CARTAS DO LEITOR

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JOLCÉRIO NE­TO

Ava­li­a­ção nas es­co­las

Há mui­to que vá­ri­as vo­zes vão ape­lan­do às ins­ti­tui­ções de en­si­no so­bre a ne­ces­si­da­de de se en­con­trar um ou­tro ele­men­to de ava­li­a­ção pa­ra qua­li­fi­car o me­lhor alu­no de ca­da ano lec­ti­vo, que não se­ja ape­nas a no­ta. De­vo re­co­nhe­cer que du­ran­te uma cer­ta fa­se, es­se ele­men­to de ava­li­a­ção fun­ci­o­nou. Era pos­sí­vel en­con­trar o me­lhor alu­no de um ano lec­ti­vo em fun­ção das su­as no­tas. Na­que­la al­tu­ra, as no­tas re­pre­sen­ta­vam exac­ta­men­te a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al do alu­no. Qu­em ti­ras­se 17, 18 ou mes­mo 20 va­lo­res é por­que era mes­mo in­te­li­gen­te ou, se qui­ser­mos, bar­ra. Mas, nos di­as de ho­je, por cul­pa da fal­ta de al­gum de­sem­pe­nho es­tu­dan­til por par­te de mui­tos alu­nos, a no­ta dei­xou de ser um ele­men­to se­gu­ro pa­ra en­con­trar o me­lhor alu­no de um ano lec­ti­vo.

Ho­je, até o es­tu­dan­te que não se em­pe­nha, que pas­sa a vi­da a fa­zer as pro­vas com re­cur­so à cá­bu­la, tam­bém ti­ra 17, 18, 19 e até mes­mo 20 va­lo­res. Em es­co­las con­ser­va­do­ras, es­ses alu­nos são sub­me­ti­dos a uma pro­va oral pa­ra pro­va­rem se são mes­mo dig­nos de te­rem aque­la no­ta.

Mas, em ou­tras es­co­las, on­de não se tem es­te cui­da­do, eles pas­sam des­per­ce­bi­dos e, no fim do ano lec­ti­vo, são in­di­ca­dos co­mo o me­lhor alu­no, su­pe­ran­do, in­clu­si­ve, o es­tu­dan­te mais em­pe­nha­do da tur­ma. Is­to não es­tá cer­to. São es­ses es­tu­dan­tes que de­pois não con­se­guem se­quer pro­nun­ci­ar-se so­bre uma ma­té­ria bá­si­ca do seu cur­so, o que aca­ba por com­pro­me­ter a ins­ti­tui­ção em que se for­ma­ram. Pa­ra que es­ses fal­sá­ri­os não con­ti­nu­em a po­vo­ar as nos­sas es­co­las, é ne­ces­sá­rio que as ins­ti­tui­ções de en­si­no pas­sem a adop­tar um ou­tro mo­de­lo de ava­li­a­ção pa­ra in­di­ca­rem o me­lhor alu­no. Po­dem até usar a no­ta co­mo um de­les, mas só não per­mi­tam que a no­ta se­ja o úni­co ele­men­to in­di­ca­ti­vo pa­ra a es­co­lha do es­tu­dan­te. Sou de opi­nião que as es­co­las de­vem va­lo­ri­zar mais o mé­to­do de ava­li­a­ção con­tí­nua. Es­te é, a meu ver, o mo­de­lo mais se­gu­ro pa­ra clas­si­fi­car um es­tu­dan­te co­mo bom ou me­lhor em re­la­ção aos de­mais, na me­di­da em que, por via des­te mé­to­do, os pro­fes­so­res con­se­guem in­te­ra­gir com o es­tu­dan­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.