Áfri­ca gra­ta a Fi­del

Jornal de Angola - - OPINIÃO - JO­SÉ RIBEIRO |

A gra­ti­dão afri­ca­na a Cu­ba, re­a­fir­ma­da a pro­pó­si­to da morte de Fi­del Cas­tro, ex­po­en­te ím­par da ver­da­dei­ra so­li­da­ri­e­da­de com Áfri­ca, tem uma re­la­ção for­te com a li­ber­ta­ção das in­jus­ti­ças his­tó­ri­cas a que o con­ti­nen­te es­te­ve su­jei­to du­ran­te sé­cu­los, e que al­guns tei­mam em ig­no­rar.

A gra­ti­dão dos po­vos afri­ca­nos re­si­de no exem­plo pro­fun­da­men­te hu­ma­no da­do por Fi­del. Cu­ba en­vi­ou pa­ra An­go­la os me­lho­res dos seus me­lho­res fi­lhos no mo­men­to pre­ci­so em que se de­ci­dia se o con­ti­nen­te afri­ca­no clau­di­ca­ria de vez pe­ran­te o co­lo­ni­a­lis­mo e a se­gre­ga­ção ra­ci­al co­mo sis­te­ma de do­mi­na­ção po­lí­ti­ca ou se, pe­lo con­trá­rio, se se ba­te­ria co­ra­jo­sa­men­te pela sua dig­ni­da­de. Ne­nhum ou­tro país o fez co­mo o país de Fi­del.

Es­te é um ele­men­to im­por­tan­te de dis­tin­ção so­bre qu­em sem­pre de­fen­deu ou não os di­rei­tos hu­ma­nos. A aju­da cubana a Áfri­ca deu­se em har­mo­nia com os gran­des ide­ais mo­rais de igual­da­de que mar­ca­ram a revolução vi­to­ri­o­sa li­de­ra­da por Fi­del. Mas mes­mo em for­ma de re­gi­me po­lí­ti­co ins­ti­tuí­do, ne­nhum país do Ter­cei­ro Mun­do re­du­ziu tan­to os ní­veis de po­bre­za e as de­si­gual­da­des so­ci­ais co­mo a Ilha de Fi­del. Os pri­mei­ros in­ter­na­ci­o­na­lis­tas que che­ga­ram em 1975 a An­go­la eram ho­mens e mu­lhe­res al­ta­men­te qua­li­fi­ca­dos e de uma cons­ci­ên­cia mo­ral avan­ça­da, não al­guém que se fa­zia con­du­zir pe­lo lu­cro fi­nan­cei­ro ou pela vai­da­de pes­so­al.

Qu­em vi­veu in­ten­sa­men­te a en­cru­zi­lha­da da­que­la épo­ca, os mo­men­tos da in­de­pen­dên­cia de An­go­la e da che­ga­da dos in­ter­na­ci­o­na­lis­tas cu­ba­nos, sa­be que as­sim foi, de fac­to. Mi­lha­res de vi­das hu­ma­nas fo­ram sal­vas gra­ças à aju­da mi­li­tar de Cu­ba. Quan­do tu­do es­ta­va já em de­ses­pe­ro e da­do co­mo per­di­do pa­ra tra­var o avan­ço das for­ças do apartheid so­bre Lu­an­da – bas­tião da li­ber­da­de que o po­vo es­ta­va de­ter­mi­na­do a de­fen­der a to­do o cus­to – a de­ci­são de Cu­ba em en­vi­ar um con­tin­gen­te de com­ba­ten­tes pa­ra An­go­la aju­dou a re­por o equi­lí­brio das coi­sas. A jus­te­za da de­ci­são foi con­fir­ma­da pe­lo que se veio a ve­ri­fi­car a se­guir: de­zas­se­te anos de­pois foi pos­sí­vel ter paz e re­a­li­zar elei­ções li­vres. Ape­nas Jo­nas Sa­vim­bi, ser­vi­dor do apartheid, con­se­guiu es­tra­gar tu­do.

Fa­ce à de­so­ri­en­ta­ção de Por­tu­gal e das po­tên­ci­as mun­di­ais, o ges­to de Fi­del foi um im­por­tan­te fac­tor de dis­ten­são, por­que o de­sen­ten­di­men­to en­tre an­go­la­nos era ati­ça­do por gen­te aven­tu­rei­ra e os in­te­res­ses ex­ter­nos em jo­go eram con­fli­tu­an­tes. E se Cu­ba ti­ves­se va­ci­la­do e a apos­ta na in­ter­ven­ção fa­lha­do, o mun­do te­ria as­sis­ti­do a fac­tos de uma gra­vi­da­de ex­tre­ma. Te­ría­mos pre­sen­ci­a­do mas­sa­cres mai­o­res aos que as SADF, a Sul, e os mer­ce­ná­ri­os ali­a­dos ao Exér­ci­to do di­ta­dor Mo­bu­tu Se­se Se­ko, a Nor­te, re­a­li­za­ram pe­lo ter­ri­tó­rio an­go­la­no até à sua ex­pul­são de­fi­ni­ti­va, em Mar­ço de 1976. Se, sem a aju­da de Fi­del, ti­ves­se si­do que­bra­da a de­fe­sa an­go­la­na de Ki­fan­gon­do e do Sum­be, cons­ti­tuí­da no iní­cio ape­nas por guer­ri­lhei­ros na­ci­o­nais ain­da sem a ne­ces­sá­ria pre­pa­ra­ção pa­ra a guer­ra con­ven­ci­o­nal, a in­de­pen­dên­cia an­go­la­na te­ria si­do afo­ga­da em san­gue e ca­tás­tro­fes mai­o­res do que Kas­sin­ga, em 1978, e Mos­sul ou em Alep­po, ac­tu­al­men­te, te­ri­am ocor­ri­do.

Além de tra­var o ris­co de um mas­sa­cre em gran­de es­ca­la em Lu­an­da, a en­tra­da de Cu­ba e de Fi­del em ce­na alar­gou a re­de de so­li­da­ri­e­da­de in­ter­na­ci­o­nal e im­pe­diu que o co­lo­ni­a­lis­mo e o sis­te­ma de apartheid re­cu­pe­ras­sem dos re­ve­zes so­fri­dos em An­go­la e em Mo­çam­bi­que, após a Revolução dos Cra­vos em Por­tu­gal.

Os ver­da­dei­ros afri­ca­nos es­ta­rão, por is­so, sem­pre gra­tos a Fi­del.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.