Es­te len­ço azul e bran­co

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Pa­ra Pe­dro Pe­ral­ta (Cu­ba, Ju­lho de 1976) Santiago tem co­li­nas mui­to ver­des

E um des­ti­lar de sol que sa­be a rum

Tão per­to e tão dis­tan­tes dos ian­ques

Em Santiago che­gam sem­pre pla­ní­ci­es

Ca­na­vi­ais pen­te­a­dos pe­lo ven­to can­ções on­tem Em­be­be­da­do de vo­zes e

E Gu­an­ta­na­me­ra é uma me­lo­dia tam­bém ver­de mui­to ver­de

Sem­pre no­va co­mo Mar­tí, Fi­del e as plan­ta­ções. Mas há mais co­res nas co­res de Santiago Quan­do em Mon­ca­da de Es­ti­ver­mos ho­je Há es­ta es­pé­cie de tra­go Du­ro Que pa­ra os ian­ques Qu­er di­zer fu­tu­ro Quan­do es­ti­ver­mos ho­je em Santiago Em 26 de Ju­lho De len­ço azul e bran­co Em to­do o la­do. Es­ta dis­tân­cia tão per­to e lon­ge da Amé­ri­ca

Per­cor­re-se no fu­mo de um cha­ru­to

Mais per­to é ver o mar en­quan­to lon­ge

Se pen­sa o con­ti­nen­te co­mo um pol­vo

Mais lon­ge são os ban­quei­ros de cha­ru­to

En­quan­to em Santiago fu­ma o po­vo.

Mas Santiago não co­nhe­ce mar e con­ti­nen­te

Por­que a ilha per­cor­re o mun­do in­tei­ro

Co­mo um len­ço azul e bran­co a na­ve­gar

Que tem sem­pre no le­me um pi­o­nei­ro.

Santiago em 26 é sem­pre car­na­val Em Santiago Um car­na­val con­trá­rio à ge­o­gra­fia

“Pá­tria ou mu­er­te ven­ce­re­mos” “A vi­tó­ria é cer­ta”

Tan­to faz Lu­an­da ou Santiago ou Santiago em Lu­an­da

Por­que de Lu­an­da to­dos os ho­mens es­ti­ve­ram em Mon­ca­da

E de Mon­ca­da to­das as mu­lhe­res es­ti­ve­ram em Lu­an­da

On­de to­das as cri­an­ças es­ti­ve­ram em Mon­ca­da

Com mui­tas mãos e bo­cas e can­ta­res.

Eu não me des­pe­di de Santiago

Que nin­guém se des­pe­de do fu­tu­ro

Ace­nei ape­nas si­em­pre”

Com es­te len­ço azul e bran­co sem­pre “has­ta ma­nu­el rui

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.