças pa­ra a de­fe­sa da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al de An­go­la”, lê-se na men­sa­gem da as­so­ci­a­ção que con­gre­ga com­ba­ten­tes par­ti­ci­pan­tes nas di­ver­sas ba­ta­lhas tra­va­das em An­go­la pa­ra a de­fe­sa da in­te­gri­da­de ter­ri­to­ri­al.

Li­vro con­ta in­ter­ven­ção

O pa­pel de Fi­del de Cas­tro e de Cu­ba pa­ra a li­ber­ta­ção de An­go­la é bem con­ta­da pe­lo pro­fes­sor Pi­e­ro Glei­je­ses, da Uni­ver­si­da­de John Hop­kins, na obra “Con­flic­ting Mis­si­ons: Ha­va­na, Washing­ton and Afri­ca, 19591976” (Mis­sões em con­fli­to: Ha­va­na, Washing­ton e Áfri­ca, 19591976), pu­bli­ca­da pela edi­to­ra da Uni­ver­sity of North Ca­ro­li­na Press.

Com 576 pá­gi­nas, Pi­e­ro Glei­je­ses con­tes­ta du­as men­ti­ras pro­mo­vi­das por Washing­ton e os seus apo­lo­gis­tas du­ran­te mais de um quar­to de sé­cu­lo. Uma das men­ti­ras é a afir­ma­ção de que Washing­ton in­ter­veio em An­go­la em 1975 só de­pois de Cu­ba ter en­vi­a­do um gran­de nú­me­ro de tro­pas a es­se país a fim de apoi­ar o MPLA quan­do o país es­ta­va em vés­pe­ras da in­de­pen­dên­cia em re­la­ção a Por­tu­gal. A ou­tra é o mi­to de que não hou­ve co­la­bo­ra­ção en­tre Washing­ton e o re­gi­me do apartheid sul-afri­ca­no, en­vol­vi­do nu­ma ope­ra­ção ma­ci­ça pa­ra frus­trar a vi­tó­ria das for­ças do MPLA. A 11 de No­vem­bro de 1975, o der­ro­ta­do co­lo­ni­a­lis­mo por­tu­guês aban­do­nou a sua an­ti­ga pos­ses­são afri­ca­na em An­go­la. O MPLA con­tro­la­va a ca­pi­tal, Lu­an­da, e es­ta­va pre­pa­ra­do pa­ra for­mar um no­vo Go­ver­no. A 18 de Ju­lho des­se ano o pre­si­den­te ame­ri­ca­no Ge­rald Ford, par­tin­do da su­po­si­ção de que um Go­ver­no do­mi­na­do pe­lo MPLA não se­ria su­fi­ci­en­te­men­te ser­vil aos in­te­res­ses im­pe­ri­a­lis­tas nor­te-ame­ri­ca­nos na re­gião, au­to­ri­zou um pro­gra­ma de ope­ra­ções en­co­ber­tas pa­ra apoi­ar as for­ças que se ha­vi­am mos­tra­do mais dis­pos­tas a agra­dar a Washing­ton e seus ali­a­dos. A de­ci­são de Cu­ba en­vi­ar uns 480 ins­tru­to­res mi­li­ta­res em res­pos­ta à so­li­ci­ta­ção de aju­da da di­rec­ção do MPLA foi to­ma­da mais de um mês de­pois. Os pri­mei­ros vo­lun­tá­ri­os che­ga­ram a par­tir de Ou­tu­bro. A FNLA, com ba­se no Zaí­re e di­ri­gi­da por Hol­den Ro­ber­to, foi a prin­ci­pal be­ne­fi­ciá­ria do pro­gra­ma am­pli­a­do de ope­ra­ções de Washing­ton, mas tam­bém fo­ram in­cluí­das as for­ças mais dé­beis da UNITA com as quais a FNLA es­ta­va ali­a­da na al­tu­ra.

Os go­ver­nan­tes nor­te-ame­ri­ca­nos au­men­ta­ram em si­mul­tâ­neo a sua co­la­bo­ra­ção en­co­ber­ta com o re­gi­me do apartheid da Áfri­ca do Sul, o qual ha­via es­co­lhi­do a UNITA co­mo só­cio pre­fe­ren­ci­al. Des­de car­re­ga­men­tos de ar­mas até as­ses­so­res, mis­sões de trei­na­men­to e ope­ra­ções em pe­que­na es­ca­la no sul de An­go­la, a in­ter­ven­ção sul-afri­ca­na cres­ceu ra­pi­da­men­te a par­tir de 1975, em­pa­re­lha­da com as ac­ções de Washing­ton. A 14 de Ou­tu­bro as For­ças de De­fe­sa sul-afri­ca­nas, fa­zen­do-se pas­sar por mer­ce­ná­ri­os, en­vi­a­ram a co­lu­na “Zu­lú” em di­rec­ção ao nor­te de An­go­la, ru­mo a Lu­an­da, nu­ma ten­ta­ti­va de to­mar a ca­pi­tal an­tes da da­ta li­mi­te de in­de­pen­dên­cia de 11 de No­vem­bro. Ao mes­mo tem­po, as for­ças da FNLA, apoi­a­das por Washing­ton, avan­ça­vam pa­ra o sul a par­tir do Zaí­re com o mes­mo ob­jec­ti­vo.

As tro­pas da FNLA, apoi­a­das pe­lo im­pe­ri­a­lis­mo, fo­ram der­ro­ta­das de­ci­si­va­men­te pe­las for­ças com­bi­na­das do bra­ço mi­li­tar do MPLA re­for­ça­do por cen­te­nas de vo­lun­tá­ri­os cu­ba­nos que ha­vi­am co­me­ça­do a che­gar a Lu­an­da ape­nas 72 ho­ras an­tes da ba­ta­lha de­ci­si­va de Qui­fan­gon­do. Ali tra­va­ram o avan­ço da FNLA no dia 10 de No­vem­bro, a pou­cos qui­ló­me­tros de Lu­an­da, quan­do a ban­dei­ra por­tu­gue­sa se le­van­ta­va pela úl­ti­ma vez no Pa­lá­cio. À meia noi­te, o Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to pro­cla­mou a in­de­pen­dên­cia de An­go­la.

Uma re­la­ção de lon­ga da­ta

An­go­la e Cu­ba com­ple­ta­ram, em 15 de No­vem­bro, 41 anos des­de o es­ta­be­le­ci­men­to das re­la­ções di­plo­má­ti­cas, em 1975. Ha­vi­am de­cor­ri­do ape­nas qua­tro di­as de in­de­pen­dên­cia e era o re­sul­ta­do da vi­são de Fi­del e a fir­me­za de Ne­to na­que­les mo­men­tos di­fí­ceis, quan­do o país era in­va­di­do pe­lo nor­te e sul.

Ós­car Ora­mas, que as­si­nou com o en­tão che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na, Jo­sé Edu­ar­do dos San­tos, o es­ta­be­le­ci­men­to das re­la­ções di­plo­má­ti­cas en­tre os dois paí­ses, afir­mou que a de­ci­são de aju­dar mi­li­tar­men­te o MPLA foi to­ma­da no Pa­lá­cio da Revolução em Ha­va­na e os cu­ba­nos não pe­di­ram opi­nião ou con­sul­ta­ram al­guém.

“A te­na­ci­da­de do Co­man­dan­te­em-Che­fe Fi­del Cas­tro e do Pre­si­den­te Agos­ti­nho Ne­to não so­men­te pro­pi­ci­ou a de­cla­ra­ção de In­de­pen­dên­cia Na­ci­o­nal, mas tam­bém que qua­tro di­as de­pois se pu­des­sem ins­ti­tuir os ne­xos en­tre am­bos os paí­ses”, de­cla­rou à Pren­sa La­ti­na Ós­car Ora­mas, que foi tam­bém o pri­mei­ro em­bai­xa­dor de Ha­va­na em Lu­an­da. “Es­ses fac­tos he­rói­cos uni­ram-nos pe­ran­te a his­tó­ria”, dis­se Ora­mas, nu­ma re­por­ta­gem pu­bli­ca­da pela Pren­sa La­ti­na.

Ora­mas ex­pli­cou por que Cu­ba não foi o pri­mei­ro país a es­ta­be­le­cer re­la­ções com An­go­la. “Com­bi­ná­mos com Ne­to que, em­bo­ra o em­bai­xa­dor cu­ba­no ti­ves­se che­ga­do a Lu­an­da an­tes que os ou­tros, o re­pre­sen­tan­te do Con­go, Ben­ja­mín Boun­ku­lou, en­tre­gas­se pri­mei­ro as su­as cre­den­ci­ais. Des­ta for­ma se apre­sen­tou o Bra­sil, se­guiu-se o Con­go e de­pois Cu­ba”, ex­pli­cou.

Ge­nuí­nos la­ços de ami­za­de, fei­tos des­de a es­cra­vi­dão, fo­ram re­or­ga­ni­za­dos e con­so­li­da­dos um ano de­pois quan­do am­bas as na­ções as­si­na­ram o Acor­do Ge­ral de Co­la­bo­ra­ção e so­bre es­sa ba­se foi cons­ti­tuí­da a Co­mis­são Bi­la­te­ral In­ter­go­ver­na­men­tal.

Des­de es­sa eta­pa, Ha­va­na e Lu­an­da ajus­tam, re­no­vam e es­ta­be­le­cem no­vos com­pro­mis­sos e pro­to­co­los sec­to­ri­ais. Ho­je, Cu­ba tem mais de qua­tro mil cu­ba­nos em di­ver­sos sec­to­res, es­pe­ci­al­men­te na saú­de, com mais de 1.800 mé­di­cos e 1.400 pro­fes­so­res.

AFP

Pre­si­den­te Jo­sé Edu­ar­dos dos San­tos no mo­men­to em que era re­ce­bi­do em Ha­va­na pe­lo co­man­dan­te Fi­del Cas­tro no dia 24 de Mar­ço de 1980

JAIMAGENS

Fi­del Cas­tro e o ir­mão Raul Cas­tro com o Pre­si­den­te An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.