FUNERAL DE “EL CO­MAN­DAN­TE” A 4 DE DEZEMBRO EM SANTIAGO Cu­ba cho­ra a morte de

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

“O Co­man­dan­te-Che­fe da revolução cubana mor­reu es­ta noi­te às 22h29.” Foi as­sim que o Pre­si­den­te Raúl Cas­tro anun­ci­ou sex­ta-fei­ra a morte do histórico líder cu­ba­no Fi­del Cas­tro. 'El Co­man­dan­te' mor­reu aos 90 anos.

Uma das pes­so­as mais in­flu­en­tes no sé­cu­lo XX, e tam­bém das mais ca­ris­má­ti­cas, que mar­ca a iden­ti­da­de co­lec­ti­va de Cu­ba, Fi­del Cas­tro ti­nha fei­to os 90 anos a 13 de Agos­to e es­ta­va afas­ta­do do po­der des­de 2006, quan­do pas­sou o tes­te­mu­nho ao ir­mão Raúl. Emo­ci­o­na­do, o ir­mão mais no­vo ter­mi­nou o anún­cio da morte com a fra­se “Até à vi­tó­ria, sem­pre”.

Raúl anun­ci­ou ain­da que “con­for­me a von­ta­de ex­pres­sa pe­lo ca­ma­ra­da Fi­del, o seu cor­po se­ria cre­ma­do nas pri­mei­ras ho­ras” de on­tem.

Em Abril, Fi­del ti­nha dis­cur­sa­do no en­cer­ra­men­to do Con­gres­so do Par­ti­do Co­mu­nis­ta Cu­ba­no e fa­la­do da morte: “Em bre­ve vou fa­zer 90 anos, is­so nun­ca me ti­nha pas­sa­do pela ca­be­ça e não foi fru­to de um es­for­ço, foi ca­pri­cho da sor­te. Em bre­ve se­rei co­mo to­dos os ou­tros. A vez che­ga a to­dos, mas fi­cam as idei­as dos co­mu­nis­tas cu­ba­nos co­mo pro­va de que nes­te pla­ne­ta, se se tra­ba­lha com fer­vor e dig­ni­da­de, po­de-se pro­du­zir os bens ma­te­ri­ais e cul­tu­rais de que os se­res hu­ma­nos pre­ci­sam e de­ve­mos lu­tar sem tré­guas pa­ra os ob­ter”, dis­se Fi­del, na­que­la que foi a sua mais lon­ga in­ter­ven­ção pú­bli­ca des­de que ab­di­cou do po­der a 31 de Ju­lho de 2006.

“O tem­po pas­sa e os ho­mens da ma­ra­to­na can­sam-se”, dis­se um dia ‘El Co­man­dan­te’. “A cor­ri­da foi lon­ga, mui­to lon­ga!”

Fi­del Ale­jan­dro Cas­tro Ruz nas­ceu a 13 de Agos­to de 1926 em Bi­rán. Es­tu­dou Di­rei­to na Uni­ver­si­da­de de Ha­va­na e quan­do con­cor­ria a um lu­gar co­mo de­pu­ta­do, com 26 anos, deu-se o gol­pe de Ful­gên­cio Bap­tis­ta que sus­pen­deu as elei­ções.

Fi­del li­de­rou em 1953 o as­sal­to ao quar­tel Mon­ca­da, pe­lo qual se­ria con­de­na­do a 13 anos de pri­são, tal co­mo o ir­mão mais no­vo, Raúl. No jul­ga­men­to, pro­nun­ci­ou o fa­mo­so dis­cur­so “A his­tó­ria me ab­sol­ve­rá”. Por pres­são po­pu­lar, am­bos são exi­la­dos pa­ra o Mé­xi­co, on­de Fi­del co­nhe­ceu o ar­gen­ti­no Er­nes­to Che Gu­e­va­ra. É des­se país que lan­ça a revolução, de­sem­bar­can­do em Cu­ba no ia­te Gran­ma, a 25 de No­vem­bro de 1956 (fez no dia da sua morte 60 anos). De­pois de uma lu­ta de guer­ri­lha, en­tra vi­to­ri­o­so em Ha­va­na em 1959, as­su­min­do pri­mei­ro a che­fia do Go­ver­no e na dé­ca­da de 1970 a Pre­si­dên­cia.

Pe­lo meio, ti­nha fei­to a apro­xi­ma­ção à União So­vié­ti­ca à me­di­da que se dis­tan­ci­a­va dos Es­ta­dos Uni­dos, que a par­tir de 1960 ins­ti­tuí­ram o em­bar­go eco­nó­mi­ca a Cu­ba, que du­ra até ho­je e fez pre­juí­zos ava­li­a­dos em mais de 125 mil mi­lhões de dó­la­res. Em 1961, de­pois da fa­lha­da in­va­são em Playa Gi­rón por par­te de opo­si­to­res cu­ba­nos trei­na­dos pela CIA, Fi­del de­cla­ra o ca­rác­ter so­ci­a­lis­ta da revolução cubana. Fi­del so­bre­vi­veu a 634 ten­ta­ti­vas de as­sas­si­na­to por par­te da CIA. “Se so­bre­vi­ver a ten­ta­ti­vas de as­sas­si­na­to fos­se uma mo­da­li­da­de olím­pi­ca, eu te­ria ga­nho a me­da­lha de ou­ro”, dis­se Fi­del.

A con­vi­te do Press Club, Fi­del fez uma vi­si­ta sur­pre­sa aos Es­ta­dos Uni­dos. À fren­te de uma “co­mi­ti­va de bar­bu­dos” hos­pe­da-se no ho­tel Te­re­sa, no bair­ro no­vai­or­qui­no de Har­lem. Por lá pas­sam o Pre­si­den­te egíp­cio Ga­mal Ab­del Nas­ser, o pri­mei­ro-mi­nis­tro in­di­a­no Jawaha­ri­al Neh­ru e o ac­ti­vis­ta ne­gro Mal­com X. O vi­ce-pre­si­den­te Ri­chard Ni­xon re­ce­be-o, mas não o Pre­si­den­te Dwight Ei­se­nhower, que se des­cul­pa com uma par­ti­da de gol­fe.

Gran­des mu­dan­ças têm si­do fei­tas até ho­je em Cu­ba des­de me­a­dos de 2006, sob a li­de­ran­ça de Raúl Cas­tro, de­vi­do à do­en­ça de Fi­del. Sem per­der a ide­o­lo­gia e a es­tru­tu­ra so­ci­a­lis­ta, a Ilha es­tá a em­pre­en­der re­for­mas eco­nó­mi­cas e a apro­xi­mar-se dos EUA, com qu­em, com a me­di­a­ção do Pa­pa Fran­cis­co, re­a­tou re­la­ções di­plo­má­ti­cas em Ju­lho de 2015. No úl­ti­mo ano, mi­lha­res de tu­ris­tas nor­te-ame­ri­ca­nos vi­si­ta­ram a Ilha e o iní­cio dos vo­os re­gu­la­res com Cu­ba de­ve le­var ain­da mais à Pé­ro­la das Ca­raí­bas, pos­si­bi­li­tan­do um cres­ci­men­to da eco­no­mia cubana.

Re­ti­ra­do do po­der des­de 2006, Fi­del exer­cia con­tu­do uma es­pé­cie de pe­so mo­ral so­bre a so­ci­e­da­de cubana. “Fi­del é ou­vi­do em re­la­ção a to­das as de­ci­sões im­por­tan­tes”, di­zia em fi­nais de 2011 o líder do Par­la­men­to, Ri­car­do Alar­cón. El Co­man­dan­te par­ti­lha­va a sua opi­nião atra­vés de de­ze­nas de “re­fle­xões” que pu­bli­ca­va re­gu­lar­men­te na im­pren­sa ofi­ci­al cubana até há dois anos e meio, quan­do as men­sa­gens se tor­na­ram mais es­pa­ça­das.

Nu­ma car­ta pu­bli­ca­da nos me­dia es­ta­tais cu­ba­nos em Agos­to, por oca­sião dos seus 90 anos, Fi­del agra­de­ceu ao po­vo de Cu­ba pe­lo “res­pei­to” que lhe ti­nham. O líder da revolução cubana con­se­guiu sem­pre man­ter a sua vi­da pri­va­da se­pa­ra­da dos olha­res pú­bli­cos.

Fi­del tam­bém so­freu nos úl­ti­mos tem­pos com a morte de gran­des ami­gos, es­pe­ci­al­men­te a do Pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no Hu­go Chá­vez, o prin­ci­pal par­cei­ro da ilha no sé­cu­lo XXI, que acon­te­ceu em 5 de Mar­ço de 2013, aos 58 anos, após uma lon­ga ba­ta­lha con­tra um can­cro.

“O me­lhor ami­go que o po­vo cu­ba­no te­ve ao lon­go da sua his­tó­ria”, de­fi­niu Fi­del so­bre Chá­vez em ar­ti­go após a sua morte. Fi­del tam­bém viu a par­ti­da de um dos lí­de­res in­ter­na­ci­o­nais mais ca­ris­má­ti­cos do sé­cu­lo XX, a do an­ti­go Pre­si­den­te sul-afri­ca­no Nel­son Man­de­la, com qu­em te­ve uma re­la­ção de ami­za­de e ad­mi­ra­ção mú­tua, e que ocor­reu em Dezembro de 2013.

E na­da fá­cil foi pa­ra ele a per­da, em Abril de 2014, de Ga­bri­el Gar­cía Már­quez, o uni­ver­sal es­cri­tor co­lom­bi­a­no que es­te­ve li­ga­do ao ex-Pre­si­den­te cu­ba­no por uma ami­za­de que du­rou dé­ca­das.

No­ve di­as de lu­to

Cu­ba de­cre­tou on­tem no­ve di­as de lu­to na­ci­o­nal pe­lo óbi­to do líder histórico Fi­del Cas­tro e anun­ci­ou que o funeral vai re­a­li­zar-se a 4 de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.